Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Minicurso_Logística e Supply Chain Management_FATEA

No description
by

Gabriel Villela

on 26 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Minicurso_Logística e Supply Chain Management_FATEA

Logística e
Supply Chain Management

Instrutor: Gabriel Villela
O Oxford English Dictionary define logística como "
O ramo da ciência militar responsável por obter, dar manutenção e transportar material, pessoas e equipamentos
".

Pela definição do Council of Supply Chain Management Professionals, "
Logística é a parte do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento que planeja, implementa e controla o fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, materiais semi-acabados e produtos acabados, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes
" (Carvalho, 2002, p. 31).

CARVALHO, José Meixa Crespo de - Logística. 3ª ed. Lisboa: Edições Silabo, 2002.
Modelo SCOR

O modelo SCOR – Supply Chain Operations Reference (Modelo de Referência das Operações na Cadeia Logística) é utilizado para analisar uma cadeia logística e identificar oportunidades de melhoria no fluxo de trabalho e de informação. O modelo foi criado pelo Supply Chain Council no ano da sua formação (1996) e lançado em Fevereiro de 1997 depois de ser testado em vários segmentos industriais. Em Abril de 2005 foi apresentada a 7ª versão do modelo SCOR.

O SCOR procura condições de conseguir estabelecer processos-padrão, métricas de avaliação da gestão da cadeia e criar um modelo de gestão que produza melhorias contínuas de forma eficiente, tendo assim a possibilidade de utilizar casos de sucesso na gestão integrada da cadeia de suprimentos.
Auditoria Logística

É através da auditoria e controle logístico que as empresas conseguem determinar se existem gargalos entre a performance logística e os resultados esperados.

Este sistema tem como principais inputs de informação:

Resultados dos indicadores de performance logística;
Mapeamento de atividades (análise ABC);
Resultados da gestão logística;
Mapeamento dos conceitos que se pretendem medir e monitorar.

CARVALHO, José Crespo de et al. - Auditoria logística: medir para gerir. Lisboa: Edições Sílabo, 2001.
O ERP – Enterprise Resource Planning (SIGE – Sistemas Integrados de Gestão Empresarial) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional (sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras, etc) e sob a perspectiva sistêmica (sistema de processamento de transações, sistemas de informações gerenciais, sistemas de apoio a decisão, etc).

O MRP – Material Requirement Planning (Planejamento das Necessidades de Materiais).
O WMS – Warehouse Management System (Sistema de Gerenciamento de Depósitos/Armazéns). Fornece a rotação dirigida de estoques, diretivas inteligentes de picking (separação e preparação de pedidos), consolidação automática e cross-docking (redistribuição sem armazenagem prévia) para maximizar o uso do valioso espaço dos armazéns.

O TMS – Transportation Management System (Sistema de Gerenciamento de Transportes). É um software para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este sistema permite controlar toda a operação e gestão de transportes de forma integrada. O sistema é desenvolvido em módulos que podem ser adquiridos pelo cliente, consoante as suas necessidades.
BOA NOITE !
MINI-CURSO 2015
APRESENTAÇÃO
Nesse Minicurso serão discutidos os conceitos de logística e de gerenciamento da cadeia de suprimentos, com enfoque para a gestão de estoques e de transportes que visam redução de custos e estratégias de operações.
CONTEÚDO

Fundamentos de logística;

Fundamentos de Supply Chain Management;

Administração de estoques;

Estratégias operacionais;

Modais de transporte.
APRESENTAÇÃO
Fundamentos de Logística
O termo logística vem de:

Grego logos = discurso, razão, racionalidade, linguagem, frase;

Grego logistiki = contabilidade e organização financeira;

Francês loger = alojar ou acolher.

Na Grécia antiga, império Romano e império Bizantino, os oficiais militares com o título Logistikas eram responsáveis pelos assuntos financeiros e de distribuição de suprimentos.

Foi inicialmente usado para descrever a ciência da movimentação, suprimento e manutenção de forças militares no terreno. Posteriormente foi usado para descrever a gestão do fluxo de materiais numa organização, desde a matéria-prima até aos produtos acabados.
Origem/Etimologia
Fundamentos de Supply Chain Management
A cadeia logística consiste nos fornecedores, centros de fabricação, armazéns, gestão de estoques (matéria-prima, semiacabados e acabados).

Assim a gestão da cadeia logística consiste numa série de aproximações utilizadas para integrar eficazmente fornecedores, fabricantes e lojas, para que a mercadoria seja produzida e distribuída nas quantidades ideais, na localização certa e no tempo correto, com o objetivo de satisfazer o nível de serviço e diminuir os custos ao longo do sistema (Simchi-Levi et al., 2003, p. 1).

SIMCHI-LEVI, David; KAMINSKY, Philip; SIMCHI-LEVI, Edith – Designing and managing the supply chain: concepts, strategies, and case studies. 2ª ed. Nova Iorque: McGraw-Hill/Irwin, 2003.
A gestão da cadeia logística, (do inglês: Supply Chain Management), também conhecida como gestão da cadeia de suprimentos (Brasil), gestão da cadeia de fornecimento (Portugal), pipeline logístico ou rede logística, desde o final dos anos 1980, ganhou bastante popularidade, apesar de existir bastante confusão sobre o seu significado, pois muitas pessoas utilizam esta noção como um substituto ou sinônimo de logística. No entanto, a definição de gestão da cadeia logística é mais abrangente que o conceito de logística.
O QUE É SCM ?
A cadeia logística não é composta apenas de movimentação de produtos físicos entre empresas. Envolve, também, o fluxo de informação e capitais entre as mesmas companhias.

A comunicação é um fator chave para a manutenção e gestão da cadeia logística. Os membros da cadeia logística têm de fazer tudo o que estiver ao seu alcance para melhorar as operações da cadeia, pois são essas medidas que permitem reduzir os custos e aumentar as receitas (Fredendall et al., 2001, p. 4).

FREDENDALL, Lawrence D.; HILL, Ed – Basics of supply chain management [Em linha].Boca Raton, FL: CRC Press, 2001. [Consult. 17 Maio 2008]. Disponível em WWW: <URL:  http://books.google.com/books?id=X3RGPHRXS0gC&hl=pt-PT>.

Administração de Estoques
Estratégias Operacionais
Supply Chain Drivers

Um supply chain driver é uma área através da qual as organizações podem melhorar a sua prestação na cadeia de abastecimento.

Os drivers são áreas de desempenho sobre as quais se deve atuar (Costantino et al., 2007, p. 44-48).

COSTANTINO, Francesco; GRAVIO, Giulio di; TRONCI, Massimo – Supply chain management e network logistici: dalla gestione della partnership al risk management. Milão: Ulrico Hoepli Editore, 2007.

Supply Chain Drivers

Todavia Chopra e Meindl (Cit. por HUGOS, Michael – Essentials of supply chain management, p. 10) definem os drivers em cinco áreas:

Produção;
Stock/Estoque;
Localização;
Transporte;
Informação.

HUGOS, Michael – Essentials of supply chain management. Nova Jersey: John Wiley and Sons, Inc., 2003.
Serviços e Valor Agregado

Os processos logísticos nas empresas são processos de agregação de valor, isto é, transformam matérias primas em produtos, bens ou serviços aos seus clientes. É através da logística, nomeadamente do serviço logístico, que o valor chega aos clientes ou consumidores, e que também, por sua vez, a empresa obtém informações relativamente às suas necessidades e desejos (Dias, 2005, p. 261).

Ou seja, a logística surge neste contexto como elemento de interface entre clientes e fornecedores e como elemento integrador externo de atividades (Carvalho et al., 2004, p. 29).

DIAS, João Carlos Quaresma - Logística global e macrologística. Lisboa: Edições Sílabo, 2005.
CARVALHO, José Crespo de; DIAS, Eurico Brilhante - Estratégias logísticas. Lisboa: Edições Sílabo, 2004.
Modais de Transporte
Rodoviário;

Ferroviário;

Aquaviário;

Aéreo;

Dutoviário;

Multimodal
Vantagens

Caminhão de carga, um semirreboque;
Manuseamento mais simples (cargas menores);
Grande competitividade em distâncias curtas/médias;
Elevado grau de adaptação;
Baixo investimento para o operador;
Rápido e eficaz;
Custos mais baixos de embalagem;
Grande cobertura geográfica.
Desvantagens

Aumento do preço com a distância;
Espaço limitado;
Sujeito às condições atmosféricas;
Sujeito ao trânsito;
Sujeito à regulamentação (circulação, horários).
RODOVIÁRIO
Vantagens

Ideal para grandes quantidades de carga;
Baixo custo para grandes distâncias;
Bom para produtos de baixo valor e alta densidade;
Pouco afetado pelo tráfego e condições atmosféricas;
Amigo do ambiente (pouco poluente).
Desvantagens

Serviços e horários pouco flexíveis;
Pouco competitivo para distâncias curtas e cargas pequenas;
Grande dependência de outros transportes (normalmente rodoviário);
Pouco flexível, pois só para de terminal em terminal;
Elevados custos de manuseamento.
Vantagens

Bom para situações de "aperto" a larga distância;
Bom para mercadoria de elevado valor a grandes distâncias;
Boa fiabilidade e frequência entre cidades;
Velocidade de transporte.
FERROVIÁRIO
AEROVIÁRIO
Desvantagens

Pouco flexível, pois trabalha terminal a terminal;
Mais lento do que o rodoviário para pequenas distâncias;
Elevado custo para grande parte dos produtos.
HIDROVIÁRIO
Vantagens

Competitivo para produtos de muito baixo custo (químicos industriais, ferro, cimento, petróleo, minerais e outros).
Desvantagens

Velocidade reduzida;
Muito pouco flexível;
Limitados a zonas com orla marítima ou rios navegáveis.
DUTOVIÁRIO
Vantagens


Transporte tubular de hidrogênio;
Longa vida útil;
Pouca manutenção;
Baixa mão-de-obra;
Rápido;
Funciona ponto a ponto para líquidos ou gases (gás natural, químicos e outros).
Desvantagens

Não se adapta a muitos tipos de produtos;
Investimento inicial elevado.
UM GRANDE ABRAÇO !
e
SUCESSO A TODOS !

...e para finalizar...

2 vídeos para lhes inspirar
Integração entre mais de um modal
Qual a semelhança
entre...
Full transcript