Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Ranicultura no Brasil e no mundo

No description
by

Crislene Vieira dos Santos

on 2 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Ranicultura no Brasil e no mundo

RANICULTURA
Crislene Vieira
Fabiane Lacerda
Kaliu Batista
Luciano Lourençoni

Universidade Federal de São João Del Rei
Dr. Cláudio Manoel Teixeira Vitor
É a criação de rã, dedicada a produção de carne;
A ranicultura teve início no Brasil em 1930;
A rã touro é originária da América do Norte;
Ranicultura

Bastante apreciada pelo sabor e baixo teor de gordura;
Histórico
O instituto de pesca, em 1977, começa o desenvolvimento de pesquisas com a criação de rãs-touro;
Aprimoramento de parâmetros zootécnicos da produção e melhoramento de cultivos;
Em 1935 foi implantado o primeiro ranário comercial;
Histórico
A criação de rãs aumentou em 8% no Brasil, com o consumo de 100 gramas de carne por pessoa, nos últimos anos;
O retorno financeiro, pode chegar em até 30% em lucro;
Atualmente existem 170 ranário em todo Brasil; 157.691 kg de carne/ano
Subprodutos
Fonte: www.centraldabelleza.com
Fonte: www.tecnologiaetreinamento.com.br
Fonte: www.cpt.com.br
Rana catesbeiana
As espécies da família Ranidae, se diferenciam das espécies da família Leptodactylidae por possuírem membranas natatórias entre os dedos

PROCESSO DE CRIAÇÃO
ANFIGRANJA

SISTEMA DESENVOLVIDO PELA UFV

Características gerais
Filo: Chordata (possue notocorda); 

Grupo: Gnatostomata (mandíbula);

Classe: Amphibia 

Ordem: Anura (sem cauda); 

Família: várias (dezoito no Brasil)

Fonte: http://www.cpt.com.br/
Família: Ranidae; 

Gênero: Rana; 

Espécie: catesbeiana; 

Nome comum: rã-touro;
1- Setor de reprodução
1.A - Baias de manutenção
1.B - Setor de acasalamento
2 - Setor de girinos
3 - Setor de recria e engorda
4 - Larvário

SETOR DE REPRODUÇÃO

1.B – Setor de acasalamento

Levar 1 macho/2 fêmeas para cada motel

Abrigam casais por no máximo 5 dias

Temperatura da água entre 23ºC a 25ºC

Cobertura sobre os cochos, abrigo e piscina

SETOR DE REPRODUÇÃO

1.A - Baias de manutenção

Densidade de 10 rãs/m²

Piscina com 20 cm de profundidade.

Abrigos com 8 cm de altura


SETOR DE RECRIA

SETOR
DE ENGORDA

4 - Setor de engorda:

Recebe rãs com + de 40 gr.
Ficam aqui entre 3 a 4 meses dependendo de temperatura e alimentação.
Não há necessidade de colocar larvas na ração
ABATE

Ao atingirem 170 a 180g, as rãs são enviadas para o abatedouro

Patogenias das rãs
Principais meios de contaminação de um ranário
PRINCIPAIS MEIOS DE CONTAMINAÇÃO DE UM RANÁRIO
PRINCIPAIS MEIOS DE CONTAMINAÇÃO DE UM RANÁRIO
PRINCIPAIS MEIOS DE CONTAMINAÇÃO DE UM RANÁRIO
http://www.espacodoagricultor.rj.gov.br/pdf/criacoes/RANICULTURA.pdf

Fonte: http//www.diariocatarinense.rbsdirect.com.brimagesrc14296470.jpgw=620

Fonte: http//www.3.bp.blogspot.com-JZyQMtxN-8YUlxOL6vmpVIAAAAAAAA6cMzjss2B6V7sQs1600DSC_1360.jpg

Fonte: http//www.cptstatic.s3.amazonaws.comimagensenviadasmateriasmateria10815racao-criacao-ras-cursos-cpt.jpg

http//www.ytimg.comviPFafpgWe5TAhqdefault.jpg



http://www.espacodoagricultor.rj.gov.br/pdf/criacoes/RANICULTURA.pdf

http://ranariosantaclara.com.br/

http://ftp.sp.gov.br/ftppesca/DissertaCarla_R_Moreira11_11.pdf

CRUZ, T. A. Aspectos econômicos da criação de rãs. In: A tecnologia da criação der rãs.
Org.: LIMA, S. L.; AGOSTINHO, C. A. Viçosa, UFV, MG, 1992.

FERREIRA, C. M. I Ciclo de Palestras sobre Ranicultura do Instituto de Pesca. Boletim
Técnico do Instituto de Pesca. São Paulo, 2001

LIMA, S.L. e AGOSTINHO, C.A. 1988 Sistema Anfigranja de criação de rãs. In: ENCONTRO
NACIONAL DE RANICULTURA, 6, 1988, Rio de Janeiro, RJ. Anais...Rio de Janeiro:
Associação de Ranicultores do Estado do Rio de Janeiro (ARERJ): 29-34.
Referências bibliográficas
OBRIGADA!
Fonte.: http://www.cpt.com.br/
Fonte: http//www.ranarioranicu.blogspot.com
Fonte: http//www.ranarioromar.com.br
Fonte: http//www.ranarioromar.com.br
Full transcript