Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Exame Físico Geral

No description
by

Jonas Jr.

on 18 July 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Exame Físico Geral

Anatomia Funcional da Dor
Tipos de Dor
DOR SOMATICA SUPERFICIAL

DOR SOMATICA PROFUNDA

DOR VISCERAL

DOR IRRADIADA
Classificação Fisiopatológica da Dor
DOR NOCICEPTIVA

DOR NEUROPATICA

DOR MISTA

DOR PSICOGENICA
Exame Físico Geral - DOR
DOR
- Sintoma mais comum na prática clínica
- componentes sensoriais, cognitivos e afetivo-motivacionais
- mecanismo básico de DEFESA - impedir uma lesão posterior.
- falta de sensibilidade dolorosa
- Distribuição temporal: AGUDA x CRONICA

Características Semiológicas da Dor
Transdução
Transmissão
conjunto de vias e mecanismos - impulso gerado nos nociceptores conduzido para estruturas do SNC.

neurônios do corno dorsal - vias nociceptivas (grupo lateral e medial)
Modulação
vias responsáveis pela supressão da dor.

interneurônios inibitórios

Três mecanismos básicos
mecanismo de ativação dos nociceptores.

transformação estimulo nóxico (mecânico, térmico ou químico) em potencial de ação.

sinal de alarme - capaz de causar lesão

extrema variabilidade na sensibilidade: parênquima x tegumento/revestimento
DOR NOCICEPTIVA
início simultâneo ao do fator causal - identificado.
distribuição da dor corresponde as fibras nociceptivas estimuladas
Espontânea - variadas designações: pontada, facada, agulhada... sugerem lesão tecidual
Evocada - desencadeada por manobras.
DOR NEUROPATICA
decorre de lesão infligida ao SNP ou SNC - independe de qualquer estímulo interno/externo
"Desaferentação" - células hipersensíveis - dor constante (queimação/formigamento) - DISESTESIA
2 componentes:
Intermitente - lesões periféricas e medula - aguda, em choque
Evocada - lesões encefálicas - alodínia ou hiperpatia.
etiologias variadas
início após dias, semanas ou meses após o fator causal
associação com déficit sensitivo
DOR MISTA
DOR PSICOGENICA
componente emocional
difusa, generalizada, imprecisa
localização - "julga estar doente"
muda de localização sem razão aparente.
descrição de forma dramática
sinais e sintomas de depressão e ansiedade
utilização inadequada e abusiva de medicamentos
DOR SOMATICA SUPERFICIAL
estimulação de nociceptores do tegumento.
bem localizada e qualidade bem distinta
intensidade variável
Trauma, queimadura, processo inflamatório
DOR SOMATICA PROFUNDA
estimulação de nociceptores dos músculos, fáscias, tendões, ligamentos e articulações.
dor mais difusa, localização imprecisa, "dolorimento"/ dor surda
intensidade leve a moderada
DOR VISCERAL
estimulação de nociceptores viscerais
dor profunda, difusa, difícil localização (dor vaga, contínua)
quatro condições:
dor visceral verdadeira - localizar próximo ao órgão
- dor cardíaca, gastroduodenal, hepática/biliar, uterina.
comprometimento secundário do peritônio ou pleura parietal
Irritação do diafragma ou nervo frênico
reflexo viscerocutâneo - dor referida
- distribuição metamérica
- convergência de impulsos dolorosos - neurônios nociceptivos comuns
DOR IRRADIADA
dor sentida a distância de sua origem
exemplo clássico:
Ciatalgia
compressão de uma raiz nervosa por uma hérnia de disco lombar.
1. Localização
2. Irradiação
3. Qualidade ou caráter
4. Intensidade
5. Duração
6. Evolução
7. Relação com funções orgânicas
8. Fatores desencadeantes ou agravantes
9. Fatores atenuantes
10.Manifestações concomitantes
LOCALIZAÇAO
região que o paciente sente dor.
"aponte com o dedo a área que sente dor"
avaliação da sensibilidade na área de distribuição da dor e adjacências.
dor somática superficial - localizada
dor somática profunda e visceral, dor neuropática - difusa
IRRADIAÇAO
reconhecer a localização inicial da dor e sua irradiação pode indicar estrutura nervosa comprometida.
radiculopatia de S1 - lombociatalgia - dor lombar com irradiação para a nádega e face posterior da coxa e perna, até calcanhar.
mapa dermatométrico
QUALIDADE OU CARATER
descrever o tipo de sensação
dificuldade em qualificar - expressões individuais
Dor evocada
Alodínia - sensação desagradável, dolorosa, estimulação tátil, área com limiar de excitabilidade aumentado.
Hiperalgesia - resposta exagerada aos estímulos
primária - área lesada - sensibilização local
secundária - ao redor da área lesada
Dor espontânea
Constante - contínua, intensidde variar, nunca desaparece completamente
Intermitente - episódica, frequência e duração variáveis.
QUALIDADE OU CARATER
Qualidade da dor:
Enxaqueca - dor latejante/ pulsátil
Neuralgia do trigêmeo - dor em choque
Cólica nefrética/ biliar - dor em cólica/ torcedura
Úlcera péptica - dor em queimação
IAM/ Angina do peito - dor constritiva ou em aperto
Processos pleurais - dor em pontada

Dor do membro fantasma - amputação de membro
tipo de dor neuropática
secção dos nervos mistos e sensitivos
dor do coto - neuroma
INTENSIDADE
Componente relevante, experiência subjetiva
escalas com expressões verbais:
sem dor/ dor leve/ dor moderada/ dor intensa/ dor insuportável
escala analógica visual para avaliar a intensidade da dor
0 - sem dor
10 - pior dor imaginável
escalas de representação gráfica não-numérica
expressões faciais de sofrimento
dor contínua - tempo transcorrido entre seu início e o momento da anamnese
dor cíclica - data e duração de cada episódio doloroso
dor intermitente - data de início, duração média dos episódios, número médio de dias/mês.
Aguda: duração inferior a três meses - desaparece após a cura de uma doença/ lesão.
Crônica: persiste por um período superior a 1 mês após a cura, durando por mais de três meses.
DURAÇAO
EVOLUÇAO
Trajetória da dor
modo de instalação da dor: súbito x insidioso.
definir concomitância da atuação do fator causal e o início da dor
reconhecer a forma inicial da dor
variação da intensidade da dor
mudança de padrão / características clínicas - complicação, afecção distinta.
Dor crônica:
ritmicidade
periodicidade
RELAÇAO COM FUNÇOES ORGANICAS
localização da dor e órgãos e estruturas situados na mesma área.
dor cervical, dorsal ou lombar - movimentos da coluna
dor torácica - respiração, movimentos do tórax
dor epigástrica - ingestão de alimentos
dor hipogástrio - micção, evacuação, menstruação

Regra geral - dor acentuada pela solicitação
funcional da estrutura em que se origina.
FATORES ATENUANTES
Aliviam a dor
funções orgânicas, posturas, atitudes, distração, ambientes apropriados, medicamentos, fisioterapia, acupuntura, bloqueios anestésicos, procedimentos cirúrgicos.
FATORES DESENCADEANTES OU AGRAVANTES
funções orgânicas
o afastamento constitui parte importante da terapêutica a ser instituída.
alimentos ácidos / bebidas alcóolicas / barulho / luminosidade excessiva / deambulação / esforço físico.
MANIFESTAÇOES CONCOMITANTES
DOR AGUDA
Manifestações neurovegetativas - estimulação do SNA - sudorese, palidez, taquicardia, HAS, mal-estar, náusas e vômitos.
Cefaléias em salvas - lacrimejamento, rinorréia, hiperemia conjuntival, sudorese na face, ptose palpebral.
Full transcript