Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Pneumonias

No description
by

Raphaela Ferrantini

on 12 November 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pneumonias

Pneumonias
Sintomas comuns das pneumonias
Falta de ar e maior dificuldade respiratória;
Cianose (coloração azulada ou arroxeada) de extremidades (dedos, nariz, lábios) devido à baixa da oxigenação sanguínea;
Confusão mental ou desorientação (observado principalmente em idosos);
Queda da pressão arterial ou pressão baixa;
Aceleração do pulso ou da frequência cardíaca.
Nos casos mais graves
Pneumonia Aguda Adquiridade na Comunidade
Pneumonia Atípica Adquiridade na Comunidade
Pneumonia Adquirida no Hospital
Pneumonia por Aspiração
Pneumonia Necrosante e Abscesso Pulmonar
Pneumonia Crônica
Pneumonia no Hospedeiro Imunocomprometido

Classificações:
As pneumonias atípicas são pneumonias causadas por microrganismos diferentes dos denominados tipicamente bactérias, vírus ou fungos.
Pneumonias Atipicas
Mycoplasma pneumoniae é a causa mais frequente em indivíduos entre os 5 e os 35 anos de idade.
Chlamydia pneumoniae
Pneumonia são infecções que se instalam nos pulmões, órgãos duplos localizados um de cada lado da caixa torácica.
É um termo genérico que se refere à inflamação e consilidação da parênquima pulmonar.
Podem acometer a região dos alvéolos pulmonares onde desembocam as ramificações terminais dos brônquios e, às vezes, os interstícios.
Febre, suor intenso ou calafrios;
Tosse com catarro amarelado ou esverdeado;
Dor no peito ou dor no tórax que pode piorar com a respiração;
Respiração rápida e curta.
Náuses e vomitos;
Dores de cabeça;
Diminuição do apetite;
Fraqueza, cansaço e desânimo;
Dores musculares;
Choro frequente (no caso de crianças).

Os mais frequentes são Mycoplasma e Chlamydia, dois microrganismos semelhantes às bactérias assim como alguns virus.
As epidemias verificam-se especialmente em grupos fechados.
Pneumonia causada por micoplasmas começa, frequentemente, com cansaço, inflamação da garganta e tosse seca.
Os sintomas são semelhantes aos da pneumonia causada por micoplasmas.
A maioria dos casos não se reveste de gravidade, embora o índice de mortalidade entre os adultos de mais idade que contraem a doença seja de 5 % a 10 % 
Mycoplasma pneumoniae
Quadro clínico
A pneumonia é tipicamente, um quadro de apresentação aguda com sintomas de 2 a 6 dias.
Esses sintomas se caracterizam pela presença de:
Tosse produtiva ou eventualmente seca;
dor torácica pleurítica;
dispneia;
febre;
Adinamia;
Dor abdominal;
Pneumonia hospitalar
São definidas como infecções no pulmão durante um período de tempo em que a pessoa passou por internação hospitalar. A pneumonia é a segunda infecção hospitalar mais comum (a urinária é a primeira).

A infecção hospitalar é considerada grave e com grande ameaça a vida.
É comum em pacientes imunossupressores.
Também é comum em pacientes que fazem utilização da ventilação mecânica.

A pneumonia hospitalar ocorre em taxas de 5 a 10 casos por 1.000 internações.
Ela é mais frequente entre os pacientes cirúrgicos.
Patogenia

O desenvolvimento da pneumonia hospitalar decorre da penetração no trato respiratório inferior de um inóculo de microrganismos que ultrapassa a capacidade de defesa do hospedeiro.
A principal via de penetração é a aspiração de bactérias que colonizam o trato aerodigestivo.
Prevenção
Medidas educativas;
Prevenção de transmissão de microrganismos;
A partir de equipamentos;
Pessoa-a-pessoa;
Modificação de fatores de risco do hospedeiro;
Aumento das defesas do paciente potencial; Prevenção de aspiração;
Medidas específicas para o pós-operatório

Pneumonia por aspiração
Ocorre em pacientes muito debilitados ou nos pacientes que fazem a inalação involuntária do conteúdo gástrico, líquidos, secreções do próprio corpo ou outras substâncias, enquanto inconscientes (após um AVC (acidente vascular cerebral), por exemplo), da via aérea superior ou do estômago para dentro dos pulmões.
A partir daí, é desenvolvida a pneumonia que, geralmente, é causada por um anaeróbio (bactéria que consegue viver na ausência de oxigênio).
Pela inalação do conteúdo gástrico, e considerando o seu grau de acidez, aparece a inflamação em um único pulmão, ou até mesmo nos dois, caso o liquido tenha chegado em ambos.

Essa pneumonia é necrosante, com frequentes cursos clínicos fulminantes (morte).
Nos pacientes que sobrevivem à esse tipo de pneumonia, o abscesso pulmonar é muito comum.
Sintomas:

Calafrios
Febre
Tosse
Dor torácica
Expectoração (catarro) na cor amarelada, verde ou até raias de sague, com odor forte
Como se trata?
Os antibióticos representam a parte mais importante do tratamento. Normalmente, o antibiótico é definido de acordo com a suspeita do médico em relação a qual seria a bactéria causadora.
Fisioterapia respiratória e a aspiração com sonda através do nariz e da boca, auxiliam na retirada de secreções que estão indo dos pulmões em direção à boca.
Abscesso pulmonar
O abcesso pulmonar é uma lesão no interior do pulmão, caracterizada pela necrose do tecido.
Alguns processos cirúrgicos orofaríngeos, infecções sinobrônquicas, sepse dentária e bronquiectasia, desempenham papéis importantes em seu desenvolvimento..
Qualquer patógeno pode produzir um abcesso. Os organismos comumente isolados são os aeróbicos e os anaeróbicos.
O diagnóstico é feito através do quadro clínico, radiografia pulmonar e exames de sangue
Os abcessos pulmonares podem ser classificados como sendo único ou múltiplos, unilateral ou bilateral, agudo ou crônico, primário por aspiração, secundário por obstrução dos brônquios, congênitos ou adquiridos
Sintomas:
Tosse, febre, escarros com pus ou sangue com mau cheiro,
Dor no tórax, perda de peso e aumento do tamanho das pontas dos dedos das mãos e pés.

Organismos causadores:
Aspiração de material infeccioso;
Cancêr
Infecção pulmonar primária antecedente;
Penetrações traumáticos diretas nos pulmões;
Disseminação de infecções de um órgão vizinho;

Tratamento:
O tratamento é com base em antibióticos com repetição durante 2 ou 3 semanas, deixando assim uma cicatriz no pulmão.
Se essas medidas não forem eficazes, deve-se realizar uma cirurgia para drenar o abcesso, e em último caso, retirar a parte do pulmão infeccionado.
Pneumonia Fúngica
A pneumonia por fungos caracteriza-se por um processo inflamatório que atinge os pulmões. A sua intensidade está relacionada com as condições de saúde e a idade do doente.
A pneumonia pode ser causada pela infecçãode bactérias, vírus, fungos, e outros parasitas que geralmente são transmitidos por via respiratória. Estes microorganismos ultrapassam as defesas naturais do corpo e invadem o pulmão, causando infecção e inflamação desse órgão
Causas:
HIV/AIDS
Transplante de medula óssea
Criptococose, uma condição causada por inalação de levedura do solo contaminado.
Doença conhecida como esporotricose cutânea, que pode infectar os pulmões com cogumelos.
Blastomicose pulmonar, uma infecção fúngica causada por uma bactéria conhecida como Blastomyces.
Raramente, a pneumonia, a qual também pode ser o resultado de candidíase

A pneumonia por fungos pode ser classificada em três partes: Histoplasma capsulatum, que causa a histoplasmose, Coccidioides immits, que causa a coccidioidomicose, e Blastomyces dermatitidis, que causa a blastomicose.
Histoplasmose
A infecção pode causar pneumonia aguda ou crónica e neste caso os sintomas persistem durante meses.
É pouco frequente que a infecção se propague a outras zonas do corpo, especialmente à medula óssea, ao fígado, ao baço e ao tracto gastrointestinal.
Coccidioidomicose
Uma vez aspirado, o fungo pode causar sintomas ou então provocar uma pneumonia aguda ou crónica. Em alguns casos, a infecção estende-se para além do aparelho respiratório, chegando a atingir os ossos, às articulações e às membranas que envolvem o cérebro (meninges). Esta complicação é mais frequente nos homens.
Blastomicose
Na blastomicose, depois de ter sido aspirado, o fungo causa infecção sobretudo no pulmão, mas, em geral, não produz sintomas. Alguns indivíduos desenvolvem uma doença semelhante à gripe, às vezes, os sintomas de uma infecção crónica pulmonar persistem durante vários meses.A doença pode propagar-se a outras partes do organismo, especialmente à pele, aos ossos, às articulações e à próstata.

Diagnóstico:
De um modo geral, o diagnóstico assenta na identificação do fungo presente numa amostra de expectoração ou na análise de sangue que identifica determinados anticorpos.
Vários testes e exames serão realizados pelo médico, que pode incluir raios-X, tomografia computadorizada de tórax e raios-X, exames de sangue, digitalização fluido escarro e ressonância magnética.
Os medicamentos para o tratamento da pneumonia fugica, sao: anfotericina B, itraconazol e Flucanazole
Em casos graves, em que a infecção tenha causado a morte de tecidos saudáveis ​​ou sérios danos ao tecido saudável, capaz de realizar uma cirurgia para remover o tecido morto ou danificado para que a infecção não se espalhou para o tecido saudável.
Bibliografia:
Livro: Patologia – Bases patológicas das doenças
Autor-Kumae, Abbas, Fausto e Aster
8ª edição
http://www.pneumoatual.com.br/doencas/pneumonia-hospitalar.html
http://www.abcdasaude.com.br/pneumologia/pneumonia-por-aspiracao
http://www.tuasaude.com/abcesso-pulmonar/
http://www.atlasdasaude.pt/publico/content/pneumonia-por-fungos
http://sulla-salute.com/saude/otorrinolaringologia/pneumonia-fungica.php

Outras vias de penetação de bacterias nos pulmões
:
Inalação de aerossois, sobretudo por meio de equipamentos de nebulização e durante a ventilação mecânica;
Disseminação hematogênica de focos infecciosos à distância;
Disseminação a partir de foco infeccioso em região contígua;

:
Trabalho de patologia
Professora: Gisela
Raphaela Ferrantini
Lahis Moraes
Matheus Amorim
Outras pneumonias
Pneumonia crônica
Na maioria das vezes é uma lesão localizado em pacientes imunocompetente, com ou sem envolvimento dos linfonodos regionais.
Tipicamente a reação inflamatória é granulomatosa é acusada por bactéria ou fungos.
Pneumonia no hospedeiro imunocomprometido
O aparecimento de um infiltrado pulmonar, com ou sem sinais de infecção, é umas das complicações mais comuns e sérias em pacientes imunocomprometidos.
A mortalidade devida as indicações são altas.
O diagnóstico diferencial desses infiltradas inclui reações medicamentosas e envolvimento do pulmão por um tumor. Podem ser classificas como agente etiológico : bactéria, vírus e fungos
Observação
Pneumonias bacterianas em indivíduos infectados com HIV são mais comuns, mais severas é mais frequentemente associadas à bacteremia que naqueles sem infecção por HIV. Contagem de células T CD4+ pode definir o risco de infecção.
A pneumonia por pneumocystis geralmente ocorre com contagens de CD4+ abaixo de 200 células/mm3. É útil lembrar que a doença pulmonar em indivíduos infiltrados por HIV pode resultar de mais de uma causa, e mesmo os optogenética confunda podem apresentar manifestações atípicas.
Portanto, a validação diagnostica destes pacientes pode ser mais extensa do que seria necessário em um indivíduo imunocompetente,
Cuidados no tratamento da pneumonia atípica
Fazer nebulizações de acordo com as indicações do médico;
Evitar ir para o trabalho ou à escola;
Manter repouso em casa;
Beber muitos líquidos, como água, suco natural ou chá;
Evitar mudanças bruscas de temperatura;
Utilizar roupa adequada à estação.
O tratamento da pneumonia atípica dura cerca de 21 dias, podendo ser feito em casa com a utilização de antibióticos, como Eritromicina, Azitromicina ou Claritromicina
Pneumonia Aguda Adquirida na Comunidade
Acomete o paciente fora do ambiente hospitalar ou que se manifesta nas primeiras 48 horas de admissão à unidade assistencial.dos alvéolos
Frequentemente, a infecção bacteriana segue uma infecção viral do trato respiratório alto.
Causa preenchimento dos alvéolos com um exsudato inflamatório, consequentemente causando consolidação (solidificação).
Pneumococos:
Gram-positiva, é o agente mais freqüente da PAC em todas as faixas etárias
Começa, geralmente, depois de uma infecção viral do trato respiratório superior (um resfriado, uma inflamação da garganta ou uma gripe).
Diagnóstico- Exame do escarro por coloração Gram
Faz parte da flora endógena em 20% dos adultos
Haemophilus influenzae:
Gram negativo, causa infecções do trato respiratório inferior e meningite.
Secreta um fator que desorganiza o batimento ciliar e uma protease que degrada IgA.
Colonizador da faringe.
É uma emergência pediátrica e apresenta alta taxa de mortalidade em crianças e idosos.
Tem vacina
Apesar do nome, nada tem a ver com o vírus da influenza que causa a gripe.
Streptococcus pneumoniae (pneumococus)​
Haemophilus influenzae​
Moraxella catarrhalis​
Staphylococcus aureus​
Legionella pneumophila​
Pseudomonas ssp
Tratamentos
Pneumonia intersticial inespecífica: cuja a biópsia não consegue mostrar diagnóstico de nenhumadoenca interticial.
Pneumonia organizada por criptogenica: é caracateriza pela pressença de tampões polipódio de tecido conjuntivo.
Full transcript