Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

PERCURSO DA ARTE

No description
by

Cláudia Bellanda Pegini

on 7 December 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PERCURSO DA ARTE

CAPACIDADE DE TRANSFORMAÇÃO E DE DOMÍNIO
ARTE EGÍPCIA
EXERCÍCIOS
MESOPOTÂMIA
PRINCÍPIOS DA ARTE
PRÉ-HISTÓRIA 30.000 a.C.
ARTE EGÍPCIA 3.000 a.C.

O Pensador Hamangia é uma escultura Neolítica do norte dos Balcãs, que incluía a área do Danúbio, cuja confecção ocorreu
por volta de 6.000 a. C.


Cerâmica pré-histórica de Ban Chiang,
sítio arqueológico em 
Udon Thani, na Tailândia



ARTE DO PALEOLÍTICO
NATURALISMO

CAVERNA DE LASCAUX c. 20.000 a.C.
Stonehenge – Inglaterra – c. 3000 a 1500 a.C.
Todo o conjunto está voltado para o ponto onde nasce o sol, no período do Verão, o que indica a possibilidade de ter sido um monumento dedicado ao culto solar
Pintura rupestre na toca do Morcego, Parque nacional da Serra da Capivara, PI. Nesta imagem podem-se ver os principais elementos da tradição nordeste: pintura monocromática e representação de homens e animais em cenas de movimento.

MUIRAQUITÃS – amuletos feitos de pedra.

Decoração mural polícroma do túmulo do faraó Horemheb.

O rei, com um toucado de linho - nemes – ornamentado com a cobra sagrada, está diante do deus Hórus, com cabeça de falcão.

A esfinge de Gizé, cujo rosto é o
retrato do faraó Kefren (IV Dinastia) que
desejou pô-la de guarda de seu próprio conjunto funerário.
Foi construída adossada ao templo do vale, ao lado do qual se encontra a pirâmide do Rei.
De rocha calcária, a esfinge tem um comprimento de 70 metros e 20 metros de altura.
Possui um pequeno templo de Alabastro entre as patas.

PRÍNCIPES RAHOTEP E NOFRET

FIGURAM ENTRE AS OBRAS DE DESTAQUE DA 4ª DINASTIA

OLHOS DE QUARTZO

Quéops, Quéfren e Miquerinos, aproximadamente entre 2650 e 2550 a.C., as pirâmides foram feitas para três reis da Quarta Dinastia do Egito

PIRÂMIDE SAQQARAH - tumba construída em 2650 a.C. (550 X 280 metros e 60 metros de altura) em Sacara para o faraó Djoser. O responsável pela construção foi seu chanceler e arquiteto Imhotep.

O sistema de construção era o arquitravado: grandes lajes de pedra, que constituíam a arquitrave, dispunham-se horizontalmente sobre os elementos de sustentação, pilares ou colunas. Em sua forma básica, esses traços arquitetônicos mantiveram-se até a decadência da civilização egípcia.


CAMPANIFORME

LOTIFORME

PALMIFORME

No que diz respeito à arquitetura, caracteriza-se pela existência de três tipos de capitéis:

LOTIFORME (flores de lótus fechadas sobre os caules da coluna em feixe),


PAPIRIFORME - flores de papiro;

PALMIFORME (ornado de folhas que se afastam da coluna

Materiais básicos ARQUITETURA:

ADOBE - pequeno bloco semelhante ao tijolo, preparado com argila crua, secada ao sol, usado sobretudo nas construções urbanas

PEDRA - com que se edificavam tumbas e templos.

A arte egípcia por excelência foi a arquitetura, enquanto a escultura, a pintura e as artes industriais foram, em quase todos os casos, suas auxiliares.

FARAÓ AMENÓFIS IV (AKHENATON)

IMPÉRIO NOVO
18ª Dinastia (1560-1309 a.C)

NEFERTITI, c. 1348-1333.
Pedra calcária policromada
48,3 cm.
Museu Egípcio, Berlim

A SALA HIPÓSTILA
Uma característica dos templos egípcios é a sala hipóstila, adornada de colunas que sustentam a arquitrave.

TEMPLOS RUPESTRES
Templos funerários de Ramsés II e de Nefertari

Decoração mural polícroma do túmulo do faraó Horemheb
.
O rei, com um toucado de linho - nemes – ornamentado com a cobra sagrada, está diante do deus Hórus, com cabeça de falcão.

Sarcófago interno de Tutankhamon – XVIII dinastia, reinado de Tutankhamon 1333-1323 a.C

TEMPLOS DE TERRAÇO – O templo funerário é a característica construção das Monarquias Média e Recente. Em Deir el-Bahari, na zona da antiga Tebas, encontram-se dois templos lado a lado, o mais antigo dedicado ao faraó Mentuhotep e o outro à rainha Hatshepsut, os quais têm em comum a estrutura em terraços e os pórticos colunados, bem como os três níveis a partir da parede rochosa a que estão adossados.

ESCRIBAS
CALCÁRIO POLÍCROMO
OCUPAVA UM POSTO ALTO EM VIRTUDE DO DOMÍNIO DA ESCRITA

Templo Deir el Bahri - Faraona Hatchepsut
É um grande templo funerário !
Onde se vêem maravilhosos baixos-relevos em que Amon, o grande deus de Tebas, ligado a força de Ra, vem penetrar a bela Ahmósis, ébria de gozo diante do deus. Portando o sêmen divino, a rainha e esposa de Tutmósis I dá à luz Hatchepsut. 
A elegância dos desenhos do templo ou das salas do santuário de Karnak deve sua essência à concepção comedida (de Harchepsut) do mundo, um equilíbrio sutil entre a natureza, os homens e seus deuses.
Infelizmente não guardou o corpo de Hatchepsut.

(UEM – VERÃO 2014) Sobre a arquitetura e a produção de imagens no Egito Antigo é correto afirmar:

01) Devido à necessidade de se fazerem obras monumentais, os mestres construtores egípcios serviam-se exclusivamente da pedra.

02) Sob o reinado de Akhenaton, a produção de imagens atingiu maior realismo.

04) De uma maneira geral, os produtores de imagens obedeciam a convenções, padrões e regras.

08) Em parte dessa sociedade, a produção de imagens estava, quase sempre, a serviço de certo cerimonial sagrado.

16) Os mestres construtores egípcios não utilizavam as abóbadas, uma vez que tinham obtido a primazia no sistema arquitravado.

(UEM – INVERNO 2010) Sobre a arte no Egito Antigo, assinale o que for correto.

01) No Egito Antigo, praticava-se uma arte baseada em convenções. Tal civilização nunca conheceu um período em que a representação pudesse ser considerada realista.

02) A construção das pirâmides esteve predominante baseada no trabalho escravo.

04) Muito do que se conhece da arquitetura egípcia pode ser considerado, desde a sua denominação, de “arquitetura monumental”.

08) Os egípcios desconheciam o adobe, que foi um material de construção usado com frequência na Mesopotâmia.

16) Um dos principais sistemas construtivos empregados pelos construtores egípcios foi o sistema arquitravado.

Queóps é a maior das três pirâmides, tinha originalmente 146 metros de altura, um prédio de 48 andares. Nove metros já se foram, graças principalmente à ação corrosiva da poluição vinda do Cairo. Para erguê-la, foram precisos cerca de 2 milhões de blocos de pedras e o trabalho de cem mil Inícions, durante vinte anos.
Entre 3500 e 3000 a.C., quando o Egito estava unificado sobre o poder faraônico, nascia outra grande civilização na Mesopotâmia, a terra entre rios – Tigre e Eufrates – e durante trinta séculos consecutivos os dois centros mantiveram características diferentes mesmo tendo estabelecido contato e possuírem destinos parecidos.



Cultura fundadora...

MESOPOTÂMIA

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA

A escrita cuneiforme foi inventada no 4 milênio a.C. no sul da Mesopotâmia. Este alfabeto foi adotado para formar a base do alfabeto de outras línguas semíticas, incluindo o fenício, o aramaico, hebraico e o árabe. Foi também adotado pelos gregos e utilizado nas línguas europeias. A grande maioria dos alfabetos que hoje são utilizados no mundo derivam daquele que foi inventado no Oriente Médio.

As cunhas da escrita cuneiforme talhadas no baixo-relevo de um Palácio do séc. IX a.C. em Kalhu.

DIVINDADES
E HERÓIS
Lamassu é uma divindade protetora assíria, muitas vezes representada com um touro ou corpo de leão, asas de águia e cabeça de humano. 

Em alguns escritos, é retratada a representar uma divindade feminina. 
Um nome menos usado com é shedu, refere-se ao masculino em contrapartida de uma lamassu. 

Gilgamesh (ou Gilgamech) foi um rei da Suméria, de caráter semilendário, mais conhecido atualmente por ser o personagem principal da Epopeia de Gilgamesh, um épico mesopotâmico preservado em tabuletas escritas com caracteres cuneiformes.

Héros maîtrisant un lion
Façade de la salle du trône (n)
H. : 5,52 m. ; L. : 2,18 m. ; Pr. : 0,63 m.

Cabeça de cobre fundido, encontrada na zona do templo de Ishtar em Nínive. A figura, oca e fundida com o método da cera perdida, representa um soberano que foi , a princípio, identificado como Sargão, o fundador da dinastia de Agadé, mas o estilo indica que se trata de seu neto Naram-Sin. Altura 36,6 cm.

Ruínas de Ur

Reconstituição da cidade de UR

SUMÉRIA
ARQUITETURA
HABITAÇÕES SUMÉRIAS

MATERIAL – ADOBE

TELHADOS PLANOS

PAREDES COBERTAS POR ARGAMASSA DE BARRO E DE PALHA

ZIGURATE

Torre alta escalonada ou Pirâmides em degraus, até 7 pavimentos;
Templos para os Deuses e observação de astros;
Posição de destaque, elevado em relação à cidade como uma montanha artificial;
Acesso: escadarias;
Material: tijolos de barro;
Monumentos vistos de longe pelos agricultores, sinal de proteção e garantia de alimentação;
Zigurate de Ur (2125 a.C.).



ARQUITETURA
BABILÔNICA
Os mesopotâmicos introduziram o uso de azulejos coloridos como ornamento, com uma fina camada de tijolos esmaltados em azul com detalhes em amarelo.

Porta de Ishtar, Babilônia, 575 a.C. Reconstrução no Museu Pergamon, Berlim-Alemanha.
Tijolo cozido vidrado
Motivo de touros e dragões.

OLHO POR OLHO
CÓDIGO HAMURABI
séc. XVIII a.C.
2,25 m / 1,50 m circunf.

CONJUNTO DE LEIS TALHADO EM MONOLITO COM NORMAS RELACIONADAS À RELAÇÃO DE TRABALHO, DE FAMÍLIA, DE PROPRIEDADE E DE ESCRAVIDÃO
TORRE DE BABEL- BRUEGEL - 1563
ZIGURATE EM ESPIRAL
ESTANDARTE REAL DE UR - 2500 a.c
20,3 x 48,3 cm
lápis-lazúli, conchas , pedra calcária e nácar sobre madeira
GÊNESIS DA ARQUITETURA
Full transcript