Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Trabalho de Doenças Transmissíveis :Rubéola

No description
by

Carolina Lanza

on 4 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Trabalho de Doenças Transmissíveis :Rubéola

Tratamento

Amanda Silva, Carolina Lanza, Giovani Junior
Luciana Guimarães, William Nogueira

Rubéola



Rubéola
Agente Etiológico
A rubéola é uma doença exantemática benigna de etiologia viral.
Fonte: Taringa Net, 2014
Aspectos Epidemiológicos
As epidemias de rubéola ocorrem em ciclos de 6 a 10 anos, no inverno e na primavera, envolvendo crianças em idade escolar até 9 anos, crianças mais velhas e adolescentes após vacinação.
A Rubéola foi introduzida na lista de doenças de notificação compulsória no Brasil na segunda metade da década de 90.
Modos de Transmissão

Prevenção
Obrigado!
Características Gerais
Referências:
Não se tem um tratamento específico para rubéola, utiliza-se apenas de métodos para amenizar os sintomas.
Contra-indicações:

Robivirus com genoma RNA.
Gênero:
Família:

Patogenia
Manifestações Clínicas:
Gravidez

Antecedente de reação anafilática sistêmica após a ingestão de ovo de galinha.
Fonte: Clínica Monpetit
Não devem ser aplicadas em crianças com imunodeficiência adquirida ou congênita.
Mucosa do trato respiratório superior → porta de entrada

Tecido linfóide nasofaringeo → multiplicação inicial

Ocorre a disseminação via linfáticos ou viremia passageira

O vírus distribui-se em linfonodos regionais e no baço

Ocorre a Linfadenopatia cervical e ocipital → surge de 5-10 dias após o eritema

Lifadenopatia usualmente doloras em adultos mas não em crianças
Locais de Passagem do Vírus:
Diagnóstico
Virológico (incomum) : isolamento do virus presente no sangue, na nasofaringe e na urina,
Sorologia: o ensaio imunoenzimático (ELISA) e a inibição da hemaglutinação (IHA) são osprincipais métodos utilizados atualmente.
S.A.P, sexo feminino, 18 anos, solteira, procedente e natural de Betim – MG, trabalha em Escola Pública como atendente escolar de secretaria do bairro Sapucaias III. Procurou a Unidade de Pronto Atendimento em Betim, com sintomas de cefaleia, artralgias e mialgias. Relata “vermelhidão” na pele, “pontos parecidos com um calombo” e febre. Não tem histórico vacinal comprovado, mas informa que se vacinou quando criança. Nega outras comorbidades e uso de medicações.

Ao exame: febre 37,6ºC, estado geral regular, presença de exantema máculo-papular e puntiforme difuso na região do pescoço. MVF s/ RA, PA de 110/60mmHg, ritmo cardíaco regular, eupnéica. RHA + e timpanismo presente. Hábito urinário e hábito intestinal regular.
Caso Clínico:
(Medicina Net, 2009)
Apresenta alta contagiosidade, acometendo principalmente crianças. Sua importância epidemiológica está relacionada ao risco de abortos, natimortos e malformações congênitas, Denominada síndrome da rubéola congênita (SRC) quando a infecção ocorre durante a gestação.
(Pediatria em Foco, 2012)
(Medicina Net, 2009)
Período de incubação:
Em geral, varia de 14 a 21 dias, durando, em média, 17 dias.
Período de transmissibilidade:
Aproximadamente, de 5 a 7 dias antes do início do exantema até 5 a 7 dias após.
Susceptibilidade e imunidade
: A susceptibilidade é geral. A imunidade ativa é adquirida através da infecção natural ou por vacinação.
(Ceult, 2010)
(Cve Saúde, 1999)
Fonte: Misodor,2012
Fonte: Gravidez Saudável, 2011
Através de contato com secreções nasofaríngeas de pessoas infectadas. A infecção é produzida por disseminação de gotículas ou contato direto com os pacientes. A transmissão indireta, é pouco frequente. Também pode ocorrer transmissão transplacentária (SRC).
(Medicina Net, 2009)
O virus penetra pelas vias Respiratórias Superiores, ocorrendo replicação viral na nasofaringe e em linfonodos Cervicais,e faz a disseminação hematogênica.
(UCG, 2010)
Fonte: Edgramirez Blogspot
(UFRGS,2011)
* Exantema iniciando-se na face, couro cabeludo e pescoço, espalhando-se posteriormente para o tronco e membros;
* Febre baixa;
*Linfadenopatia retroauricular, occipital e cervical posterior


* A leucopenia é comum e raramente ocorrem manifestações hemorrágicas.
* Apesar de raras, complicações podem ocorrer com maior freqüência em adultos, destacando-se artrite ou artralgia,
(Medicina Net,2009)
(Medicina Net, 2009)
(UFRGS,2011)
(Guia do Bebê, 2011)
Papel da Enfermagem
• www.minhavida.com.br Acesso em 13 de setembro de 2014
• www.medicinanet.com.br Acesso em 13 de setembro de 2014
• www.pediatriaemfoco.com.br Acesso em 13 de setembro de 2014
• www.ceut.com.br Acesso em 20 de setembro de 2014
• www.cve.saude.sp.gov.br Acesso em 20 de setembro de 2014
• www2.ucg.br Acesso em 13 de setembro de 2014
• www.ufrgs.br Acesso em 16 de setembro de 2014
• www.guiadobebe.uol.com.br Acesso em20 de setembro de 2014


A prevenção da rubéola consiste na vacinação com a
Tríplice Viral,
uma combinação de vírus vivos atenuados contra o sarampo, a caxumba e a rubéola.
* Adolescentes e adultos podem apresentar um período com febre baixa, cefaléia, dores generalizadas conjuntivite, coriza e tosse.
Fonte: Wikipedia
Fonte: Escuela Med
Fonte: Fecomerciogo
Fonte: Fitocosmetico
Quando estiver sob uso de corticosteróides, imunossupressores e/ou radioterapia
.
(Minha Vida,2013)

Fonte: Sbim
Referências Imagens
• www.clinicamonpetit.com.br Acesso em 27 de setembro de 2014
• www.taringa.net Acesso em 27 de setembro de 2014
• www.misodor.com Acesso em 27 de setembro de 2014
• www.gravidezsaudavel.com Acesso em 27 de setembro de 2014
• www. edgramirezc.blogspot.com.br Acesso em 27 de setembro de 2014
• www.escuela.med.puc.cl Acesso em 27 de setembro de 2014
• www.fecomerciogo.org.br Acesso em 27 de setembro de 2014
• www.wikipedia.com Acesso em 27 de setembro de 2014
• www.sbim.org.br Acesso em 27 de setembro de 2014

Os enfermeiros tem como principal papel a ação preventiva, com grande envolvimento quando se tratada vacinação da população.

Na atenção básica, tem como papel também a notificação compulsória desta doença.
Full transcript