Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

1921

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of 1921

1921
1923
Mudanças importantes:
Associaçao Der Ring +
Grandes arquitetos = Neues Bauen

Bruno Taut. DEWOG. 22.000 HABITAÇOES EM BERLIM
Nomeado em 1921 arquiteto de Magdeburgo.
Onde impôs o plano diretores.


“ Queremos cidades nas quais possamos novamente morar (...),
não apenas com segurança e em boa saúde, mas também felizes”.

Importância assumida pela habitação na arquitetura.

Para Walter Gropius e Ernst May
o arquiteto esta doravante investindo em uma nova
missão que muda, seu papel na sociedade.

Hannes Meyer,
definiu os princípios do que deveria der uma
arquitetura “marxista”.

Construir é organizar.

“A arquitetura não é mais a arte de construir. Construir torna-se uma ciência. A arquitetura é uma ciência da construção.
Construir não é uma questão de sentimento, mas de conhecimento. Construir não é, consequentemente, um ato de coposição sentimental. Construir é um ato refletido de organização.
O arquiteto é o organizador das ciências da construção. O arquiteto não é um cientista em sentido restrito”.

Arquitetura tende tornar uma ciência.
Objetivo, melhorar as condições de vidas
É necessário, acabar com a atitude subjetivas, inspiração artísticas,e a concepção da arquitetura tradicional.
É preciso que o arquiteto torne-se igual ao engenheiro
Fabricar habitações- “máquina-de-morar”

Outra ideia fundamental : Fundamentalismo
“Neue Wohnkultur”- nova cultura de habitação.
Simplificar as tarefas domesticas
Lojas cooperativistas, creches, jardins de infância e lavanderias coletivas.

A substituição da cozinha individual para cozinha central para todo o edifício testada no inicio do século XX não foi retomada
Cozinhas estudadas (planejadas).

Siedlungen.

Ar, sol, luz.


Todos têm os mesmos direitos e essa igualdade exprime-se visualmente pela uniformidade e a repetição.

Haus am Horn” – 1923
Cozinha de Frankfurt

Estudos funcionais;
Análise do comportamento da mulher;
Foram realizados estudos de “Tempo e Movimento”.

Planejamento derivado de Estudos;

*Croqui de Margarete Scütte-Lihotzky. Mostra a ideia de facilitar o movimento da mão no momento de colocar o temoeiro na panela, poupando tempo e esforço.

*Gaveteiro de temperos;

* Catálogo de móveis e luminárias destinadas aos apartamentos mínimos de Frankfurt am Main.


Canção revolucionária alemã :
"Brüder zur sonne , zur Freiheit, Bruder zum Lichte empor !

Hell aus dem dunklen Vergangen, Leuchtet die Zukunft hervor."
"Irmãos em direçao ao sol, em direção a liberdade / irmãos, para frente em direção à luz / que o passado sombrio / ilumina o futuro. "

A arquitetura de ’’Neus Bauen’’( Nova Arquitetura )
Problemas habitacionais na Alemanha

Estabilização econômica – plano Dawes
Cronologia dessa política :
* 1923-24 a 1926 : Retomada da construção
- Empréstimos estatais
- Fundação da Sociedade Anônima para o Alojamento dos Funcionários, Empregados e Operários ( DEWOG )
* 1926 a 1930 : Produção em massa de habitações populares
Revisão da própria concepção de habitações
Residência individual com jardim individual
Agrupamento das Habitações ( nova concepção arquitetônica )
Associação “ Der Ring ”
* 1929 a 1930 : Crise econômica nos EUA atinge Alemanha
*1930 a 1933 : Parada gradual e depois quase total na produção de novas habitações

xx
1930
EM DIREÇÃO AO SOL, EM DIREÇÃO À LIBERDADE...
Período Weimar
"O ensino não se propõe nenhum objetivo exterior determinado".

"O próprio indivíduo é um ser que podemos construir e desenvolver"
Período Dessau
" Cada vez mais centrado sobre a própria obra. Mas não uma obra destinada a ser realizada em um contexto real."
"Não um estilo, mas um causa "
Hannes Meyer
Mies van der Rohe
" É durante esse último período que sua produção tenderá cada vez mais tornar-se um estilo, "o estilo Bahaus" sem relação com a "causa". "
Paul Schmitthenner
" Torna-se uma das principais autoridades nazistas em matéria de arquitetura."
" " Devemos viver no futuro em casas asiáticas?" "
!934- A arte do sangue e do solo " O Sangue tem o mesmo sentido que a raça, uma raça precisa à qual pertencer ao homem. O conceito amplo de "homem" inclui as diferentes criaturas que andam com duas pernas mas são extremamentes diferentes uma das outras (...) "
Neues Bauen
Falesce em 1932. Atacado pelo plano ideológico e político, ele a atividade econômica, foram vítimas da crise econômica que dos E.UA atingiu a Europa.
1929
1932
*2 milhões e 800 mil desempregados

*318.000 habitações construidas (ano recorde)

*8 milhões de desempregados

*140.000 habitações construidas
As normas de habitação foram reduzdas, tanto em relação a área quanto as normas de conforto.
1- desaparece as "cozinhas de Frankfurt"

2- deslocamento dos locais de implantação.

3- Falta de eletricidade e água nos novos conjuntos.

4- sistema de esgoto reduzimo ao mínimo.

5- cada habitação recebeu um pedaço de terra permitindo aos seus habitantes seu própio sustento.
" A arquitetura "moderna" que, na alemanha era uma "causa" não era mais nem mesmo um estilo. "
1925
A arquitetura do terceiro Reich
Fim de uma época
Profundas modificações no edifício a Bahaus em Weimar
Marcando claramente o fim de uma época durante qual a " esquerda" fizera erigir e confiara a arquitetos modernos foram destruidos pelos nacional-socialistas após sua ascensão ao poder.
Monumentos em Berlim por Mies van der Rohe em memória a karl liebknecht e rosa luxemburg
Casa de goethe em weimar, elevada por H. Tessenow- protótipo da arquitetura aldã alemã
A guerra das ruas teve sua contrapartida arquitetônica, que a imprensa da época chamou de ‘‘A guerra dos telhados’’.
Em 1925, a revista ‘‘Bauwelt’’, que simpatiza com os ‘‘modernos’’, publica diversos artigos de arquitetos estrangeiros sobre o tema da superioridade do telhado-terraçado sobre o telhado inclinado. Em 1926 a ‘‘Deutsche Bauzeitung’’ de tendência conservadora, responde com um artigo do arquiteto Paul Schulze-Naumburg, que considera que, não apenas o telhado plano não é funcional, mas que ele é ‘‘uma forma oriental’’ e portanto estranha a realidade alemã.
Sem duvida essa ‘’guerra dos telhados’’ pode parecer irrisória ao lado da verdadeira guerra que, cada vez mais, caracteriza a vida política alemã. Entretanto, ela ilustra o fato que, contrariamente a certas afirmações de hoje, as formas arquitetônicas não são neutras.
Telhado terraço
Telhado inclinado
( duas águas)
Os adversários de Ernst May, em relação à habitação mínima, dizem que: “É melhor construir habitações maiores e deixar aos homens aos quais é destinada a existência mínima as antigas habitações.” De acordo com Ernst May, as pessoas que pensam assim são aquelas que não estão em crise de habitação. Para os precisam de uma moradia, as residências podem ser pequenas, mas que sejam habitáveis e de aluguel acessível.

Essas habitações não poderiam ser construídas por promotores privados. Deviam ser feitas de acordo com aqueles aos quais se destinam e ser subvencionadas pelos fundos públicos.
Para que a construção desses alojamentos mínimos seja rápida e econômica, serão utilizados os recursos da indústria. Os elementos para construção são fabricados nas indústrias e montados na obra.

Em 1929, ocorre em Frankfurt, o segundo congresso do CIAM (Congresso Internacional de Arquitetura Moderna). Nele foram apresentadas varias habitações realizadas ou estudadas em diferentes países com esse tema de moradia mínima. Mas não chegaram a um único conceito sobre esse assunto.

Os arquitetos alemães, junto com Le Corbusier, insistirão no fato de que o problema da habitação mínima não é apenas aquele colocado por sua área, composição e o preço do aluguel. Trata-se também do modo em que seus habitantes vivem. Três condições são essenciais para o desenvolvimento dessas moradias de forma correta: seus habitantes tem que viver de outra maneira; que a cozinha simplifique ao máximo o trabalho doméstico; e que a mobília seja concebida em função de uma manutenção simples.


O que deve ser rejeitado para essa habitação mínima são tanto as células “Mietskasernen” que estão bem abaixo do padrão aceitável de moradia e a redução do apartamento “burguês” das grandes cidades alemãs.
Na residência burguesa, a cozinha, copa e lavanderia eram afastadas das peças principais da habitação (recepção, quartos, etc) por esses trabalhos serem realizados por empregados. As plantas eram planejadas para separarem ao máximo essa área de serviço da área principal da casa.

Nas habitações mínimas, busca-se o inverso. Sua intenção é facilitar ao máximo a vida das pessoas que nela habitam. Levando em conta que é a mãe de família que também vai desenvolver as atividades domésticas, as cozinhas dessas habitações mínimas passam a ser centrais, e não jogadas ao fundo do apartamento, como acontecia nos apartamentos burgueses.

1929
Gabriella, Leandro, Nivaldo, Pompeu, Rafael e Stéfane.

Pré-fabricação utilizada nas obras de Ernst May, Em Frankfurt
Full transcript