Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

PRIMAVERA ÁRABE: Desdobramentos no mundo islâmico

No description
by

Eduardo Calestini

on 3 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PRIMAVERA ÁRABE: Desdobramentos no mundo islâmico

GEOPOLÍTICA ÁRABE/AFRICANA E CRISE NA SÍRIA
PROF. EDUARDO CALESTINI

A PRIMAVERA ÁRABE
Protestos, revoltas e revoluções populares contra governos do mundo árabe que eclodiu em 2011.
Análise de profundas
diferenças no mundo árabe

Rixas externas (entre países);
Rixas internas (governo e população - ex: Egito e Síria);
Rixas entre Xiitas e Sunitas (islâmicos);
Rixas entre islâmicos e judeus;


Geopolítica: Crise Síria
Desdobramentos
PRIMAVERA - TORNA-SE "INVERNO ÁRABE";
2,4 milhões de sírios refugiados em vizinhos do Oriente Médio, além dos 4,5 milhões deslocados dentro do próprio país em guerra;
A Primavera Árabe é um processo, e não um evento;
Não há um padrão fixo e, por isso, não há resultados uniformes.
mercado imobiliário de Dubai chegou a um pico, com pessoas ricas em países instáveis – como Egito, Líbia, Síria e Tunísia – comprando imóveis.

Image by goodtextures: http://fav.me/d2he3r8
Clamor por melhores condições
de vida.
OCASIONADA
crise econômica
falta de democracia
elevadas taxas de desemprego e o alto custo dos alimentos
ENVOLVIDOS
Revoluções na Tunísia e Egito; Guerra civil: Líbia, Síria ;Protestos na Argélia, Bahrein, Iraque, Jordânia, , Omã e Iêmen; Protestos menores no Kuwait, Líbano, Marrocos, Arábia Saudita e Sudão.


O INÍCIO - TUNÍSIA
Os protestos começaram na Tunísia, onde um jovem ateou fogo ao próprio corpo em reivindicação por trabalho, justiça e liberdade.
RESULTADO
Queda do ditador tunisiano Ben Ali (24 anos no poder) - REVOLUÇÃO DE JASMIM
Vitória eleições: Partido Nahda (islâmico - Sharia)
EGITO
Saída das forças armadas do cenário político
1º queda(2011) - Osni Mubarak - regime de partido único (30 anos no poder);
Eleições - vitória de Mohammed Morsi (irmandade muçulmana).
2º queda (2013) - Mohammed Morsi
RESULTADO
Intervenção do exército e retirada do governante
MILITARES NO PODER ( DISPUTA: IRMANDADE
MUÇULMANA E MILITARES)
REVOLUÇÃO DE LÓTUS
OU DIAS DE FÚRIA
LÍBIA
Queda/morte de Muammar Kadhafi (42 anos no poder);
Revolução mais sangrentas da Primavera Árabe;
Intervenção das forças militares da OTAN.
Resultado
Milícias armadas no poder disputas étnicas e tribais
REVOLUÇÃO LÍBIA
IÊMEN
Queda de Ali Abdullah Saleh (33 anos);
Eleições diretas

Resultado
Acordos realizados pelos rebeldes com a organização terrorista Al-Qaeda durante alguns momentos da revolução iemenita.
GUERRA CIVIL NA SÍRIA
Luta pela deposição do ditador Bashar al-Assad, (família 46 anos no poder);
ONU
e C.I ;
rebeldes
dentre os rebeldes estão alguns grupos que não tem apoio da C.I.
Al-Qaeda e Irmandade Muçulmana e Grupos Jihadistas;

Rússia e China (poder de veto no C.S da ONU apoiam Assad);
Irã
ENTENDENDO A CRISE - SÍRIA
Depressão econômica, repressão política e corrupção (família Assad -1971).
Controle da internet e da mídia.
Lei de emergência.
Forças de segurança para reprimir e prender os manifestantes.
Utilização de armas químicas

A Resistência Interna - Rebeldes
Deraa, Banias e Homs
A eletricidade e meios de comunicação teriam sido cortados, as estradas bloqueadas e a presença de jornalista e observadores da ONU proibida.
grandes operações militares

As minorias religiosas, a classe média e os grandes empresários.
Exército e o governo juntos.
O exército luta para poder manter privilégios.

Apoio a Assad
Reflexos do conflito no mundo árabe
DISPUTA
IRÃ - XIITA
ARÁBIA
SAUDITA
SUNITA
EUA
FRANÇA
INGLATERRA
Queda do regime
RÚSSIA
Apoio ao Regime
MONARQUIAS ÁRABES E ISRAEL
Queda do regime
visando conter o
avanço do Irã (xiita) e Hezbollah (Líbano)
A ÁFRICA E SEUS RECENTES CONFLITOS
O norte é majoritariamente composto por regiões desérticas (salvo o vale por onde passa o Rio Nilo), com escassez de água e recursos naturais, enquanto o sul possui uma maior quantidade de vegetação e pântanos.
Postura de Cartum - tentativa de estabelecer a Sharia - pop 2/3 islâmica e 1/4 animistas e 5% cristãos concentrados ao sul - discordam desse posicionamento.
(SPLM/A), do inglês Sudan People’s Liberation Movement/Army, movimento de base cristã o qual liderava todos os setores do sul do Sudão e hoje compõe o governo formal do novo país.
Em 2011 foi declarada a República do Sudão do Sul ou Sudão Meridional.


Delimitação das fronteiras com o Sudão (região de Abyei - grande concentração de petróleo - início da exploração em 1993).
Subordinado ao Sudão, no que diz respeito ao transporte do petróleo, os dutos que ligam as fontes de exploração a saída para o mar (passam pelo Sudão).
China grande interesse estratégico na área de exploração (mais 60% dos recursos vão para esse país).
Conflitos internos - pop. é altamente armada, com grande descrédito no governo ( conflitos com antigos grupos aliados, dos países vizinhos e internos).
SUDÃO DO SUL - HISTÓRICO E CARACTERÍSTICAS
MAIORES PROBLEMAS DESSE NOVO PAÍS
Últimos acontecimentos
Disputas entre etnia Dinka (maior grupo étnico) e a comunidade étnica Lou Nuer;
UNMISS (aprovado pelo CS em dezembro de 2013);
Iminência de uma Guerra Civil;
Ataques a bases da ONU (19/04);
Milhares de refugiados.


Ataques recentes - Nigéria
Estado laico, entretanto estados norte (maioria muçulmana - aplicam a sharia) no sul (maioria cristã - poder político e econômico);
Composição da pop. (50%islâmicos, 40%cristãos e 10%animistas);
No norte do país opera o grupo fundamentalista islâmico Boko Haram ("educação não islâmica é pecado",) luta por impor a "sharia",
Desde 2009, quando a polícia eliminou o líder do Boko Haram, Mohammed Yousef, os radicais mantêm uma sangrenta campanha que já deixou centena de mortos

Os ataques ao Quênia e Uganda
O ataque ao shopping center Westgate, em Nairóbi, capital do Quênia, é a maior das trágicas realizações do Al-Shabab;
Em 2010, durante a Copa do Mundo da África do Sul, o grupo explodiu um restaurante em Uganda;
A intenção dos EUA e França é a mesma da missão norte-americana no Afeganistão e dos ataques com aviões não-tripulados(DRONES) ao Paquistão e ao Iêmen – tirar da Al-Qaeda e de grupos aliados a ela a possibilidade de estabelecer uma base a partir da qual podem realizar ataques contra países ocidentais, como ocorreu nos EUA em 2001, na Espanha em 2004 e no Reino Unido em 2005.




A SOMÁLIA E OS DESDOBRAMENTOS DAS REDES TERRORISTAS
A Somália - estado de guerra e caos desde 1991, quando o ditador Mohammed Siad Barre foi deposto;
A
Al-Shabab
, principal milícia islâmica radical luta para instaurar um estado islâmico (união a Al-Qaeda);
As tropas da Missão da União Africana na Somália (Quênia, Etiópia, e várias milícias pró-governo combatem a Al-Shabab);
O Exército do Quênia e Etiópia, com ajuda EUA e
França entraram na Somália invadiram o sul para
acabar com o domínio territorial do Al-Shabab
na região,



DESDOBRAMENTOS DO CONFLITO NA LÍBIA
Líbia - membro da OPEP - grande exportador de petróleo (interesse internacional);
Formação de milícias armadas:
kateebas
(brigadas) para "libertar" o país;
Após queda de Kadahfi (2011) instalação de um governo provisório (Conselho Nacional de Transição) - desorganização política e instabilidade nas ruas - controle de diversas milícias;
ataque da AL QAEDA as missões diplomáticas dos EUA em vários países Islâmicos - motivo: a divulgação na mídia do filme Innocence of Muslims;
Situação Caótica
Trípoli - Leste
(não reconhecido pela comunidade internacional)
Tobruk - Oeste
(reconhecido pela C.I)
Ambos buscam o apoio das milhares de milícias que lutam no país.
LÍBIA
Movimentos islâmicos radicais como
EI
e
Ansar al Sharia
estão expandindo sua influência no norte da África.
A questão do MALI
Norte do território 2/3 nas mãos de milicianos ligados à rede terrorista Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI) (desde 2012 não é uma unidade - esse grupo é um dos mais fortes!) - aplicação da Sharia e apoio de milícias Líbias;
Sul do país 1\3 do território tem controle do atual governo democrático;
Invasão Francesa, 2012 - motivos: A constante intervenção em sua antigas colônias e baixa popularidade de HOLLANDE;
Apoio da OTAN E ONU
60% população sunita;
10% cristã (maioria árabe, mas com minorias armênia e assíria);
10% árabe alauíta;
10% curdo sunita;
8% drusa;
2% xiita.

Divisão populacional - Síria
Partido Baath;
Forças Armadas;
Elite tradicional de Damasco e Aleppo.
GOVERNO SÍRIO
Apoio a Assad
Resultado
Território fragmentado em 3 partes:
1ª as maiores cidades ( Governo);
2ªEI ( Califado);
3ª Rebeldes.
Crise Migratória - Refugiados
E.I
Origem do conflito
Os tuaregues são um povo de cultura nômade pastoril que vive no norte do Mali;
Intenção da construção de um Estado autônomo, chamado de Azawad;
Criação do Movimento Nacional pela libertação de Azawad (MNLA) promove ataques no norte do país e se aliam a mílicias ligadas a AL Qaeda;
Full transcript