Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Maria Garcia

on 21 September 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

Internacionalização
O processo de internacionalização das empresas consiste na forma como as organizações traçam as suas estratégias e agem para conquistar novos mercados fora do seu país de origem.

Motivações
Reativas
Proativas
Dificuldade de crescer no mercado nacional
Aumento da concorrência
As políticas restritivas de expansão empresarial
A falta de satisfação dos consumidores

Pressões competitivas, superprodução
Queda das vendas domésticas
Excesso de capacidade e saturação do mercado doméstico
Análise e conhecimento
legislação
fiscalidade
modelos de distribuição
hábitos
cultura
dos mercados
Caso prático
"The Swedish Way"
A cultura sueca é baseada na simplicidade, igualdade e generosidade. Estas crenças e valores, conjugadas com a ética do trabalho tradicional definem a cultura sueca.
O apoio às pessoas é a pedra basilar na qual assenta a constituição desta cultura.

“The Swedish way” é a modéstia, a humildade e a noção de todos estarem ao mesmo nível de importância, onde cada individuo é a chave para a obtenção do sucesso.

Os suecos são conhecidos por serem liberais, humildes e abertos à diversidade.

Nas organizações suecas todos são tratados de igual forma, e ninguém é mais importante que ninguém. Todos se cumprimentam de igual modo , “Hej” que significa tanto OLÁ como ADEUS.

Evitam o conflito e têm por hábito ouvir toda a gente antes de tomar decisões, mesmo sabendo que isso pode tornar os processos mais demorados- importância do papel da gestão participativa.
O modelo sueco é geralmente visto como uma alternativa ao fordismo-taylorismo, uma vez que se carateriza pelo trabalho em grupo, participação dos sindicatos e dos trabalhadores em diversos aspetos da organização, por tentativas de se criarem ambientes de trabalho onde o homem possa interferir e participar de maneira muito mais ampla.

"The Swedish Way" nas Organizações
Modelo de Hofstede
1. Baixa distância ao poder : Na Suécia, as regras tendem a ser consensuais e os subordinados estão mais diretamente envolvidos na elaboração dessas regras.

2. Elevado individualismo: Na Suécia, sendo uma cultura com elevado individualismo tende a manter o foco “no seu próprio trabalho” sendo que dão preferência às metas pessoais.

3. Fraca masculinidade: Sendo uma cultura essencialmente feminina, têm valores relacionados com a cooperação e família.

4. Fraco evitamento da incerteza: A cultura Sueca tem predominantemente fraco evitamento da incerteza portanto o risco é mais aceitável nesta sociedade.




"The Swedish Way" nas lojas IKEA
As cores do logótipo não são ao acaso sendo que o amarelo e o azul são as cores da bandeira sueca. O amarelo transmite esperança e o azul, em termos culturais, comunica a paz e representa o afastar dos espíritos;
Pequenas lojas anexas com os produtos típicos nacionais;
Locais e atividades de acompanhamento das crianças;
Cafés onde os clientes podem contactar com a cultura e gastronomia sueca;
“ Criar uma vida melhor para todos” é uma das suas premissas funcionais.

Posição paternalista - promove a ideia de família em que as relações entre os colaboradores são abertas e fortes;
Estilo de gestão é informal e aberto. Procura “cuidar” dos seus colaboradores;
Hierarquia achatada havendo grande proximidade entre lideres e liderados. O funcionário é geralmente encorajado a ter uma participação ativa e a tomar iniciativa;
Os gestores partilham informação, conhecimentos e competências com os seus colaboradores permitindo que estes “cresçam” na organização;
Tenta-se que os colaboradores sejam independentes, tolerantes e respeitadores.

"The IKEA WAY" na Gestão de Recursos Humanos
Ingvar Kamprad, fundador da IKEA
A função dos gestores é difundir, através do exemplo, comunicação e própria formação a cultura da empresa. Desta forma, na abertura de uma loja num novo país, uma equipa enviada vai transmitir esta “maneira de ser” da IKEA aos gestores locais para eles depois fazerem o seu papel de disseminadores da cultura aos novos colaboradores.
Gestores, "missionários" da cultura sueca
Organizam-se algumas vezes por ano seminários com a duração de uma semana onde os gestores das diversas subsidiárias espalhadas pelo mundo, viajam até Almhut e no primeiro dia conhecem o fundador da empresa,Ingvar Kamprad, que os contextualiza apresentando a história da empresa.
Depois, os participantes são alvo de workshops, formações sobre sistemas de distribuição e recursos humanos, etc.
Seminários "The IKEA WAY"
As estruturas matriciais, a sobreposição de sistemas de reporte, assim como processos decisórios longos e difusos podem transmitir a ideia de que os gestores são indecisos e que têm dificuldades na implementação de decisões;
As relações com as subsidiárias são informais e caraterizadas pela procura do consenso e evitamento de conflitos;
A autoridade é exercida pela via do poder informal.
A estrutura e os processos das organizações suecas podem-se apresentar com alguma ambiguidade aos olhos dos estrangeiros e por vezes podem ser mal interpretados :
As dificuldades da implementação da Cultura Sueca
Orientações Estratégicas
“Apesar da maioria das organizações ser afectada pelas mesmas pressões da globalização, as respostas diferem” (Milkovich e Bloom, 1998: 15)
Etnocentrismo, ou orientação para o país de origem diz respeito à exploração das competências e os conhecimentos da empresa-mãe e à procura da adaptação à escala global.

O Policentrismo encontra-se presente em empresas que procuram responder às necessidades locais explorando as suas particularidades locais sendo que a cultura organizacional que predomina nas subsidiárias é a do país anfitrião.

O Geocentrismo encontra-se mais presente em empresas do tipo global onde estas exploram as vantagens de custos que resultam da descentralização das responsabilidades, implantando estratégias globais.

o Regiocentrismo visa a integração regional e a sensibilidade nacional, sendo que a cultura que prevalece nas subsidiárias é a da região.
França VS "The IKEA Way"
A falta de formalidade dos gestores suecos foi interpretada como um sinal de fraqueza e indecisão.

Desconforto com a prestação de informações aos subordinados e com a ausência de descrições formais de funções e procedimentos escritos.

O facto da posição social do individuo, não estar especificada gerou problemas de identidade.
Manual de gestão transcultural de Recursos Humanos
Soluções
Comunicação dos beneficios proporcionados, comparando-os com os concorrentes.
Substituiram a fórmula sueca “aprender-fazendo”, dando formações mais formais.
Um gestor francês (com experiência na sede da IKEA em Almhult e casado com uma sueca) adotou um estilo de gestão mais afirmativo perante os empregados
U.S.A VS "The IKEA Way"
A fraca capacidade de exprimirem emoções, tendência para evitarem o conflito e a dificuldade em se auto-promoverem causou desconforto;
O processo de tomada de decisão lento foi considerado como fruto de indecisão;
As realizações individuais não eram recompensadas, dada a sua tendência sueca para evitar grandes disparidades remuneratórias;
Vários gestores americanos deixaram a empresa devido lenta progressão na carreira e ao sentimento de incerteza sobre o seu futuro na empresa.
Solução
Procedimentos formais de avaliação de desempenho
Manual de Gestão Transcultural de Recursos Humanos
Trabalho elaborado por:

Ana Rita Moreira A64168
Maria Garcia A61204
Marisa Couto a64264
Pedro Oliveira A63629
Sofia Lopes A64262


Economia e Gestão
2013/2014
Full transcript