Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Sonhos e Sincronicidades

Curso de Interpretação de Sonhos e Sincronicidades
by

Lázaro Freire

on 1 July 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sonhos e Sincronicidades

Sonhos e Sincronicidades
Gaia Cultural
Interpretação de Sonhos e Sincronicidades
Lázaro Freire
Psicanalista Transpessoal
Perda de Dentes
Relatado em todas as culturas e períodos da história.
Perda de cabelos pode ser variação.
Tema central é a perda e/ou infortúnio (Hall)
Dentes caem em diferentes momentos da vida, e tudo na vida tem seu tempo.
Raramente significam morte física.
Podem estar relacionados à persona, e ao medo de perder os atributos físicos, encantos e/ou ao envelhecimento (especialmente em mulheres, idem com cabelos caindo)
Dentes nascendo embaixo são ótimo sinal de renovação.
Perda de dentes pode revelar desejo de ser punido, tendências masoquistas – auto-culpa disfarçada, sem que se queira culpar diretamente a si mesmo ou a outras pessoas. (Hall)
Ansiedade de castração. Impotência (real ou metafórica). Endossado por ser 3x mais presente em homens. (Freud e Hall)
Para muitos, a principal “perda” retratada no tema é a perda de poder.
Ferimentos físicos e emocionais, e/ou perda de poder, e/ou de identidade, perda do “rosto” (persona). (Alan Seigel)
Temor de ficar sem atrativos. Medo de envelhecer, ou perda da beleza.
Mudança de Sexo

Sensações comuns: Estranheza, perturbação, desorientação
Enquanto a persona é abandonada (nudez), os aspectos do inconsciente (ânimus ou ânima, de “sexo” oposto) são desenvolvidos (Jung)
Sonhador pode ser exageradamente masculino (ou sonhadora, feminina), precisando deixar aflorar aspectos (opostos) do inconsciente (yin ou yang) para equilíbrio e integração da personalidade.
“Compensação” no sonho chama a atenção para o desequilíbrio, via reação emocional.
Gênero é comportamental, e não é o mesmo que sexo. O gênero esperado varia com a cultura, local e época.
Édipo e Electra: Identificação da criança com o progenitor do mesmo sexo (na fase fálica do desenvolvimento). Adoção de comportamento associado àquele sexo.
Electra: Sonhadora tem inveja do pênis, e disfarça, reagindo horrorizada ao se ver com um. Sensação de inferioridade em relação ao masculino, e identificação com a mãe, que tem o mesmo “defeito”. (Freud)
Sonhos com sexo oposto podem corrigir estereótipos sexuais do sonhador (Krippner)
Inconsciente pessoal e coletivo
Arquétipos do inconsciente coletivo
Símbolos pessoais e coletivos
Persona: máscaras para o mundo
Ânima: Inconsciente feminino do homem
Ânimus: Inconsciente masculino da mulher
Sombra: lado escuro do ser, o que achamos difícil reconhecer – mas está em nós
Self: Centro da personalidade. Inconsciente e Consciente
Mandala: Círculo “mágico”, individual, representando a unidade do Self. Simetria representa a perfeição do ser, o objetivo almejado.
Individuação: Desenvolvimento da personalidade. Auto-realização, uma jornada de auto-descoberta, dificilmente completada. Beneficiada pela terapia e interpretação de sonhos
Figuras Arquetípicas: o Herói, Pai, A Grande Mãe, Deus, O Velho Sábio, o Trapaceiro, Renascimento, Reencarnação – Sua compreensão é auxiliada pelos mitos e religiões.
Principais conceitos Junguianos

Freud acreditava que o significado do sonho estava oculto. Jung argumentava que o sonho manifesto mostrava o estado atual do mundo interior do sonhador.
Freud acreditava que os sonhos mostravam os aspectos negativos da natureza humana, porque eram sintomas de neurose. Jung argumentava que os sonhos servem ao processo de individuação, compensando aspectos do ser que necessitam de equilíbrio. Desse modo, eles ajudam na integração de vários aspectos da psique.
Freud usava a técnica de associação livre na interpretação. Jung, entretanto, acreditava que a associação livre leva o sonhador para longe do verdadeiro significado do sonho. Em vez disso, Jung usava amplificação, que intensificava o significado de cada símbolo do sonho.
Para Freud, o inconsciente é individual. Jung considera também um inconsciente coletivo.
Jung acreditava que a neurose faz parte do processo de cura, quase como uma compensação na vida desperta.
Segundo Freud, o desejo sexual é disfarçado pelo inconsciente em símbolos, sendo, portanto, de algum modo a daninho a mente, que o ocultar Junguianamente, perguntaríamos porque sonhamos diretamente com sexo? Para Jung, sexo pode ser um símbolo em si, também. Sonhos com sexo podem representar, por exemplo, desejo de união com aspectos da pessoa.
Em seu tempo e sociedade, Freud foi importantíssimo. Jung seria seu sucessor, mas romperam em cerca de 1912, com o lançamento do METAMORFOSE E SÍMBOLOS DA LIBIDO, em que dá outras interpretações para a questão sexual

Diferenças entre Freud e Jung
Acentuando o positivo
Sonhos tem poder prospectivo, mostrando possibilidades de um futuro em potencial
Compensação entre consciente e inconsciente
Sonho como representação do estado interno do sonhador
Inconsciente usa linguagem simbólica
Amplificação de simbologia, em lugar de livre associação
Meditar sobre os símbolos dos sonhos, ou abrir diálogo interno com eles
Só o sonhador sabe o significado do sonho e como deve ser interpretado (faz sentido para você?)
“Para mim, os sonhos são uma parte da natureza que não abriga intenção de enganar, mas expressa algo da melhor forma possível, tal como uma planta cresce ou uma animal procura alimentar-se da melhor maneira que é capaz”.
“Aquilo que não enfrentamos em nós mesmos, encontraremos como destino”.

Carl Gustav Jung

Sono, Sonhos, Onirismo
Sonhos Lúcidos
Níveis de Consciência
Projeção Astral
Catalepsia projetiva
Técnicas para maior lucidez
Consciente e Inconsciente
Inconsciente e “subconsciente”

Sonhos Lúcidos e Projeção Astral
Antiguidade: Dormimos para sonhar e receber revelações dos deuses e demônios
Temas comuns relatados em todas as épocas e culturas
Interpretação de Sonhos na Bíblia – José do Egito e profetas
Gregos: Alma vaga durante o sonho
Para todos os povos, sendo de deuses ou não, havia em comum a presença dos sonhos como eventos reais.
Sono e Sonho - Histórico
Hipocampo (emoção e memória), ritmo teta: envolvido com memória recente. Formação de lembranças de longo prazo.
Ritmo teta: informação reunida durante o dia, e essencial para a sobrevivência, é reprocessada na memória durante sono REM.
Animais sonham ensaiando comportamentos de sobrevivência.
Sonho pode estar ligado ao processo de transferência para longo prazo.
Jonathon Wilson: neurotransmissores de animais e acessos a áreas diferentes durante a vigília ou sonho. Em REM,”portais neuronais” estariam abertos, e ondas do ritmo teta apareceriam
Wilson: Em humanos, mecanismo herdado dos animais, com informação para a sobrevivência é reprocessada. Núcleo do inconsciente.
Pessoas impedidas de atingir REM tem dificuldade em lembrar do que aprenderam, de um dia para o outro

OBS: Paradigma cerebral não se comporta como único. É necessário sobrepô-lo à observação empírica. Observação psicológica, em especial a junguiana, leva a pensar em diferenças entre cérebro, mente e consciência, e funções que transcendem o “físico” e cerebral conhecido.

Cérebro e Sonho
Na fase REM, sonhos são muito mais lúcidos e simbólicos
Catalepsia (projetiva) se dá em delta (espiritualistas)
Catalepsia do sono se dá em REM (perda de tônus)
Ciclos de 1 a 4 com entrada em REM se dá 4 a 5 vezes
por noite
Fase 4 é mais frequente no começo da noite
A maioria dos estágios REM se dá perto do amanhecer
Sono não é gradual – fronteiras definidas, entrada súbita
Ataques cardíacos são mais frequentes em REM
Só no REM homens tem ereções. Reação involuntária, independente de sonhos eróticos.
Mamíferos tem sonho REM.
Sangue quente e conservação de energia (metabolismo)
Filhotes, frágeis, precisam aprender rapidamente
REM tem papel importante no desenvolvimento cerebral de crianças
Animais sonham com caça e exploração do ambiente

Fases do Sono

30% da vida dormindo, e 25% disso sonhando
Ritmo cicardiano
Privação de sonhos reduz o tempo de reentrada em REM/MRO
Sonho desempenha funções de manutenção e regeneração
Não ficamos inconscientes
Sistema nervoso autônomo

Precisamos dormir e sonhar?
Nudez Pública


Imperfeições sendo expostas (Adler)
Ansiedade e vulnerabilidade do sonhador diante dos outros (Delanay)
Roupas, que poderiam cobrir, podem ter vários significados.
Todos nascemos nus. O embaraço só se dá com a aculturação, valores e sombra.
Nudez no “lugar certo” para a sociedade transmite idéias sexuais.
Nudez pode ser associada a pureza.
Observadores em geral não se incomodam com nudez, mas sonhador se sente embaraçado!
Tendências exibicionistas, desejo de retornar a um período mais livre e menos responsável da vida (Freud)
Roupas nos sonhos representam identidade, e quem somos. Nudez questiona: “O que as pessoas pensariam sobre mim se pudessem ver quem realmente sou?”. Ver estado emocional e segurança do nu (Robert van de Castle)

Fazer uma prova

Ansiedade: “eu devia saber isso”
Não estar preparado
Estudar assunto errado
Variação: Subir ao palco sem saber o papel
Examinadores podem ser pai e mãe (Freud), e falha pode ser a de não alcançar as expectativas deles.
Provas de anatomia podem refletir lado sexual
Examinador pode ser superego avaliando condutas.
Em caso de exame real em futuro próximo, pode revelar insegurança.
Perfeccionismo?
Passar nos estágios da vida. Ritos de passagem.
Examinador interno. Eu superior, Deus, parte de nós que sabe a “resposta certa”. (Jung)

Estar sendo atacado fisicamente
Perseguido ou perseguindo
Monstros, demônios e criaturas míticas
Cenário ou paisagens
Máquinas que não funcionam
Nadando nos sonhos, água
Ir ao banheiro
Estar perdido
Sonhos com sexo
Sexualidade negativa, abuso, dominação
Emoções nos sonhos

Fazer uma prova
Nudez Pública
Mudança de Sexo
Perder os Dentes
Pessoas Famosas
Animais nos Sonhos
Sonhos com Quedas
Sonhos com vôos
Sonhos com os mortos
Sonhos com estar morto ou morrendo
Sonhos com partos
Trens, aviões, automóveis

Temas universais
Questões Existenciais

Tudo é não permanente
No fim, estamos todos sozinhos
Toda vida é sem sentido
Todos temos que enfrentar a morte

Estes “fatos da vida” precisam ser enfrentados em algum momento.
Questões existenciais são anunciadas por angústia ou desconforto emocional.
O fracasso em enfrentá-las pode resultar em disfunção psicológica ou emocional.
Compensações, avisos e trabalhos influenciam camada 3 (Olhar para dentro)

Olhar para fora
Mundo objetivo do sonhador
Acontecimentos externos não resolvidos quando desperto
Lembrança, aviso, ou natureza do sonhador
Videntes ou cognotivos
Aspectos junguinanos da função prospectiva
Sonhos-Espelho
Percepção única do mundo pelo sonhador
Personagens, animais, casas, cenários, meios de transporte, apresentação do sonhador, como relacionamento do indivíduo com o mundo
Nível 1 e 2 lidam com “o que é”
Olhar para dentro
Conflitos da personalidade, e como mudá-los ou resolvê-los
Gestalt: Diálogo com personagens, cachorrão com cachorrinho
Buscar conflitos ou exposições em busca da mensagem existencial do sonho
Etapa final
Revelar “tesouro enterrado”, integrando-o ao todo que o tesouro representa. Este nível é útil para pesadelos

Ann Faraday: 3 camadas
Interpretação espiritualista e psicológica dos temas Comuns:

Perda de Dentes
Ondas Gigantes
Sexo
Provas e Exames
Estar Nu
Pessoas Famosas
Avaliações
Nadar
Quedas
Vôos
Enxurradas
Ser Perseguido
Trair / Ser traído
Carros, trens, aviões e estradas
Aviões Caindo
Seres Mitológicos
Animais

Estados Alterados de Consciência e Ondas Cerebrais
Diferenças entre Onirismo, Sonhos Lúcidos e Projeção Astral
Paralisia e Catalepsia,
Histórico das Interpretações de Sonhos
Principais abordagens de interpretação
Técnicas para maior lucidez em sonhos e projeções
Introdução a Jung; Inconsciente Coletivo e Arquétipos
Símbolos pessoais e coletivos
Conhecendo a Sombra - nos sonhos e no dia a dia
Ânimus, Anima
Unindo Paradigmas: Self e Amparadores, Sombra e Obsessores, Akash e Inconsciente Coletivo
Tempo, Espaço e Evolução
Sincronicidades
A Individuação Junguiana e Evolução
Interpretando o Cotidiano como Sonhos
A Espiritualidade no Cotidiano

Tópicos de Aula
Apesar dos significados individuais, não há dúvidas de que certos símbolos ou temas são coletivos, ou até mesmo universais.
Símbolos dos sonhos podem ser interpretados, e refletem estado emocional, psicológico e físico do sonhador, ou acontecimentos externos em sua vida (ainda que futuros!)
Sono e vigília parecem interligados. Há situações cotidianas que podem ser interpretadas como sonhos, e sonhos que claramente refletem fatos da vida desperta. O consciente está presente no sono, e o inconsciente se manifesta na vigília. Sonhos e sincronicidades formam uma realidade única, sinérgica e interdependente, na qual o conceito de “espiritualidade” e evolução precisa ser aplicado ao cotidiano.
Conclusão inequívoca ao estudar sonhos: Somos muito mais do que aquilo que conhecemos sobre nós mesmos. A consciência absoluta é maior que o “eu” conhecido, a realidade é mais coletiva do que parece, o tempo é mais que o agora, e as camadas físicas, emocionais e “espirituais” parecem intimamente interligadas, em vários níveis, influenciando umas as outras.
Sonhos são pessoais. Interpretações sem a presença do sonhador são meras generalizações.
Homens e mulheres sonham com coisas diferentes!
Alguns temas centrais se repetem durante toda a vida.
Mulheres sonham mais vezes com ambientes fechados e pessoas conhecidas.
Há uma correlação demonstrada entre sono REM e memória. Quanto mais se sonha, melhor a memória!
Há diversos casos de sonhos usados para resolver problemas, inspirar soluções, invenções, músicas, peças e livros.
Os sonhos, definitivamente, parecem revelar algo sobre nós enquanto indivíduos: vida, relacionamentos, preocupações, medos, eventos futuros, avisos, traumas passados, estado emocional.
“Sonhos que não são interpretados são como cartas que não foram abertas. Os sonhos são comunicações importantes para nós mesmos” (Erich Fromm, 1951)
Conteúdo do sonho é determinado pela vida do sonhador, e/ou refletem sua visão do mundo.
Considerações Sobre Sonhos
Banho, relaxamento, música suave, aromatizantes (incensos, velas perfumadas) e outros artifícios de relaxamento são bem vindos.
Práticas bioenergéticas e visualizações ao deitar induzem estados alterados de consciência e melhoram a qualidade de sonhos e projeções.
Em caso de insônia, melhor descontrair, ouvir música, relaxar em outro local, evitando atividades mentais ou estimulantes como ver TV.
Leituras espiritualistas, expansoras da mente, elevadas ou motivantes induzem uma boa sintonia e tranquilidade interior que se reflete na qualidade do sono e sonhos.
Um bom dicionário de símbolos pode ajudar bastante a compreensão dos sonhos.
O estudo de mitologia, tarot e sistemas simbólicos ou arquetípicos aumenta a qualidade da interpretação do coletivo. (Dica: Tarot Mitológico, de Liz Greene)
Interprete situações do cotidiano como se fossem sonhos, em especial as particularmente cheias de simbolismos, repetições, coincidências e sincronicidades.
Tenha uma agenda de sonhos. Anote data, condições iniciais, situe o momento e estado, e a seguir, descreva tudo o que lembrar.
Volte ao livro de sonhos tempos depois, lendo e reinterpretando várias vezes.
Procure progressos em temas de sonhos recorrentes.
Durma relaxado.
Procure dormir no mesmo horário.
Exercícios físicos e boa alimentação são fundamentais.
Evite estimulantes, café, refrigerantes com cafeina e guaraná, álcool e cigarros, especialmente a noite.
Evite refeições pesadas antes de deitar.
Mantenha o quarto sossegado. O quarto deve ser um local sagrado para se descansar, fazer amor, ler e repousar, com “egrégora” preservada.
No quarto, evite TV, computadores e discussões (mesmo ao fone) no local.
Não durma com TV ligada e timer.
Um ótimo colchão é um dos melhores investimentos que podemos fazer.
Dicas Práticas
Fazer o sonhador desempenhar papéis de objetos do sonho. Entrar em rapport. Sensações
Pedir ao sonhador descrições sensoriais detalhadas. Pensamentos, sensações e obrigações em relação a cada objeto
Indivíduo deve interpretar ou vivenciar seu próprio sonho, sem dependência do analista. Terapeuta pode dar sugestões, mas sonhador deve descobrir seu significado por si.
Envolver o sonhador em diálogos com aspectos separados do “self”, para reintegrá-los
Sonhador deve identificar opostos dentro do sonho, encontrando os conflitos

Nenhuma parte do sonho é despida de sentido, tudo deve ser integrado
“O sonho é uma mensagem existencial... De você para você mesmo”
Todo elemento é uma parte da personalidade projetada.
Símbolos dos sonhos são projeções do mundo do sonhador, e da forma como encaminha sua vida.
Sonhos refletem questões pessoais não resolvidas, e/ou não lidadas no consciente.
Cachorrão X Cachorrinho, quem pensa ser superior e quem é o pobre-diabo da psique
Pedir ao sonhador que conte o sonho usando a primeira pessoa

Frederick Perlz: Gestalt

Alfa: 8 -12 Hz (sonolência)
1. Teta: 3-7 Hz (15 min)
2. Fusos de 12-14 Hz (15 min)
3. Algumas ondas longas delta (15 min)
4. Delta: 0,5-2 Hz (sono profundo)
Repetições dos 4 ciclos
Após 90 min:
Fase REM
EEG parecido com vigília (sono paradoxal)

Sono tem 5 estágios – 4 fases e REM: (Movimento Rápido de Olhos)
80 a 90% dos despertados em REM relatam sonhos, e apenas 10% em outros estágios
REM: Ciclos com cerca de 90 minutos entre um e outro, 4 a 5 vezes por noite
Quase despertar
Mudança abrupta
Olhos movendo
Batida cardíaca irregular
Perda do tônus muscular

Sono, Sonhos e Ondas Cerebrais
(11) 9-9164-9457
lazarofreire@me.com
Gaia
Cultural
Dream
Caused by the Flight
of a Bee Around a Pomegranate
a Second Before Awakening
Mecanismos dos Sonhos
Realização de desejos
– Uma das principais funções de nossos sonhos é a realização de desejos, conscientes ou não. A repressão constante de desejos poderia nos levar a várias psicopatologias, em particular às depressivas e histéricas, ao passo que a satisfação indiscrimidada poderia nos levar ao hedonismo ou à sociopatia. Assim, o sonho pode servir como válvula de escape, prevenindo a neurose e restabelecendo nosso equilíbrio. Nessa categoria temos, por exemplo, os sonhos de adolescentes com sexo.
Condensação
– Os sonhos podem reunir em uma só imagem elementos de vários conteúdos. Por exemplo, uma pessoa aparentemente desconhecida em um sonho pode apresentar, quando analisada, o nariz de uma pessoa de nosso convívio, nome de outra, roupas de uma terceira e a profissão de uma quarta. Nesses sonhos, pode ser útil observar o que os elementos ou pessoas condensados tem em comum, ou em que campo de nossa vida ou personalidade se fazem conjuntamente presentes.
Deslocamento
– Ocorre quando o inconsciente desvia o conteúdo de uma pessoa ou situação para outra, seja por similaridade, seja para diluir uma carga psíquica que ainda recusamos a admitir. Por exemplo, se ainda não aceitamos que já gostamos de alguém, pode ser que sonhemos com outra pessoa em seu lugar. Também é comum, em clínica, que pacientes relatem sonhos “prevendo” a morte de outros parentes, distantes ou já desencarnados, quando uma pessoa a quem são ligados está prestes a desencarnar.
Compensação
– Importante função, descoberta por Jung, em que o
sonho parece reequilibrar uma balança psíquica, através da apresentação
de um conteúdo inverso. A intensidade da correção é proporcional ao
desequilíbrio da vida desperta, sem fazer juízo moral. O sonho evita que
a descompensação interna não trabalhada se transforme em neurose,
ou, pior, que sua energia psíquica acumulada se materialize na forma
de sincronicidades negativas, karma ou atração de situações desnecessárias.
Como exemplos, temos a pessoa ciumenta que constantemente sonha que está
sendo traída; o depressivo que, na falta de motivação em vida, “compensa” dormindo e sonhando em excesso; o funcionário humilhado que sonha agredir o chefe; e a pessoa com baixa auto-estima que sonha se sentindo “honrada” por estar na presença de pessoas famosas. Jung relata também o caso de um paciente que supervalorizava a mãe, mas sonhava sempre que ela seria uma bruxa. Até mesmo a realização de desejos, de Freud, pode ser vista como um caso particular da função compensação. Ainda que o ciumento do exemplo não deseje (conscientemente) uma traição, pode vir a tê-la não como premonição, mas como conseqüência de suas próprias posturas e inseguranças projetadas. As compensações são diferenciadas das falsas previsões pelo seu sentido contrário à vida, pela sua natureza exagerada e reversa, quase como espelho ou caricatura, tendo sempre um caráter reparador de um excesso, falta ou repressão que já cometíamos.
Prospecção
– Similar a uma previsão de futuro, entretanto, não possui caráter paranormal, e sim, a conseqüência de algo que ainda não percebemos conscientemente, mas que tende fortemente a se realizar. O inconsciente consegue perceber o rumo que as coisas tomam e nos avisa de antemão, a exemplo de um computador que antecipa inúmeras jogadas de uma partida de xadrez. A diferença da prospecção para a premonição é que aqui não se trata de uma questão de destino ou deslocamento no tempo, e sim, da atuação lógica de uma inteligência maior, permitindo e sugerindo uma atitude que modifique o que foi vislumbrado.
Metáforas
– O inconsciente é atemporal, e, portanto, não fala em nossa linguagem objetiva e seqüencial. Ele tem sua lógica e tradução, mas é preciso notar que suas mensagens são, em geral, simbólicas e metafóricas, onde um quadro subjetivo representa, com propriedade quase artística, um conteúdo psíquico ou situação concreta importante. Assim, a forma como dirigimos um carro pode simbolizar nossa condução de vida; uma sensação de exposição ou falta de privacidade pode ser retratada como nudez e dificuldades concretas podem virar montanhas em sonhos. Como um pintor em busca de inspiração, o inconsciente usa a imagem que melhor exemplifique a situação. Como exemplo, uma pessoa com má condução de vida, que tenha passado o dia dirigindo pode sonhar, à noite, com a estrada - mas, provavelmente, a forma como dirige no sonho tratará mais de sua vida psíquica do que da viagem do dia anterior.
Premonição
– São sonhos onde o inconsciente, que é atemporal, percebe situações do futuro. São bem mais comuns do que imaginamos, mas a maioria das premonições observadas não tem caráter de alerta ou profético, mas apenas o de escolher, no dia seguinte ou em dias futuros particularmente marcantes, algo que ilustre um conteúdo simbólico que precise muito representar. É como se o inconsciente observasse o tempo do alto de uma pirâmide, à procura da imagem mais adequada – passada, futura, arquetípica, coletiva, mitológica – para condensar em uma só metáfora. Por exemplo, ao conversarmos com um colega de trabalho podemos lembrar que sonhamos exatamente com a frase que ele acabou de dizer. Neste caso, mais que prever um diálogo simples, o inconsciente está se valendo da situação ou conteúdo como metáfora de algo mais importante.
Projeção astral
– Caso particular em que a alma se emancipa temporariamente do corpo físico, entrando em contato com o mundo espiritual. Pode ser consciente ou não durante sua ocorrência, e também variar em grau de rememoração ao acordarmos depois.
Materialização de desejos
– Se tendemos a plasmar no astral aquilo que desejamos fortemente, especialmente aquilo em que estamos pensando no momento de dormir; e se tudo que há no astral tende a se duplicar e materializar no plano material, temos, então, que os sonhos podem ser, para bem ou para mal, visões do que estamos construindo para o nosso futuro. Isso pode ser utilizado como técnica de co-criação de realidades, no caso de imagens positivas; ou de correção de rumos em relação ao que tende a acontecer de “indesejado” (na verdade, desejado equivocadamente), caso não mudemos a condução de nossa vida.
Sonhos criativos –
Os sonhos podem trazer a resolução de problemas que estudamos, ou a síntese de uma criatividade artística, literária, musical ou intuitiva. Muitos escritores escreveram seus clássicos a partir dos sonhos. A invenção da máquina de costura, a descoberta da estrutura cíclica do benzeno e até mesmo a surpreendente disposição dos elementos químicos na tabela periódica de Mendeleiev são exemplos de sonhos que resolveram problemas consideráveis. Entretanto, em todos esses casos, o sonhador sempre estava trabalhando anteriormente no problema. Ou seja, o sonho criativo constitui uma inteligência de síntese superior à capacidade racional da mente consciente.
Sonhos como previsões propícias ou não propícias (Vedas)
Deprimidos tem sonhos depressivos e pessoas felizes sonhos felizes
Alma deixa o corpo protegida pela respiração do adormecido, e flutua entre mundos (Keshara)
Estado desperto é menos real do que o transcendente
China: Alma deixa o corpo e comunica-se com deuses e espíritos. Grande reverência.
China: Sonhos oferecem informações selecionadas de outro mundo, aplicáveis aqui
Sonhos segundo os orientais
Hipócrates (460-377 aC) e Platão (426-348 aC):
Influência astrológica no conteúdo dos sonhos
Platão:
Como não temos controle, podemos agir de forma diferente de quando despertos (vergonha, embaraços)
Desejos mais proibidos podem se expressar em nossos sonhos (sec XX)
“O Homem virtuoso está preparado para sonhar o que os maus fazem de verdade” (Platão)
“Mesmo nos homens bons há uma natureza de besta selvagem e sem lei que aparece no sono”
Deuses respondem às perguntas
Incubação e Intérpretes de Sonhos
Sonhos são responsabilidade de Esculápio (Deus da Cura)
Hipnos (deus do sonho) e Tânatos (deus da morte) são irmãos e filhos de Nix (deusa da noite) – dois lados da mesma realidade
Hipócrates:
Sonhos na Medicina
Pródomos, o que acontece antes.
Sintomas como símbolos
Aristóteles:
Sonhos tem fonte física
Atividade mental do sonhador
Animais sonham (sec XX)
3 livros de sonhos
Manifestação prematura de doenças não percebidas pela mente desperta
Sono segundo os gregos
Sono segundo os gregos
Água
Água representa o próprio inconsciente, e seu estado expressa estado emocional / mental. (Jung)
Verificar qualidade da água (limpa, suja, pura, corrente, empoçada), natureza (calma ou tempestuosa), tipo (rio, lago, piscina, oceano), como metáforas do estado emocional.
Ondas gigantes sugerem turbulências emocionais, ou repressões de raiva e tristeza, podendo ser “engolido” por suas emoções.
Águas barrentas e enxurradas sugerem situações complicadas.
Estado geral da água pode refletir relacionamento, ou outra área de forte conotação emocional.
Nosso corpo é feito principalmente de água.
Significados espirituais, astrológicos e ocultistas para o elemento água.
Dilúvios podem sugerir punição. Enviar água é, simbolicamente, uma das formas que Deus usa para mostrar sua ira aos humanos.
Batismo é simbolismo para “lavar” pecados. No meio de uma terapia, sonhos com água podem sugerir limpeza de alguma emoção que fazia o sonhador se sentir sujo ou envergonhado.
Perseguições sugerem sombra do sonhador. Que aspectos nossos nos perseguem?
Casas como o próprio eu. Como se sente nela? É conhecida? É a da infância? A conhece?
Veículos mostrando condução de vida, ou natureza dos “corpos” (físico, emocional, evolutivo). Progresso no processo de individuação.
Gravidez, bebês e partos como metáforas para início de processos.
Morte como metáfora para encerramento de ciclos.
Sexo como desejo, OU como aspectos que buscamos incorporar. Quais são as características da pessoa com a qual nos relacionamos sexualmente no sonho? Queremos incorporar aquelas características? Revelam deficiências nossas, compensadas com “transa” com quem as representa, ou são desejos saudáveis?
Sonhos como manifestação de desejos, reprimidos ou não.
Sonhos como compensação de desequilíbrios no consciente, ou readequação de valores e papéis.
Monstros e demônios como aspectos da sombra.
Pessoas famosas podem indicar compensação. Sonhador sente-se “honrado”?
Aspectos das pessoas famosas presentes, e seus “mitos pessoais” revelam natureza do sonho. Pessoas famosas são mitos urbanos!
Temas Comuns e Significados
Full transcript