Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

DITADURAS NA AMÉRICA LATINA DO SECULO XX

No description
by

Pérysson Nogueira

on 9 August 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of DITADURAS NA AMÉRICA LATINA DO SECULO XX

DITADURAS NA AMÉRICA LATINA DO SÉCULO XX
Organização socioeconômica após a independência
Relembrando:
a idepenndência foi um projeto das elites agroexportadoras interessadas em manter ou conquistar vantages comerciais –
comercializar diretamente com a Inglaterra.

As ex-colônias logo alcançaram um relativo crescimento econômico – devido ao aumento das exportações – que foi seguido pelo aumento das desigualdades sociais – uma vez que se mantiveram as características das relações surgidas no período colonial (escravidão ou exploração indígena) →
MODERNIZAÇÃO E EXCLUSÃO
Na maioria dos casos, após as independências, os estados latino-americanos foram dominados
por regimes autoritários e posteriormente ditaduras
.

Obstáculos a implantação da democracia.
cristalizou-se um modelo onde a aristocracia detinha não só o poder econômico, mas também o político e cultural.
RESULTADO DESSE PROCESSO:
Concentração agraria, ditaduras e segregação de nativos e afrodescendentes
A Revolução Mexicana de 1910
Da independência em 1821 até à Revolução em 1910 a história do México foi marcada por instabilidade política e por ditaduras militares aliadas ao capital estrangeiro.

Movimento de oposição a Ditadura de Porfírio Diaz – lutavam pela liberdade com a liderança de Francisco Madero
o movimento virou uma revolução social
Porfírio Diaz renuncia
Francisco Madero assume, promete, mas não soluciona os problemas sociais (principalmente o agrário e o indígena)
Francisco Madero é assassinado a mando do militar Victoriano Huerta que instaura uma ditadura renovando o mando das elites agrárias tradicionais
o governo de Francisco Madero sofre oposição de grupos revolucionários liderado por Emiliano Zapata e Pancho Vila que lutavam por reforma agrária e democracia
as ações de Emiliano Zapata e Pancho Vila continuam mesmo após a renúncia de Huerta
Venustiano Carranza assume com apoio dos EUA
continuam as ações de Emiliano Zapata e Pancho Vila até o dia em que esses líderes são assassinados
o movimento revolucionário se enfraquece e o liberalismo apoiado pelos EUA se fortaleceu.
Prof.: Pérysson
Nogueira

ARGENTINA COMTEMPORÂNEA
Sua economia era baseada na pecuária, trigo e algodão.
Introdução - século XIX
• Política antes da Ditadura Militar
Os partidos de oposição as oligarquias eram: UCR (União Cívica Radical) e PS (Partido Socialista).
Eleição de Hipólito Irigoyen (da UCR e era nacionalista)
deposto por GOLPE DE ESTADO
Seguem governos conservadores
deposto por GOLPE DE ESTADO
deposto por GOLPE MILITAR em 1974.
entra o populista, nacionalista e autoritário
Juan Perón (1946-55, com sua carismática esposa Evita Perón) →
Juan Perón é deposto por
GOLPE DE ESTADO
(devido a insatisfação da Igreja, militares e a diminuição das exportações) →
Governos Militares (
ainda não ao as Ditaduras Militares
) perseguem sem sucesso o peronismo e empregam um governo entreguista →
Em 1973, Perón (já idoso) e eleito democraticamente presidente →
Perón morre em 1974 e sua esposa (e vice) Isabelita assume a presidência →
Eva
Ditadura Militar
Repressão, censura, entreguismo e violência como todas as Ditaduras na América Latina.
Disputas militares (
para desviar a atenção da população dos problemas sociais que a Ditadura não conseguia resolver)
: Chile (pelo Canal de Beagle) e Inglaterra (Guerra das Malvinas, 1982. Sua derrota ajudou a por fim na Ditadura).
1983: ficaram os problemas sociais e econômicos (inflação, moeda fraca, desemprego, concentração de renda.
causas do Fim: derrota na Guerra das Malvinas e Campanha das “Diretas Já”.
Fim da Ditadura
Assume Raul Alfonsín da UCR que tenta sem sucesso acabar com a crise econômica.
Carlos Menen – 1989 (o retorno do peronismo): promoveu a dolarização da economia e enfrentou o aprofundamento da crise econômica (devido a desvalorização do Real frente ao Dólar).
Redemocratização
Chile e a Ditadura
Passados os conflitos da Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945), o Chile viveu um período de expressivo desenvolvimento econômico baseado na exportação de minérios e o desenvolvimento do parque industrial. →
diversas empresas estrangeiras aproveitaram do bom momento do país para lucrar com a exploração de suas riquezas. ( Estados Unidos).
Até 1970 com Eduardo Frei o país era dominado por forças conservadoras do Partido democrático Cristão →
vitoria da UP (Unidade Popular; que uniu os partidos de esquerda em torno do projeto socialista: “sociedade socialista construída de acordo com o modelo democrático pluralista e libertário) com Salvador Allende.
nacionalização de empresas de mineração e telecomunicações (especialmente dos EUA) → reação dos EUA: financiamento da instabilidade política do govrno e depois do Golpe Militar (some a tudo isso como causa o traumas dos EUA com a Revolução Cubana). → 1973 bombardeio ao Palácio de La Moneda (do Governo) pelas tropas de Pinochet
• Medidas de Allende:
Apenas no final da década de 1980, as pressões políticas internacionais e internas passaram a desestabilizar a ditadura chilena →
Governo de Pinochet ficou marcado como um dos mais violentos regimes ditatoriais latino-americanos.
Dados indicam que cerda de 60 mil pessoas foram mortas ou desapareceram, e 200 mil abandonaram o país durante o período em que Pinochet esteve no poder →
Em 1988, um plebiscito previsto na Constituição negou a renovação do mandato de Pinochet que continuou com chefe das forças armadas (mas ele foi protegido no Chile pela imunidade parlamentar de Senador Vitalício).
Pinochet
Nicarágua
formaram as Províncias Unidas da América Central→, mas logos se fragmentaram devido aos conflitos de interesses (inclusive norte-americanos e ingleses)
América Central após a independência
Início do século XX; Big Stick (com o presidente Theodore Roosevelt). Ações: 1903, invasão à Zona do Canal do Panamá; 1912-25 e 1926-33, invasão à Nicarágua.
Intervenções dos EUA
1933 (“Política da Boa Vizinhança” com Delano Rossevelt, pós-Crise de 1929) saída do EUA → que são substituídos pela Guarda Nacional (braço armado das elites) → 1934 Sandino é assassinado por Somoza (chefe da Guarda Nacional).
Nicarágua e os EUA
Domínio dos EUA era representado pela presença militar e pelo Tratado Bryan-Chamorro.
Reação contra a presença norte-americana no país: Exercito Defensor da Soberania (liderado pelo camponês Augusto Cesar Sandino, que lutava na tática de guerrilha).
Samoza chega ao poder eleito e dá um golpe para se perpetuar (pois só saiu morto; ficou até 1956) no poder → tornou a ditadura hereditária (seus filhos até 1979).
Samozismo (1937-79)
Crise do samozismo: eleição do Republicano Jimmy Carter (1977-81), apoio internacional a FSLN. · Herança do samozismo: caos econômico e social.
Oposição ao Samozismo: Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN): formado originalmente por universitários que lutavam contra o imperialismo norte-americanos, as oligárquias e as bases samozistas.
A ditadura da família Samoza confundiu patrimônio público, com seu próprio patrimônio.
Tenta promover reformas sociais → sofre oposição dos EUA (que apóia os “Contras” e promove sabotagens contra o governos) → crise social → eleição da representante das oligarquias locais Violeta Chamorro →restabeleceu a dominação americana.
Governos Sandinista de Daniel Ortega
Até a metade do século XIX a Inglaterra teve posição de destaque nas relações comerciais, depois sua supremacia foi ameaçada pelos EUA, França, Estados Alemães e Antigas Metrópoles.
Dificuldades para a Democracia:
desigualdades sociais, medo das elites da participação política popular, caudilhismo (semelhante aos “nossos” coronéis)
Opositores
: maçons, caudilhos dissidentes e frágeis grupos de esquerda.
Ditadura de Porfírio Diaz (1876 a 1911):
aliado das elites agrárias (
900 proprietários possuíam mais da metade das terras agricultáveis
).
Recebeu investimentos estrangeiros (ingleses): instalação de indústrias ( bens de consumo) e frigoríficos.
Recebeu muitos imigrantes
Peron
Full transcript