Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Arte Gótica

No description
by

marcos passarelli

on 30 May 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Arte Gótica

ARTE GÓTICA
A ERA DAS
"GAIOLAS DE VIDRO"

O auge do desenvolvimento artístico da Idade Média, rivalizando com as maravilhas da Grécia e da Roma da Antiguidade, foi a Arte Gótica.
A "Idade das Trevas" começa a ser deixada para trás e a Europa passa a caminhar em direção ao triunfo do cristianismo, uma nova etapa que almejava prosperidade e confiança
Ao mesmo tempo,algumas igrejas deste período foram edificadas mediante a utilização de vários estilos arquitetônicos.
Catedral de Colônia
Alemanha
As catedrais góticas, diferentemente das igrejas românicas, eram enormes, pois tinham como finalidade comportar as peregrinações que faziam diversos visitantes de outras localidades
As construções dessas catedrais tinham, ainda, um caráter competitivo: cada cidade almejava construir a mais imponente igreja...
Os arcos utilizados pelos romanos atingiam uma altura limitada que eles precisavam elevar.
"Esta ideia presidiu a criação do arco ogival".
(Gombrich, 1999,p. 186)
Além disso, precisavam pensar na nave central, em como manter sua altura. Então, introduziram os "arcobotantes" que completavam a armação externa da abóbada gótica.
Catedral de Notre-Dame de Paris, 1163-1250aérea mostrando a forma de cruz e os arcobotantes
A nave da Catedral de Amiens, c. 1218- 47interior gótico)
Sainte- Chapelle, Paris, 1248 (janelões de uma igreja gótica)
Com a Arte Gótica, as esculturas também começam a tomar um rumo diferente. Além da intenção de contar uma parte da Bíblia, ou representar um personagem importante, os escultores preocupavam-se em como representar.
Melquesedeque, Abraão, Moisés, Aarão e Davi, 1194 (detalhe do pórtico do transepto norte da Catedral de Chartres)
Pórtico do transepto sul da Catedral de Estrasburgo, c. 1230
A morte da Virgem.
Ekkehart e Uta, c. 1260 (da série de "fundadores" no coro da Cade Noumburg)
Assim como na arquitetura e nas esculturas, o estilo gótico deixa, também, sua marca na pintura; os vitrais, as iluminuras, os afrescos, enfim, um novo rumo estava sendo tomado.
As iluminuras até então, podiam ser consideradas a principal forma de pintura...
Os desenhos demoraram a mudar, mas, como os desenhistas e os escultores trabalhavam "juntos" nas Oficinas das catedrais, receberam forte influência daquele tipo de escultura. Mais tarde, também as iluminuras adaptaram-se ao novo estilo.
Vitral Gótico do Início do século XIV
Vitral gótico mostra a Virgem Maria e o Menino Jesus.
Os afrescos que intensificaram uma grande inovação da pintura. A constante busca de uma representação natural e real contribuiu para a conquista da perspectiva em pintura...
Apintura dá, assim, um grande passo; inova em sua técnica e começa a ser "identificada", ou seja, assinada pelo criador da oba.
Nesse período surge Giotto di Bondone, um pintor florentino que
"[...] redescobriu a arte de criar a ilusão de profundidade numa superfície plana", não ignorando que "[...] seus métodos devem muito aos mestres bizantinos, e seus propósitos aos grandes escultores das Catedrais do Norte."
(Gombrich, 1999, p. 201)
Giotto di Bondone, Fé, c. 1305 detalhe de um afresco. Cappella dell'Arena.
Entrada de Cristo em Jerusalém, 1305-6, Afresco. Capela da Arena, Pádua. Giotto
Seu objetivo não era rivalizar simplesmente com a estatuária; queria, antes, que o impacto da cena atingisse o espectador de imediato
(Janson; Janson; 1996,p. 150)
"[...] dos seus dias em diante, a História da Arte, primeiro na Itália, depois em outros países, passou a ser também a História dos "Grandes Artistas".
(Gombrich, 1999,p. 2015)
Simoni Martini, Caminho para o calvário, c. 1340. Têmpera sobre painel. 0,25m x 0,15m. Museu do Louvre, Paris

Paul e Jean de Limbourg. Maio, c. 1410- página das "Três Riches Heures", pintado para o duque de Berry, Musée Cond, Chantilly.
Full transcript