Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Lógica e Argumentação: a distinção validade/verdade

No description
by

José Joaquim Fernandes

on 17 October 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Lógica e Argumentação: a distinção validade/verdade

Noção de argumento
Apresentar bons argumentos é muito importante para levarmos o nosso interlocutor a aceitar os nossos pontos de vista.
A
lógica
é a disciplina filosófica que estuda a argumentação.
Um argumento é um conjunto de proposições relacionadas entre si de tal modo que seja possível, mediante um
raciocínio ou inferência
, defender ou justificar uma delas -
a conclusão
- com base na outra ou nas outras, que se chamam
premissas
.
Se amanhã o tempo estiver quente, vou até à Praia Grande.
Não fui à Praia Grande.
Logo, o tempo não esteve quente.
Eis dois exemplos de argumentos:
Premissas
Conclusão
Reparem num argumento como o seguinte:
Nenhum aluno do 12º ano tem mais de 20 anos de idade.
A Sara é aluna do 12º ano.
Logo, a Sara não tem mais de 20 anos.

A confança, em termos de verdade, na conclusão a que chegamos está dependente do valor de verdade de cada uma das premissas.


Qualquer prática humana que provoque intencionalmente dor nos animais é inaceitável.
As touradas provocam intencionalmente dor nos animais.
Logo, as touradas são inaceitáveis.
Vejam os exemplos seguintes:
Como poderemos "arrumar" este argumento?
Tentem, agora, apurar o vosso sentido lógico formalizando os seguintes argumentos:

1) Não acredito que Deus exista. Se Deus existisse, o mundo não estaria cheio de injustiças, violência e e doenças que afectam tanta gente. Ora, infelizmente esse é o mundo que existe...
2) "Garanto-vos: qualquer aluno que siga com atenção o que se passa nas aulas de AI, consegue bons resultados no final do módulo. O problema é que muitos de vocês não vão conseguir fazer isso! E esses arriscam-se a não obterem bons resultados e a reprovar..."
Convém que fique bem claro o seguinte:
um argumento pode ter uma ou mais premissas. Todavia,
só pode ter uma conclusão.
Uma proposição é uma frase declarativa que tem valor de verdade.
Isto significa que qualquer proposição pode ser declarada verdadeira ou falsa, ou seja,
a verdade é uma propriedade das proposições
.
Dado que um argumento é constituído por proposições, é relevante sabermos se essas proposições são verdadeiras ou falsas.
Como parece óbvio, se uma ou mais premissas são falsas esse argumento perde força, dado que somos levados a não aceitar a conclusão.
Atenção, agora, ao seguinte:
Um argumento é um conjunto de proposições articuladas logicamente entre si.
O modo ou
a forma lógica
como essa articulação está feita não é verdadeira nem falsa: pode estar logicamente correta ou não. Isto significa que
os argumentos não são verdadeiros ou falsos
.
O conceito de
validade
designa, em lógica, o modo de relacionar as proposições que constituem um argumento.
A
lógica

investiga os modos válidos de relacionar proposições nos argumentos permitindo distinguir os válidos dos inválidos.
De acordo com o que acabamos de dizer, existem duas formas de encarar este argumento:
1.
Podemos interrogar-nos sobre o valor de verdade de cada uma das proposições que o constituem.
Por ex.: será verdadeira a 2ª premissa?
2.
Podemos interrogar-nos sobre a forma lógica como está desenvolvido o raciocínio.
Estará bem desenvolvido o raciocínio? Será válido o argumento?
Se fizermos o mesmo exercício sobre o seguinte argumento, a que conclusões podemos chegar?
Todos os alunos do 12º CPTS são adolescentes
Alguns adolescentes são indisciplinados
Logo, alguns alunos do 12º CPTS são indisciplinados

A nossa primeira questão é a seguinte:
o que é um argumento
?
Nos exemplos de argumentos que acabamos de analisar, esses argumentos aparecem bem organizados: temos duas premissas seguidas de uma conclusão.
Acontece que, numa normal troca de argumentos, raramente os intervenientes apresentam os seus argumentos assim bem organizados.
Voltemos, por um momento, atrás...
O normal é que um argumento como este, possa aparecer no meio de um debate, apresentado por alguém que diz o seguinte:
"Sou completamente contra as touradas! É uma prática desumana inaceitável! Como é que se pode estar de acordo com o sofrimento infringido aos animais? Cá para mim qualquer dor infringida intencionalmente a animais é inaceitável e é isso que se passa nas touradas."
Para sabermos se a pessoa que está a argumentar está a raciocinar de modo correto, para sabermos se o seu argumento é válido, é importante "limparmos" o seu discurso e organizarmos ou formalizarmos o seu argumento.
O problema é o seguinte: como saber quais são as premissas e qual é a conclusão?
Se Deus existisse, o mundo não estava cheio de injustiças, violência e doenças.
O mundo está cheio de injustiças, violência e doenças.
Logo, Deus não existe.
Todos os alunos que sigam com atenção o que se passa nas aulas obtêm bons resultados no final do módulo.
Alguns alunos não seguem com atenção o que se passa nas aulas.
Logo, alguns alunos não obtêm bons resultados no final do módulo.
Cuidado!
Este argumento é inválido!!!!
Alguém é capaz de me dizer porquê?
Vamos a outro exemplo um pouco mais simples:
"
Dado que
qualquer aluno para entrar em medicina necessita de uma nota de candidatura acima de 17,5 e
visto que
a Andreia concorreu com uma nota de 16,4
,
daí se segue
que ela não entrou em medicina"
.
Indicadores de premissas
:
porque...
pois...
dado que...
visto que...
devido a...
a razão é que...
admitindo que...
supondo que...
já que...
Indicadores de conclusão
:
logo...
portanto...
por isso...
daí que...
segue-se que...
conclui-se que...
consequentemente...
como tal...
Uma última questão: acontece, por vezes, que quem está a argumentar defesa de um certo ponto de vista não apenas não nos apresenta os seus argumentos de forma organizada, mas nem sequer nos apresenta alguma ou algumas das suas premissas.
Um
entimema
é um argumento que tem pelo menos uma premissa oculta.
Vamos a um exemplo:
O Lucas disse-me, no final da aula passada:
"Professor, ouvi dizer que vem todos os dias para a escola de bicicleta. Se isso é verdade, então o professor deve estar em grande forma!"
Há aqui uma premissa que o Lucas não explicitou mas que está suposta no seu argumento.
Esse argumento devidamente organizado consiste no seguinte:
"Todas as pessoas que vêm para a escola de bicicleta estão em grande forma.
O professor vem para a escola de bicicleta.
Logo, o professor está em grande forma."
Organizem os seguintes entimemas, explicitando as respetivas premissas e conclusão:
1. "O Fábio Coentrão está no Real Madrid porque é um jogador fora de série."
2. "O treinador Fernando Santos é engenheiro e, por isso, deve ter formação universitária."
Apurem o vosso sentido lógico apresentando os seguintes argumentos com as respetivas premissas e conclusão:

1. "Os gatos aprendem uma infinidade de coisas e são capazes de memorizar muita informação. Ora, se isso acontece, isso quer dizer que eles têm vida mental porque um animal que aprende e tem memória é sinal de que é capaz de pensar."
2. Os relatórios médicos têm indicado que o número de portugueses que se sentem deprimidos tem aumentado nos últimos anos.
A mãe da Ana, desde que perdeu o emprego, é um exemplo dessa realidade: ela tem andado triste e deprimida. Como poderia ser de outro modo? Qualquer pessoa nessas condições, vendo-se privada de recursos para ter uma vida digna, se deve sentir desesperada.
Quando estamos a comunicar verbalmente (por ex. apresentar um trabalho numa aula; apresentar-se para uma entrevista de emprego) é muito importante saber
exprimir bem as ideias
e ser
convincente
.

Um outro exemplo de um argumento:

Trabalhar numa empresa é sempre uma experiência enriquecedora
. (Premissa 1)
A Raquel esteve, este verão, a trabalhar numa empresa.
(Premissa 2)
Logo,
ela teve uma experiência enriquecedora
.

(Conclusão)
Ainda um outro exemplo:
Se o Nuno fizer todos os módulos do Curso de Vendas, pode candidatar-se à Academia de Polícia.
Ele não fez todos os módulos.
Logo, ________________________________________
Como acabamos de ver, um argumento é constituído por proposições: umas são premissas e a outra é a conclusão.
O que é uma proposição?
Há certas frases que não são proposições dado que não afirmam ou declaram nada sobre o que existe. É o caso das seguintes frases:
Quantas vezes vão ao facebook por dia?
Quem me dera ganhar o euromilhões!
No próximo fim de semana, talvez vá à praia...
Quais as premissas e qual a conclusão deste argumento?
Argumentação
Validade/verdade

Um exemplo de argumento:

De acordo com a informação disponível,
todos os alunos que terminaram o respetivo Curso Profissional conseguiram arranjar emprego no prazo de seis meses
.
A Beatriz vai acabar o Curso Profissional em Julho de 2017
.
Portanto,
ela vai arranjar emprego até ao final desse ano.
Exercício:

Cada grupo vai construir um argumento.
Qualquer aluno que trabalhe e estude acaba por não fazer algum módulo.
O Flávio estuda e está a trabalhar.
Logo, ele vai deixar algum módulo por fazer.
Alguns jogadores de futebol ganham imenso dinheiro.
O Djú é jogador de futebol.
Portanto ganha muito dinheiro.
E, se este argumento fosse apresentado assim:

Qualquer jogador de futebol ganha imenso dinheiro
O Djú é jogador de futebol.
Portanto, ele está rico.
Agora um exemplo um pouco mais complicado:

Há alunos que não respeitam os professores. Querem saber por quê? Porque estão sempre a falar nas aulas e com isso a prejudicar o seu trabalho. Ora, digam-me lá: prejudicar o trabalho de uma pessoa não é faltar-lhe ao respeito? Claro que é!
Quais as premisssas e conclusão deste argumento?
Full transcript