Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

RV4 Quem precisa de certo ou errado?

No description
by

Michelson Borges

on 17 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of RV4 Quem precisa de certo ou errado?

4. Quem precisa
de certo ou errado?

Texto: Douglas Reis
Arte: Michelson Borges
Para pensar
1.
Quando a justiça corre o risco
de degenerar em mera vingança?
O que fazer quando a justiça humana
falha ou parece insuficiente?
É possível definir limites morais
bem delineados? Bem e mal estão irremediavelmente misturados
ou é possível distingui-los?

No cristianismo, existem absolutos bem definidos: Deus é o Criador do bem e o que
vai contra a vontade dEle
é, por oposição, o mal.
Mas, como já vimos, a mentalidade de nossa época, o zeitgeist, é chamada de pós-modernismo.
Uma de suas características é o
relativismo
. Evidentemente, isso se estende para o campo da ética. Então, que alternativas existem quando se abandona a noção de bem e mal definidos por padrões universais?

Há quase 50 anos,
Francis Schaeffer
respondeu essa questão: “Se não
há absoluto moral, resta-nos o hedonismo (fazer o que bem se entende) ou alguma forma de contrato social (o que
é melhor para a
sociedade como um
todo está certo).”

Existe também a ética comunitária defendida pelo filósofo ateu
Richard Rorty
. Ele acreditava que verdade é um termo que se refere a “entidades e crenças” que, por
se mostrarem úteis, foram “incorporadas
às práticas sociais aceitas”.
“Dedicar-se a um ideal é como dedicar-se a outro ser humano. Quando nos apaixonamos por outra pessoa, não nos questionamos sobre
a origem ou sobre a natureza de nosso esforço em cuidar do bem-estar daquela pessoa. ...
Quando se observa a posição hedonista e a ética pragmática, percebe-se que, na prática, elas trazem imensas dificuldades. Imagine que todos pudessem fazer o que quisessem, sem limites, como prega o hedonismo. Isso seria o
caos
! Igualmente, se cada sociedade ou comunidade ideológica está tão certa quanto qualquer outra, elas não poderiam ser julgadas
de nenhum modo.
Há países nos quais, culturalmente, não há problema em se agredir mulheres. Mas isso estaria correto apenas por ser a cultura daquelas pessoas? Ou a mulher possui valor ontológico, ou seja, valor pela natureza de seu próprio ser, independentemente da cultura?
Ética Bíblica: uma
revolução confiável

Ninguém que opte por uma ética particular ou comunitária pode ter certeza de que está, definitivamente, agindo de forma ética ou correta. O que temos nesse caso? Ou a nossa opinião, ou a de nossos pares. Mas, na ética bíblica, temos a garantia de obedecer Àquele que afirmou fazer “diferença entre o justo
e o ímpio” (Malaquias 3:18).

2.
Quais são alguns riscos
da ética pós-moderna?
Mencione ao menos três.
3.
Leia Isaías 5:20. De acordo
com o que você estudou nesta lição, que critérios podemos
usar para definir bem e mal?
Essa afirmação ecoa em escritos recentes de pensadores não cristãos. Para muitos desses, a moral universal, eterna
e transcendente cede lugar à ética particular, temporal e imanente.

Não existe, portanto, verdade objetiva. Cada tradição intelectual ou religiosa encara a verdade de uma forma diferenciada, a qual não seria melhor ou pior do que outras verdades.

O pragmatismo de Richard Rorty transparece na seguinte analogia:
“É igualmente inútil fazê-lo quando nos apaixonamos por um ideal […] é tolice pedir uma prova de que as pessoas que amamos são as melhores pelas quais poderíamos nos apaixonar.”
Schaeffer apontou os defeitos das abordagens éticas que descartam referenciais absolutos: “Sem absolutos, a moral deixa de existir como moral e o homem humanista, que parte de si mesmo, encontra-se impossibilitado de encontrar os absolutos de que ele carece.”
Precisamos de certezas morais para o dia a dia. Como observamos, a visão pós-moderna falha em prover um fundamento moral, assim como, antes dela, o racionalismo iluminista falhou em dar respostas.

Assim, não é de se estranhar que muitos eticistas tenham recorrido à ética cristã.
Mas será que essa ética é confiável?
É preciso dizer que os cristãos concordam parcialmente com muitas outras ideologias ou religiões. Em parte, isso acontece porque cremos que Deus também Se revelou por meio de Sua criação, como menciona o Salmo 19:1
e o texto de Romanos 1:18-32.

No campo da ética, isso quer dizer que as pessoas podem assumir comportamentos corretos, mesmo se não forem cristãs. Mas o cristianismo fornece uma base mais ampla para comportamentos éticos porque seu fundamento põe o ser humano em contato com o Criador,
a quem deve prestar contas.
Além disso, a ética bíblica está preocupada mais com a vontade interna do que meramente com a ação exterior, e você pode conferir isso no belíssimo sermão da montanha, registrado no evangelho de Mateus, capítulo 5.
Ao introduzir uma ética absoluta,
o monoteísmo bíblico revolucionou a vida religiosa dos povos antigos. Na prática, o cristianismo ajudou progressivamente a levar igualdade social a todos os povos.
Para pensar
Full transcript