Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ARMAZENAGEM

No description
by

Juliana Souza

on 19 August 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ARMAZENAGEM

ARMAZENAGEM
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS
Alunas: Ana Beatriz, Andressa Assis,
Gabriela, Juliana e Thalia.

LAYOUT DO ARMAZÉM
Dimensionamento de Espaços
O problema de dimensionamento de espaço se dá por vários motivos:

Recebimento;
Estocagem;
Suprimento;
Material em processo;
Peças acabadas;
Material de reprocessamento;
Refugos, cavacos e/ou sucatas;
Miscelâneas;
Armazém de produtos acabados;
Layout do Armazém - Fatores do Layout
Dimensionamento de Espaços - Determinação de Espaço
Um layout apropriado é constituído pelo balanço entre três objetivos:

• Bom fluxo de material.

• Custos de operação baixos para estocagem e coleta.

• Eficiente utilização do espaço de estocagem e do equipamento.

Para determinar o espaço necessário, é importante fazer as seguintes relações:

Relação nível de estoque X planejamento do armazém

Relação estoque X espaço X tempo
1. Assegurar a utilização máxima do espaço:
• Físico;

• Necessidade de um cliente quaisquer;




Produção
Controle de Estoque
Armazenagem
Transporte e Distribuição
Dimensionamento de Espaços: Importância do Espaço
3. Propiciar a estocagem mais econômica, em relação ao:

• Equipamento

• Espaço

• Danos de material e Mão-de-obra.



Este princípio visa a correta utilização do espaço, estando incluso:

Cargas para armazenar;

Níveis de armazenamento;

Estrutura para armazenagem;

Utilização dos meios mecânicos;
4. Propiciar flexibilidade máxima para satisfazer as necessidades de mudança de estocagem e movimentação;



5. Fazer do armazém um modelo de boa organização;
2. Propiciar a mais eficiente movimentação de materiais;
Dimensionamento de Espaços - Planejamento do Espaço
Ocupa-se da quantificação de espaço, tendo a metodologia geral de:
Determinar o que será feito;

Determinar como fazer;

Documentar as necessidades de espaço de cada elemento;

Derterminar as necessidades totais de espaço

A partir disso, pode-se visar as atividades de planejamento dentro do armazém:

Transição de mercadorias: Recebimento e expedição;
Espaço necessário para estocagem;
Dimensionamento de Espaços - Planejamento do Espaço para Recebimento, Expedição e Definição dos Materiais
Para alcançar um bom planejamento, é preciso fazer a integração das atividades incluindo variáveis. Além disso, é necessário obter a eficiência e eficácia no armazém, e portanto, definir os materias a serem recebidos e expedidos. Faz-se isso por meio da TAER.
TAER: Tabela de Análise de Expedição e Recebimento
Dimensionamento de Espaços - Categoria Genérica
É a filosofia apropriada para fazer os resgistros dos materiais que serão recebidos ou expedidos, complementando a TAER.

Vantagens:
Diminui-se o trabalho;

Aumento no valor da informação;
Categoria Genérica
Dimensionamento de Espaços - Espaço para Manobra nas Áreas de Recebimento e Expedição
Este método consiste em dois componentes:

Espaço para plataforma niveladora;

Corredor de manobras;
Plataforma Niveladora Permanente
Plataforma Niveladora no próprio veículo
Dimensionamento de Espaços - Necessidades de Área para Estocagem de Recebimento e Expedição
Esta área refere-se a área intermediária, onde são guardados os materiais durante a transferência entre o armazém e a empresa transportadora.
Área de Estocagem para recebimento e expedição
Dimensionamento de Espaços - Necessidades de Espaço para atividades relacionadas com a Doca
Longarina
As áreas mais importantes relacionadas com a doca são:

Espaço para escritório;

Espaço para controle de qualidade;

Espaço para depósito de lixo;

Espaço para estocagem de paletes;

Espaço de sala para motoristas;
Metodologia geral para projetar o layout:
1. Definir a localização de todos os obstáculos;


2. Localizar as áreas de recebimento e expedição;

Dimensionamento de Espaços - Planejamento do Espaço para Estocagem
Layout do Armazém - Fatores do Layout - Metodologia
Os passos necessários para definir o melhor espaço são:

Definir os materiais a serem estocados;


Definir a filosofia apropiada de estocagem;


Determinar as necessidades de espaço para os métodos alternativos de estocagem;
Layout do Armazém - Fatores do Layout - Metodologia
3. Localizar as áreas:

• Primárias: seleção de pedidos, gestão de estoques, transporte.

• Secundárias ou de apoio: manuseio de materiais, obtenção, armazenagem etc.

• Separação de pedidos: Minimizar o tempo de rota e de serviço no local de estoque;

• Estoque: assegurar que serão deixados espaços para todos os itens;

Layout do Armazém - Fatores do Layout - Objetivos
Planejamento do Espaço para Estocagem - Definir os Materiais
Layout do Armazém - Fatores do Layout - Objetivos
Layout do Armazém - Fatores do Layout - Objetivos
Para se definir e também facilitar todos o processo dos materias a serem estocados, é preciso analisar TAE (Tabela de Análise de Estocagem).
Layout do Armazém - Fatores do Layout - Objetivos
Layout do Armazém - Fatores do Layout - Metodologia
4. Definir o sistema de localização do estoque:

• Manual ou Eletrônico;

• Sistema de endereçamento variável


Sistema de endereçamento fixo:

5. Avaliar as alternativas de layout do armazém;
Planejamento do Espaço para Estocagem - Definir a Filosofia
Há três filosofias de estocagem de material:
Estocagem com localização aleatória;

Estocagem com localização definida;

Estocagem com localização combinada;
Layout do Armazém - Critérios Avaliativos do Layout do Armazém
Cada layout deve ser avaliado com base no ponto até onde são seguidas várias filosofias básicas, entre os quais:

1. Intensidade de Uso

2. Semelhança

3. Tamanho
Estocar mercadorias pesadas, volumosas e de difícil movimentação, próximas ao seu ponto de uso;

Propiciar vários locais e tamanhos para estocagem;





Layout do Armazém - Critérios Avaliativos do Layout do Armazém
4. Características dos materiais:

Projetar o layout para acomodar apropriadamente os itens perecíveis;

Planejar a proteção dos materiais perigosos contra incêndios e proteger os outros contra os materiais perigosos, no caso de um acidente;
Layout do Armazém - Critérios Avaliativos do Layout do Armazém
5. Utilização do Espaço

Deve-se fazer a marcação dos corredores para conservá-los;
Layout do Armazém - Variações dos Custos com Layout
É de extrema importância considerar a relação entre o custo do sistema de armazenagem e o da construção do armazém.

Estudos econômicos têm demonstrado que o custo de construção de um armazém do tipo quadrado é mais baixo que o do tipo retangular.

Sistemas automatizados de estocagem oferecem substanciais reduções nos custos de construção;

Armazéns de elevado pé-direito, de forma cúbica, os custos de construção são mais baixos;

Método usados para estocar materiais.
Layout do Armazém - Critérios Avaliativos do Layout do Armazém
5. Utilização do Espaço (continuação) :

Todos os lados da estocagem devem ter por acesso um corredor;
O DESAFIO FUTURO DOS SISTEMAS
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
O Desafio Futuro dos Sistemas
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
O Desafio Futuro dos Sistemas - Justificativa do Sistema
A partir de experiências, constatou-se que o "real time data processing" é especialmente apropriado para melhor contole em armazém, pois irá fazer a localização dos materiais com maior precisão e assim, otimizar tempo.

Porém, a partir dessa vantagem, tem-se a desvantagem, podendo este sistema possuir algum tipo de avarias.
O Desafio Futuro dos Sistemas- Armazenagem com Computadores
O controle feito por sistemas de computadores abrange:

Controle do sistema completo de transporte;
Identificação ótica das cargas por quantidade;
Endereço para cada carga;
Distribuição de material em corredores específicos;
Retirada de carga pelo sistema LIFO e FIFO;
Comunicação, em tempo real, com outra central;
Programação da produção e atualização;
Registros de todas as informações anteriores;
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
A justificativa financeira e a análise de retorno, são a medição pela qual a administração aceita ou rejeita um sistema proposto de armazenagem.
O Desafio Futuro dos Sistemas - Investimento no Terreno
Armazéns automatizados, com grande elevação exige menos espaço de piso, aproveitando-se mais do "direito de ar".
O Desafio Futuro dos Sistemas - Construção
Para a construção do armazém, é necessário ter todo um projeto, para que se possa visualizar ande irá gastar mais e onde irá economizar.
O Desafio Futuro dos Sistemas - Equipamentos
Os investimentos em equipamentos de movimentação são maiores em um armazém automático do que em um armazém convencional.
O Desafio Futuro dos Sistemas - Custos Operacionais
Custo em mão-de-obra direta e indireta;

Custo de manutenção de estoque;

Manutenção;

Energia;
A armazenagem oferece oportunidades de redução de custos através da automação, podendo a operação de um armazém ser vista em três fases:

1. Operação manual total;

2. Automação parcial ou Semi - automação;

3. Automação total;
Na armazenagem, tem-se um um termo: "Stock Keeping Unit" (SKU), ou seja, qualquer unidade de estoque, que designa os diferentes itens do estoque por meio de um código identificador. E cada uma das unidades é diferenciada pela cor, tamanho, sabor etc.
Redução da largura dos corredores;

Otimização de espaço vertical;
Avanço tecnológico;

Alta velocidade, precisão e possibilidade de armazenar um conjunto de intruções para resolver problemas.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
Construções de alturas superiores a 10 metros com corredores estreitos;
Novos equipamentos e técnicas;

Melhor execução, rapidez e segurança;

ELIMINAÇÃO TOTAL DO HOMEM;

Vantagem econômica.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Sistema Automatizado com Estrutura de Alta Elevação
História
Europa / Início da Década de 50;
Terrenos caros / sem expansão;
Estocagem mais alta = problemas de acesso;
Empilhadeiras: Corredores largos e limite de elevação.
Novo conceito na movimentação de materiais;
Nasce o transelevador.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
História
90º
Mastros Verticais
Trilhos
Canais
O operador foi substituido por controles automáticos;









Corredores reduzidos;

Aspectos operacionais se tornaram funções em tempo real;
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
Evolução
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA
Segmento com crescimento mais significativo na indústria de movimentação de materiais.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
1º Passo: Definir metas e objetivos

1 - Liberar espaço usado em armazenagem tornando-o disponível para a manufatura;
2 - Ganhar espaço;
3 - Aumentar a capacidade do armazém;
4 - Eliminar movimentação repetitiva;
5 - Minimizar os danos;
6 - Melhorar a rotatividade;
7 - Controlar ou reduzir o estoque;
8 - Obedecer os pré requisitos da estocagem;
9 - Reduzir os custos operacionais;
10 - Reduzir os furtos;
11 - Aumentar a produtividade do trabalho;
12 - Ambiente de trabalho mais seguro e agradável;
13 - Melhorar o serviço;
2º Passo: Organizar uma equipe de trabalho
Empresa de consultoria;
Definir os materiais a serem recebidos e expedidos;

Determinar as necessidades de plataforma (docas) de recebimento e expedição;

Determinar as necessidades de espaço para circulação de veículos;

Determinar os espaços para manobra dentro do armazém;

Determinar as necessidades de áreas intermediárias;

Determinar as necessidades de espaço para atividades relacionadas à plataforma;
Planejamento do espaço para estocagem - Definir a filosofia
Layout do Armazém - Definir a Localização de obstáculos
Atividades para alcançar um bom Planejamento
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
O Desafio Futuro dos Sistemas - Ganhos na Automação
Revisão do fluxo de materiais, atual e proposto;

Atendimento.
Layout do Armazém - Localização do Estoque
Problema de distribuição, onde precisa decidir sobre o layout físico da mercadoria;

Foi abordado por:
Métodos intuivos, algorítmicos e heurísticos;


Índice de cubagem por pedido;
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Planejamento de um Armazém Automatizado
Resultado Final;

Um conjunto preliminar de especificações operacionais e funcionais, que podem proporcionar aos fornecedores do sistema os parâmetros do projeto, com os quais se pode calcular os custo finais.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Transelevadores
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA ARMAZENAGEM
Tecnologia da Informção na Armazengem - Código de Barras - O que é e Como Funciona?
Tecnologia da Informação na Armaznagem -Leitores de Código de Barras
Tecnologia da Informação na Armazenagem -Impressão do Código de Barras
Tecnologia da Informação na Armazenagem -Radiofrequência
O código de barras é um agrupamento de linhas, barras e espaços, segundo um padrão especial. Este padrão pode ser lido por uma máquina que se comunica com pessoas ou com outras máquinas.
As máquinas que leem os dados contidos no código de barras são chamadas de leitores de código de barras. São classificados em:

Leitores potáteis;
Canetas a laser;
Leitores estacionários com feixe fixo;
Leitores estacionários com feixe móvel;


Impressora témica com Transferência de Tinta.

Impressora de Impacto com Matriz de Pontos.

Impressora de Impacto com Fonte Formada.

Impressora Térmica.

Impressora "Ink-Jet".

Impressora Eletrostática.
Layout do Armazém - Fluxo de Material
Dois princípios que devem ser seguidos para assegurar um bom fluxo de material são:

Minimizar o retrocesso: todo movimento de um item deve ser em direção à doca de expedição.

Localizar as atividades relacionadas próximas: isto reduz a distância de movimentação entre duas operações.
Minimizar o Retrocesso
Com o auxílio de uma relação de frequência de pedidos, as peças de alta rotatividade podem ser concentradas em poucos corredores, ao redor de um central, o principal. Usando o conceito do corredor central, o selecionador está exposto a um grande número de peças, situadas dentro de uma distância muito pequena. Já que a coleta é composta do percurso de corredores entre os locais, reduz o tempo de coleta.
Layout do Armazém -Distância Média Percorrida
A distância percorrida ao longo do eixo do corredor principal consiste em distâncias que passam nos extremos dos blocos de mercadorias e cruzam o corredor longitudinal.

A distância média percorrida por todas as mercadorias é dada por:


Layout do Armazém - Equação de Custo
O
n
(número de corredores) é obtido selecionando-se o valor mínimo de:
Tecnologia da Informação na Armazenagem - Leitores com e sem Contato
Os leitores de contato tem a forma de canetas e podem ser portateis ou estacionários.

O tamanho da abertura de uma caneta determina a quantidade de luz relfetida que o leitor irá "ver". Deve ser dada muita atenção à combinação da resolução da caneta com a densidade do código.

Os leitores sem contato incluem os com feixe fixo e móvel, bem como as pistolas portáteis a laser.
A comunicação de dados via radiofrequência subustitui os cabos entre um terminal de computador e o computador central. A informação que normalmente seria transmitida num cabo é tansmitida via ondas de rádio. Qualquer coisa que você podia fazer com um terminal via cabo pode fazer com ondas de rádio.
Tecnologia da Informação - Os Benefícios da RFDC
A disponibilidade, aceitação e falicidade de integração da RFDC está fazendo com que os gerentes de logística elevem suas expectativas com relação à precisão do inventário e índices de erro. Mais importante ainda, estes mesmos fatores estão estimulando os gerentes a considerarem como a tecnologia da informação pode ser usada para aumentar o componente de valor agregado de seus serviços.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA -
Transelevador com um Mastro
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA -
Transelevador com dois Mastros
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA -
Transelevador com Operador
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Transelevadores
Sistemas de Estocagem com Alta Densidade
Sistema do Homem até a peça
Mini-transelevadores
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Transelevadores
Sistemas de Estocagem com Alta Densidade
Sistema da peça até o Homem
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Transelevadores
Sistemas de Estocagem com Alta Densidade
Profundidade;

Admite a estocagem de duas ou mais cargas unitizadas por endereço no corredor (X-Y);

Trans-robô.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Transelevadores
Seções de Retirada e Entrega
Posicionar com precisão a entrada e saída de cargas;

Pedestal estrutural e elevado;

Transportar, girar e elevar a carga;

Realizar funções auxiliares.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Transelevadores
Controles
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Módulos de Estocagem
Controles Manuais - Operações de todas as funções do transelevador;

Controles Automáticos;

Manutenção - Controles manuais.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
Qualidade e velocidade das informações;
Fluxo de informações e tecnologia disponíveis;
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Mapeamento de Processos
Conhecer melhor a inter-relação do fluxo de materiais com o fluxo de informações no armazém;

Técnica de indentificar todos o fluxos de um armazém;
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Mapeamento de Processos
Fluxo de materiais
Fluxo de Informações

Controle;
Interface entre clientes e fornecedores;
Recebimento Estoque Expedição
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Mapeamento de Processos
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Identificar todas as premissas e procedimentos operacionais que caracterizam o sistema de gerenciamento do armazém.
Para onde encaminhamos cada item?

Como controlamos as quantidades?

Como o pessoal operacional recebe as tarefas a serem desenvolvidas?

Que critérios são adotados para separação de pedidos?

Estocamos mais de um item em uma mesma posição de estocagem?
...
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Temos que dar tratamentos operacionais diferenciados?

Existem diferenças nas condições de estocagem para cada item?

Devemos desenvolver a operação de "cross-docking".

Planejamos com antecedência o recebimento de materiais?
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
O fator mais significativo no projeto de layout de um transelevador é a configuração de carga/tamanho/peso.

O módulo de estocagem contém e sustenta o material a ser estocado e movimentado.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Módulos de Estocagem
Cargas autossuficientes em que não se precisa de mais nenhum apoio, são em si, módulos autossuficientes.
DRP - Distribution Requeriments Planning
Sistema de planejamento global;

Integrantes da cadeia de abastecimento entendam as suas necessidades logísticas;

Planejamento global, evolvendo a armazenagem.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Módulos de Estocagem
O armazém automático deve proporcionar o controle e a rejeição de quaisquer módulos de estocagem que excedam as dimensões predeterminadas.

É preciso definir a dimensão física e o peso bruto de todas as cargas movimentadas no sistema e determinar o número e o tipo de contenedor de cada carga estocada.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Estruturas de Estocagem
A função da estrutura de estocagem, em um armazém automático, é sustentar vários níveis de cargas, que podem ser selecionadas individualmente.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Estruturas de Estocagem - Configuração Física
A configuração final da estrutura resulta da definição de:
1 - Número das cargas horizontais em uma fileira.
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Estruturas de Estocagem - Configuração Física
2 - Número das cargas estocadas verticalmente em uma fileira;
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Estruturas de Estocagem - Configuração Física
3 - Número de empilhadeiras/corredores;

Estocagem em uma ou duas profundidades ou em corredor com largura dupla;
ARMAZENAGEM AUTOMÁTICA - Ciclos Operacionais
Layout do Armazém - Custos de Operações de Estocagem
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
EDI - Electronic Data Interchange
Transferência eletrônica de documentos de um sistema de computador para outro sistema de computador;




Alto nível de precisão;

Veloz;
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
TMS - Transportation Management Systems
Planejamento de Transporte;

Controle de Desempenho do Transporte;

Controle de Carregamento do Veículo;

Controle de Distâncias e Rotas Percorridas;

Pagamento de Frete.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Auto ID - Identificação automática e RFDC - Coleta de Dados por Radiofrequencia
Apoia a identificação do produto em todas as etapas da cadeia de abastecimento;

Potencial máximo
Tecnologia de identificação
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Outros sistemas que são técnicamente viáveis:
Sistema de separação sem papéis;

Sistemas de reconhecimento de voz;

Óculos Virtuais - VWMS;
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
A EFICIÊNCIA DE UM SISTEMA DEPENDE DA EFICIÊNCIA DOS DEMAIS.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
WMS - Warehouse Management Sytems
Sistema de gestão de armazéns que otimiza todas as atividades operacionais e administrativas.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Existem diversos sistemas que se passam por WMS, mas não são.

Exemplo:
WCS - Warehouse Control Systems
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
O verdadeiro WMS possue capacidades gerenciais.

Pode otimizar o negócio da empresa:
1) Redução de Custo;

2) Melhoria do Serviço ao cliente;
WMS - Warehouse Management Sytems
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
WMS - Warehouse Management Sytems
Nível de serviço do cliente é o primeiro foco de melhoria;

Evita-se atividades de controle e conferência manuais (autoverificação).

Contribui para a redução do "lead-time".
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Erros que devem ser evitados
Corredor com uma Largura/Estrutura com uma Profundidade.
Corredor com uma Largura/Estrutura com Dupla Profundidade
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Erros que devem ser evitados
Não dar treinamento sobre o sistema.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Erros que devem ser evitados
Dados Insatisfatórios.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Erros que devem ser evitados
Não auditar os resultados obtidos.
Dimensionamento de Espaços - Necessidades de Espaço para Métodos Alternativos de Estocagem
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Funcionalidades de uma Solução WMS
Processa o pedido;
Processa pedidos em atraso;
Programação e entrada de pedidos;
Inspeção e controle de qualidade;
Controla o estoque;
Controla o Lote;
Atualizações
online;
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Funcionalidades de uma Solução WMS
Controla divergências de estoque;
Capacidade de previsão;
Endereçamento automático;
Programa a mão-de-obra necessária;
Analisa o desempenho da mão de obra;
Analisa a produtividade da mão-de-obra;
Determina a rota de separação;
Determina a prioridade de descarga;
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
Funcionalidades de uma Solução WMS
Possibilita separação por tipo de produto, cliente, pedido, etc;
Controla o processo de
Cross Docking;
Controla transferências e reabastecimentos de estoque;
Prepara documentos de expedição;
Programa a manutenção dos veículos;
Possui banco de dados com Taxas de fretes.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
WMS - Warehouse Management Sytems
Sistema central de informações das operações de armazenagem e distribuição;
Solução precisa satisfazer as necessidades do processo logístico de armazenagem.


Integração - Velocidade - Qualidade
Ciclo Único:
Separação Comando de estocagem/retirada;

Ciclo Duplo:
Separação Execução consecutiva do comando de estocagem e retirada;
As necessidades de espaço para estocagem em um armazém dependem de dois fatores básicos:

1.
A natureza do produto a ser estocado;

2.
A natureza dos métodos usados de estocagem e movimentação.

O Primeiro Fator
Definição das características físicas dos produtos a serem estocados e dos níveis planejados de estoques a serem mantidos no armazém, podendo ser definido segundo a Tabela de Análise de Estocagem.
Dimensionamento de Espaços - Corredores
Os corredores devem ser localizados de forma a manter um bom acesso ao estoque, aos equipamentos de carga e descarga e às áreas de serviços auxiliares.
Alguns dos fatores que afetam a distribuição e a largura dos corredores são:

Tipo de estrutura de estocagem;
Equipamento de movimentação: tipo, tamanho, capacidade, raio de giro, etc;
Tamanho dos itens estocados;
Facilidade de acesso desejado;
Quantidade dos itens estocados;
Localização das paredes corta-fogo;
Capacidade de carga de piso;
Localização de elevadores e rampas.
Dimensionamento de Espaços - Corredores
Há diversos tipos de corredores, os mais comuns são:

1. Corredores de trabalho
São aqueles através dos quais o material é colocado ou retirado da estocagem:

a) Corredores principais
Se estendem através de todo o prédio e devem permitir o tráfego nos dois sentidos;

b) Corredores secundários
Se estendem através de todo o prédio, geralmente conduzindo a portas opostas.
Dimensionamento de Espaços - Corredores
Algumas sugestões úteis para o dimensionamento dos corredores:

1.
Devem ser retilíneos (o máximo possível);

2.
Não devem ser obstruídos;

3.
Devem reduzir as portas, quando possível;

4.
As intersecções devem ser minimizadas;

5.
Devem ser largos o bastante para permitir a operação eficiente
do equipamento e das pessoas;
Dimensionamento de Espaços - Largura do Corredor para Empilhamento em Ângulo Reto
A largura do corredor para o empilhamento em ângulo reto é aquela necessária para girar a empilhadeira a 90º, a fim de que esta deposite um material na sua lateral. Quatro fatores estão envolvidos para determinar esta dimensão:

Raio de giro (externo e interno);

Distância entre a linha central do eixo dianteiro (tração) e a frente do suporte dos garfos;

Comprimento da carga ou do garfo (o que for maior);

Fator de segurança (folga).
O Segundo Fator
Definição através de três fatores de uso de espaço ou de acessibilidade:
(1)
Espaço para Corredores,
(2)
Espaço Vazio na Estocagem e
(3)
Espaço para Entrada/Saída.

1.
Espaço para Corredores é a porcentagem ocupada dentro da área de estocagem.

2.
Espaço Vazio na Estocagem é a porcentagem do espaço perdido por conta do uso ineficiente da capacidade de uma área.
Dimensionamento de Espaços - Necessidades de Espaço para Métodos Alternativos de Estocagem
2. Corredores de pessoal
São aquele usados somente por pessoas, para acesso a áreas especiais ou interiores do prédio. Devem, na medida do possível, ser demarcados.

3. Corredores auxiliares
Necessários para o acesso a serviços, equipamentos contra incêndio, etc.
Dimensionamento de Espaços - Corredores
Dimensionamento de Espaços - Corredores
6.
As colunas podem ser usadas frequentemente como divisões;

7.
Todos os itens estocados devem ser convenientemente
acessíveis;

8.
Devem ser identificados por uma linha com largura de 8 a 10 cm,
marcada no piso;

9.
Devem ter mão única, exceto os principais;

10.
Nenhum material, em qualquer situação, deve ser colocado nos
corredores.
Dimensionamento de Espaços -
Cálculos de largura de Corredores
Dimensionamento de Espaços - Cálculo de largura de Corredores para Paleteiras, Transpaleteiras e Empilhadeiras de Patola
A largura máxima é dada por:

A = K + D + W + C

Onde:
A = Largura mínima do corredor
D = Distância da face da carga até a linha de giro do timão de direção
W= Comprimento da carga
C = Folga desejada para cada aplicação
K = Comprimento do timão, no sentido de marcha, mais o espaço necessário para o operador controlar (a pé)

Dimensionamento de Espaços - Cálculo de largura de Corredores para Empilhadeiras a Contrapeso
A classificação da carga a ser transportada, pode ser feita assim:

Faixa I: cargas de pequena largura L<2B;
Faixa II: cargas de média largura 2B<L<2 (Rl-B)
Faixa III: cargas de grande largura L>2 (Rl-B)

Sendo:
B = Metade da largura da empilhadeira, mais o raio de giro interno (R)
Rl = Raio de giro externo (empilhadeira sem carga e em baixa velocidade)
L = Largura da carga
Empilhadeira a Contrapeso
Dimensionamento de Espaços -
Cálculo de largura de Corredores para Empilhadeiras de Mastro Retrátil
Empilhadeira de Mastro Retrátil
1)
Cargas de comprimento menor que a largura da empilhadeira
(W < H)


Onde :
X = recuo do mastro

2)
Cargas de comprimento médio, ou H<W<Rl
A = Rl + C + G


3)
Cargas de grande comprimento, ou G>W
A = K + C
K = diagonal de carga
Olhando para o futuro, é possível que as tendências ou os progressos revolucionários em distribuição, as normas de compra, a embalagem e os meios de transporte modifiquem radicalmente o conceito atual de um armazém e centro de distribuição, parece provável que teremos cada vez mais instalações e equipamentos por empregado, com aumento na produção homem/hora.
Os carros, reboques rodoviários e caminhões que chegarem nas docas serão equipados com descarregadores automáticos, podendo despejar suas cargas sobre grandes lençóis transportadores, que levarão às linhas de inspeção, classificação e marcação.
O Desafio Futuro dos Sistemas
As mercadorias necessárias para processamento ou embarque serão retiradas do armazém pelo toque de um botão, ou pelo sinal transmitido por um cartão. Seguirão sobre transportadores até as linhas de classificação, de acordo com o departamento, consumidor, destino, hora de embarque e, se necessário for, poderão ser pesadas, carimbadas com data e rotuladas.
O Desafio Futuro dos Sistemas
Nem sempre é necessário um computador para controlar todas as situações num armazém, mas as tarefas abaixo normalmente exigem um controle por processamento eletrônico de dados:

Reter as informações para usá-las mais tarde (manter as informações dos controles de entradas e saídas);

Decisões sobre transferência de materiais (programação de uma carga de um local para o outro);

Retorno de informação sobre o que ocorreu (quanto saiu e para onde foi);
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
Computadores comandam as operações de entrada, estocagem e saída de materiais, através de transportadores horizontais e verticais, estes comandos significam que o computador aciona e para motores, guia transelevadores, dispara os mecanismos de elevação e outros sinais são transmitidos por lógica em controles instalados nos equipamentos.
Num sistema de controle, o computador mantém um arquivo de estoque, onde cada carga paletizada é enviada para um box vago no porta-paletes, numa sequência:

FIFO (primeiro a entrar e primeiro a sair);

LIFO (último a entrar e primeiro a sair);

Locomoção para a área disponível mais próxima do local de consumo.
Armazéns que estocam produtos sujeitos a determinadas condições ambientais – como a armazenagem em baixas temperaturas para alimentos perecíveis e armazenagem em ambientes que exigem gases na atmosfera interna para a preservação, como filmes fotográficos – limitam a capacidade humana.

Os armazéns elevados em estruturas porta-paletes (autoportantes) exigem maior comprimento do que altura, com isso surge a necessidade de criar registros exatos de pontos de estocagem, com a indicação de box vago ou não.
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
Os computadores operam em duas categorias de processamento: sistema em lotes e em tempo real.

O primeiro sistema é organizado para o processamento de tarefas a longo prazo, o segundo, em tempo real, é organizado para operar com tarefas de curta duração.
A exigência para a armazenagem automatizada está baseada em três motivos principais:

Num armazém, a entrada e a saída de materiais são dinâmicas e têm que adaptar-se às condições de demanda e produção;

Deve-se reduzir o período entre a entrada e a saída do material, a execução de um pedido e a saída do material, através de uma organização adequada;

Possibilitar o desenvolvimento de grandes armazéns centrais, com modernas aplicações técnicas de armazenagem.
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
Entretanto, ainda se deve considerar outras informações básicas, tais como:

Uma carga possuirá um só tipo de produto ou vários?
Como devem ser tratadas as cargas parciais?
Quantos tipos de produtos serão armazenados?
É possível padronizar todos os tamanhos de cargas?
A ordem de separação será preestabelecida?
A retirada FIFO será necessária?
Os produtos serão estocados em corredores estipulados ou espalhados aleatoriamente pelos corredores?
Características a avaliar as funções do computador:

Processamento de dados de entrada/saída, o que pode exigir um computador de capacidade significativa;

Processamento ininterrupto, que é uma técnica que permite ao computador controlar e executar tarefas em tempo real;

Sistema de acesso aos arquivos de registros, para minimizar o tempo de processamento.

Existem dois sistemas de processamento de dados:

Sistema “off-line” – processamento indireto
Sistema “on-line” – processamento direto
Principais tópicos da automatização parcial das funções:

Comando automático dos equipamentos;
Controladores de carga;
Dispositivo regulador de alturas e comprimentos;
Indicador da posição do equipamento.

Um sistema de memória de disco permite o registro permanente das quantidades, de modo que, tendo alguns espaços vazios, eles são indicados como livres para nova armazenagem.
O Desafio Futuro dos Sistemas - Armazenagem com Computadores
Por cada peça armazenada que se move, entra no computador um “cartão de movimento”, no qual constam alguns dados como:

Data da armazenagem;

Código do produto;

Estante a que se destina;

Número da armazenagem;

Número da encomenda.
TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -
Sistemas de Gerenciamento do Armazém
O limite da capacidade humana
Essa limitação deve-se ao fato de que as pessoas não conseguirão desenvolver determinadas atividades operacionais sem apoio dos sistemas como:
Movimentação de um grande volume de materiais;
Separação de um grande volume de cargas fracionadas;
Administração de muitas pessoas trabalhando simultaneamente, entre outras.
Full transcript