Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

PSICOPATOLOGIA PARAFILIAS

No description
by

Ciça Faria

on 13 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PSICOPATOLOGIA PARAFILIAS

Trabalho realizado por:
Alessandra Andrade
Ana Paula Xavier
Márcia Stafford
Maria C. Sene Faria
Rosicléia Satto
Apresentação
Escolhemos esse tema, por ser bastante controverso e muito polêmico, devido ao fato de muitas pessoas não terem conhecimento a respeito do mesmo e sua possível anormalidade, sendo que em algumas culturas, em diversos países, as parafilias são consideradas normais. Dentro dessas anomalias sexuais, procuramos destacar algumas que julgamos mais relevantes, pois traz um grande impacto na sociedade. Procuramos com esse trabalho descrever as possíveis causas, e os principais tratamentos para essas perversões. Esse trabalho foi baseado no DSM-V, artigos científicos, e livros, tornando o trabalho mais cientifico.
O que é parafilia
Atitudes sexuais diferentes daquelas aceitas pela sociedade, sendo que as pessoas que as praticam não tem atividade sexual normal.

Pedofilia
Sadismo
Sadismo é a necessidade de se sentir no controle. Para isso o sadista precisa provocar sofrimentos no outro, machucando e humilhando, para sentir o prazer.
Se o outro não demonstrar desconforto ou mostrar que esta “gostando” do que está sendo feito, geralmente o sadista perde o interesse na pessoa.
Masoquismo
O uso intenso de
pornografia envolvendo o ato de ser humilhado, espancado, amarrado, ou vitma de qualquer outro tipo de sofrimento.
O masoquismo geralmente é associado ao sadismo

Hipoxifilia
Uma forma particularmente perigosa de
masoquismo, na qual a pessoa tenta intensificar o estímulo sexual pela
privação de oxigênio.
Essa excitação sexual pela privação de oxigênio pode ser obtida por meio de compressão torácica, garrotes, ataduras, sufocação com saco plástico, máscara ou substância química, podendo ocorrer mortes acidentais. (Estud. psicanal.  n.32 Belo Horizonte nov. 2009).

Necrofilia
A necrofilia é uma parafilia na qual a pessoa
sente necessidade em se relacionar sexualmente com pessoas mortas, existindo três tipos de necrofilia:

Necrofilia:
A mais comum é aquela em que o
paciente simplesmente se relaciona com cadáveres.
Necrofilia homicida:
Quando pessoa mata outra para manter relação com o corpo.
Necrofilia fantasiada:
Quando a pessoa não chega a consumir o ato, porem se excita ao imaginar.

Segundo alguns psiquiatras essa patologia surgi provavelmente
por algum problema na infância e traumas passado pela questão sexual, e geralmente está associada com outra psicopatologia. A maioria dos casos envolvendo essa parafilia ocorre com agentes funerários, que procuram consciente ou inconscientemente esses lugares para facilitar o acesso aos corpos.

Possíveis Causas
Zoofilia
Zoofilia é o envolvimento sexual de humanos com animais. A falta de aceitação é devido ao fato de os animais não possuirem a escolha racional e nem a maturidade de se relacionar ou não, mesmos motivos que criminalizam o estupro e a pedofilia. Não é feita exclusivamente por homens, muitas mulheres são adeptas desse comportamento sexual. É uma prática que é vista com certa naturalidade entre algumas pessoas que vivem em zonas rurais. Muitos defendem a zoofilia como uma simples manifestação de ternura aos animais.

A zoofilia é definida como uma perversão sexual humana, causada por transtornos neuróticos, rudez, insensibilidade e grosseria e não correspondência do indivíduo a um amor de um parceiro humano. Há quem diga que a zoofilia não é uma doença, e sim uma questão cultural, há casos de crianças que moram na fazenda e têm iniciação sexual com animais.

Possíveis Causas
Prática que consiste no prazer em apenas espiar, observar o outro nu ou no ato sexual, sem participar e sem que o outro saiba disso.
Esse ato de observar acontece, na maioria das vezes, porque o observador tem algum desejo sexual sobre o observado.
Olhar e fantasiar é saudável e natural, mas quando existe um comportamento doentio e sofrimento emocional envolvido ou seja, o voyeur sofre por se sentir escravo desse prazer.

Voyeurismo
Embora a causa exata do voyeurismo ainda permaneça
desconhecida
, a mais comum afirma que o voyeurismo em homens é resultado do
aumento dos níveis de testosterona.
Em alguns casos, o comportamento começa por
abuso infantil ou disfunção familiar.
Em outros, o comportamento pode decorrer de uma
observação acidental
ou pessoas se envolvendo em atividades sexuais. Um indivíduo com essa doença pode não controlar seus impulsos sexuais e nem ter nenhum desejo de fazê-lo. Voyeurismo tende a ser uma condição crônica, que geralmente se torna a principal forma de prazer sexual de um indivíduo.

Possíveis Causas
Fetichismo
Tendência erótica para coisas
inanimadas
que estão em contato com o corpo, ou por determinadas partes do corpo do outro.
O Fetichista tem o fetiche como elemento necessário e
suficiente
para sua satisfação sexual, não necessitando do outro para isso.
O Fetichista
se excita somente
com essa particularidade da pessoa, não conseguindo obter prazer sem o seu fetiche.

Corporal:
Determinado por partes do corpo do outro.
Exemplo:
Cabelos, tronco, regiões superiores e inferiores e principalmente pelos pés.
Impessoal:
Fetiche envolvendo objetos. Exemplos: algemas, chicotes e objetos de origem animal.
Observações:
A psicologia considera que muitas pessoas são fetichistas em algum grau, considerando-se normal desde que não substituam a cópula, apenas servindo para aumento do interesse.


Tipode de Fetichismos
Uma das causas é que mesmo que alguns homens reconheçam
a realidade genital feminina, inconcientemente o fetichista, continua a
identificar
o fetiche com a
sexualidade feminina
e dirigir a ele seu impulso sexual.
Outra teoria seria a de que o fetichismo ocorre por termos de
condicionamento,
ou seja, o individuo se torna fetichista depois de muitas experiencias associadas ao fetiche, memorizando intensamente, com partes do corpo ou objeto.


Possíveis Causas
Fetichismo Transvéstico
O foco parafilico desse fetichismo envolve
vestir-se
com roupas e acessórios do
sexo oposto
, esse é seu fetiche, como antidoto de ansiedade, depressão ou sentimento de satisfação.
Os individuos com fetichismo transvéstico frequentemente buscam tratamento quando há disforia quanto ao gênero.

Possíveis Causas
Uso inicial de forma parcial ou completa na infância de vestuário do sexo oposto, e por condicionamento ser usada frequentemente, tornando-se erótica muitas vezes a peça ou maquiagem.

Coprofilia é a excitação pelo
contato com fezes.
A Coprofagia como a Coprofilia é a excitação com fezes, porem nesse caso é necessária a
ingestão de fezes.
Essa parafilia pode estar relacionada com o
sadomasoquismo
, pois pessoa precisa sentir a dominação.

Coprofilia
A Coprofagia é um tipo de Cacofagia, que
é a
alteração do paladar
e do apetite, fazendo a pessoa ingerir coisas repugnantes. Acredita-se que a Coprofilia vem de alteração extrema da personalidade, casos de
deterioração mental extrema e Esquizofrenia crônica.

Frotteurismo
A parafilia envolve tocar e
esfregar-se
em uma pessoa
sem o seu consentimento
. O comportamento geralmente ocorre em locais com
grande concentração de pessoas,
dos quais o individuo pode escapar mais facilmente de uma detenção (calçadas, metro ou ônibus). Ao fazer o ato, o individuo fantasia um relacionamento com “carinhos” na vítima.
Locais do corpo que o individuo toca, esfrega ou acaricia:
Seios, genitália, coxas ou nádegas.

Possíveis Causas
Toque
acidental
em genitais dos outros fazendo com que o indivíduo encontre esse ato
excitante,
pode ser uma das causas mais comuns de Frotteurismo.
Repetições
consecutivas do ato pode perpetuar esse comportamento.
A experiência de ter sido tocado varias vezes durante à infancia principalmente e adolescencia ou de ter tocado a adultos, perante situações traumáticas, pode ser uma das causas do problema.

Exibicionismo
Quando a pessoa mostra seus genitais a uma pessoa estranha, em geral em local público.
A
reação de choque
que suas atitudes provocam ajuda-o a lidar com a ansiedade de castração e dá a ele um sentimento de
poder
em relação ao sexo oposto. Geralmente, os atos exibicionistas ocorrem após uma situação na qual o ofensor sentiu-se humilhado, com frequência, muitas vezes por uma mulher. Em troca, o exibicionista
vinga-se
desta humilhação chocando mulheres estranhas. 

Exibicionismo
A exposição dos genitais possibilita ao homem recuperar algum sentido de valor e identidade masculina positiva. Os exibicionistas com frequência sentem que não causam impacto em ninguém de sua família e assim tem que recorrer a medidas extraordinárias para serem notados. Cada ato exibicionista pode, consequentemente, ser uma tentativa de reverter uma situação traumática da infância.
Dificuldades no tratamento
Em geral pessoas que apresentam tais problemas não buscam tratamento espontaneamente, o que só acontecerá quando seu comportamento gerar conflitos com o parceiro sexual ou com a sociedade, sendo então geralmente forçadas. Outro problema é que ainda existem muitos pré-conceitos dos próprios terapeutas.

Pensamentos e fantasias eróticas repetitivas ou atividade sexual com crianças menores de 13 anos de idade.
A pedofilia afeta menos de 1% dos homens e entre 0,2% e 0,3% das mulheres - havendo então algo como 997 mil homens e até 311 mil mulheres no Brasil.
Diagnosticada a partir dos 16 anos em pessoas que apresentam frequentes ou intensas fantasias, atividades ou práticas sexuais com crianças menores de 13 anos.

A causa ou causas da pedofilia são
desconhecidas. 
Acredita-se que o histórico de abuso
sexual na infância possa ser um
forte fator de risco, porem não existe
pesquisas que comprovem essa teoria.
Possíveis Causas
Ampliar a excitação com estímulos apropriados através do emparelhamento dos estímulos apropriados com o orgasmo. Esse tratamento pode ser feito por desvio temático ou masturbação dirigida.
Desvio temático:
o paciente deve se masturbar

com um estimulo aberrante até o ponto de não conseguir segurar sua ejaculação, alterando então para uma fantasia apropriada. Seu objetivo é despertar a excitação pela fantasia apropriada por meio da associação. O indivíduo deve fazer a masturbação com a fantasia apropriada aos poucos até que consiga usar a fantasia desde o início da masturbação até o orgasmo.
Masturbação dirigida:
Foram feitas alterações no desvio temático, excluindo a fantasia aberrante, pois segundo Kremsdorf et al. as fantasias aberrantes podem impedir a eficácia do tratamento. Desse modo, o paciente deve se masturbar apenas com estimulo apropriado.
Recondicionamento Orgásmico
Se um indivíduo não consegue interagir com alguém de idade e maneira apropriada, provavelmente interagirá com alguém de maneira inapropriada ou mais jovem. O objetivo do treinamento de Habilidades Sociais é fazer com que o indivíduo consiga ter uma relação íntima com um parceiro adequado.
As principais habilidades treinadas são:
Assertividade, Asserção básica, asserção enfática, asserção apática e asserção escalonada.
OBS:
Se a pessoa já possui a habilidade porem não usar, o tratamento deve ser feito para desinibir seu uso, podendo precisar de treinamento de redução de ansiedade.

Treinamento de Habilidades Sociais
O procedimento de aversão usado com mais frequência, sensibilização velada, requer que o paciente emparelhe imagens mentais nocivas com as fantasias berrantes. As imagens altamente desagradáveis são usadas com estímulo aversivo. A atratividade dessa técnica baseia-se em sua maior aceitação para os pacientes, no baixo risco de efeitos colaterais e de abandono da terapia, e no fácil acesso. Além disso, a sensibilização velada tem a vantagem de visar diretamente as fantasias e desejos que desencadeiam a agressão sexual.
Sensibilidade Velada
Todo estimulo que provoque desconforto, dor e dano a um organismo é um Estimulo Aversivo.
O Estimulo Aversivo pode ser dividido em:
Incondicionados:
São produzidos pelo ambiente natural
Exemplo:
Descarga elétrica, frio ou calor intenso.
Condicionados:
Dependeram de uma história de aprendizagem.
Muitos utilizam estímulos aversivos para o controle de comportamento.

Condicionamento/ Controle Aversivo
Tratamento psiquiátrico ou psicológico em que o
paciente é exposto a estímulos e ao mesmo tempo de uma forma desconfortável. É um condicionamento intencional associando o estimulo com sensações não prazerosas, evitando certo tipo de comportamento.

Terapia de Aversão
TERAPIA POR DROGAS:
Emetina ou apomorfina, evitando o consumo, no caso de dependentes do álcool ou outras drogas, obtendo uma aversão condicionada é através dos sentidos da substância indesejada.
TERAPIA PELA AVERSÃO ELÉTRICA e AVERSÃO A ODORES:
Envolve sujeitar o individuo a choques elétricos ou odores podres, enquanto vê imagens sexualmente sugestivas de sua fantasia, desinteressando o paciente de tais desejos.
Podem ser associadas a uma técnica de
SENSIBILIZAÇÃO DISSIMULADA
em que é realizado todo pela imaginação da imaginação.

Tipos de estímulos
Os objetivos da terapia cognitiva são ajudar o paciente a identificar e corrigir os pensamentos não adaptados , retreinar o paciente a pensar com mais lógica e realismo e modificar as crenças centrais irracionais. Murphy(1990) relatou que os agressores sexuais apresentam essas distorções cognitivas, como a vítima gostar da agressão, culpar a vítima e uma crença geral nos mitos do estupro.
A aplicação de terapias cognitivo-comportamentais aos transtornos sexuais evolui a partir da pesquisa sobre os transtornos de ansiedade e da depressão.
A reestruturação cognitiva implica ensinar ao paciente a contestar atitudes e crenças irracionais, não só sobre sexualidade, mas também sobre como ele vê o mundo e a vida em geral

Tratamento Cognitivo-Comportamental de Parafilias
Via de regra, os pacientes tem dificuldade para reconhecer seus
pensamentos distorcidos e podem argumentar que eles são precisos, uma vez que podem comprovar sua veracidade.
Uma alternativa à reestruturação cognitiva para ajudar os pacientes a mudar seu pensamento para alternar seus sentimentos negativos ou comportamento problemático é usar a terapia baseada na aceitação para ajudar a pessoa a aceita seus pensamentos e sentimentos negativos em vez de mudá-los (Hayes, Stossahl & Wilson,1999;Hayes & Wilson, 1994).

Tratamento Cognitivo-Comportamental de Parafilias
SERTRALINA
Estudos no tratamento da pedofilia mostraram reduções na unidade sexual, fantasias sexuais e outros comportamentos sexuais; também relataram a manutenção ou aumento relativo da excitação não-pedófilo em sexo consensual com adultos. 
MEDROXIPROGESTERONA
O uso de medroxiprogesterona, um derivado da progesterona, com efeitos antiandrogénicos, está registrado em 600 sujeitos de diferentes estudos, dos quais 27% e 15% eram pedófilos e exibicionistas, respectivamente. Na maioria dos casos, foi uma redução no comportamento sexual e um desaparecimento completo de fantasias sexuais desviantes após 1 a 2 meses de tratamento.

Farmacologia
Conclusão
Ao final do trabalho, percebemos um grande crescimento interior, pois quebramos alguns de nossos pré-conceitos, e podemos trabalhar outros, compreendendo melhor os aspectos psicológicos que levam o individuo a tal ato.
Com esse trabalho podemos compreender os diversos tratamentos existentes para essas disfunções que não são muito divulgados, e que existem reabilitação para muitas das parafilias, o que falta para melhores resultados é maior esclarecimento do assunto para a população, e a disposição do próprio paciente.

De 4 a 7 pontos
 – Intuo que oculta algo. Talvez seja um parafílico/a de manual, ou talvez gostasse de sê-lo, mas o peso da culpa não deixa. Seja como for, e continuo a conjeturar, é imensamente infeliz. Aconselho-o/a, se é que o meu conselho lhe interessa, que se deixe ajudar não só pelo Espírito Santo como, também, pelos espíritos humanos.
De 8 a 19 pontos
 – Possivelmente, ainda é demasiado jovem ou inibido/a para contemplar sequer a opção das parafilias. Sente curiosidade pelo sexo, mas não sabe como resolver essa inquietação ou, então, cria-lhe insatisfação. Se calhar, o tempo ou o raciocínio permitirão que se desiniba um pouco e aproveite mais a vida. Não desanime.
De 20 a 30 pontos
 – É muito normal, muito equilibrado/a, sem sintomas de parafilia nem de excessiva dependência da rotina. Gente assim é perfeita para encontrar num cargo de responsabilidade, embora talvez se torne pontualmente demasiado correto/a.
De 31 a 47 pontos
 – De parafílico/a, não tem absolutamente nada, pois é inteligente e sabe muito. Parece, além disso, uma pessoa sincera, corajosa e com as imprescindíveis duplicidades... Enfim, um achado para partilhar o leito.
Se escolheu alguma resposta pontuada com cinco, consulte um especialista, nomea­da­mente se a soma for baixa na totalidade do teste.

Resultado do teste
Referências
DSM – V
Livro: “Tratamento Cognitivo-comportamental de
Parafilias” de Richard D. McAnulty e Lester W. Wright, Jr.


Nem todo agressor de Criança é pedófilo
Segundo os médicos, nem todo pedófilo é agressor de crianças, e nem todo agressor de crianças é pedófilo.
Há dez anos, o psiquiatra Danilo Baltieri fez uma pesquisa com agressores sexuais de crianças em uma penitenciária de São Paulo. De todos,
20% eram pedófilos diagnosticados.
“Esses 20% (de pedófilos) estavam lá
sem tratamento,
sem abordagem, nada”, diz o psiquiatra e professor da Faculdade de Medicina do ABC, que comanda o
único
centro que atende especificamente parafilias de forma voluntária e gratuita no Brasil.
Mensagem de um paciente pedófilo
Está é uma mensagem de um paciente que praticava pedofilia e só procurou tratamento depois que foi preso por possuir videos de sexo envolvendo crianças em seu computador. Ele deixa essa mensagem a todos que como ele sofrem dessa doença ou de outras parafilias.
“Não esperem acontecer o que aconteceu comigo. Não esperem acontecer o pior para procurar atendimento. Que procurem atendimento, pelo médico, pelo clínico geral. Para abrir o jogo e ter coragem. Ter coragem, coisa que eu não tive.”
CLOMIPRAMINA
Transtornos parafílicos são comparados com espectro de transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Isto explica o uso de clomipramina (antidepressivo tricíclico) em parafilias, uma vez que o fármaco é altamente eficaz no tratamento de TOC. Aqueles que mais foram beneficiados com estas drogas eram exibicionistas, masturbadores compulsivos e os pedófilos sem ação.

FLUOXETINA
Um estudo aberto que foi tratado com fluoxetina, 10 pacientes com parafilias e desordem hipersexual obtiveram uma redução significativa nos comportamentos sexuais não convencionais. Outra pesquisa chegou a uma remissão de 95% dos sintomas com fluoxetina combinada com psicoterapia.

SEROTONINA
é um inibidor do comportamento sexual masculino, de acordo com modelos pré-clínicos. Podem dificultar o ejaculatório ou função orgásmica e às vezes impede a função erétil e a dose de interesse sexual de forma dependente. Além disso, a serotonina está envolvida nos distúrbios associados observados nestes pacientes (depressão e ansiedade).
A final, o que é Parafilia?
Até que ponto é atraído pelo fruto proibido?
Roteiro de apresentação
O que é parafilia
Pedofilia
Sadismo
Masoquismo
Hipoxifilia
Necrofilia
Zoofilia
Voyeurismo
Fetichismo
Fetichismo trasvéstico
Coprofilia
Frotteurismo
Exibicionismo
Tratamentos
Full transcript