Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

SOFTWARES DE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS: introdução

No description
by

Kátia Coutinho

on 16 October 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of SOFTWARES DE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS: introdução

SOFTWARES
DE AUTOMAÇÃO EM BIBLIOTECAS: introdução

Na
sociedade da informação e do conhecimento
, com grandes e constantes
avanços tecnológicos
, o conceito de “
biblioteca
” também evoluiu, ampliando sua atuação com o surgimento da
biblioteca digital
, que dispõe de
documentos digitalizados
os quais
podem ser acessados através da
Internet
.
Nessas novas
bibliotecas digitais

ou

virtuais
, as
consultas de seus usuários
podem ser feitas a
qualquer hora
e em
qualquer lugar
onde o leitor se encontre, ou seja, os usuários
não dependem mais de um horário de funcionamento da instituição
(física, feita de paredes, estantes, etc.)
para obter a informação desejada
.
Assim, a implantação de um
sistema de informação
(
software
) na
biblioteca
precisa ser planejada de modo a oferecer serviços que atendam tanto a
tipologia
da mesma quanto a
demanda de seus usuários
. (PONTES, 2010). Recordando, as bibliotecas podem ser:
escolares
,
públicas
,
universitárias
ou
especializadas
.
Por outro lado, para atender a essa nova realidade das
bibliotecas
é preciso escolher um
software
para o gerenciamento de bibliotecas
, o que não é uma tarefa simples (SILVEIRA; COUTINHO, 2014).
Também houve a difusão dos
softwares
livres (
open source
ou
softwares
de código aberto), permitindo cópia, modificações, estudo e redistribuição dos mesmos (SILVEIRA; COUTINHO, 2014).

No
Brasil
, o processo de
informatização dos catálogos das bibliotecas
começou no
final da década de oitenta do século XX
(SILVEIRA; COUTINHO, 2014).
Ainda no
século passado
, a partir do
final da década de noventa
, houve um crescimento muito grande na quantidade de ofertas de
softwares
para gerenciamento do acervo de bibliotecas
. (SILVEIRA; COUTINHO, 2014).

Prof.ª Me. KÁTIA COUTINHO
Prof.ª Me. KATIANE LOURENÇO

Disponível em: <http://www.wdl.org/pt>. Acesso em: 11 jun. 2015.
Disponível em <http://cpjus.idp.edu.br/biblioteca-digital/>. Acesso em: 2 jul. 2015
Disponível em: <http://usodastecnologiasnoensinofundamental.blogspot.com.br/>. Acesso em: 3 jul. 2015.
Disponível em: <http://www.ehanism.com.tw/ehanism_web/publication.html>. Acessp em: 2 jun. 2015
Entretanto, precisamos compreender que o conceito de “código livre” não é sinônimo de utilização gratuita, pois muitas vezes o
software
é livre, isto é, permite que sejam feitas modificações, mas há cobrança de taxas para a sua utilização.
Por exemplo, o
PHL
é gratuito na versão monousuário e pago na versão multiusuário. Neste caso, o acervo da biblioteca é disponibilizado em rede na
web
. É importante observar que a versão gratuita do PHL é igual à versão paga.


No entanto, esses valores
costumam ser mais acessíveis do que
os praticados pelos
softwares
proprietários.
Apresentamos a seguir três alternativas de
softwares
livres utilizados por várias bibliotecas:

BIBLIVRE
<http://www.biblivre.org.br/>


Software
livre desenvolvido pela Sociedade dos Amigos da Biblioteca Nacional (SABIN) e COPPE/UFRJ e inicialmente patrocinado pela IBM Brasil.

Atualmente, está na versão 4.1.6 e conta com o apoio de um banco privado. O sistema é licenciado como
General Public Licence da Free Software Foundation
(GPLv3).
O
software
BibLivre é usado para a catalogação e difusão de acervos de vários tamanhos, tanto de bibliotecas privadas quanto públicas, além de compartilhamentos de músicas, imagens, filmes ou qualquer tipo de objetos digitais.


O sistema de automação BibLivre foi traduzido para o inglês e o espanhol e permite ao usuário acessar os catálogos das mais de 2.000 bibliotecas, tanto no Brasil como nos países lusófanos onde vem sendo utilizado.


Veja um exemplo a seguir:
Biblioteca Pública Municipal Júlio Costa, em Santo Antônio da Patrulha, RS:
Disponível em: <http://biblioteca.pmsap.com.br/biblivre3/Controller>. Acesso em: 13 jun. 2015.


GNUTECA
<http://www.solis.com.br/gnuteca>

Utiliza padrões internacionais como ISIS (UNESCO) e MARC21 (Library of Congress), presentes em bibliotecas, permitindo a migração de dados.


Realiza o gerenciamento, armazenamento manual e recuperação de imagens, som e textos digitalizados.


O
software
GNUTECA é utilizado na
Biblioteca da Fundação de Economia e Estatística (FEE)
, Porto Alegre - RS. Veja a seguir:

Disponível em: <http://gnuteca.fee.tche.br/>. Acesso em: 12 jun. 2015.
PERSONAL HOME LIBRARY (PHL)

<http://www.elysio.com.br/>

O PHL é uma aplicação web desenvolvida para administração de coleções e serviços de bibliotecas e proporciona a descrição precisa e eficiente de qualquer tipo de informação independente do seu suporte e se baseia no formato UNISIST/Unesco.

O software PHL instalado em bibliotecas serve para organizar suas coleções, automatizar rotinas e serviços e/ou compartilhar e disponibilizar os seus catálogos através da Internet (neste caso, o serviço é pago).

Como já foi destacado, o PHL é gratuito para utilização em estações monousuárias, ou seja, para uso em apenas um computador. Caso seja necessário o compartilhamento em rede (intranet ou internet) , é necessário o pagamento de direitos autorais (licenciamento) (OLIVEIRA, on line).

Biblioteca da ETS - Porto Alegre, RS (monousuário, não disponível na
web
):
Nas próximas aulas vamos trabalhar com mais detalhes o PHL em nossa disciplina, capacitando assim, os futuros Técnicos em Biblioteconomia para a inserção de obras nos catálogos eletrônicos de todos os tipos de bibliotecas, sejam estas tradicionais ou virtuais/digitais.
A seguir, veremos alguns
softwares
de automação proprietários, ou seja, aqueles que não permitem nenhuma modificação, alteração ou adaptação em seu código-fonte.
Estes são pagos, oferecem um “pacote fechado” e geralmente são implantados em bibliotecas universitárias ou especializadas de grande porte, pois requerem maiores recursos financeiros, de pessoal e de infraestrutura.
Aleph

http://www.exl.com.br/

O sistema integrado de bibliotecas ALEPH 500 (da empresa Ex Libris) apresenta entre as suas facilidades o sistema de busca avançada e o uso de etiquetas RFID (
Radio-Frequency IDentification
).
Na sequência, um exemplo de utilização do
software
ALEPH:
Bibliotecas da ULBRA:
Disponível em: <https://servicos.ulbra.br/ALEPH/FCYPB5AP3MFX8PQ9Y2YSVMU9GEU3LP4TI1V7TA4XLMKVJ2YCQF-06556?func=find-b-0> Acesso em: 21 maio 2015.
Pergamum

www.pergamum.pucpr.br

A comercialização do
software
iniciou em 1997 na PUCPR O sistema funciona de forma integrada e contempla as principais funções de uma biblioteca.
Atualmente está presente em 8.000 bibliotecas no Brasil, formando a maior rede de bibliotecas do país.

Vamos ver um exemplo:
UFRB (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia)
Disponível em: http://www1.ufrb.edu.br/biblioteca/. Acesso em: 3 jul. 2015.
Sophia

www.primasoft.com.br

Com mais de 600 instituições usuárias, tanto no Brasil como no exterior entre universidades, empresas, escolas, órgãos culturais e públicos, seus desenvolvedores eram profissionais do ITA (Instituto Tecnológica de Aeronáutica) e da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) que fundaram a Prisma, empresa proprietária do
software
Sophia.
Opera de acordo com os padrões exigidos pelo MEC e tem como modelo de referência a norma ABNT NBR 6023.

A seguir, um exemplo:


Biblioteca da Fundação Getúlio Vargas (FGV/SP):
Disponível em: <https://sb.fgv.br/catalogo-sp/>. Acesso em: 1 jul. 2015.
Referências

ALEPH Portal. Disponível em: <http://www.exl.com.br/>. Acesso em: 5 jun. 2015.
BIB LIVRE Portal. Disponível em: <http://www.biblivre.org.br/joomla/>. Acesso em: 5 jun. 2015.
GNUTECA Portal. Disponível em: <http://www.solis.com.br/gnuteca>. Acesso em: 5 jun. 2015.
OLIVEIRA, Elysio Mira Soares de.
Manual do PHL8.1.
Gurupi: Infoarte, 2008. 202 p. Disponível em:
<http://http://www.elysio.com.br/documentacao/manual_phl81.pdf>. Acesso em 10 jun. 2015.
______.
Sobre o PHL(c)Elysio.
Disponível em: <http://www.elysio.com.br/>. Acesso em: 11 jun. 2015.
PERGAMUM Portal. Disponível em: <www.pergamum.pucpr.br>. Acesso em: 2 jun. 2015.
PONTES, Vanildo Pereira. A implantação do Personal Home Library (PHL) no Centro de Multimeios Poeta Alberto de Moura, da cidade de Ipaumirim-Ceará.
Prisma.com
, Porto, PT, n. 13, 2010. P. 1-13. Disponível em:
<http://revistas.ua.pt/index.php/prismacom/article/view/737/pdf>. Acesso em: 16 jun. 2015.
SILVEIRA, Filipe Xerxeneski da; COUTINHO, Kátia Soares. Tecnologias de Informação e de Comunicação e os Recursos da Web na Biblioteca. In: ESTABEL, Lizandra Brasil; MORO, Eliane Lourdes da Silva (Org.).
Biblioteca:
conhecimentos e práticas. Porto Alegre: Penso, 2014. P. 124-138.
SOPHIA Portal. Disponível em:
<http://www.portalsophia.com.br/SobreBiblioteca.aspx>. Acesso em 6 jun.2015.

Disponível em: <http://www.solis.com.br/gnuteca> Acesso em: 15 jun. 2015.
Biblioteca digital
é aquela
em que digitalizamos seu
acervo (ou parte do mesmo) e
disponibilizamos os arquivos
;


Já a
biblioteca virtual
pode ser referencial e indicar, inclusive, materiais publicados em outros repositórios.
Full transcript