Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

População, Urbanismo e Emigração no séc. XIX

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of População, Urbanismo e Emigração no séc. XIX

Sociedade Industrial na Europa do século XIX População, Urbanismo e Emigração Quanto à população: Houve uma explosão demográfica! No século XIX, verificou-se um crescimento muito rápido e acentuado da população mundial e, em especial, da Europa industrializada, falando-se, por isso, de uma explosão demográfica. No século XIX impôs-se o modelo demográfico moderno, cujas características eram:
O recuo da mortalidade (geral e, em especial, infantil).
O declínio da elevada natalidade (a partir de cerca de 1870).
A descida da idade do casamento (invertendo a tendência para o casamento tardio, típica do modelo demográfico do Antigo Regime).
O aumento da esperança média de vida para ambos os sexos.
O aumento da densidade populacional. Estas características revelam-se mais precocemente nos países industrializados da Europa (Inglaterra, Alemanha, França) e, mais tardiamente, na Europa do leste e do sul, pois a expansão da Revolução Industrial correspondeu a uma expansão da população. Assim, os demógrafos e historiadores, na tentativa de interpretar a exploração populacional do século XIX, apontam um conjunto de factores:
•os melhores cuidados médicos (difusão da vacina da varíola, inventada no século XVIII por Jenner e criação de novas vacinas; prática da desinfecção);
•a maior abundância de bens alimentares (produzidos em larga escala pela agricultura mecanizada e fornecidos pela revolução dos transportes);
•o investimento social e afectivo na criança, tornada o centro da família burguesa;
•os progressos na higiene (uso do sabão e do vestuário de algodão; substituição da madeira pelo tijolo nos edifícios; construção de redes de esgotos e de abastecimento de água potável). No século XVIII, Thomas Malthus havia alertado, no seu Ensaio sobre o Princípio da População, para a necessidade de “um controlo forte e constantemente activo da população, em virtude da dificuldade de subsistência”. E sobre urbanismo? Com o desenvolvimento industrial, a população urbana cresceu, principalmente na Europa (com destaque para a Inglaterra, Alemanha e França) e nos Estados Unidos da América. Esta situação explica-se sobretudo:
Pelo êxodo rural, pois com a Revolução Agrícola e a mecanização, a mão-de-obra tornou-se excedentária, levando muitos camponeses a mudarem-se para as grandes cidades à procura de melhores condições de vida e de emprego nas fábricas.
Pela facilidade de deslocação das populações, devido à Revolução dos Tranportes. Devido à inicial desorganização no crescimento, com fracas condições de habitação e de higiene, houve uma reorganização urbana, que criou uma planta urbana mais organizada, transportes públicos, mais ruas, jardins, praças, melhores rede de esgotos e de água, e até inovaram nos mercados e na iluminação pública.
Apareceram, também, os primeiros arranha-céus, juntamente com os elevadores. Infelizmente, apenas o centro das cidades sofre essa alteração, pois nas localidades mais periféricas, acentuaram-se os problemas socio-económicos, devido ao desemprego. NOVOS SERVIÇOS:
Aumentou a limpeza com:
A recolha do lixo;
O aumento da rede de esgotos;
O aumento da rede de água canalizada;
Aumentaram as ruas iluminadas, primeiro a gás e depois a electricidade;
Surgiu um serviço de incêndios e de transportes públicos (primeiro o americano e depois o eléctrico);
Abriram-se novas ruas e avenidas, praças e jardins públicos;
Construíram-se escolas, tribunais, hospitais, prisões e mercados
Para se circular na cidade havia pequenas carruagens puxadas a cavalos – “Seges”... Depois surgiu o automóvel O centro torna-se o local mais cuidado, para onde convergem grandes obras de renovação.
Não faltam os bancos, as bolsas de comércio e de valores, os grandes armazéns e mercados, os edifícios governamentais e administrativos, as gares ferroviárias, os teatros, a ópera, os museus, os cafés.
As zonas verdes são cuidadosamente tratadas, a pavimentação é esmerada nas ruas e passeios, a água potável abunda, tal como a rede de esgotos e saneamento e as condutas de abastecimento do gás. A crescente carestia dos terrenos situados no centro das cidades origina a especialização dos bairros e a sua diferenciação social: O centro é o local privilegiado dos negócios e da administração; os trabalhadores vão para as periferias, pois não conseguem pagar as rendas dos melhores bairros. O grande aumento demográfico, criou não só redução de salários, mas também desemprego crónico. Ou seja, miséria, penúria. Outros factores técnicos, nomeadamente os progressos da navegação, que facilitavam a emigração, visto que, com as os novos meios de comunicação as viagens ficam mais baratas e seguras incentivaram a população a sair do país. A EMIGRAÇÃO O resultado foi uma grande imigração europeia para as Américas, principalmente de:
Italianos, que se estabeleceram principalmente nos Estados Unidos, Brasil, Chile, Argentina e Uruguai;
Espanhóis, que se radicaram na Argentina, Chile, Brasil e Cuba;
Portugueses, que se fixaram nos Estados Unidos, Brasil, Canadá e, Venezuela;
Alemães, que se dirigiram para os Estados Unidos, Brasil, Argentina e Chile;
Croatas, se dirigiram para Chile, Argentina e Brasil.
Eslavos, Polacos, Russos e Ucranianos, que se radicaram nos Estados Unidos, Canadá, Brasil, Argentina e Chile Durante o século XIX e início do século XX, a situação politico-económica em países da Europa (Itália, a Alemanha, a Espanha e a Irlanda, e de diversos povos e o domínio dos impérios Austro-húngaro, Russo e Otomano) produziu grandes levas de imigrantes. Alguns desses povos ou grupos eram vítimas de discriminações e perseguições em seus países de origem, como os judeus da Europa Oriental, e os arménios que viviam no Império Otomano. Do Oriente Médio para as Américas pode-se especialmente destacar a corrente migratória de povos árabes, principalmente palestinos, sírios e libaneses, que se fixaram no Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e outros, incluindo tanto cristãos quanto muçulmanos. O fluxo da Europa Ocidental para as Américas reduziu-se com o início da Primeira Guerra Mundial, principalmente os oriundos de países como Itália e Alemanha, que se envolveram naquele conflito. Estados Unidos da América Brasil Venezuela Canadá Argentina Austrália Entre outros... Trabalho realizado por:
João Pedro Fidalgo Santos, número 17
João Miguel Dias Paz, númeroº16
Ano: Oitavo
Turma: C
Disciplina: História
Professora Eva Ferreira
Escola Secundária da Gafanha da Nazaré
Terceiro Período
2012/2013 Por isso, no século XIX e inícios do século XX, face à explosão populacional, os neo-malthusianos lutaram pela contenção da natalidade, em especial junto dos proletários. Porém, foi nos meios mais abastados, onde a satisfação das necessidades básicas permitia o surgimento do sentimento de paternidade, que começou a difundir-se a limitação voluntária dos nascimentos. Bibliografia/Webgrafia:
http://www.slideshare.net/mariajoao500/fluxos-migratrios-12576250
http://neh.no.sapo.pt/documentos/emigracao_no_seculo_xix.htm
http://www.infopedia.pt/$grandes-fluxos-migratorios-europeus-do
http://noseahistoria.wordpress.com/2011/04/18/a-explosao-populacional-do-seculo-xix/
http://www.slideshare.net/carla77/a-expanso-urbana-e-suas-consequncias
http://www4.fe.uc.pt/ciclo_int/doc_06_07/ortega.pdf
http://sociedadesecxix.blogspot.pt/2013/05/fluxos-migratorios.html
http://noseahistoria.wordpress.com/tag/seculo-xix/
http://dthenriques.orgfree.com/Historia_secXIX_XX.pdf
Pesquisas no motor de pesquisa Google, onde foi pesquisado o tema devidamente escolhido.
Diversos manuais do oitavo ano e do ensino básico, entre os quais, Historia 8.
Diciopédia online Há, no centro, praças, grandes espaços e avenidas.
Pretendia-se não só favorecer a iluminação e o arejamento, mas também a circulação de pessoas e carros e , até, a vigilância policial.
O centro das cidades deixa de reunir o grosso da população urbana. Porém no final do sec. XIX, o núcleo antigo das cidades já não tem condições para albergar as vagas sucessivas de populações que aí ocorrem.
As rendas sobem e o alojamento começa a faltar.
Desta forma , começam a surgir os subúrbios: morada dos recém chegados, que aí se distribuem segundo a região de origem. Tudo isto, aliado a crises agrícolas, que provocavam a falta e encarecimento dos alimentos, leva à fome em regiões rurais mais populosas.
Muitas pessoas eram obrigadas a fugir às más condições de vida do seu país de origem, numa tentativa de sobreviver às dificuldades com que se deparavam. Foi também determinante a existência de fortes incentivos (oferta de terras, concessão de linhas de crédito, grande necessidade de trabalhadores, etc) concedidos por parte de alguns países no continente americano, África e Austrália, que criou, com todos os aspetos referidos anteriormente... Por outro lado, nações do Novo Mundo com rápida expansão económica na indústria ou agricultura (Estados Unidos, Brasil, Argentina, Uruguai, Chile) necessitavam aumentar sua mão-de-obra para continuar sua expansão. Nos países de acolhimento muitos encontraram tolerância, liberdade religiosa e condições de prosperarem economicamente. Os imigrantes árabes fixaram-se principalmente nas grandes e médias cidades e dedicaram-se em geral ao comércio. Também vieram numerosos contingentes de japoneses, chineses, indianos (estes em geral se fixaram nas colónias inglesas, como a Guiana) e, a partir do século XX, coreanos. Por outro lado, a imigração de povos minoritários dentro dos impérios Russo e Otomano, tais como os poloneses e ucranianos no primeiro e os arménios no segundo, cresceu. CONCLUSÃO:
Com este trabalho de grupo, aprendemos que, durante o século XIX, devido às grandes revoluções agrícola, industrial, liberal e dos transportes, teve, como uma das consequências um aumento significativo da população, que passou a viver num aglomerado populacional, denominado cidade. Devido às más condições de vida, os habitantes foram obrigados a emigrar... Para mais informações relacionadas com os principais fluxos migratórios do século XIX, consulte o Prezi realizado pelos mesmos autores indicado no seguinte "link":
http://prezi.com/qmbzc3lmg_i2/fluxos-migratorios-do-sec-xix/
Full transcript