Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

A atuação de uma equipe transdisciplinar junto a servidores

No description
by

Vagner Arakawa

on 4 August 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A atuação de uma equipe transdisciplinar junto a servidores

Disponível em: <http://blog.isocial.com.br/inclusao-de-pessoas-com-deficiencia-pode-aquecer-a-economia-nacional/>
Ampliação no conceito de funcionalidade
A atuação de uma equipe transdisciplinar junto a servidores em afastamento por auxílio-doença em um RPPS
Aspectos em nível macro:
Diminuição dos gastos previdenciários
Minimização do impacto social das doenças crônicas

Desdobramento no âmbito individual:
Sentimentos de inclusão social, segurança, proteção, utilidade e capacidade
Garantia do direito ao trabalho
São José do Rio Preto
aprox. 5040 servidores públicos
Fachada RioPretoPrev
RioPretoPrev
Doenças Crônicas
Aumento expressivo nos últimos anos;
INSS
Programa de Reabilitação Profissional (PRP):
Organização das Nações Unidas;
Organização Mundial da Saúde;
Organização Internacional do Trabalho.


Resposta à problemática da incapacidade por meio da redução e superação das desvantagens produzidas pelas incapacidades.


Atendimento integral ao trabalhador, a partir da prevenção, tratamento, reabilitação, readaptação e reinserção do trabalhador.
Resposta no Serviço Público
Readaptação - Lei nº 8.112/90 (art. 24)


Investidura do servidor em cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis com a limitação que tenha sofrido em sua capacidade física ou mental.
Avaliação
Desafios
Incidência
II Boletim Quadrimestral sobre Benefício por Incapacidades do INSS


Causas de afastamento do trabalho

1º lugar – Doenças Osteomusculares
2° lugar - Doenças do Sistema Circulatório
3º lugar - Transtornos Mentais e de Comportamento
Desdobramentos
(MOURA; CARVALHO; SILVA, 2007)

Importante impacto:
Primeira causa de morbidade e mortalidade
Maioria incapacitante para o trabalho
Reflexo de mudanças no perfil epidemiológico:

Doenças parasitárias e infecciosas Doenças crônicas
(BRASIL, 2015)
Doenças Crônicas e Trabalho


Incapacidade temporária




Perda sucessiva da independência e da funcionalidade




Desdobramentos em incapacidade permanente
(FERREIRA et al., 2012)
Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2014/09/II-Boletim-2016.pdf
Afastamentos
Implicações em nível macro:

Econômicas e sociais (previdenciárias)
(VASCONCELOS; OLIVEIRA, 2004; CUTAIT NETO, 2006; MENEZES, 2007; LANCMAN, 2008; ALEVATO, 2011; FIORIN; MESSIAS; BILBAO, 2013)
Implicações no âmbito individual:

Reconhecimento e valorização social
Saúde dos sujeitos
Alterações emocionais
Dificuldades no retorno ao trabalho
Desdobramentos negativos
Alto impacto psíquico  dificuldades no retorno ao trabalho


Redução de 50% nos índices de êxito no retorno ao trabalho
(SCOPEL, 2005; ACOEM, 2006)
Longos períodos de afastamento
(ARNETZ et al., 2003; SHAW; PRANSKY; WINTERS, 2009)
(GRAVINA; NOGUEIRA; ROCHA, 2003)
Aproveitamento máximo do potencial laboral
Cargo de origem;

Outro cargo compatível com sua capacidade funcional e preparação do trabalhador para a nova função (qualificação).
(TOLDRÁ et al., 2010)
Importância da perícia médica na identificação da capacidade ou incapacidade laborativa
Ineficácia das ações estritamente médicas no processo de reinserção laboral
IMPORTÂNCIA DE UM TRABALHO MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DE DIFERENTES SABERES TÉCNICO-CIENTÍFICOS
(CUTAIT NETO, 2006; MTE, 2013)
Conceito de saúde
Classificações
Classificação Internacional de Doenças (CID 10)
Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF)
Disponibilizada na língua portuguesa no ano de 2003;
Desmistifica a tendência do modelo biomédico de considerar a questão da incapacidade/adoecimento de forma reducionista (focada na doença);
Considera as atividades, a participação, fatores pessoais e ambientais.
Períodos acima de 3 meses
Afastamentos laborais
Uso sugerido como referencial para avaliação:
Ministério da Saúde
Previdência Social
Ministério do Trabalho e Emprego


Efeitos positivos:
Identificação dos processos de adoecimento no trabalho;
Avaliação das restrições laborais;
Potencialidades para o retorno ao trabalho
(MTE, 2013)
(TOLDRÁ et al, 2010)
Criado 1993;
Objetivo: padronizar a codificação de doenças e outros problemas relacionados à saúde.
Atividades
Participação
Fatores pessoais
(MOOM; GEICKER, 1998 ; ROSSI, et al., 2007; TOLDRÁ et al., 2010)
(BRASIL, 1990)

Criada pela Lei Complementar nº 139 – de 28 de dezembro de 2001.


Gestão dos benefícios
Auxílio-doença

Auxílio-doença acidentário

Salário Maternidade

Aposentadoria

Pensão por morte
Problemática
Número elevado de afastamentos por auxílio-doença:

CID F;
Longos períodos;
Dificuldades no retorno ao trabalho;
Elevados gastos previdenciários.
Histórico
Início
Avaliação exclusivamente médica
Entre 2011 e 2012
EQUIPE INTERDISCIPLINAR
Avaliação focada nos TMC
Serviço social
Psicologia
Fevereiro de 2014
Redução de 51,6% dos casos
CID F: 57,3%
6,2% 2,4%
Março de 2014
EQUIPE TRANSDISCIPLINAR
Cerca de 135 - TMC
Serviço social
Psicologia
Terapia Ocupacional
Tipos de equipe
Multidisciplinar
Justaposição

Interdisciplinar
Intercâmbio mútuo
Integração recíproca

Transdisciplinar
Interação global
Diluição dos saberes
Levantamento
Avaliar se houve diminuição dos afastamentos crônicos;

Avaliar a presença de reincidências;

Avaliar o sucesso na reinserção laboral.
Trabalho da equipe transdisciplinar
Fluxograma
Equipe
Avaliação
Servidor
RH Responsável
Médico perito
Resultado
da perícia
Alta comum
Alta com especificidade
Restrição funcional;

Readaptação;

Mudança de local de trabalho;

Mudança de turno.
Avaliação para invalidez
Junta Médica
Ofício
Discussão dos casos com RH
Reinserção
Instrumentos

Entrevista semiestruturada (CIF)
Escuta qualificada
Abordagem

Visita domiciliar
Visita institucional
Atendimento institucional (RPP)
Condições específicas

Maiores levantamentos de fatores indicados pela CIF
Contato com chefias imediatas
Discussão de possibilidades de reinserção
Finalização do processo

Últimas discussões acerca dos casos
Esgotamento de possibilidades

Incapacidade para todos os tipos de atividade
Dados obtidos
Resultados gerais
Exemplos
Fatores
(CARO; ANDRADE; ARAKAWA, 2016)

Perfil dos casos crônicos
Perfil sociodemográfico geral
Perfil profissional
Principais aspectos dos afastamentos
Alguns desfechos
Comparativo
Diminuição do número de servidores em afastamento crônico;
Baixa taxa de reincidência;
Relatos positivos de servidores acerca do retorno ao trabalho;
Relatos positivos de outros setores e busca por orientações;
Diminuição dos gastos.
Alta com restrição funcional
Alta com readaptação
Alta com mudança de local de trabalho
Alta com mudança de turno
Sugestão de aposentadoria por invalidez
Facilitadores
Avaliação holística da funcionalidade;
Menor idade;
Níveis mais altos de escolaridade;
Estabilidade no serviço público;
Menores períodos de afastamento;
Ausência de períodos crônicos atuais e anteriores;
Abertura dos RHs para realocação;
Cumprimento das restrições pelos RHs e locais de trabalho;
Alta mediante condições específicas/compatíveis;
Maior abertura para o diálogo entre equipe e médico perito;
Adesão do servidor ao processo.
Dificultadores
Baixos níveis de escolaridade;
Idade avançada;
Cargo com maior nível de especialização;
Longos períodos de afastamento;
Presença de períodos crônicos anteriores;
Cronicidade/Reincidência de algumas doenças;
Dificuldade no acesso aos serviços de saúde;
Dificuldade dos RHs para o contato com o servidor na realocação;
Demora para avaliação ergonômica (SEESMT);
Não consenso entre equipe e médico perito;
Não adesão do servidor ao processo;
Ausência de normatização do trabalho;
Ausência de programa de saúde do trabalhador.
Implementação de um programa de saúde do trabalhador  prevenção e reabilitação

Estender as ações para os outros órgãos;
Maior participação dos agentes envolvidos.

Implementação de um programa de reabilitação profissional

Agradecemos a todos!







Ms. Camila Caminha Caro - kmilacaro@gmail.com
Vagner Augusto Takahashi Arakawa - psicologiarpp@hotmail.com
Ms. Camila Caminha Caro
Vagner Augusto Takahashi Arakawa

Evidências
Escassez de estudos sobre intervenções

Universidade Federal
Restrição funcional - capacidade laboral parcialmente preservada.



Contexto municipal
Trabalho multidisciplinar voltado para a reabilitação
(SAMPAIO et al., 2005)
(SÃO PAULO, 2012)

Gastos

Ex:
Disponível em: <http://www.vejalogo.com.br/?pagina=ler_post&_post=3179>

CIF
1
2
3
4
5
6
Servidor 1
Idade: 44 anos
Sexo: Masculino
Cargo: Atendente
Tempo de afastamento: 3 anos e 9 meses
Motivo: Osteomielite
Servidor 2
Idade: 33 anos
Sexo: Masculino
Cargo: Agente administrativo
Tempo de afastamento: 2 anos e 6 meses
Motivo: Hemofilia
Candidato à invalidez
Servidor 3
Idade: 57 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Auxiliar de enfermagem
Tempo de afastamento: 5 anos e 1 mês
Motivo: CA de Mama
Afastamento pelo INSS e RPP
Servidor 4
Idade: 35 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Professor da educação básica 1
Tempo de afastamento: 2 meses
Motivo: Problemas vocais
Servidor 5
Idade: 64 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Médico pediatra
Tempo de afastamento: 6 meses
Motivo: Fratura de punho e Distrofia Simpático-reflexa
Servidor 6
Idade: 61 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Dentista
Tempo de afastamento: 1 mês
Motivo: Dedo em gatilho
Referências
AMERICAN COLLEGE OF OCCUPATIONAL AND ENVIRONMENTAL MEDICINE - ACOEM. Preventing Needless Work Disability by Helping People Stay Employed, 2006. Disponível em: <https://www.acoem.org/PreventingNeedlessWorkDisability.aspx>. Acesso em: 15 jan. 2017.
ALEVATO, H. Os desafios da reinserção laboral dos afastados por transtornos mentais e comportamentais. Revista Rede de Estudos do Trabalho, 2011. Disponível em: <http://www.estudosdotrabalho.org>. Acesso em: 13 jan. 2017.
BRASIL. Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Disponível em: <www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8112cons.htm>. Acesso em: 02 jan. 2017.
BRASIL. Monitoramento de benefícios por incapacidade: 2º Boletim Quadrimestral sobre Beneficio por Incapacidade. Brasília: 2015.
CARO, C. C.; ANDRADE, E. V. B.; ARAKAWA, V. A. T. Perfil de Segurados em Períodos Crônicos de Auxílio-Doença em um Regime Próprio de Previdência. Revista FSA, Teresina, v. 13, n. 6, nov./dez. 2016.
CUTAIT NETO, M. Auxílio-Doença. São Paulo: editora J. H. Zuno, 2006.
FERREIRA, H.P; MARTINS, L. C.; BRAGA, A. L. F.; GARCIA, M. L. B. O impacto da doença crônica no cuidador. Revista Brasileira de Clínica Médica, São Paulo, v. 10, n. 4, p. 278-284, jul.-ago. 2012.
FIORIN, G. S.; MESSIAS, J. C. C.; BILBAO, G. G. L. O retorno de professores ao trabalho após afastamentos por licença-saúde. Revista Sul Americana Psicologia, v. 1, n. 2, p. 201-215, ago.-dez. 2013.
GRAVINA, M. E. R.; NOGUEIRA, D. P.; ROCHA, L. E. Reabilitação Profissional em um banco: facilitadores e dificultadores no retorno ao trabalho. Revista de Terapia Ocupacional da USP, 2003. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/13911/15729>. Acesso em: 15 jan. 2017.
LANCMAN, S. O mundo do trabalho e a psicodinâmica do trabalho. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008. p. 25-36.
MENEZES, A. O desemprego e suas consequências biopsicossociais. Ciente Fico, 2007. Disponível em: <http://www.frb.br/ciente/ADM/ADM.MENEZES.F1.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2017.
MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO – TEM. Proposta de diretrizes para uma política de reabilitação profissional. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2013. Disponível em: <http://www.diesat.org.br/arquivos/DIRETRIZES-RP.pdf>
MOOM, W.; GEICKER, O. Disability: Concepts and Definitions. Disability and Work. Encyclopedia of Occupational Health and Safety [CD-ROM]. Geneva: OIT, 1998.
MOURA, A. A. G.; CARVALHO, E. F.; SILVA, N. J. C. Repercussão das doenças crônicas não-transmissíveis na concessão de benefícios pela previdência social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, n. 6, p. 1661-1672, 2007.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais, organizador. CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo – EDUSP; 2003.
ROSSI, D. et al. Habilitação e Reabilitação Profissional – Abordagem interdisciplinar, intersetorial e interinstitucional [Documento para discussão pública]; 2007.
SAMPAIO, R. F. et al. Implantação de serviço de reabilitação profissional: a experiência da UFMG. Fisioterapia e Pesquisa, v. 12, n. 2, p. 28-34, 2005.
SÃO PAULO. Coordenação de Gestão de Pessoas. Manual de readaptação, restrição funcional e reabilitação profissional. São Paulo, 2012. Disponível em: <www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/cgp/GEDEO/manual%20de%20reabilitacao.pdf>. Acesso em: 02 jan. 2017.
SCOPEL, M. J. Retorno ao trabalho: trajetória de trabalhadores metalúrgicos portadores de LER/DORT. 2005. 131 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e Institucional) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.
TOLDRÁ, R. C. et al. Facilitadores e barreiras para o retorno ao trabalho: a experiência de trabalhadores atendidos em um centro de referência em saúde do trabalhador – SP, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 35, n. 121, p. 10-22, jan.-jun. 2010.
VASCONCELOS, Z. B.; OLIVEIRA, I. D. Orientação vocacional: alguns aspectos teóricos, técnicos e práticos. 1.ed. São Paulo: Vetor, 2004..
7
Servidor 7
Idade: 43 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Professor da educação básica 1
Nova função: Apoio pedagógico
Tempo de afastamento: 4 anos e 1 mês
Motivo: Fratura coluna
Candidata à invalidez
8
Servidor 8
Idade: 61 anos
Sexo: Masculino
Cargo: Motorista
Nova função: Atividades administrativas
Tempo de afastamento: 1 ano
Motivo: AVC (3º episódio)
9
Servidor 9
Idade: 38 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Agente fiscal de posturas
Tempo de afastamento: 6 meses
Motivo: Depressão
10
Servidor 10
Idade: 40 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Enfermeiro padrão
Tempo de afastamento: 1 ano e 4 meses
Motivo: Transtorno de adaptação
11
Servidor 11
Idade: 57 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Auxiliar de serviços gerais
Tempo de afastamento: 4 anos e 6 meses; Processo Judicial
Motivo: Depressão e Dorsalgia
12
Servidor 12
Idade: 57 anos
Sexo: Masculino
Cargo: Auxiliar de serviços gerais
Tempo de afastamento: 2 anos
Motivo: Amputação de MI, lesão em manguito rotador, baixa escolaridade
13
Servidor 13
Idade: 52 anos
Sexo: Feminino
Cargo: Técnico em enfermagem
Tempo de afastamento: 5 anos e 2 meses
Motivo: Esgotamento de possibilidades
Viabilização do retorno ao trabalho
CID
Fatores ambientais
Problemas em estruturas e funções do corpo
Doença/Deficiência
Retorno precoce
Discussões

Momento crucial do trabalho
Troca de saberes exige abertura mútua
Início: dificuldades
Não mencionados

Indeferimento
Manutenção do afastamento
Encaminhamentos

SEESMT - Secretaria Municipal de Administração
Equipe própria para acompanhar os casos após o retorno ao trabalho
Avaliação de Saúde Ocupacional

Médico do trabalho (SEESMT)
Emissão de documentos
Full transcript