Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Rousseau, o Copérnico da Pedagogia

Deutsch Referat, Thema Filme
by

Cassius Soares

on 14 October 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Rousseau, o Copérnico da Pedagogia

Jean-Jacques Rousseau:
Sobre Jean Jacques Rousseau
A sociedade do século XVIII
Um pouco da monarquia
O Século das Luzes
O século do progresso
e da ciência

O século dos filósofos
Por quê Copérnico?
Consolidação da economia de mercado
Cassius Soares
Cíntia Sommer
Hellen Martins
Suelen Souza
Filósofo, escritor, teórico, político.
Nascimento em 28/07/1712.
Falecimento em 02/07/1778.
Em 1762, começa a ser perseguido na França , pois suas obras foram consideradas uma afronta aos costumes morais e religiosos.
Refugiou-se na cidade suíça de Neuchâtel. Em 1765, foi morar na Inglaterra a convide do filósofo David Hume.
Escreveu, além de estudos políticos, romances e teoria sobre educação, religião e literatura.
Obrigado!
Nicolau Copérnico foi um astrônomo polonês.
Formulou a hipótese do movimento dos planetas sobre si mesmos e em torno do Sol.
Até então, a Igreja defendia a Terra como centro do universo.
O que é isto?
O que representa?
SÉCULO XVIII
Quase toda a Europa era governada por reis absolutistas.
Estes reis governam suas nações de forma arbitrária.
"Poder Divino"
A sociedade está dividida em três camadas
NOBREZA;
CLERO;
RESTO DA POPULAÇÃO (burgueses, artesãos, operários e camponeses).
o Copérnico da Pedagogia
O QUE É SÉCULO DAS LUZES?
O MUNDO ATÉ O SÉCULO XVIII...
O mundo é racional em sí.
(Ideias platônicas)
O mundo é concebido e orquestrado por um criador.
(DEUS, catolicismo)
Papa Clemente XI - Papado de 21 anos entre 1700 e 1721.
Agora, o progresso e a felicidade podem ser construídos graças à RAZÃO.
LUZES: triunfo da razão e da racionalidade.
Crítica à religião e valorização à razão e à cultura.
Assim, toda a realidade é analisável:
Toda realidade moral ou material é analisável;
Basta decompô-la para poder observar cada parte e como uma influencia a outra.
Agora não é o mundo que é racional, MAS O SER HUMANO.
RAZÃO CONTRA A FÉ, A AUTORIDADE E A IGNORÂNCIA
FÉ: Razão se opõe às verdades religiosas e contra a própria Igreja;
AUTORIDADE: Oposição ao "direito divino" dos reis. A sociedade sente a necessidade de alguém que respeite o livre pensamento;
IGNORÂNCIA: O objetivo não é mais aprender a ler para conhecer as Sagradas Escrituras; Instruir-se para conhecer o mundo e dominá-lo.
ALGUNS NOMES DO ILUMINISMO
Nessa época o modo de produção era baseado numa economia de mercado. A partir do Renascimento o capitalismo mercantil substituía a antiga organização originária do feudalismo.
• Aos poucos esse tipo de capitalismo se transforma sob influências técnicas para aumento da produção.
• Nasce então no meio urbano as primeiras manufaturas, ancestrais de fábricas.
• Tinha um discurso capaz de legitimar a elevação da classe burguesa, cujos interesses eram totalmente ligados ao sucesso do novo modo de produção.
• Quem lidera nessa época e a Inglaterra.


• Ao seu lado, um pouco mais tarde, a França passa a “tomar o trêm” que irá favorecer muito os meios rurais.
• Na época de Rousseau, a economia era baseada essencialmente na agricultura.
• O nível de vida era muito baixo, os camponeses viviam quase sempre à beira da miséria. Isso ocorre pela falta de transporte.
• Evidentemente a insuficiência de transporte provoca uma paralisia da indústria.
Então, digamos que no século XIX as camadas mais pobres da população irão sofrer muito mais pelas consequências da instauração do modo de produção capitalista. Tendo como consolidação a classe da burguesia como dominadora no plano econômico.
O SÉCULO DAS MUDANÇAS POLÍTICAS E REVOLUÇÕES
O século XVIII vive muitas mudanças, consequentemente logo pela Guerra dos Sete Anos e outras várias guerras e conflitos que assolavam todo o território do Velho Continente.
• O século em que viveu Rosseau, também foi marcado por duas grandes revoluções, que mudou o curso da história do Ocidente:
Revolução Americana (1776-1783)
Revolução Francesa (1789)
REVOLUÇÃO AMERICANA
REVOLUÇÃO FRANCESA
• O Congresso americano aprova, em 4 de julho de 1776, a “Declaração de Independência dos Estados Unidos da América”.
• A Revolução Francesa foi mesmo uma revolução do povo contra os privilégios da nobreza e o arbítrio da monarquia absoluta.
• A Revolução Francesa trouxe vastas transformações na sociedade Francesa.

• Essas duas Revoluções que ocorreram a alguns anos de intervalo, são verdadeiramente a origem das principais instituições das nossas sociedades atuais.

XVIII
Não é a dedução que pura que deve guiar o nosso procedimento, mas a análise dos fatos.
Conhecimento mais estruturado e prático.
Conhecimentos Teóricos
&
Conhecimentos Técnicos
Passa a se ter uma visão do todo, como funciona a sociedade para chegar em uma sociedade ideal.
Este progresso é uma contribuiçãopositiva para o ser humano e a sociedade.




Agora, a razão não serve apenas para conhecer o mundo, serve para AGIR SOBRE ELE.
Século XVIII
Reinado dos Filósofos;
A cultura Francesa se afirma como a cultura dominante da Europa;
Filósofos franceses, inspirados nos ingleses, com ideais racionalistas, sensualistas e críticos;
Seus principais inspiradores são: John Locke (1632-1704), Isaac Newton (1642-1727) e David Hume (1711-1776);
Filósofos de Rousseau: viajantes, ensaístas e críticos;
Enciclopédia;
Full transcript