Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

RELAÇÃO PAI-BEBÊ: ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A INTERAÇÃO DE P

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of RELAÇÃO PAI-BEBÊ: ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A INTERAÇÃO DE P

RELAÇÃO PAI-BEBÊ: ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A INTERAÇÃO DE PAIS COM SEUS FILHOS E SUA INFLUÊNCIA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DO BEBÊ
Objetivos
GERAL
Método
10 a 15 pais de bebês participantes do projeto com bebês nas clínicas-escola da Unesp - Bauru e da UFGD.
Método

Considerando ser uma pesquisa que envolve seres humanos, o mesmo deverá ser encaminhado e aprovado pelo Comitê de Ética da Faculdade de Ciências da UNESP, Bauru, SP, iniciando sua aplicação a partir da aprovação do comitê, respeitando as normas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Saúde (CONEP, 2012).


Prevê-se um estudo qualitativo buscando responder a questões específicas dificilmente observadas por meio de estudos quantitativos.
O estudo qualitativo visa responder a inquietações bastante específicas e pode ser definida como qualquer tipo de pesquisa que forneça resultados ainda não alcançados pela pesquisa quantitativa ou estatística (Pinho, 2012).

Obrigada!
Introdução
Existe, atualmente, um crescimento nos estudos sobre a relação entre a mãe e seu bebê demonstrando a importância desta para o desenvolvimento da criança e as consequências quando o vínculo não é presente (RODRIGUES, ALTAFIM E SCHIAVO, 2011; SEIDL-DE-MOURA, 2007; SAPIENZA E PEDROMÔNICO, 2005). Sapienza E Pedromômico (2005) e Pinho (2012) apontam ainda alguns fatores de risco ao desenvolvimento infantil tais como mãe solteira, relacionamento instável e a pobreza. Diante de tal análise percebe-se uma lacuna no que diz respeito à relação entre o pai e o eu filho para melhor compreensão das questões de contribuem para o desenvolvimento da criança, havendo no Brasil poucos estudos relacionados à temática.

Estudar a relação entre o pai e seu bebê correlacionando a questões
sócio econômicas e à escolaridade dos pais.

ESPECÍFICOS
Caracterizar estilos parentais de pais de bebês até um ano de idade;
Avaliar o desenvolvimento dos bebês;
Correlacionar variáveis sócio demográficas com dados de desenvolvimento dos bebês;
Correlacionar variáveis da escolaridade dos pais com dados do desenvolvimento dos bebês;
Comparar as crenças paternas em relação ao estilo parental e o desenvolvimento do bebê.
Referências
ALHUSEN, J. L. A literature update on Maternal-Fetal Attachment. JOGNN, v. 37, 2008, p. 315-328.
AULAGNIER, P. Nacimiento de un cuerpo, origen de uma historia. In Luis Hornstein (Org.), Cuerpo, historia, interpretación. Buenos Aires: Paidós, 1994, p. 117-170.

AULAGNIER, P. Um intérprete em busca de sentido. São Paulo: Escuta, 1990.

BUCCINI, Gabriela dos Santos; TULHA, Marina Lúcia Pereira de Almeida. Maternagem: estratégia de prevenção em saúde para formação de sujeitos saudáveis. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 20, n. 6, p. 203-6, jul./set. 2011.

CONEP. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em 18 out. 2013.

GERZI, S.; BERMAN, E. (1981). Emotional reactions of expectant fathers to their wives’ first pregnancy. British Journal of Medical Psychology, v. 54, n. 3, 1981, p. 259-265.

LEBOVICI, S. Paternidade. In Costa & Katz (orgs.), Dinâmica das relações conjugais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. p. 41-61.

MARTINS, G. D. F. et al. Construção e validação da Escala de Crenças Parentais e Práticas de Cuidado (E-CPPC) na primeira infância. Psico-USF (Impr.), Itatiba , v. 15, n. 1, Apr. 2010.

OLIVEIRA, A. A.; MACEDO, V. S.; SERRANO, H. M. S. Fatores De Risco Para Desnutrição Infantil. Revista Digital de Nutrição, Ipatinga, v. 3, n. 4, p. 384-395, fev./jul. 2009.

OLIVEIRA-MONTEIRO, N. R. Perfis de Adolescentes Mães Após Três Anos e Meio do Nascimento do Bebê: Seguimento Longitudinal de Estudo Psicossocial. Interação em Psicologia, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 291 - 297, 2008.

OTTA, E. O sorriso e seus significados. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

PARKE, R. D. Fatherhood. London: Harvard University Press, 1996

PICCININI, C. A.; SILVA, M. R.; GONÇALVES, T. R.; LOPES, R. S. (2004). O Envolvimento Paterno Durante a Gestação. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n. 3, 2004, p. 303-314.

PINHO, A. M. S. Compreendendo a vivência de pais frente à amamentação. Botucatu, 2012. Dissertação (Mestrado em Medicina) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina de Botucatu.

PIO, D. A. M. Vivências e Repercussões Psíquicas da Mulher na Gestação de Risco: um estudo sobre a Pré-eclâmpsia e o Vínculo materno-filial. Botucatu, São Paulo, 2013. Dissertação (Mestre em Medicina) – Programa de Pós-Graduação em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”- UNESP, 2012.

ROBSON, K. S.; KUMAR, R. (1980). Delayed onset of maternal affection after childbirth. British Journal of Psychiatry, v. 136, 1980, p. 347-353.

RODRIGUES, O. M. P. R.; ALTAFIM, E. R. P.; SCHIAVO, R. A. Práticas parentais de mães adultas e adolescentes com bebês de um a doze meses. Aletheia, Canoas , n. 34, abr. 2011 .

RODRIGUES, O. M. P. R.; ALTAFIM, E. R. P.; SCHIAVO, R. A.; VALLE, T. G. M. Estilos e práticas parentais de mães adolescentes: um programa de intervenção. Pediatria Moderna , São Paulo, 2011.

SALMELA-ARO, K.; NURMI, J.; SAISTO, T.; HALMESMÃKI, E. (2000). Women’s and men’s personal goals during the transition to parenthood. Journal of Family Psychology, v. 14, n. 2, 2000, p. 171-186.

SAPIENZA, G.; PEDROMÔNICO, M. R. M. Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicologia em Estudo, v. 10, n.2, 2005, p. 209-216.

SEIDL-DE-MOURA, M. L.; RIBASB, A. F. P.; SEABRA, K. C.; PESSÔA, L. F.; NOGUEIRA, S. E.; MENDESA, D. M. L. F., ROCHA, S. B.; VICENTE, C. C. Interações Mãe-Bebê de Um e Cinco Meses: Aspectos Afetivos, Complexidade e Sistemas Parentais Predominantes. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 21, n. 1, 2008, 66-73.

TAYLOR, A.; ADAMS, D.; DORÉ, C.; KUMAR, R.; GLOVER, V. Mother-baby bonding: Correlations with early mood and methods of delivery. Em prensa.

WILLIAMS, L.A.; AIELLO, A.L.R. Inventário Portage Operacionalizado. São Paulo: Editora Mennon, 2001.
Participantes e Local:
Instrumentos:
• Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE);
• Protocolo de Observação da Interação Mãe-Bebê 0-6 (POIMB 0-6);
• Entrevista semi-estruturada com questões sócio demográficas;
• Inventário de Estilos Parentais para Mães de Bebês, adaptado de Gomide, 2006;
• Escala de Crenças Parentais e Práticas de Cuidado (E-CPPC), de Martins e col., 2010;
• Inventário Portage Operacionalizado, de Williams e Aiello (2001);

Considerações Éticas
Considerações Metodológicas
Full transcript