Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A Geopolítica da Educação

No description
by

Filipe Bizari

on 2 February 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A Geopolítica da Educação

A Geopolítica da
EDUCAÇÃO

Educação Como Ferramenta do Capitalismo
Ida a escola = forma de enculturação

Modelo de educação ocidental atrelado à lógica desenvolvimentista e de progresso econômico

Educação como uma forma de perpetuação do modelo econômico capitalista

Ideia de aprendizagem atrelada ao sucesso material: "como posso ganhar muito dinheiro?"


Modelo clássico de educação acaba por subjulgar culturas distintas.

Concepção de que outro padrão de educação que não ocidental, é entendido como não educação.

Introdução de uma monocultura humana ao redor do mundo.

Importante salientar que o modelo de mundo ocidental é apenas um modelo de realidade.

Acabar com a miopia cultural.

"No sistema de educação atual as crianças aprendem como usar produtos corporativos em uma cultura urbana de consumo e não mais a viver em seu próprio ambiente." (Documentário)
Educação vem do latim educare e significa "conduzir para fora" , preparar o indivíduo para o mundo.
Educação tradicional entendida como doutrinação do indivíduo para uma forma de saber, de aprender e de ser. diferentes formas de saber, diferentes formas de aprender e de ser criam diferentes seres humanos.


Paulo Freire
Educação Bancária
Educação Libertadora
"Ninguém educa a ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo." (Paulo Freire- Pedagogia do Oprimido. 9 ed., Rio de Janeiro. Editora Paz e Terra. 1981, p.79).
Noção de que homens se educam entre si traz ideia de que não deveria existir uma hierarquia cultural, ou imposição uma cultura sobre outra.
Cultura ocidental como gerador do sentimento de inferioridade em comunidades que possuem valores diversos.
Educação ocidental como estímulo da perda cultura de origem, gerando a sensação de não pertencimento no indivíduo.
Introdução
Pergunta:

Hipótese:
Objetivos:
O que se entende como educação?
Escola como Instituição Social
Homi K. Bhabha - indiano, professor de linguagem em Harvard aborda sobre o conceito de:
"Third Space"
Durkheim
"A educação tem por objetivo suscitar e desenvolver na criança estados físicos e morais que são requeridos pela sociedade política no seu conjunto"
Seria o lugar onde o homem não se encontra, o não ser, o não espaço. Não se sentir pertencente a um espaço cultural.
UNESCO
"Educação para todos"
Surgiu a partir da Conferência Mundial de Educação Para Todos, ocorrida em Jomtien, na Tailândia, em 1990, e foi aprovado por representantes de mais de 100 países e ONGs que, à época, se comprometeram com a meta da Educação Primária Universal (EPU) para a população mundial num prazo de dez anos, ou seja, até o ano de 2000.
Perspectivas Contemporâneas
Immanuel Wallerstein
Contextualização teórica
Sistema-mundo
Perspectiva estrutural-funcionalista
Desenvolvimento econômico por "etapas"
A Geocultura
Cultura
“Utilizamos a cultura para designar aquilo que é ‘superestrutural’, em contraposição ao que se constitui como ‘base’ “(WALLERSTEIN, 1991, p.219).
Dois tipos de cultura
1) como o conjunto de características que distinguem um grupo de outro;
2) como um certo conjunto de fenômenos que diferem de outro conjunto de fenômenos dentro de um grupo qualquer.
Há uma cultura mundial?
“A história do mundo foi o contrário a uma tendência à homogeneização cultural; foi moldada uma tendência à diferenciação cultural [...] ou à complexidade cultural” (WALLERSTEIN, 1991, p. 262).
Descarta as explicações que conduzem à um entendimento linear do desenvolvimento por etapas
Mais de 100 milhões de crianças (60% meninas) não têm acesso ao ensino primário;

Mais de 960 milhões de adultos (2/3 mulheres) são analfabetos, e o analfabetismo funcional é um problema significativo em todos os países industrializados ou em desenvolvimento;

Mais de 1/3 dos adultos do mundo não têm acesso ao conhecimento impresso, às novas habilidades e tecnologias, que poderiam melhorar a qualidade de vida e ajudá-los a perceber e a adaptar-se às mudanças sociais e culturais; e

Mais de 100 milhões de crianças e incontáveis adultos não conseguem concluir o ciclo básico, e outros milhões, apesar de concluí-lo, não conseguem adquirir conhecimentos e habilidades essenciais.

Declaração Mundial sobre Educação para Todos (Jomtien, 1990)
1. SATISFAZER AS NECESSIDADES BÁSICAS DE APRENDIZAGEM

"Cada pessoa - criança, jovem ou adulto - deve estar em condições de aproveitar as oportunidades educativas voltadas para satisfazer suas necessidades básicas de aprendizagem"

2. EXPANDIR O ENFOQUE

3. UNIVERSALIZAR O ACESSO À EDUCAÇÃO E PROMOVER A EQUIDADE

4. CONCENTRAR A ATENÇÃO NA APRENDIZAGEM

5. AMPLIAR OS MEIOS DE E O RAIO DE AÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

6. PROPICIAR UM AMBIENTE ADEQUADO À APRENDIZAGEM

7. FORTALECER AS ALIANÇAS

Declaração de Nova Delhi (1993)
"Nós, os líderes dos nove países em desenvolvimento de maior população do mundo, reiteramos por esta Declaração nosso compromisso de buscar com zelo e determinação as metas definidas pela Conferência Mundial sobre Educação para Todos e pela Cúpula Mundial da Criança, realizadas em 1990, de atender às necessidades básicas de aprendizagem de todos os nossos povos tornando universal a educação básica e ampliando as oportunidades de aprendizagem para crianças, jovens e adultos. Assim fazemos com consciência plena que nossos países abrigam mais do que a metade da população mundial e que o sucesso de nossos esforços é crucial à obtenção da meta global de educação para todos."
UNESCO DOCUMENTOS. Declaração de Nova Delhi sobre Educação para Todos - 1993. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139393por.pdf>. Acesso em 31 jan 2015
Marco de Ação de Dakar (2000)
- Contou com a presença de 180 países e mais de 150 ONGs

- Reafirma a visão estabelecida há uma década atrás na Declaração Mundial sobre a Educação para Todos de Jomtien (1990)

- Estende o período de alcance das metas em quinze anos (2015)

- No documento síntese que se denominou Marco de Ação de Dakar, o Fórum estabeleceu, ademais, a educação, como o “meio indispensável para alcançar a participação efetiva nas sociedades e nas economias do século XXI” (DAKAR, 2000, p. 6)

Estudo de Caso: Projeto Educação Para Todos (UNESCO)
"A construção do ser social, feita em boa parte pela educação, é a assimilação pelo indivíduo de uma série de normas e princípios - sejam morais, religiosos, éticos ou de comportamento - que baliza a conduta do indivíduo num grupo."
Marilena Chauí
Instituição social:
Materialização do imperativo da Sociedade sobre a Sociedade. Forma de reprodução das práticas comuns que permitem a perpetuação dos modos de vida
Declaração Universal dos Direitos Humanos
Artigo 26º
1. Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.
2. A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do homem e das liberdades fundamentais e
deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das atividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.
3. Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos.
"Essas necessidades compreendem tanto os instrumentos essenciais para a aprendizagem (como a leitura e a escrita, a expressão oral, o cálculo, a solução de problemas), quanto os conteúdos básicos da aprendizagem (como conhecimentos, habilidades, valores e atitudes), necessários para que os seres humanos possam sobreviver, desenvolver plenamente suas potencialidades, viver e trabalhar com dignidade, participar plenamente do desenvolvimento, melhorar a qualidade de vida, tomar decisões fundamentadas e continuar aprendendo. A amplitude das necessidades básicas de aprendizagem e a maneira de satisfazè-Ias variam segundo cada país e cada cultura, e, inevitavelmente, mudam com o decorrer do tempo." (Art. 1º, 1.)
Perspectiva Clássica
Espaço, Território e Poder
Friedrich Ratzel
Conclusão
ESPAÇO = elemento fundamental do Poder.


TERRITÓRIO = elo identificador e justificativo da existência do Estado junto ao povo.


PODER = Espaço + Posição.


Espaço Vital
"território necessário à completa e perfeita realização de um ser político, forte e respeitado." (IAEM, 1982, p.25)*
* DIAS, p.72
expansão territorial que permite a expansão de poder.
exploração de recursos.
determinismo geográfico
Estado = território + espírito do povo
Noção de Espaço Vital
para Haushofer
Conceito de Educação Básica
Declaração Mundial sobre Educação para Todos , Jomtien 1990
UNICEF BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos (Conferência de Jomtien – 1990). Disponível em: <http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10230.htm>. Acesso em: 31 jan 2015
A disseminação do modelo de educação ocidental pode ser compreendida como ferramenta de dominação sobre as demais culturas?
Objetivos gerais:
- Compreender o papel da educação enquanto ferramenta de transformação cultural e seu impacto na geopolítica.
- Analisar as relações de poder que envolvem os projetos educacionais.


Objetivos específicos:

- Compreender como as relações da sociedade com seu território e espaço são modificados através da incorporação de novas ideias e valores;
- Analisar o programa Educação para Todos, gerenciado pela UNESCO, a fim de identificar as consequências deste tipo de programa.

espaço cultural alemão.
"o futuro pertence aos grandes espaços unidos por um princípio comum ." (DEFARGES, p.85).
base para as ideias de expansionismo cultural, ponto de partida para teoria do direito de expansão da raça alemã.
Toma-se como hipótese a ideia de que as práticas ocidentais que estão contidas nos programas educacionais e nos valores transmitidos a partir destes projetos ajudam na construção de uma consciência coletiva sustentada pelos signficantes da sociedade capitalista moderna, predominante no mundo atualmente. Essa doutrinação tem servido para projetos geopolíticos pois facilita a atuação internacional e diminui os gastos despendidos.
Críticas
"A fim de evitar a degeneração completa da massa do povo, Smith recomenda o ensino popular pelo Estado, embora em doses prudentemente homeopáticas."

(MARX, 1996, p. 476)
Referências:
"capacidade de um determinado espaço geográfico necessário para atender às necessidades da sciedade humana (etnologicamente diferenada que o habita" (IAEM, 1982, p.65)*
Melhorar todos os aspectos da qualidade da educação e assegurar excelência para todos, de forma a garantir a todos resultados reconhecidos e mensuráveis, especialmente na aquisição de conhecimentos matemáticos e outras habilidades essenciais à vida.

Incluir indicadores padrões sobre essas aprendizagens para monitorar e avaliar a qualidade delas na escola e medir seu impacto na vida dos estudantes.
CHAUÍ, M. A. Universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 24. p. 5-15. set./out./nov./dez., 2003
DEFARGES, P. M. Introdução à Geopolítica. p.78-90.
DIAS, Carlos M. M. Geopolítica: teorização clássica e ensinamentos. p.67-74; 124-141.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 11ª Edição. Editora Paz e Terra. Rio de Janeiro, 1987.
DURKHEIM, Émile. Educação e Sociologia. 4. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1955.
ESCOLARIZANDO O MUNDO. Carol Black. EUA, 2010. 66 minutos.
MARX, Karl. O capital (v. 1, t. 2). São Paulo: Nova Cultural, 1996.
NOGUEIRA, João Pontes; MESSARI, Nizar. Teoria das relações internacionais: correntes e debates. Rio de Janeiro. Elsevier, 2005.
RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Editora Ática, 1993.
SOUZA, Eliete Ramos de. A escola como instituição social : revisitando a função social da escola. Eliete Ramos de Souza. – Londrina, 2013 Disponível em: <http://www.uel.br/pos/mestredu/images/stories/downloads/dissertacoes/2013/2013_-_SOUZA_Eliete_Ramos.pdf> Acesso em: 31 jan. 2015.
SOUZA, Lynn Mario T. Menezes de. Hibridismo e tradução cultural em Bhabha. In: ABDALA JÚNIOR, Benjamin (org). Margens da cultura: mestiçagem, hibridismo & outras misturas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004. P. 113-133.
UNESCO DOCUMENTOS. Declaração de Nova Delhi sobre Educação para Todos - 1993. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139393por.pdf>. Acesso em 31 jan 2015
UNESCO DOCUMENTOS. Educação Para Todos: O Compromisso de Dakar. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127509porb.pdf>. Acesso em: 31 jan 2015
UNICEF BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos (Conferência de Jomtien – 1990). Disponível em: <http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10230.htm>. Acesso em: 31 jan 2015
United Nations Humans Rights. Traduções. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: <http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf> Acesso em 31 jan. 2015.
WALLERSTEIN, Immanuel. Geopolítica e geocultura: ensaios sobre um sistema-mundo em mudança. Cambridge, 1991.

*DIAS, p.128
X Turma de Relações Internacionais
Filipe Gallo Bizari - vespertino
Isabella Vezzetti Bernardo - vespertino
Jonathan de Araújo de Assis - vespertino
Laura Helena A. F. Martins - noturno
Maíra Fiorentino de Oliveira - vespertino
Homem e ambiente geográfico = "uma comunidade vital indissociável" (IAEM, 1982, p.64)*
Realidades do sistema capitalista
*DIAS, p.128
Processo de produção geograficamente amplo
A expansão territorial é imprescindível para a expansão cultural.
Apresentação: 02 de fevereiro de 2015.
Divisão do trabalho
Profa. Dra. Rita de Cássia Biason
Marco político -> sistema interestatal
Ritmos cíclicos
Expansão/retração
Universalização dos "conhecimentos essenciais para a vida";

Visão da educação como um modo de se inserir na economia atual;

Padronização dos métodos de avaliação;
Processo de incorporação
Modernização ou Ocidentalização?
“As transformações que se produziam nessa zona devem ser entendidas como o passo de uma ‘cultura’ local e tradicional a uma ‘cultura’ moderna mundial, ou se trata simplesmente de que aquelas populações recebiam pressões para que abandonassem sua ‘cultura’ e adotassem a da potência imperialista ocidental?” (WALLERSTEIN, 1991, p. 226).
Sistema-ideia do capitalismo
"A própria construção da cultura torna-se um campo de batalha, em realidade o terreno de batalha fundamental onde se disputam os interesses encontrados deste sistema histórico” (WALLERSTEIN, 1991, p. 230);
Resultado de intentos históricos
Seu entendimento é construído
Claude Raffestin
O que é poder?
“O poder visa o controle e a dominação sobre os homens e sobre as coisas” (RAFFESTIN, p. 58).
É um processo de troca ou de comunicação entre dois polos
Tipos de poder
Poder coercitivo
Poder "remunerado"
Poder normativo
Combinação Energia x Informação
Indonésia, China, Bangladesh, Brasil, Egito, México, Nigéria, Paquistão, Índia
Mas o que fundamenta o poder?
O fundamento básico do poder reside no trabalho. Nesse sentido, “o trabalho é a energia informada” (RAFFESTIN, p. 56).
Os trunfos do poder
População-território-recursos
População
Constitui-se o elemento dinâmico de onde procede a ação;
UNESCO DOCUMENTOS. Educação Para Todos: O Compromisso de Dakar. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127509porb.pdf>. Acesso em: 31 jan 2015
Homogeneidade x Heterogeneidade
A língua, a religião e a etnia são percebidas ora como recursos, ora como entrave.
O espaço e o território
O espaço é anterior ao território
O território é um espaço onde se projetou um trabalho;
O sistema territorial
Toda prática espacial induzida por um sistema de ações ou de comportamentos se traduz por uma “produção territorial” que faz intervir tessitura, nó e rede
Os indivíduos ou os grupos ocupam os pontos no espaço e se distribuem
"Isso conduz a sistemas de malhas, de nós e redes que se imprimem no espaço e que constituem, de algum modo, o território” (RAFFESTIN, p. 150).
A territorialidade
“Os homens ‘vivem’, ao mesmo tempo, o processo territorial e o produto territorial por intermédio de um sistema de relações existenciais e/ou produtivistas” (RAFFESTIN, p. 158).
A territorialidade se insere no contexto da produção, da troca e do consumo
"Conceber a territorialidade como uma simples ligação com o espaço seria fazer renascer um determinismo sem interesse. É sempre uma relação, mesmo que diferenciada, com os outros atores” (RAFFESTIN, p. 161).
UNICEF BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos (Conferência de Jomtien – 1990). Disponível em: <http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10230.htm>. Acesso em: 31 jan 2015
Educação emancipadora
Educação dominadora
A dominação atualmente se dá por outros meios. Industria cultural e culturas de massa.
Cria anomalias e doenças e transtornos psicológicos
Falácias do progresso e do desenvolvimento
SOFT POWER - Joseph Nye
Mudança da concepção de território, poder e dominação. Novas ideias de territorialidade e a educação como parte do projeto geopolítico de dominação.
Full transcript