Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Músicas no Enem

No description
by

gracia coimbra

on 9 May 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Músicas no Enem

De certa maneira, a música é uma forma de manifestação cultural, pois traz nas letras assuntos variados, mas que fazem críticas aos problemas sociais, cultuam religiões
Panis Et Circenses
Os Mutantes

Eu quis cantar
Minha canção iluminada de sol
Soltei os panos sobre os mastros no ar
Soltei os tigres e os leões nos quintais
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer

Mandei fazer
De puro aço luminoso um punhal
Para matar o meu amor e matei
Às cinco horas na avenida central
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer


Nos anos sessenta, o que estava em alta no Brasil era a Bossa Nova, música que trazia um lado romântico, mas que na maioria trazia críticas ao governo da época (ditadura militar).
Músicas no Enem

Instrumento de divulgação cultural,
Disseminação de ideias e de ideais,
Abordagem das artes de um modo geral
Transposição do mundo imaginativo de crianças, jovens e adultos


Ouvir música não é simplesmente escutar, mas conseguir interpretar suas idéias, a própria melodia, e fazer com que esses conceitos ajudem a formar uma determinada opinião acerca dos assuntos tratados.
“Com tantas drogas por que só o seu cachimbo é proibido?”

O Pensador quer mostrar que a violência e uso de drogas chegaram a um ponto muito maior do que o uso da maconha. Hoje, morrem pessoas vítimas do álcool e do cigarro, drogas legais, mas que, assim como a maconha, geram violência.

Eu Quero É Botar Meu Bloco Na Rua
Sérgio Sampaio

Há quem diga que eu dormi de touca
Que eu perdi a boca, que eu fugi da briga
Que eu caí do galho e que não vi saída
Que eu morri de medo quando o pau quebrou

Há quem diga que eu não sei de nada
Que eu não sou de nada e não peço desculpas
Que eu não tenho culpa, mas que eu dei bobeira
E que Durango Kid quase me pegou


Eu quero é botar meu bloco na rua
Brincar, botar pra gemer
Eu quero é botar meu bloco na rua
Gingar, pra dar e vender


Eu, por mim, queria isso e aquilo
Um quilo mais daquilo, um grilo menos disso
É disso que eu preciso ou não é nada disso
Eu quero é todo mundo nesse carnaval...

Eu quero é botar meu bloco na rua
Brincar, botar pra gemer
Eu quero é botar meu bloco na rua
Gingar, pra dar e vender
Eu quero é botar meu bloco na rua – Sérgio Sampaio
Intérprete – Sérgio Sampaio

Compositor – Sérgio Sampaio

Ano de divulgação – 1972

Álbum – Eu quero é botar meu bloco na rua

letra e música - http://letras.mus.br/sergio-sampaio/236958/

“Eu quero é todo mundo nesse carnaval…”
Mandei plantar
Folhas de sonho no jardim do solar
As folhas sabem procurar pelo sol
E as raízes procurar, procurar

Mas as pessoas na sala de jantar
Essas pessoas na sala de jantar
São as pessoas da sala de jantar
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer
Panis Et Circensis – Os Mutantes
Intérprete – Os Mutantes

Compositores – Caetano Veloso e Gilberto Gil

Ano de divulgação – 1968

Álbum – Tropicália ou Panis Et Circensis

letra e música - http://letras.terra.com.br/mutantes/47544/

“Mas as pessoas na sala de jantar são ocupadas em nascer e morrer”
A canção Panis Et Circensis,
universalizou a linguagem da música popular brasileira com a introdução da guitarra elétrica, do rock psicodélico e das correntes jovens do mundo na época.
Foi a união do pop, com o psicodelismo e a estética que deram à música brasileira uma essência que influenciou toda a cultura nacional.
Em cada época vemos um tipo de música que se evidencia, onde os problemas sociais e culturais aparecem nas mesmas, de acordo com o tempo vivido.
Um homem também chora (Guerreiro Menino) – Gonzaguinha
Intérprete – Gonzaguinha
Compositor – Gonzaguinha
Ano de divulgação – 1983
Álbum – Alô, Alô Brasil

letra e música -http://letras.terra.com.br/gonzaguinha/250255/
“Não dá pra ser feliz, não dá pra ser feliz…”
Um Homem Também Chora (Guerreiro Menino)
Gonzaguinha

Um homem também chora
Menina morena
Também deseja colo
Palavras amenas

Precisa de carinho
Precisa de ternura
Precisa de um abraço
Da própria candura

Guerreiros são pessoas
Tão fortes, tão frágeis
Guerreiros são meninos
No fundo do peito

Precisam de um descanso
Precisam de um remanso
Precisam de um sono
Que os tornem refeitos

É triste ver meu homem
Guerreiro menino
Com a barra do seu tempo
Por sobre seus ombros


u vejo que ele berra
Eu vejo que ele sangra
A dor que tem no peito
Pois ama e ama...

Um homem se humilha
Se castram seu sonho
Seu sonho é sua vida
E vida é trabalho

E sem o seu trabalho
O homem não tem honra
E sem a sua honra
Se morre, se mata

Não dá pra ser feliz
Não dá pra ser feliz


Não dá pra ser feliz
Não dá pra ser feliz
Não dá pra ser feliz
Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores
Geraldo Vandré

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer


Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição
De morrer pela pátria
E viver sem razão


Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer
Identificamos analogias, citações, adaptações e intertextualidades em geral, as quais ilustram o conteúdo poético das canções
Flor da Idade
Chico Buarque

A gente faz hora, faz fila na vila do meio dia
Pra ver Maria
A gente almoça e só se coça e se roça e só se vicia
A porta dela não tem tramela
A janela é sem gelosia
Nem desconfia
Ai, a primeira festa, a primeira fresta, o primeiro amor

Na hora certa, a casa aberta, o pijama aberto, a família
A armadilha
A mesa posta de peixe, deixe um cheirinho da sua filha
Ela vive parada no sucesso do rádio de pilha
Que maravilha
Ai, o primeiro copo, o primeiro corpo, o primeiro amor

Vê passar ela, como dança, balança, avança e recua
A gente sua
A roupa suja da cuja se lava no meio da rua
Despudorada, dada, à danada agrada andar seminua
E continua
Ai, a primeira dama, o primeiro drama, o primeiro amor

Carlos amava Dora que amava Lia que amava Léa que amava Paulo que amava Juca que amava Dora que amava
Carlos amava Dora que amava Rita que amava Dito que amava Rita que amava Dito que amava Rita que amava
Carlos amava Dora que amava Pedro que amava tanto que amava a filha que amava Carlos que amava Dora que amava toda a quadrilha
Quadrilha
Carlos Drummond de Andrade

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história
Admirável Chip Novo - Pitty


Pane no sistema alguém me desconfigurou
Aonde estão meus olhos de robô?
Eu não sabia, eu não tinha percebido
Eu sempre achei que era vivo
Parafuso e fluído em lugar de articulação
Até achava que aqui batia um coração
Nada é orgânico é tudo programado
E eu achando que tinha me libertado
Mas lá vem eles novamente, eu sei o que vão fazer:
Reinstalar o sistema

Pense, fale, compre, beba
Leia,vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga
Tenha, more, gaste, viva

Pense, fale, compre, beba
Leia,vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga

Não senhor, Sim senhor, Não senhor, Sim senhor


Link: http://www.vagalume.com.br/pitty/admiravel-chip-novo.html#ixzz2wTGPpOB6
exercício 6
EXERCÍCIO 2
EXERCÍCIO 3
EXERCÍCIO 4
EXERCÍCIO 5
EXERCÍCIO 7

EXERCÍCIO 3
EXERCÍCIO 4
EXERCÍCIO 8
EXERCÍCIO 9
EXERCÍCIO 10
EXERCÍCIO 8
EXERCÍCIO 9
- identificar o nome do autor e a época em que ela foi escrita.
- relacionar os acontecimentos históricos da época com os temas que estão sendo pedidos na questão.
- criar conexões com os outros textos.

MÚSICA
COMO INTERPRETAR
Samba da Minha Terra
Dorival Caymmi

O samba da minha terra deixa a gente mole
quando se canta todo mundo bole, quando se canta todo mundo bole

Eu nasci com o samba e no samba me criei
do danado do samba nunca me separei

O samba da minha terra deixa a gente mole
quando se canta todo mundo bole, quando se canta todo mundo bole

Quem não gosta do samba bom sujeito não é
Ou é ruim da cabeça ou doente do pé

O samba da minha terra deixa a gente mole
quando se canta todo mundo bole, quando se canta todo mundo bole

Eu nasci com o samba no samba me criei
e do danado do samba nunca me separei

O samba da minha terra deixa a gente mole
quando se canta todo mundo bole, quando se canta todo mundo bolea
questões do Enem são de múltipla-escolha. O candidato deve assinalar a resposta correta entre as opções A, B, C, D e E usando, para isso, cinco habilidades comuns a todas as provas:

Dominar linguagens
Compreender fenômenos
Enfrentar situações-problema
Construir argumentação
Elaborar propostas
EXERCÍCIO 2
EXERCÍCIO 3
EXERCÍCIO 4
EXERCÍCIO 5
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Full transcript