Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

TREINAMENTO EM INOCULAÇÃO DE STRESS

No description
by

Bruna Emanoelle

on 4 July 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of TREINAMENTO EM INOCULAÇÃO DE STRESS

Tids
-
O Treinamento em Inoculação de Stress, surgiu nos anos 70;
-

Tratamento geral, para as fobias e para um procedimento cognitivo comportamental especifico;
história
-
Aplicado à: a raiva, dor e problemas de saúde, e ao stress no trabalho.
Modelo teórico e resultados de pesquisas
-
Compreensão e o tratamento dos problemas.
-
Os fatores afetivos, fisiológicos, comportamentais, cognitivos, sociais e ambientais.
-
Centralização: subsistemas da pessoa e do ambiente;
-
Avaliação completa destas complexas interações ;
-
As primeiras aplicações se dirigiram aos transtornos de ansiedade;
-
Diminuiu o stress em adultos e em grupos profissionais;
-
Foi adaptado, satisfatoriamente, a problemas médicos como o enfrentamento do câncer, cirurgias e dor;
Modelo de Tratamento:
O TIDS implica em três fases sobrepostas:

1-

Reconceitualização;
2-

Aquisição e ensaio de habilidades;
3-

Aplicação e consolidação;
Na primeira fase:


O terapeuta e o paciente formam uma relação calorosa de colaboração, realizam uma detalhada avaliação clínica e desenvolvem uma mutua compreensão das preocupações do paciente.
A segunda fase:
Desenvolve as habilidades de afrontamento necessárias e começa a intervenção ambiental também.
As intervenções especificas surgem das discussões conjuntas e são percebidas nas próprias palavras, analogias e metáforas do paciente.
As habilidades e as estratégias são ensaiadas, revisadas e aperfeiçoadas
A terceira fase:
Garante a aplicação dos esforços de afrontamento, as situações problema e sua transferência ao mundo externo.
Conforme os pacientes mostram uma mudança confiável nas sessões, as habilidades vão se integrando e se transferindo ativamente ao mundo externo.
O esforço é dirigido para a manutenção e prevenção de recaídas.
Os pacientes começam com um conjunto de problemas, conceitos sobre a natureza dos problemas e sua mudança, além de outras características que podem servir de apoio ou interferir na mudança.
Fase da reconceitualização

-
A relação terapêutica é fundamental, pois é aonde o paciente vai se sentir compreendido e respeitado;
-
Deve-se desenvolver a avaliação;
-
Ocorre também a entrevista com o paciente;
-
Buscar saber como o problema influência na vida do paciente ;
-
Deve-se também buscar as condições que fazem desencadear o problema.
-
Implica que os pacientes observem e registrem fatos entre as sessões.
Auto-Registro
-
São meios por onde o paciente e o terapeuta podem observar ações diretas do comportamento
Experiências simuladas e experiências na vida real
Testes psicológicos ...
A partir dos processos de avaliação surge uma (re)conceitualização dos tipos
Reconceitualização
Tentativa:

porque é só um modo de entender o problema;

Compartilhada:
porque o paciente e o terapeuta pode introduzir informação que o paciente desconheça;

Transacional:

porque ajuda os pacientes a perceber os problemas como um fluxo de interações.
Define, ensaia e refina os componentes básicos da intervenção.
Aquisição e ensaio de habilidades
Essas atividades tem o valor de controle da ativação emocional e fisiológica elevada
Habilidades de relaxamento para o afrontamento
1.
Relaxamento sem tensão;

2.
Relaxamento induzido pela respiração;

3.
Relaxamento controlado por estímulos;

4.
Relaxamento baseado na imaginação;

São habilidades de afrontamento treinadas como forma de desencadear a capacidade de relaxamento através de um relaxamento progressivo ou do biofeedback.
Biofeedback
seria a
ferramenta terapêutica que
fornece informações com a finalidade de permitir aos indivíduos, desenvolver a capacidade de auto-regulação.
Aborda a produção do stress e a distorção no processamento da informação.

Consiste em aumentar a percepção sobre os processos.

Recolhem-se as evidências a favor e contra as cognições.
Reestruturação cognitiva
"Muitas vezes o próprio paciente começa a corrigir os pensamentos disfuncionais à medida que os mesmos aparecem."
O afrontar e mudar os padrões de hábitos
é difícil de realizar, mas mesmo assim muitos pacientes não favorecem ou até mesmo castigam seus próprios esforços ao ser muito critico consigo mesmos e atribuir o êxito á fatores externos.
Treinamento em auto eficácia e auto recompensa
Estabelecimento de habilidades comportamentais
O TIDS centra-se também nos déficits de informação e de habilidades comportamentais, do mesmo modo que pode ocorrer em outras áreas.
Após desenvolvido e ensaiando as habilidades de afrontamento necessárias. Os objetivos mudam para pôr em prática em lugares reais, o treinamento para a prevenção de recaídas e manutenção.
Aplicando e consolidando
Onde são desenvolvidos conjuntamente e adaptados de forma flexível ao paciente ou grupo.
Treinamento na pratica
Manutenção e prevenção das recaídas
Devemos comunicar que os retrocessos são inevitáveis, mas que podem ser prevenidas.
DEFFENBACHER, Jerry L.
A Inoculação do Stress
. Manual de Técnicas de Terapia e Modificação do Comportamento. USA.
Referências
1.
Desenvolver uma boa relação terapêutica;
2.
Avaliar a natureza dos problemas
3.
Formular hipóteses de trabalho sobre os problemas e sua modificação
SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
O paciente pode não ter somente cognições distorcidas, mas também estratégias fracas sobre solução de problemas. Tanto que esse déficit é tratado através do treinamento em solução de problemas. Com objetivo de que os pacientes desenvolvam uma sequencia de solução de problemas.
Universidade Regional de Blumenau - FURB
Psicologia Cognitivo Comportamental II
Prof. Carlos Roberto de Oliveira Nunes
Acadêmicas: Bruna Emanoelle A. Waltrick
Camila Lorenzi
Psicologia - 3º Semestre
2015/1
Full transcript