Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Pintores Portugueses no século XX

No description
by

Inês Sousa Oliveira

on 3 January 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pintores Portugueses no século XX

Pintores Portugueses no século XX
Amadeo de Souza-Cardoso
1887 (Manhufe, no Porto)-1918 (Espinho);
Pintor modernista- pertence à 1ª geração de pintores modernistas portugueses;
Destaca-se pela excecional qualidade das suas obras devido à sua interação com as
vanguardas históricas;
A sua pintura articula-se de modo aberto, interagindo com o cubismo, o futurismo ou o expressionismo, chegando , muitas vezes, ao nível da produção de topo de arte contemporânea.
Almada Negreiros
José Sobral de Almada Negreiros;
1893 (São Tomé e Príncipe)-1970 (Lisboa);
em 1905 (12 anos) redige e ilustra os jornais manuscritos: "República" e "O Mundo";
Dedicou-se fundamentalmente ao desenho e à pintura;
Artista multidisciplinar;
Estilo: modernismo.
José Malhoa
1855 (Caldas da Rainha)- 1933 (Figueiró dos Vinhos);
Pintava a Naureza diante dela;
Pioneiro do Naturalismo em Portugal;
Aproximou-se do impressionismo;
Pintou, essencialmente, paisagens, tendo-se destacado neste género;
Tem obras que percorreram o mundo inteiro e frequentaram os mais prestigiados salões da época, tendo recebido vários prémios.
Eduardo Viana
Eduardo Afonso Viana;
1881 (Lisboa)-1967 (Lisboa);
Pintor naturalista moderno;
Afasta-se deste movimento e começa a explorar conceitos mais abstratos (figuras geométricas irregulares) que orientam a sua obra no vanguardismo;
Sofre influências cubistas;
Estudou na Academia de Belas Artes de Lisboa;
Santa-Rita
Guilherme Augusto Cau da Costa de Santa Rita;
1889 (Lisboa)-1918 (Lisboa);
Adepto do cubismo;
Este artista pediu à família que queimasse todas as pinturas após a sua morte;
Admirava Picasso, tendo se inspirado no artista.
Em Portugal, no início do século XX, coexistiam duas tendências artísticas: uma conservadora e outra
modernista.
Até cerca de 1920 a pintura portuguesa continuou ser marcada por uma tendência naturalista, que produzia retratos da burguesia da época e reproduções de temas populares.
Na pintura destacaram-se na 1ª metade do séc. XX:
Amadeo de Souza-Cardoso;
Almada Negreiros;
Santa-Rita;
José Malhoa;
Eduardo Viana;
Bordalo Pinheiro.
"Cozinha da Casa de Manhufe", 1913
"Entrada", 1917
Em 1911, quando vai para Lisboa, ingressa na Escola Internacional. A partir de então, começa uma verdadeira campanha cultural, que tem como principal objetivo tirar Portugal do seu descompasso relativamente ao resto da Europa. Nestes países assistia-se a uma verdadeira revolução cultural.
"Duplo retrato",1934-36
"Retrato de Fernando Pessoa", 1954
"O Fado", 1910
"Praia das Maçãs", 1918
" A Revolta das Bonecas", 1916
"Rapaz das Louças",1919
"Cabeça Cubo-Futurista", 1910
"Perspetiva dinâmica de um quarto ao acordar",1912
Bordalo Pinheiro
Columbano Bordalo Pinheiro;
1857(Lisboa)-1929(Lisboa);
Dedicou-se à Arte Nova;
Pintor naturalista e realista português;
Foi responsável pelo seu próprio autorretrato e pelos célebres retratos de Ramalho Ortigão, Teófilo de Braga e Eça de Queirós.
"Cabeça Cubo-Futurista", 1910
"Perspetiva dinâmica de um quarto ao acordar",1912
O novo regime político instaurado em Portugal proporcionou um clima de abertura cultural: foram lançados projetos com espírito interventivo e democrático.
Esta nova geração de intelectuais nascida em Portugal provocou um florescer de imaginação, criatividade e inovação, que por sua vez escandalizou os antigos intelectuais ainda conservadores.
Em suma,
Surgiu, em Portugal, a partir dos começos do século XX, uma multiplicidade de tendências artísticas e culturais preocupadas com uma nova visão e interpretação da realidade.
Houve uma procura pela defesa da liberdade e criatividade, na criação estética.
Full transcript