Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

UFG/HIST01_AULA19/20_ALBERTI

No description
by

isabela ferrante

on 1 March 2018

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of UFG/HIST01_AULA19/20_ALBERTI

O BELO COMO UNIDADE ENTRE ESTRUTURA E ORNAMENTO
A TEORIA CLÁSSICA A PARTIR DE
LEON BATTISTA ALBERTI

O Belo em Alberti - FONTES:
01. O CONCEITO DE BELO E CONCINNITAS NA ARQUITETURA
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS
FACULDADE DE ARTES E ARQUITETURA
ARQUITETURA E URBANISMO
Disciplina: TE
Profa. Isabela Ferrante
01.
Neoplatonismo - ORDEM GEOMÉTRICA E PROPORCIONAL+ SENSÍVEL
DOUTRINA DO BELO ALBERTIANA
FACHADA - SANTA MARIA NOVELLA, Florença (1456+)
O TEMPLO
O ARCO DO TRIUNFO
San Francesco em Rimini -
Tempio Malatestiano (1450)
San Andrea, Mântua
San Sebastiano, Mantua 1460
ARQUITETURA CIVIL: Palazzo Rucelai, Florença
A FORMA IDEAL - O templo de planta central e forma circular
TIPOLOGIA DO PALAZZO
Alberti - De Re Aedificatoria contém o primeir programa completo para a Igreja Ideal do Renascimento;

Descrição das formas desejaveis do Templo (Igreja);
Natureza - formas arredondadas - circulares;

Alberti recomenda nove formas geométricas básicas para as igrejas - além do círculo, ele lista o quadrado, o hexágono, o octogono, o decaedro e dodecaedro.

Todas são determinadas pelo círculo e Alberti explica como derivar a medida dos lados a partir do raio do círculo.
02.
Belo da arquitetura clássica, greco-romana descrita por Vitruvio
Disposição, Ordenação, Eurritmia, Simetria, Decoro e Distribuição
Devida proporção numérica, proporção qualitativa entre as partes e a parte e o todo;
03.
TRIVIUM - Gramática, Lógica e a
RETÓRICA
Retórica - A arte da fala, a congruência entre as partes, o discurso bem articulado, a colocação das palavras com ritmo, harmonia
O QUE ESSAS FONTES TEM EM COMUM?
O Belo em Alberti - Congruência entre as partes, o todo unitário
SOBRE O BELO -
"Harmonia proporcional das partes de um corpo que não admite acréscimos, subtrações ou alterações, é qualidade inerente"

Alberti, em sua doutrina do belo volta, assim ao homem como modelo:
"Hominis bene figuratus" - o homem bem figurado
Tratados - De Pictura
De Statua
De Re Aedificatoria
De Pictura - Bela pintura é ordem, modo de organização
das partes;
Compositio, composição - ordem entre as partes;
Dispositio, disposição - relação oportuna entre as partes e das partes com o todo;
Segue as regras da Perspectiva;

"Partes da história são os corpos, parte do corpo é o membro,
e parte do membro é a superfície"
1º superfície - formas
2º mebros - partes das figuras
3º corpo - figura
4º História, o todo acabado
BELO NO DE RE AEDIFICATORIA
Belo - Pulchritudo
Belo - Ornamentum

Pulchritudo - Beleza inerente: "harmonia proporcional de todas as partes dentro de um corpo/conjunto"
Ornamentum - (ornamento) beleza como algo aderente - "uma forma de luz auxiliar e um complemento à própria pulchritudo"

MAS - (ATENÇÃO)
-
Ornamento apropriado e em
harmonia com a estrutura, com o todo. Nem só ornamento, nem só estrutura constituem a bela arquitetura! ORMENTO DA A VER A BELEZA DA ESTRUTURA E É NECESSÁRIO PARA A COMPLETUDE DA OBRA.
Arquitetura - Ornamento:

"A emanação de toda a graça e encanto decorre da beleza e do ornamento. Prova disto é que não existe ninguem tão desventurado e inepto, tão rude e rústico, que não se sinta atraído pelas coisas mais belas, que não prefira as coisas ornadíssimas a todas as outras".

Grande importância à beleza, e o ornamento é o instrumento que completa a arquitetura, que a deixa una, unidade que garante a beleza: "lumi, complementum" - luz: dá a ver a beleza
" do ornamentum emerge a beleza, traduzimos o complementum o sentido de completio, ornamento como o que completa a beleza" - já inerente, existente na estrutura.

Relação com o discurso -mais convincente
ARQUITETURA BELA = ESTRUTURA + ORNAMENTO
Obedecer a regra do belo como unidade e harmonia entre as partes - unidade entre estrutura e ornamento
Para alcançar o belo, da estrutura (pulchitrudo) e o belo do ornamento eles devem atender a ou outro preceito - CONCINNITAS (harmonia ou simetria)
"é necessária uma precisa relação de concinnitas (SIMETRIA) entre as partes no todo, de modo que não se possa acrescentar, subtrair, mudar nada sem que o torne reprovado" (Alberti, Livro VI)
Concinnitas - elemento de coesão do edifício - além da ordem proporcional matemática, inclui, cor, apropriação ao uso, todos os aspectos da obra
CONCINNITAS APLICADA AO ORNAMENTO TAMBÉM
BRAMANTI - San Pietro in Montori
Leon Battista Alberti
Filho ilegítimo de um florentino exilado em Gênova, pertencente a uma família de mercadores. Estudou Direito na Universidade de Bolonha.
Os interesses de Alberti viraram-se, então, para a ciência e para a arte.

Homem da teoria
Humanista, intelectual - letterato

Tratados - De Pictura
De Statua
De Re aedificatoria

(1404-1472)
A busca da arquitetura como arte liberal - Preceptivas
Alberti - primeiro teórico - relacionado ao início construção da arquitetura como ciência (Françoise Choay, A regra e o modelo)
CONCINNITAS
BELO EM ALBERTI -
02. A ARQUITETURA DE ALBERTI
Concinnitas é o elemento de coesão do edifício que excede a rigidez do cânone proporcional e do plano das relações matemáticas e considera todos os aspectos da obra, qual corpo completo, uno.
QUERELLE des Anciens X des Moderns:
AUTORIDADE DA TRADIÇÃO versus a RACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA
Antigos: François Blondel (1618-1686) | Modernos: Claude Perrault (1613-1688)
x
“Em relação as objetos propostos para o estudo, nós devemos investigar o que nós podemos com clareza e evidência intuir ou deduzir com certeza, E NÃO O QUE OUTROS PENSARAM ou o que são apenas conjecturas” (DESCARTES, 1628)

Descartes está pedido por evidencias, está dizendo que devemos pensar por nós mesmo ao invés de tentar recuperar o conhecimento que já foi conceituado anteriormente.

“Temos tanto direito de inventar e seguir nosso gênio, como os Antigos, sem nos tornar nós mesmos os seus escravos” (Rolland Fréart de Chambray – Paralelo da arquitetura antiga e Moderna) – 1606-1676
Fazer como os Antigos? Pois fazê-lo significa continuar afirmando a ideia de uma ordem ideal de racionalidade divina, autoridade divina.
Fazer a arquitetura com bases em princípios puramente racionais, que podemos deduzir e pensar nós mesmos? Implica Progresso
Moderns (Modernos) - CLAUDE PERRAULT
" Ordonnance des cinq espèces de colonnes selon la méthode des anciens"
Perrault negava a concepção da BELEZA IDEAL do cânone da Antiguidade, e insistia no presente, na arquitetura baseada em princípios da razão.
Autoridade dos textos antigos é desafiada pela possibilidade da descoberta do conhecimento ciêntífico a partir da investigação direta da natureza - Causas EVIDENTES e RACIONAIS
Dois tipos de Beleza:
Beleza positiva – qualidade dos materiais, a qualidade do trabalho e execução, simetria e o tamanho e magnificência.
Beleza arbitrária – Aquela baseada em convenções, aquilo que as pessoas estão acostumadas a conceber como belo – baseado nas ordens e na proporção. Coloca nessa categoria basicamente tudo aquilo nos quais os demais tratados se baseiam.
"Vitória" dos Modernos
É esse espírito dos MODERNOS, de Perrault é o espírito que vai prevalecer no Neoclássico
A cabana primitiva – a tradição recebida da arquitetura não é tão importante quanto as suas origens, as origens da arquitetura nos mostram o ato original antes da história a contaminá-la.
Forneceu uma visão racional das origens da arquitetura na natureza – a forma do templo, da cabana, sendo derivada do INSTINTO RACIONAL DO HOMEM DE RESPONDER A SUA NECESSIDADE FÍSICA.
Vimos que o Neoclássico se inicia com a Querelle - ruptura com a tradição e nova forma racional de pensar a arquitetura;

Abade Marc-Antoine Laugier - volta as origens primitivas para encontrar os princípios racionais da arquitetura.
Expressa esse interesse em sistematizar, matematizar e jogar fora os detritos da arquitetura que foi consolidada pela história, buscar as essências
A cabana primitiva – a tradição recebida da arquitetura não é tão importante quanto as suas origens, as origens da arquitetura nos mostram o ato original antes da história a contaminá-la.

Parlelo com Rousseau : “Nobre selvagem”
– homem nasceu bom, virtuoso mas a sociedade o corrompeu, quanto mais pudermos nos afastar dessas estruturas da civilização e nos aproximar da natureza, melhor nós seremos.
Neoclassico - Ruptura com a tradição e os costumes e volta às origens:
ABADE MARC ANTOINE LAUGIER - A cabana primitiva
1753 -“Essai sur l’architecture”
Como fazer arquitetura, como operar sem as amarras da tradição? Olhar para a primeira casa, a primeira cabana - essência
"A pequena cabana que acabei de descrever é o tipo sobre o qual são elaboradas todas as magnificências da arquitetura. É pela aproximação à sua simplicidade de execução que os defeitos fundamentais são evitados e a verdadeira perfeição alcançada. As peças verticais de madeira sugerem a ideia das colunas, e as peças horizontais nelas apoiadas os entablamentos. Finalmente, os elementos inclinados que formam o telhado resultam na ideia do frontão. Observe, portanto, aquilo que todos os mestres da arte têm professado”.
Arquitetura que mais se aproxima - Arquitetura da Antiga Grécia
Olhar para os aspectos mais racionais das construções do passado - a necessidade e a técnica construtiva
TRÍPLICE MANIFESTAÇÃO NEOCLÁSSICA:
A partir das concepções básicas que caracterizam o período neoclássico - Sobretudo a concepção cientpifica e racional da arquitetura e de seu olhar para a arquitetura clássica, greco-romana

Três momentos de sua manifestação:
01. Neoclássico teórico na França e Neoclássico Revolucionário -
O culto da geometria como essência da arquitetura e suas formas – Etienne-Louis Boullée (1738-1799) e Claude-Nicolas Ledoux (1736-1806)
02. Neoclássico Romântico - No interior do romantismo e recuperação do passado - Revisão racional da herança greco-romana: formulação e codificação dos preceitos clássicos.
03. Neoclássico Acadêmico - Durand e a tipologia na arquitetura, a
Reelaboração do sistema clássico e o sistema Beaux-Arts.
- Contexto da Revolução Francesa (1789-1799):
Etienne-Louis Boullée (1738-1799) e
Claude-Nicolas Ledoux (1736-1806)
NEOCLÁSSICO REVOLUCIONÁRIO:

Desejo de grandiosidade,
Efeitos sublimes nas massas dos corpos e nos contrastes de luminosidade,
A Antiguidade não é mais o centro das atenções: a forma e a audácia estrutural são as preocupações essenciais, busca de plena valorização da forma,
As formas puras e os volumes puros (o cubo, a esfera, a pirâmide, o cone ou o cilindro) tornam-se bases e essência da arquitetura
EXPRESSIVIDADE e SIMBOLISMO.
Boullée, Projeto de cenotáfio para Newton, 1784
Étienne-Louis Boullée
(1728-1799):
Três questões importantes na obra de Boullée.
01.A EXPRESSÃO DO CARÁTER,
02.REDUÇÃO ÀS FORMAS GEOMÉTRICAS PURAS,
03.EFEITO SUBLIME.


"Tive que reconhecer que somente a regularidade poderia dar às pessoas idéias nítidas acerca da figura dos corpos e determinar sua denominação (...). Composta por uma multitude de faces, todas diferentes, a figura dos corpos irregulares (...) escapa a nosso entendimento."
Revolução causada pelo neoclássico - Neoclássico: Apesar de voltar-se para a linguagem clássica não é um período de RESTAURAÇÃO da arquitetura, mas de Revolução, de transformação.
Olhar para a história é resultado de um processo crítico e racional.

- Racionalidade expressa na ordem e clareza geométrica,
"geometria elemental", "sensibilidade tectônica" (ou construtiva) e "forma objetiva"
Cidade - elementos constituintes e simbólicos da cidade.
Retomada dos sólidos platônicos,
Fricção entre razão e sublime.
Estudos para Palácio da Justiça - Palais de justice
Palácio do Município - Boullée Étienne-Louis
Estudos para Cenotáfio (1780-1800)
Boullée, Projeto de um teatro, 1781.
Arquitetura revolucionária - (Termo cunhado por Emil Kauffman)
BOULLÉE - Projeto de Igreja Metropolitana,Paris, (1780-1800)
Projeto para Assembleia Nacional, Jacques Guillaume Legrand e Jacques Molinos
1732-1734, George Sampson - Bank of England
Primeiro projeto
Ao lado das experiências revolucionárias francesas uma arquitetura com maior aproximação da herança Greco-Romana.

Significado, dimensão simbólica e dimensão urbana - Nacionalismo e simbolismo das cidades.

Contexto - Revoluções e Reestruturação do território Europeu: novos países e nações,
Arquitetura - Novas instituições e programas e ao mesmo tempo construção de identidades nacionais,

Paradoxo - Clássico, Histórico e Universal x Identidade do novo.
Clássico - representa valores das nações nascentes.
NEOCLÁSSICO ROMÂNTICO:
Museu do Prado, Madri, (1785) Juan de Villanueva
A cabana primitiva - Aspectos tectônicos da arquitetura:
Tectônico - tekton (grego), significa carpinteiro ou construtor
Architekton - mestre construtor - arquiteto/arquitetura
Precedente do pensamento da arquitetura moderna, seu racionalismo e elementarismo.
A origem da arquitetura, a essência da arquitetura, da cabana primitiva é ESTRUTURAL , é o seu esqueleto.
E o ornamento descende diretamente das necessidades estruturais.
A expressão da venustas - vinculado à tecnica.
Parece até mais próxima do Gótico do que do Clássico
A cabana primitiva -
Aspectos tectônicos da arquitetura:
A cabana primitiva - Aspectos tectônicos da arquitetura:
“O gosto do nosso século, ou ao menos da nossa nação, é diferente daquele dos antigos e talvez tenha algo de um pouco Gótico nele, porque nós amamos o ar, a luz do dia, a abertura". (Perrault)
Catedral de Nossa Senhora de Estrasburgo, França, 1439
Le Corbusier, Esquema Dom-ino, 1914
Mies van der Rohe, Casa Farnsworth, 1945-51
Refere-se ao potencial expressivo dos aspectos construtivos e estruturais da arquitetura, que é parte fundamental e necessária da mesma. Um edifício é antes de mais nada construção e estrutura.
Sua compreensão mudou em relação ao original grego,
principalmente devido às contribuições dos teóricos alemães Carl Bötticher e Gottfried Semper no século 19, e, mais recentemente, devido à contribuição de Kenneth Frampton (1983, 1990, 1995, 2005).
Frampton - provocou uma renovação do debate sobre a tectônica, promovendo a noção ao estatuto de “potencial de expressão construtiva” da arquitetura, capaz de reunir aspectos materiais e construtivos aos aspectos culturais e estéticos
NEOCLÁSSICO ROMÂNTICO E HISTÓRICO:
Ao lado das experiências revolucionárias francesas uma arquitetura com maior aproximação da herança Greco-Romana.

Características básicas –
- internacionalizar a arte (arquitetura de caráter universal, pois eram constituídos de fórmulas, ensinamentos, normas e raciocínios lógicos)
- retornar à pureza clássica,
- Volta-se para os monumentos clássicos, objetos de pesquisas arqueológicas. Surgirão edifícios com frontões, colunatas e átrios.

Significado, dimensão simbólica e dimensão urbana - Nacionalismo e simbolismo das cidades.
França - Da Revolução à Napoleão:
Na França, no final do Séc. XVIII, ambições arquitetônicas foram divididas entre projetos ideias (Boullée e Ledoux) e a necessidade de abrigar instituições para uma sociedade que mudava rapidamente pela adaptação de edifícios existentes, por exemplo.

Louvre - palácio convertido em museu
Supressão e substituição - simbólico da mudança do poder.

Política de concurso - arquitetura como questão pública e cívica.
Inglaterra - Revolução Industrial
e arquitetura do dinheiro:
Revival Neoclássico relacionado a um processo de mudanças econômicas.
Por volta de 1790, fabricas, bancos e bolsas de valores já eram instituições que faziam parte do cotidiano dos ingleses.
Clássico - valores de confiança, poder, austeridade, respeito, moralidade, razão.
Pierre Vignon, Madeleine, Paris, 1790-1816
Friedrich Schinkel (1781-1841)
Busca de uma arquitetura própria e particular de sua cultura e seu tempo.
Neue Wache, Berlin, 1816.
Simplificação - retorno as origens
SCHINKEL, Altes Museum, Berlim,18230-1830
Seu projeto mais conhecido é o Cenotáfio em homenagem a Newton, o grande cientista do século XVII. Um cenotáfio é um edifício fúnebre, para guardar os restos mortais de uma pessoa ou fazer uma homenagem póstuma.

“Boullée esperava demonstrar, entre outras coisas, que a arte da arquitetura poderia colocar-se no mesmo patamar, ou rivalizar a ciência como meio de explorar as leis da natureza”.

“Oh Newton! Com o alcance de sua inteligência e a natureza sublime de seu gênio, você definiu a forma da Terra. Então concebi a ideia de guarda-lo em sua descoberta”.
Cenotáfio para Newton (1784)
Não é surpresa que os monumentos comemorativos e funerários superam os demais no conjunto da obra de Boullée. Eram aqueles menos onerados em termos de requerimentos funcionais, de fato a sua necessidade ou função de abrigar restos mortais humanos foram superadas por outra função mais importante, a demanda de servirem como marcos do desejo da imortalidade.

Os projetos de Boullée também expressam um crescente interesse em novos edifícios públicos, em uma época em que a monarquia estava pensando em seu papel como reformador do estado e da cidade e também responder ao desafio de encontrar a forma mais apropriada a uma série de novos programas sem precedentes – museus, biblioteca pública, assembleia legislativa, hospitais, etc.
PROGRESSO - EVOLUÇÃO - Novo que vem do Antigo:
Na verdade vamos encontrar nos modernos uma visão positiva em relação à história: arquitetura moderna rejeita as linguagem histórica, mas ela aceita muito de sua essência, princípios e normas, que tem suas origens clássicas.
NA VERDADE SÃO PRINCÍPIOS QUE ESTÃO NA ESSÊNCIA DA ARQUITETURA, DA PRÁTICA DA DISCIPLINA.
Ex. Firmitas, utilitas, venustas...
Mies no Teatro Epidaurus (1959)
Parthenon - Atenas (séc.V a.C.)
Altes Museum - Berlim - Karl Friedrich Schinkel (1823 to 1830)
ARQUITETURA NAS LUZES:
NEOCLÁSSICO E ARQUITETURA REVOLUCIONÁRIA
Full transcript