Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ENTRE O IMPLÍCITO E O EXPLÍCITO: Erotismo e sociedade no século XXI

TCC1
by

Aline Candido

on 6 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ENTRE O IMPLÍCITO E O EXPLÍCITO: Erotismo e sociedade no século XXI

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO
CURSO DE DESIGN DE MODA


ALINE SOUZA CÂNDIDO


ENTRE O IMPLÍCITO E O EXPLÍCITO:
Erotismo e sociedade no século XXI




Orientadora: Msc. Liliane Edira Carvalho Ferreira
Coorientação: Msc. Fabiana Ludwig

2013/02
Questão Norteadora
Objetivo Geral
Criar uma coleção de lingeries eróticas que se adeque ao perfil do consumidor de materiais eróticos neste início do século XXI.
Objetivos específicos
Analisar a relação do erotismo/fetiche/sexualidade com a sociedade do século XXI;

Compreender as transformações ocorridas na sexualidade ao longo do século XX;

Definir a relação da moda com o erotismo/fetiche e a utilização do vestuário como objeto erótico;
Objetivos específicos
Analisar o mercado erótico na Grande Florianópolis;

Compreender o perfil do publico consumidor de produtos fetichistas;

Desenvolver uma coleção de lingeries eróticas focadas no mercado e atual perfil do consumidor de materiais eróticos.
PRÓXIMAS ETAPAS
4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
4.2 ANÁLISE DE CONCORRÊNCIA
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.1 METODOLOGIA DE PROCESSO EM UM PROJETO DE MODA
5.2 PROJETO DE MODA
5.3 BRIEFING
5.4 PESQUISA DE MODA
5.5 PESQUISA DE TENDÊNCIAS
5.6 CADERNO DE ESBOÇOS
5.7 PAINÉIS DE INSPIRAÇÃO
5.8 MIX DE PRODUTOS E MODA
5.9 CRIANDO A PARTIR DA PESQUISA
5.10 DESENHO TÉCNICO
5.11 FICHA TÉCNICA

4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao público
A entrevista destina ao público alvo busca mapear a relação dos indivíduos deste século com o o erotismo/fetiche/sexualidade, é composta de 19 questões que procuram abordar assuntos como erotismo, sedução, fetiche, ao ato de fantasiar e de se fantasiar, às sex shops, ao grau de intimidade com o parceiro, e a função da roupa na sedução.

Foram aplicadas 42 entrevistas, das quais:

75% dos respondentes se encontra na faixa etária entre 25 e 30 anos, idade delimitada anteriormente.
Coincidentemente 50% correspondem a entrevistados do sexo masculino, e outros 50 ao sexo feminino.
81% dos entrevistados afirmar ser heterossexuais, enquanto 19% bissexuais.
40% cursam o ensino superior e os outros 36% já o completaram. 17% dos entrevistadospossuem especialização ou mestrado
Os estímulos eróticos vão muito além de um corpo físico que desperta desejo, estando também ligados à arte, a detalhes, ao despertar da imaginação. Portanto, podendo ser relacionado a estímulos como: visuais, táteis, olfativos, gustativos e auditivos.
A questão seguinte, referente as texturas, busca complementar a anterior em relação às preferências de tecidos utilizados na moda erótica. Obtendo 30% das opções para a texura macia, 25% para a transparencia, e outros 15 relacionado a tecidos vazados, como o arrastão.
As fotos mais votadas continham tecidos como couro, látex, transparências, rendas e arrastão, seguindo a lógica das questões anteriores.
Também foi possivel constatar que as imagens que obtiveram maiores porcentagens são mais explicitas quando ao conteúdo erótico, por se tratarem de vestuário fetichista ou conterem algum tipo de nudez ou a ideia dela
As cores foram o preto com 29%, o vermelho com 24, os tons de roxo com 15% e o branco com 12%.
Fundamentação teórica
TCC 1
2 MODA E AS RELAÇÕES COM O CORPO
2.1 A DINÂMICA DO INDIVIDUALISMO
2.2 CONSUMO NA MODERNIDADE: CONSIDERAÇÕES
2.3 O CORPO: EROTIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E CONSUMO
2.4 A MODA COMO AGENTE SOCIAL
3 O EROTISMO E A SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA
3.1 A DINÂMICA DO EROTISMO
3.2 O EROTISMO E A SEXUALIDADE TRANSFIGURADA
3.3 EROTISMO VS PORNOGRAFIA: DISTINÇÕES
3.4 AS TRANSFORMAÇÕES NA SEXUALIDADE
3.5 O FETICHE: DEFINIÇÕES
3.6 A MODA E AS TRASNFORMAÇÕES NO VESTUÁRIO DO SÉCULO XX
Quais os requisitos necessários para a criação de uma coleção que atenda o público consumidor de artigos eróticos do século XXI?
4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao público
As primeiras questões referem-se a estes tipos de estímulos. Tecidos, texturas e uma questão contendo imagens e cores relacionadas aos materais buscam coletar suporte para a coleção produzida, buscando entre os usuários, tecidos considerados de cunho erótico e preferências.
48% referem-se a tecidos como couro, vinil, látex e arrastão.
Sendo que o couro foi selecinado 11% , com 12% o látex , e outros 11% ao arrastão.
As preferencias também se encontram entre tecidos finos e transparencias, apontando o cetim de seda com 16%, e a renda com 14%.
A meia-fina, considerada como complemento em relação aos outros elementos de fetiche, conta com outros 13% das opções, assinalada 23 vezes, e ainda o tule com outros 05%.

4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao público
10%
09%
09%
07%
07%
07%
4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao público
Ainda outra questão, a de numero dez, procurou reforçar as anteriores, buscando uma característica linear do que é visualmente considerado erótico tanto pelos entrevistados masculinos quanto femininos. As imagens são apresentadas buscando a análise não somente relacionada ao tecido, textura ou cores, mas em um cenário e contexto geral. São 20 opções de fotos femininas que foram selecionadas seguindo os mesmos parâmetros das anteriores, imagens retiradas de editoriais de moda, campanhas publicitárias ou de marcas de roupas íntimas.
Os resultados das análises não diferem muito da questão 06. Imagens de natureza erótica mais explícita e vestuário em couro e renda predominam sobre as outras. A cor preta parece se destacar também, porém ela já era predominante na quantidade geral de imagens.
10%
08%
08%
07%
08%
4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao público
Fantasia e fantasiar
Você costuma fantasiar? Coloca-se em outros papéis? Acha que para fantasiar precisa estar fantasiado?
A fantasia em si não é uma necessidade, apenas a imaginação já é capaz de criar uma história e um clima bem elaborado, mas é claro que cenário e vestimenta auxiliam, e até trazem maior propriedade a história encenada. Para 66% dos respondentes, que afirmam fantasiar com frequência, considerado um ótimo meio de manter o relacionamento saudável, mas que não acham necessário se fantasiar realmente, buscando fazê-lo apenas em momentos especiais ou quando procuram algo diferente.
4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao público
Sex shops

71% dos entrevistados afirmaram ter frequentado sex shops, dentre estes apenas cinco destes possuir uma frequência mensal, ou menor ou semanal, outros seis indicaram frequentar de uma a quatro vezes ao ano.
O restante, 16 entrevistados, não indicaram uma frequência, procurando pelas sex shops esporadicamente ou tendo-as frequentado uma ou outra vez na vida, pelo menos dois destes afirmam possuir pretensão de frequentarem com mais regularidade.

Foram 29 entrevistados que afirmaram já terem se utlizados de produtos de sex shop. Dentre eles, 24 compraram produtos como lubrificantes, camisinhas, óleos, géis, pomadas e canetas corporais.
08 entrevistados produtos como vibradores, dildos e plugs. Enquanto oito fizeram compras de acessórios como jogos, algemas, cordas, palmatórias, chicotes e grampos.
E ainda 08 afirmaram comprar itens de vestuário como meias, lingeries, fantasias e calcinhas eróticas.

4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao público
Fantasias eróticas
Dos 42 entrevistados apenas nove, ou seja, 21% afirmaram já terem comprado algum tipo de fantasia erótica.


Quando questionados sobre os movitos que os levam a não consumir fantasias eróticas, tres questões gerais foram percebidas,
a primeira, equivalente a 14% concerce a entrevistados que não utilizaram por vergonha, falta de oportunidade ou interesse.
17% afirmaram não serem capazes de construir uma crítica sobre as fantasias eróticas simplesmente por nunca ter pensado no assunto.
Enquanto o restante de 69% citam diversos motivos que os levam a não optar por este tipo de produto. Dois deles levantam o fator preço em comparação à qualidade do produto.



4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao mercado erótico
Foram entrevistadas07 sex shops:

05 localizadas no Centro de Florianópolis,
02no Kobrasol, bairro de São José, na Grande Florianópolis.

Na busca de lojas para entrevistar, foram listadas mais dez, oito delas estabelecidas em Florianópolis, uma na cidade da Palhoça, e outra em São José, porém, está se

71% das sex shops entrevistadas afirmam possuírem maioria dos consumidores femininos.
Outros 29%, duas lojas consideram a clientela mista, entre mulheres, homens e casais.

A idade do consumidor de artigos eróticos concentra-se entre 25 e 45 anos, afirmam os comerciantes deste ramo, somando 86% da questão.
03 destes com predominância de clientes entre 25 e 34 anos, dos quais, um reforça a idade entre 20 e 30 anos, e outro afirma possuir uma procura elevada também entre clientes de 35 a 45 anos. As outras três lojas, correspondente a 43%, com públicos entre 35 a 45, mas que se estendem dos 30 aos 50.
4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao mercado erótico
A entrevista destinada às lojas do ramo erótico busca complementar e reforçar a pesquisa anterior, desta vez sob o ponto de vista dos lojistas, e entender o perfil de mercado e do cliente de cada uma das lojas.
São questões que referem-se

aos motivos que levam os consumidores a buscar estes estabelecimentos,
ao perfil de gastos,

a forma com que vão às compras, se sozinhos ou acompanhados,

à reação dos clientes aos produtos, principalmente os de primeira viagem

Aos produtos que costumam comprar, contando com 55% da questão óleos e géis, compativel com a entrevista anterior, e as difenças entre as preferências masculinas e as femininas,

ao oferecimento de serviços diversos, como cursos e workshops,

e as fantasias eróticas.


4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.1 ANÁLISE DE QUESTIONÁRIOS E TABULAÇÃO DE DADOS
Entrevista destinada ao mercado erótico
Se anteriormente foi questionada a amostra do público consumidor sobre sua relação com o consumo de fantasias eróticas, aqui busca-se a interpretação do lojista sobre as vendas das fantasias e as preferências dos clientes.

Para 43% dos entrevistados, as vendas são relativamente boas,
compradas pelas mulheres para agradar os parceiros, pelos parceiros, como presente, para ser usada em festas à fantasia, ou para dançarinos de boates.

Na mesma proporção encontram-se sex shops que afirmam receber bastante procura, porém, não obtém uma relevância de compras tão significativas.

Para a última entrevistada, equivalente a 14%, a procura é baixa, pois acredita que seus clientes preferem lingeries.

Apenas duas das entrevistadas confirmam vender para o público masculino, correspondente a 29% das lojas. Mas apenas uma delas possui estoque de fantasias em loja, a outra vende apenas por catálogo.

Apesar da quantidade de fantasias disponíveis, as preferências demonstram ser limitadas e semelhantes para todas as lojas entrevistadas. Sendo elas, colegiais e enfermeiras, indicadas por seis das sete respondentes, policiais citada por quatro lojas, e empregada, copeira e bombeira, indicadas por uma sex shop cada.
Para o público masculino as preferências descritas foram garçom, policial e enfermeiro, indicados apenas uma vez cada.



4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.2 ANÁLISE DE CONCORRÊNCIA
Concorrente é toda a empresa que possa preencher uma mesma necessidade do consumidor, sem necessariamente dispor do mesmo produto.

No que corresponde a moda, a concorrência não ocorre apenas entre produtos de vestuário, mas também se encaixa na situação citada anteriormente, de qualquer produto que atenda a uma mesma necessidade.

Mais do que conhecer o concorrente, uma análise completa tem por objetivo prever os movimentos estratégicos que o concorrente possa vir a adotar, podendo, de forma rápida, formular uma resposta aos movimentos do concorrente, buscar uma estratégia à qual os concorrentes não consigam reagir de imediato, ou mesmo estar preparado para as respostas do concorrente às suas mudanças estratégicas e a reação de cada concorrente a alterações na indústria

os componentes principais no diagnóstico de uma análise são as metas futuras, estratégia em curso, hipóteses e capacidades

Os dados também poderão ser encontrados em relatórios e informações estatísticas publicadas, estudos de mercado e fontes publicadas por empresas de capital aberto; em material publicitário e propaganda da própria empresa, tais como folhetos, publicidade em revistas e sites; através do vazamento de informações por parte de funcionários da empresa; ou intermediários, consumidores, vendedores ou compradores, que ficariam em contato com a empresa concorrente na busca de informações

4 ANÁLISE DE PÚBLICO E MERCADO CONCORRENTE
4.2 ANÁLISE DE CONCORRÊNCIA
Através da análise do público alvo, foi possivel determinar um perfil de consumo, no qual, para o público selecionado, se apresentou desfavorável às fantasias eróticas presentes no mercado por diversos motivos

Através da análise de mercado e produtos se estabeleceu três categorias de produtos do vestuário comercializados pelas sex shops, são as lingeries; lingeries eróticas e fantasias eróticas.
As lingeries mais básicas e passíveis de uso no dia-a-dia, algumas seguindo uma linha de luxo, porém facilmente encontradas semelhantes no mercado tradicional.
A linha erótica, apresentando uma lingerie menor e adornada por mais detalhes,
e a linha de fantasias eróticas, que em nenhuma encontrada foge da ideia caricata a qual os entrevistados se referem.

A partir disto, traçado o perfil entre a compreensão do público e o produto comercializado no mercado, buscou-se um produto diferenciado alvejando suprir as faltas do mercado e atender as necessidades do consumidor.

Diversas marcas nacionais e internacionais foram pesquisadas na busca por um conceito distinto. A ideia inicial de fantasias eróticas foi desprezada e um conceito de luxo erótico adotado. Apenas neste momento foram selecionados os concorrentes de acordo com o produto fabricado. Foram selecionadas quatro grifes de lingerie internacionais, uma grife internacional que produz tanto peças eróticas quando convencionais em látex, e uma marca brasileira de vestuário erótico em látex.


5 METODOLOGIA DE PROJETO
Uma metodologia nada mais é do que um caminho racional a ser seguido para se chegar a algum lugar ou resolver algum problema.

Sua utilização se estabelece como uma maneira sistematizada de alcançar maiores chances de êxito e chegar a um resultado pretendido de maneira controlada.

Apesar de ter as etapas descritas de diversas formas por autores diferentes, a maior importância da metodologia de projeto está em entender que a utilização de um processo auxilia na diminuição de riscos de fracasso. À medida que, dentro de um processo longo e complexo, a tomada de decisões hierarquizadas e o processo subdividido aumentam o controle sobre a qualidade do desenvolvimento

Para moda, é na utilização de uma metodologia para o processo de criação que irá diferenciar um designer de moda de um artista. Enquanto o artista imprime em suas obras conceitos pessoais, utilizando de métodos e técnicas intuitivas; o designer, livre de preconceitos artísticos, utiliza de uma metodologia que possibilite criar produtos adequados às funções que se designa.

As etapas de uma metodologia de criação envolvem processos que vão desde a pesquisa de tendência até o material de apoio à coleção.
Estas metodologias não devem ser entendidas como um modelo para ser seguido à risca. É necessário considerar que existem inúmeras metodologias específicas para cada tipo de projeto e que estas são adaptáveis quando ao projeto e para cada designer.

Desta maneira, a criação deste projeto será concebida em quatro fases:

sendo a primeira uma etapa de pesquisa que consistirá em um caderno de pesquisa e esboço elaborado com base nas ideias oferecidas por Seivewright em seu livro “Pesquisa e Design”;

a segunda, referente a análise da pesquisa anterior e à definição de tema e conceito, também enquadra a determinação das cartelas de cores e materiais;
a terceira engloba a geração de alternativas através de esboços e croquis;

e por último, tem-se como referente a ficha técnica do produto final, neste caso, consiste no caderno de pesquisa e esboços, que irá abranger todas as etapas anteriores como parte dele.
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.1 METODOLOGIA DE PROCESSO EM UM PROJETO DE MODA
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.4 PESQUISA DE MODA
A pesquisa serve como base para a coleção de moda, corresponde à reunião de uma variedade exaustiva de materiais de consulta que irão servir de referência e influência, inclui pesquisas específicas de tecidos, cores, silhuetas e detalhes, como experiências vividas e imagens, é essencial ao design, pois é o momento inicial de lançamento e coleta de ideias que precede a criação e imprescindível no processo criativo, pois fornecerá inspiração, informações e direcionamentos .


Diversos canais podem ser utilizados na coleta de informações necessárias para a pesquisa. Tais como museus, galerias, coleções de roupas e bibliotecas; artesanato, arte folclórica, temas de hobbies, como brinquedo, bordados, flora e fauna; influências sociais, movimentos culturais, músicas, filmes e literatura; desfiles prêt-à-porter e de alta costura, materiais de revistas, livros de moda e estilo.





Elementos do design na pesquisa de moda
Uma pesquisa rica envolve a investigação e registro de diversas informações, dentre elas os elementos de moda e design servirão de direcionamento e inspiração para sua coleção, mas que também serão explorados na construção dela

• Forma é a área ou formato com contorno definido, aparência ou estrutura visível.
• Silhueta significa contorno, está ligada ao formato da peça de vestuário sobre o corpo, e relacionado ao volume ou a falta dele.
• A proporção relaciona-se ao modo como o corpo é dividido por linhas, ou pelo uso de cores, texturas e tecidos.
• A função refere-se ao destino da peça, se é uma camisa, uma saia ou vestido.
• Os detalhes que são por muitas vezes, um dos argumentos de venda mais importantes. Referem-se a pespontos, fechos, botões, pressinhas, alças, estilos de colarinho, lapelas e mangas, formas de palas, bolsos, cintos, acabamentos de costuras, dentre outros.
• A cor pode ser utilizada como o ponto de partida para o desenvolvimento de uma coleção.
• Os tecidos escolhidos de acordo com sua função e desempenho, e influenciam tanto no elemento visual quanto sensorial.
• Estampas e ornamentações.
• Influências culturais e históricas.
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.4 PESQUISA DE MODA
O painel de tendências é uma reunião de informações que irão auxiliar o designer a identificar as tendências para a estação e os elementos de estilo em evidências.
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.5 PESQUISA DE TENDÊNCIAS
Na linha lingerie, a INVISTA, detentora da marca Lycra, traz uma série de tendências baseadas em uma pesquisa internacional e adaptadas ao consumidor brasileiro. Das quais, as tendências intituladas desejo e mistério, trazem como referência a sensualidade inspirada nas décadas de 20, 50 e 60, e o lado obscuro do desejo. Para as cores, preto e azul azulejo, com vermelho, ouro, tons de cinza e ameixa para a tendência desejo. Preto, azul marinho, roxo e verde floresta, iluminados por tons como chocolate, tijolo e rosa na tendência mistério, a silhueta é composta de corset e sutiã estilo balconet.
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.6 CADERNO DE ESBOÇOS
Um caderno de esboços (ou croquis) é uma importante fonte de inspiração pessoal para o designer. Nele são reunidas e processadas informações coletadas ao longo do tempo. É um espaço de aprendizado, onde é possível explorar e experimentar maneiras diferentes de apresentar as informações coletadas e produzidas.

O desenho: forma ideal de se registrar maneiras de forma rápida e eficaz, exige habilidade e aperfeiçoamento da técnica, podem ser utilizados diferentes tipos de desenho, como lápis, nanquim e tintas, explorando qualidades e estilos diversos de linha, textura, tom e cor.

A colagem: forma de reunir informações de fontes diversas, como fotografias, recortes de revista e impressos da internet.

A justaposição envolve a disposição de imagens e tecidos lado a lado. É um método utilizado para reunir elementos diferentes que possuam relação e semelhanças entre si, podendo sugerir novas possibilidades referentes à moda

Descontruir significa explorar as informações sob um novo ponto de vista. Desenhar apenas uma parte do objeto, criar uma peça abstrata a partir da original ou desmontar as informações como um quebra cabeça e remontá-las de formas diferentes

Enquanto as técnicas anteriores experimentam trabalhar com referências que não necessitam serem relacionadas, a referência cruzada é uma técnica que permite reunir referências semelhantes e reuni-las por temas ou conceitos de sua pesquisa
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.6 CADERNO DE ESBOÇOS
Após explorar a pesquisa e compilá-la, conforme os conceitos debatidos é possível perceber potenciais direcionamentos para a coleção.
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.7 PAINÉIS DE INSPIRAÇÃO
Os painéis de inspiração são uma forma de apresentar as principais informações e ideias da coleção para outras pessoas, seja cliente, equipe de criação ou professores. Eles devem contar uma história gerada a partir dos pontos selecionados da pesquisa, ou simplesmente explorar um conceito
O painel de criação, ou moodboard, é uma representação mais definida das ideias e intenções da coleção, apresentado por meio dos recortes e imagens que foram selecionados na pesquisa inicial
O tema é a essência da coleção, história, argumento ou inspiração para a criação dela. O tema deve trazer aspectos da própria personalidade, interesses e visão do mundo do estilista, contextualizado segundo as tendências atuais, significa não representar apenas tendências do exterior, mas imprimir uma visão própria do criador ao mesmo tempo em que se trabalham as necessidades dos clientes
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.7 PAINÉIS DE INSPIRAÇÃO
Glamour, qualidade daquilo ou de quem é elegante, charmoso e sedutor, que encanta e atrai fascínio. São estas as características buscadas para o momento erótico. Se a imaginação move o agente erótico, e o vestuário é um dos elementos que fornece as diretrizes para a imaginação, tomando como tema central o glamour busca-se imprimir nas peças tais qualidades, criando uma atmosfera distinta e sofisticada. Autêntico, luxuoso e sensual são os conceitos que permeiam este tema.
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.7 PAINÉIS DE INSPIRAÇÃO
A cartela de cores é geralmente composta entre quatro a dez cores, sendo algumas usadas de forma mais dominante, como cores base, e outras com uso mais restrito.
Preto, vermelho, branco, e tons de roxo foram as cores mais selecionadas pela amostragem de público alvo. Os tons foram escolhidos conforme a preferência do público e baseado nas cores do outono/inverno 2014 internacional. A cartela de cores será composta pelas cores básicas, preto e branco, e variações de tons sóbrios e vibrantes de vermelho e roxo.
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.7 PAINÉIS DE INSPIRAÇÃO
A cartela de tecidos visa exemplificar os materiais e tecidos a serem utilizados na coleção.
Os tecidos que compõem a coleção foram selecionados de acordo com as tendências pesquisadas e a análise dos questionários, não sendo trabalhado apenas com malha típica de lingerie, mas malhas e tecidos planos, mais estruturados para acessórios e detalhes, e tecidos mais finos para as peças.
São transparências, tule, tule em malha e musseline de seda; cetim de seda e cetim com elastano; rendas diversas, com elastano, guipir, soutache; vinil e látex; veludo molhado mais fino, e couro com gramaturas diversas.

5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.9 CRIANDO A PARTIR DA PESQUISA
Deverão ser esboçadas no mínimo três peças para cara proposta definida no mix de produto. Utilizando cadernos de esboços ou blocos para rabisco das ideias, onde poderão ser desenhadas várias peças em uma mesma página ou apenas uma. O intuito desta etapa é registrar silhuetas e elementos de design, testando alternativas sem se preocupar com perfeição, cores ou figuras completas
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.9 CRIANDO A PARTIR DA PESQUISA
Após identificar alguns tipos de roupas e elementos a partir dos desenhos já produzidos, procura-se desenhar o maior número de variações possíveis, mantendo a ideia original, modificam-se decotes, barras, mangas, colarinhos, tecidos, proporções, ornamentações e estampas.
Esboço
Croquis
Cartela de tecido
Cartela de cores
Painel Tema
Painel de Criação
5 METODOLOGIA DE PROJETO
5.10 DESENHO TÉCNICO
5.11 FICHA TÉCNICA
O desenho técnico, desenho planificado ou de especificação, tem por objetivo comunicar as ideias do designer de uma forma mais técnica, são as explicações gráficas detalhadas da construção do produto. É elaborado normalmente seguindo escalas de proporção, desenhados a mão ou em programas de desenho vetorial, priorizam detalhes e acabamentos, deixando de lado cores e tons, ou texturas .

A ficha técnica é um documento descritivo de uma peça da coleção ou produto final. Nela estarão contidos todos os dados e detalhes técnicos referentes à peça, de materiais utilizados, tecidos, aviamentos, às especificações quanto à forma de construção, maquinários.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao longo deste projeto, foi possivel entender diversos conceitos e transformações que ocorrerão ao longo dos últimos séculos. São conceitos e transformações que envolvem individualismo, corpo, consumo e moda; à sexualidade, erotismo e fetiches; a visão da mulher e dos homossexuais perante a sociedade e consequentemente ao homem, às familias, dentre tantos outros. No que concerne à moda, às tranformações que auxiliaram na libertação do corpo, e sua importancia atual no momento erótico.
Relacionando uma fundamentação teórica ao projeto pretendido, foi então explorado na sociedade atual no hambito de mercado e consumo através de pesquisa de público alvo, mercado e concorrência.
Para somente então aplicar todos os conceitos anteriores na elaboração de projeto de criação de moda.
Full transcript