Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Retrospectiva do curso Ensinando e Aprendendo com as TIC

No description
by

Caroline Aguilar Nunes

on 24 October 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Retrospectiva do curso Ensinando e Aprendendo com as TIC

Retrospectiva do curso Ensinando e Aprendendo com as TIC
- Instigar a observação sobre própria escola em relação ao uso das tecnologias disponíveis.

- Apresentar e discutir as possibilidades de uso das tecnologias no trabalho por projetos.

- Recontextualizar o uso dos recursos computacionais, inclusivo do ponto de vista pedagógico (editores de textos e de apresentações, gerenciamentos de arquivos, internet).
Nesse contexto, surge o Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia Educacional – ProInfo Integrado que congrega um conjunto de processos formativos, dentre eles o curso Introdução à Educação Digital (60h), o curso Tecnologias na Educação: ensinando e aprendendo com as TIC (60h) e complementação local (Elaboração de Projetos - 40h).
Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida

http://goo.gl/1dDZvP

Maria Elisabette Brisola Brito Prado

http://goo.gl/yzMch4

Alberto José da Costa Tornaghi

http://goo.gl/MDX15o

1.5 - REFLEXÃO “ENSINAR E APRENDER COM AS MÍDIAS
DIGITAIS – PAPEL DO PROFESSOR (Diário de Bordo)

1.6 ANÁLISE DE UMA EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA QUAL O
USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS ENVOLVA CONTEÚDOS CURRICULARES - fazer um FICHAMENTO (Fórum) - Tema “Experiências e Sugestões de aulas” - Comentar postagens
dos colegas cursistas.

1.7 – ESCREVER (Diário de Bordo) UMA AUTOAVALIAÇÃO E
UMA AVALIAÇÃO DO CURSO - UNIDADE I (conteúdo,
metodologia e atuação do formador neste curso).

1.0 - APRESENTAÇÃO (Fórum)

1.1 - ESCOLA E A SOCIEDADE DO CONHECIMENTO (Portfólio)

1.2 - “QUEM SOU COMO PROFESSOR E APRENDIZ?” – (Portfólio)

1.3- POSTURA DA ESCOLA E DA EDUCAÇÃO DIANTE DO PANORAMA DESENHADO PELAS NOVAS TECNOLOGIAS
– (Diário de Bordo) - Reflexão: Educação e Tecnologia - Comentar postagens dos colegas cursistas.

1.4- PRÁTICAS TECNOLÓGICAS EM SUA ESCOLA (Portfólio e Fórum)

- Conceito de hipertexto como forma não linear do conhecimento, uma forma de representação popularizada pela tecnologia computacional.

- Apresentar reflexões sobre relação entre forma de representação e o pensamento humano.

- Provocar o exercício de criação de alguns hipertextos simples, utilizando editor de textos.

- Explorar sites – WEB 2.0
O curso Tecnologias na Educação: ensinando e aprendendo com as TIC (60h) desenvolve-se com base na articulação entre a prática pedagógica com o uso de tecnologias, a realidade da escola, a reflexão sobre a prática e as contribuições das tecnologias para o desenvolvimento do currículo nas distintas áreas de conhecimento.
CursoTICNTEPOA2014 
http://goo.gl/lbn5Dk


ATIVIDADES PRESENCIAIS – TECNOLOGIA NA SOCIEDADE, NA VIDA E NA ESCOLA
OBJETIVOS do Curso:
utilizar as TIC na prática pedagógica, promovendo situações de ensino que aprimorem a aprendizagem dos alunos.
OBJETIVOS do Curso:
planejar estratégias de ensino e aprendizagem integrando recursos tecnológicos disponíveis e criando situações de aprendizagem que levem os alunos à construção de conhecimento, à criatividade, ao trabalho colaborativo e resultem efetivamente na construção dos conhecimentos e habilidades esperados em cada série;
- Identificar as características do currículo construído por meio do desenvolvimento de projetos de trabalho, com uso de tecnologias.
UNIDADE 4:
- Contextualizar o tema de que trata a Unidade IV: Currículo, Projetos e Tecnologia (digital).
- Propiciar a identificação das concepções de currículo e sua ressignificação diante das possibilidades de integração da escola com diferentes espaços de produção de conhecimento.
- Apresentar a internet como espaço de colaboração e de publicação (passível de ser espaço tanto para pesquisa como para publicação do que se faz na escola).
UNIDADE 2:
- Apresentar espaços de pesquisas como para publicação na internet (wikipédia e Diciopedia).

- Apresentar os hipertextos como modalidade típica de registro na Internet e convidar o cursista a navegar por alguns.
UNIDADE 1:
- Apresentar e discutir a proposta do curso;


- Contextualizar a temática da Unidade 1: Tecnologia na sociedade, na vida e na escola.


- Propiciar reflexões sobre a identidade do professor e sobre a necessidade de aprendizagem contínua.
a formação continuada dos professores e outros agentes educacionais para o uso pedagógico das Tecnologias de Informação Comunicação (TIC).
a disponibilização de conteúdos e recursos educacionais multimídia e digitais, soluções e sistemas de informação disponibilizados pela
SEED/MEC nos próprios computadores, por meio do Portal do Professor, da TV/DVD Escola etc;
Proposta do Curso:
Em sua nova versão, o Programa instituído pelo Decreto nº 6.300, de 12 de dezembro de 2007, intitula-se Programa Nacional de Tecnologia Educacional – ProInfo e postula a integração e articulação de três componentes:

a instalação de ambientes tecnológicos nas escolas (laboratórios de informática com computadores, impressoras e outros equipamentos, e acesso à Internet – banda larga);
- A tecnologia não pode representar um obstáculo para
sua participação e aprendizagem;
- Organizando seu tempo, sua aprendizagem será mais
efetiva;
-Participar de um curso a distância é compartilhar ideias, experiências ;
- A comunicação escrita não tem o apoio da nossa
comunicação não-verbal, dos nossos gestos,
expressões faciais, entonação de voz, o olhar:
precisamos escolher as palavras com muito cuidado!
TICs & Toques
A Educação a Distância pode se processar de diferentes maneiras, lançando mão de diferentes tecnologias. Por exemplo:
inteiramente a distância, com a utilização da Internet, teleconferências, vídeos, material impresso etc. Pode-se utilizar um dos meios apresentados ou vários deles;

semipresencial e, utilizando diferentes mídias digitais (TV, vídeos, computador, Internet, CD Rom, DVD), bem como materiais impressos especialmente preparados para os cursistas, com a intercalação de alguns encontros presenciais sob a orientação
de um tutor.

Por que optar por um curso a distância?
- Estimular o uso de recursos de autoria em mídias digitais (programas, equipamentos e linguagens).
- Apresentar algumas possibilidades de exploração de mídias digitais.
UNIDADE 3:
- Apresentar o Portal do Professor como ambiente em que se podem encontrar sugestões de uso de mídias, debater formas de uso, bem como colocar disponíveis para terceiros as experiências que os cursistas vierem a desenvolver;
OBJETIVOS do Curso:
compreender o potencial pedagógico de recursos das TIC no ensino e na aprendizagem em suas escolas;
Ao final de cada Unidade, vamos fazer uma reflexão, a partir das leituras, debates, indagações e produções elaboradas.


Essas reflexões devem ser registradas no Diário. Trata-se de um momento pessoal de registro do próprio processo de introspecção e também de auto-avaliação.


ReFlexÃo:
Professor conheça:
nte-poa@seduc.rs.gov.br
http://www.dominiopublico.gov.br
VISITE NOSSO SITE
http://portais.educacao.rs.gov.br/nte-portoalegre
http://portaldoprofessor.mec.gov.br
1º Encontro Presencial (13/05/2014)
2º Encontro presencial (27/05/2014)
Apresentação do curso pelas formadoras
Acesso e navegação do ambiente e-proinfo Apresentação das atividades da Unidade I – Escolha de ferramentas e formação dos grupos
Unidade I
7º Encontro Presencial (02/09/2014)







8ºEncontro Presencial (07/10/2014)





3º Encontro Presencial - (10/06/2014) Início das apresentações em grupo -
6º Encontro Presencial (05/08/2014)









ATIVIDADE 1.2 QUEM SOU COMO PROFESSOR E APRENDIZ?

O texto de
VALENTE, J.A. -Aprendizagem continuada ao longo da vida
- aborda a diferença entre informação e conhecimento. Quando temos uma motivação, aprendemos com mais rapidez e interesse. Somos mediadores e precisamos estar sempre propondo desafios, para que os alunos possam se valer de sua própria bagagem de conhecimento para a construção do novo. Em grande parte da nossa vida, durante o período de maior vitalidade mental, somos forçados a não usar nosso potencial e ser passivos ouvintes do professor. Uma solução mais efetiva é a de desenvolver a predisposição de aprendizagem continuada ao longo da vida. O papel fundamental do educador do futuro para estimular a aprendizagem ao longo da vida é o de resgatar, o mais rápido possível, as potencialidades que as pessoas têm para aprender e ser agentes de aprendizagem, criando oportunidades para que elas possam colocar em prática esses potenciais de modo consciente. E isso é muito difícil, pois não existe um procedimento padrão. Para formar este educador, se pensarmos no processo de formação continuado, usando a própria prática do educador como fonte de reflexão e de construção de conhecimento, essa formação não só é possível como, talvez, mais efetiva. O educador não só estaria adquirindo conhecimentos teóricos e usando-os em sua prática pedagógica, como também vivenciando a aprendizagem continuada ao longo da vida.

BLIKSTEIN, P. e ZUFFO, M. K. As Sereias do ensino eletrônico
faz um comparativo da invasão de informatização aos professores, assim como sofreram os executivos e os jornalistas. Será que, quem não se adaptar a esta nova era digital na educação, morrerá? O excessivo uso de regras para utilização dos equipamentos mais conduz a uma alienação do que explorar os ambientes, a criatividade e as possibilidades dessas ferramentas tão atraentes. As facetas da educação á distancia já estão sendo desmistificadas e independente da educação ser on-line ou presencial, ela precisa estimular os alunos a criarem, questionarem e produzir.

Eu sou uma buscadora e alguém que está sempre pensando. Uso os referenciais de meu aprendizado prático quando vou elaborar meus planejamentos dentro do PPP da escola, busco as memórias do que vivenciei e estudei e nela não estão incluídos estes novos recursos. Como gosto do que faço, procuro inovar, indo ao encontro daquilo que meus alunos gostam. Mas isso nem sempre é possível. Como disse uma de nossas colegas “gostaria de colocar em meus alunos o gosto pelo conhecimento”. Muitas vezes sou autoritária e impositiva, avaliando e julgando os alunos.
Sou professora porque quero e gosto do que faço, por isso tento estar sempre melhorando e buscando novas possibilidades, só assim posso ser feliz.
ATIVIDADE 1.1: ESCOLA E A SOCIEDADE DE CONHECIMENTO

Diante do novo desafio desta última década existe um abismo entre necessidade e a prática. Há uma tentativa de informatizar a escola, o ensino e o conhecimento. Alguns recursos estão chegando, mas como inserir estas novas ferramentas na rotina pedagógica, ainda é uma incógnita. Começo a vislumbrar uma maneira de colocar isso na minha prática pedagógica. Há 10 anos lecionando no Estado, sempre me senti muito solitária nos meus anseios e busca de aperfeiçoamento e\ou orientação. Comecei a estudar os PCN’s e lá encontrei um vasto conteúdo dentro da minha área, a educação física. Fiquei satisfeita pelo conteúdo ter sido explorado como Cultura Corporal de Movimento. Um conceito que ressoou dentro de mim. Uma prática dentro da educação física além dos conceitos higienistas, militares, esportistas, entre outros. Fui em busca de novas práticas, espaços, informações, ferramentas e até das tecnologias a minha disposição. Construo uma proposta pedagógica, um plano de aula, mas os desafios de como os alunos reagem são constantes, tendo sempre que reinventar e reconstruir em tempo real o meu planejamento.


Uso das Mídias Digitais para o Ensino e a Aprendizagem e sobre a distinção entre INFORMAÇÃO e CONHECIMENTO.
Link do Bate-Papo
http://ticsdianoite.chatango.com/
Atividade 1-6 Trabalhando com projetos Roteiro


Nome do cursista: Caroline Aguilar Nunes
Projeto: O Corpo enquanto produtor de cultura
Série: Ensino Médio
Escolhi esse projeto pois se aproxima da proposta que venho trabalhando, Cultura Corporal de Movimento. Que trabalha a educação física dentro de suas muitas facetas, como saber cultural, e não somente como treinamento esportivo, adestramento dos corpos ou para a saúde.

Como foi desenvolvido?
Atividade 1: apresentação de 3 vídeos. Ao término da exibição os alunos foram questionados: Como será que estas lutas surgiram? Será que elas sempre tiveram estes objetivos mostrados nos vídeos na história da humanidade? Logo em seguida, exibiu-se mais 2 vídeos. Retomou a discussão a partir das respostas dadas e das informações contidas nos vídeos.
Atividade 2: solicitou que os alunos se dividissem em 3 grupos que deveriam realizar uma pesquisa sobre algumas manifestações de lutas: Boxe, Esgrima, Sumô. Esta pesquisa deveria conter alguns dados:
Origem desta prática; Local onde surgiu; Expansão pelo mundo; Formas que são praticadas pelo mundo (lazer, competição, etc.); Principais locais da prática (países). Alguns sites de sugestão foram apresentados para que posteriormente cada grupo exponha o resultado destas pesquisas em forma de seminário, apresentando os pontos pesquisados.
Atividade 3:
Ao término dos seminários, o professor deveria propor práticas adaptadas destas lutas para os alunos:
Boxe de pregador: os alunos serão divididos em duplas, onde cada um receberá 6 pregadores que serão colocados na camisa destes. O objetivo da brincadeira é roubar os pregadores do oponente, utilizando somente as mãos. Vence aquele que conseguir retirar todos.
Esgrima com espada de papel: sugerimos ao professor que assista ao vídeo contido em (acesso em 17 de junho de 2010), para construir o material da esgrima. O professor dividirá os alunos em duplas solicitando que eles façam uma disputa de esgrima. Aquele que for acertado 3 vezes perde a disputa.
Sumô adaptado: o professor desenhará um círculo de cerca de 3 metros de raio. Em duplas, os alunos deveriam empurrar o seu oponente para fora do círculo.
Ao término das vivências, o professor retomou as discussões fazendo um paralelo destas atividades adaptadas, as práticas atuais destas formas de lutas e as suas origens. Com perguntas do tipo: quais as diferenças encontradas entre as práticas destas lutas na sua origem, nas formas praticadas hoje e nas que vivenciamos na aula? Quais são os motivos que fazem estas práticas (assim como qualquer outra prática corporal) serem modificadas ao longo da história da humanidade? Fazendo com que a discussão gire no sentido de que as práticas corporais são construções humanas que surgem de necessidades de determinados grupos sociais e que, em cada momento histórico, ganham novos sentidos e significados de acordo com os interesses dos grupos sociais daquela época histórica, como no caso do karatê, que surge como um meio de defesa e que, hoje em dia, se apresenta como esporte e/ou modo de treinamento para a obtenção de um maior controle corporal.
A avaliação foi feita com a construção de um painel com a síntese dos trabalhos e das discussões levantadas na aula.

Quais conceitos curriculares os alunos utilizaram?
Previamente o conceito de cultura e lutas e nas 4 aulas identificar as mais diversas formas de movimento humano enquanto produtora e reprodutora de cultura.

Quais recursos tecnológicos foram utilizados?
Acredito que para reproduzir os vídeos foram necessários uma tela grande, um computador, internet. Para que cada grupo pudesse fazer a pesquisa dos sites sugeridos, eles precisaram ter acesso a internet de alguma forma.

Cite os principais pontos positivos dessa experiência e os pontos que suscitaram preocupações ou dúvidas.
Pontos positivos: as aulas tiveram um bom encadeamento e embasamento, permitindo aos alunos irem construindo o conhecimento do conteúdo através do envolvimento com o tema proposto. Percebe-se que aula foi bem preparada pelo professor através de uma pesquisa prévia.
Pontos que suscitaram preocupações: uma dúvida foi quanto a receptividade e efetiva participação dos alunos. Penso que a turma já deveria ser conhecida pelo professor e estar bem preparada. A variação dos espaços e recursos necessários também foi um ponto a ser logisticamente pensado e preparado com cuidado.
Atividade 1-7 Avaliação da Unidade 1

Acredito que tive um bom desempenho no sentido de participar das aulas e tentar cumprir as tarefas propostas, inclusive lendo integralmente os textos, pesquisando, tirando fotos. Entro no ambiente, exploro e continuo persistindo. Meu desempenho não é ótimo, pois não considero que eu escreva bem. Na hora de produzir, acho que sou uma aluna simplória, mas esforçada. Meu conhecimento sobre mídias e programas é pouco, mas é justamente para melhorar este aspecto que estou fazendo o curso.
O ambiente do e-Proinfo é bastante truncado e pouco eficiente. Para um curso que se pretende tratar das tecnologias e usa um programa assim, é bastante questionável. Por sorte as professora responsável Mara Rosane Noble Tavares é inteligente, disponível, focada, divertida e didática.
Gostei das tarefas da primeira unidade, mas os encontros presenciais foram desorganizados, barulhentos e principalmente pouco produtivos. Sei que as pessoas com mais dificuldades precisaram de atenção, mas os que conseguiram fazer as tarefas também precisam de motivação. Acredito que o início era inevitável que fossem assim e nos próximos tudo vai se organizando.
O que mais gostei foi ter um incentivo para ler, pesquisar e escrever. De ser instigada a ter novas ideias sobre aulas e poder compartilhar isso com pessoas interessadas e com novas possibilidades.
1. Cadastrar no e-proinfo
2. Colocar Foto no Perfil
3. Atividade 1.0 - Cartão
4. Postar no Portfólio
5. Configurar Agenda
6. Configuração do Ambiente
7. Vídeo-Aula 1
8. 1º Acesso ao Pbworks do curso
Atividade 1-0 Cartão de Apresentação
Atividade 1.3 – Postura da escola e da educação diante do panorama desenhado pelas novas tecnologias.

O texto “
Escola e Tecnologia: Uma conversa de Alberto Tornagni
” aborda o “dessaber” como oportunidades de trabalhar algo novo, novas temática e oportunidades. Dar espaço para a criação a partir do que existe, aprender. Permitir que a escola seja um local onde se corporificam relações de ensino e processos de aprendizagem. O trabalho na escola lida o tempo todo com tecnologia, mas raramente se ocupa de produzi-la. É preciso que o Projeto Pedagógico esteja centrado na produção e na vivência dos alunos, propiciando o ambiente e provendo a infra-estrutura para que isso seja possível. O que se traz não é a verdade absoluta, mas aliados nos meios de expressão, representação e comunicação do conhecimento. Já não cabe mais ao professor buscar ser o detentor do saber que provê a seus alunos toda necessidade de informação e de formação. Cabe, isso sim, ser um profissional capaz de buscar esta informação junto com os estudantes. Despreza-se a experiência de aprendiz do professor, deixando de convidá-lo a refletir e registrar a vivência mesmo durante os cursos de que participa.

Maria Elisabeth B. de Almeida -Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento-
fala da contradição entre o analfabetismo funcional e o mundo digital é realmente uma equação a ser desvendada. Pra mim é bastante elucidativo quando as TICs são colocadas como busca e seleção de informações que permite a cada pessoa resolver os problemas do cotidiano, compreender o mundo e atuar na transformação de seu contexto e não necessariamente no uso de um computador. Mas como fazer isso?

Na entrevista de
DONBOR, L. Educação e Tecnologia
coloca que precisamos repensar a escola e a educação em um sentido mais amplo, uma escola menos lecionadora e mais organizadora de conhecimentos, articuladora dos diversos espaços. As empresas vão oferecendo cursos aos seus trabalhadores, e estes cursos privados se multiplicam por toda parte. O volume de informação se tornou imenso e a grande dificuldade é selecionar essa informação. Precisamos ensinar o aluno a organizar a memória do que se aprende, como se organizam arquivos, as pesquisas. É preciso disponibilizar a educação para qualquer idade de maneira flexível e permeável, e interagir entre trabalho e educação. Existe um isolamento entre o mundo da escola e do trabalho. É preciso introduzir no currículo a visitação de instituições, discussão sobre o que foi visto, questões multidisciplinares, como gestão, problemas éticos, áreas envolvidas, questões empregatícias, como é a segurança. Uma educação introdutória ao mundo no qual o jovem vai se inserir e uma facilitadora na reinserção dos adultos e idosos. Hoje há um processo de interação entre educação e vida profissional que tem que estar presente a vida inteira.

Enquanto os novos recursos ainda não estão disponíveis, usamos uma disputada sala de vídeo. Ela foi reformada há uns 2 anos, ganhando um PC, uma smart TV, caixa e aparelho de som, cadeiras e cortinas novas, e pintura.
Chegaram 35 net- books que são guardados no armário móvel.
Este material só pode ser usado pelos professores que atendem o ensino médio e poli-técnico. Mas até agora não foram apresentados aos alunos.
A fiação foi toda adaptada externamente às paredes.
A antiga sala de informática estava com computadores muito antigos e lentos e está sendo reformada.
Ganhou até um condicionador de ar.
No mês de maio de 2014 começou a ser instalado uma nova rede elétrica para dar suporte aos novos recursos tecnológicos chegados. Uma rede wi-fi também está sendo providenciada.

Tecnologias existentes na EEEB Fernando Gomes e os modos como são utilizadas
Atividade 1-4 Apresentação desenvolvida no Power Point
Atividade 1-5
BLOG



O que é um blog?
Para criar um blog
Como colocar o botão seguir
e seguir o blog dos colegas
Como postar o Power Point
Google Docs




Edição de vídeo








Como criar um vídeo com o Movie Maker do Windows 7
Tutorial Openshot
4º Encontro Presencial (01/07/2014)
5º Encontro presencial (15/07/2014)
Cultura Corporal de Movimento na Escola Fernando Gomes
ATIVIDADE 2.4 - Unidade II
Apresentação do trabalho de Caroline Nunes












Aula de capoeira na Escola Fernando Gomes
Apresentação usando o Prezi
Cadastro Prezi
WEBQUEST
GOOGLE SITES
Como criar uma Webquest usando o Google Sites
Como criar conta e espaço no PBWORKS








AUDACITY
HQ-ONLINE



AUDACITY

O Audacity é um software livre e gratuito para gravação, edição e reprodução de áudio, cuja licença do código fonte pertence à GPL General Public License. Alem de editar áudio, o Audacity permite gravar, reproduzir, importar e exportar arquivos de áudio nos formatos WAV, AIFF, MP3 e OGG. O que torna este software ser muito utilizado é o fato de ser um editor de áudio livre com funcionalidades e ferramentas que possibilitam uma boa qualidade na captura e edição de arquivos de som.
O Audacity é uma ferramenta de captura e edição de áudio com recursos extremamente interessantes. Com este software, a edição de arquivos de som é facilitada, pois este permite, de forma relativamente simples, realizar cortes nos arquivos de áudio, possibilitando as funções de copiar e de colar essas partes “cortadas” em diferentes arquivos de som. Além disso, é possível mixar, com a adição de efeitos de áudio, os arquivos de som gravados ou abertos no Audacity. As ferramentas de gravação e edição no Audacity podem ser realizadas em amostras de 16-bit, 24-bit e 32-bit em até 96 kHz.
O download do programa pode ser feito pelo site oficial do Audacity: http://audacity.sourceforge.net/.

Dez passos para instalação do programa:
No site oficial do Audacity, clique na opção download.
Escolha o sistema operacional (Windows, Linux).
Clique na opção: Audacity installer.
Uma caixa de diálogo se abrirá, escolha a opção executar e aguarde o download.
Na primeira tela de instalação do programa, clique em next.
Após ler o acordo de licença, clique em I accept the agreement, depois em next.
Leia as informações da terceira tela e novamente clique em next.
Na quarta tela você poderá escolher o lugar onde o programa será instalado ou deixar no lugar que ele mesmo recomenda. Em seguida clique em next.
Na última tela selecione a opção install. E aguarde. Em seguida clique em finish.
Selecione a língua que deseja trabalhar e o programa está pronto para ser utilizado.

Pista de áudio é a área de gravação e edição em que o áudio aparece em forma de ondas. Cada gravação iniciada ou arquivo importado abre uma nova faixa de áudio, com controle individual de volume. É possível trabalhar com várias faixas ao mesmo tempo. Cada vez que for iniciada uma nova gravação ou importado um arquivo de áudio, uma nova faixa será aberta. Para editar uma parte do áudio, tem que utilizar a ferramenta seleção, para isso basta manter clicado o botão direito do mouse arrastando-o pela parte pretendida. A parte selecionada ficará marcada com uma cor mais escura.
A manipulação de dados do Audacity é semelhante a um editor de texto, pois pode-se selecionar e copiar algum trecho para colá-lo em outra parte repetindo, ou simplesmente removendo de um lado a outro, recortando. É possível também apagar um trecho e comprimir o restante da faixa automaticamente para que não haja espaços vazios, ou então desfazer uma ação ou refazê-la, tudo isso com a utilização das mesmas teclas de um editor de texto comum.
O Audacity possui várias funções e efeitos. Para iniciar o processo de edição, precisa inicialmente selecionar o trecho que se pretende editar, simplesmente clicando e arrastando o cursor, como em qualquer editor de texto e, então, escolher o método de edição.

Cortando trechos de áudio
Iniciar a edição do programa removendo os trechos indesejados. Para isso, após selecionar o trecho a ser removido pressionar Del ou Backspace no teclado.

Aumentando ou diminuindo o volume de trechos de áudio
Selecionar o trecho de áudio que irá ser aumentado ou diminuído o volume, no menu Efeitos escolher Amplificar. Quando a caixa de diálogo se abrir, o Audacity calculará automaticamente o valor máximo que pode amplificar o áudio selecionando sem causar clipping (áudio muito alto). Clicar em Preview, para ver como o áudio ficará com a amplificação sugerida. Para alterar o volume manualmente, basta deslizar a barra de amplificação para mais ou menos, após clicar em OK para finalizar.

Inserindo trilha sonora
Clicar em Importar áudio na opção Projeto. Encontrar a música ou áudio que desejar utilizar como trilha sonora e clicar em abrir. Pressionar o Play para ver o resultado. Será aberta uma nova faixa (que deverá ser renomeada); usando a ferramenta Deslizar, posicionar a trilha no espaço do programa.

Usando outros efeitos
Fade in – É utilizado para obter um aumento gradativo do volume (do mudo ao volume normal).
Fade out – É utilizado para obter uma diminuição gradativa do volume (do volume normal ao mudo).
Remover ruído – Selecionar um trecho de áudio que contenha só o ruído. No menu Efeitos, escolher Remover ruído e clicar em Perceber perfil de ruído. O Audacity entenderá que esse é o tipo de som que deve ser filtrado. Selecionar todo o áudio do qual o ruído escolhido será removido e retornar ao Remover ruído no menu Efeitos. Na caixa de diálogo que se abrirá clicar no botão Remover ruído. A remoção de ruídos normalmente resulta em algum tipo de distorção no áudio. Caso o resultado não seja o desejado, basta clicar em Desfazer.
Ao concluir todas as modificações no áudio o trabalho pode ser salvo de duas maneiras:
Salvá-lo como projeto do audacity (o que permitiria alterações posteriores da mesma faixa de áudio).
Exportá-lo em algum formato para ser acessado de computadores que não possuem Audacity instalado (recomendado).
Para Salvar ir até o menu Arquivo e escolher a opção Salvar como, logo em seguida especificando o local a ser salvo; o formato a ser salvo será em .AOP, formato padrão para projetos do Audacity.
Para exportar a faixa de áudio para um formato em que seja possível escutá-la, escolher no menu Arquivo, qual dos formatos melhor se encaixa.

Gravando os arquivos WAV ou MP3 em CD
1º Insira o CD/DVD-R virgem no computador.
2º Abrirá uma janela de diálogo perguntado o que deseja fazer com este CD. Clique em Abrir pasta de CD ou DVD gravável.
3º Arraste os arquivos de áudio que deseja gravar para a pasta do CD/DVD-R.
4º Clique no canto esquerdo da tela em Gravar estes arquivos no CD/DVD.

Gravando seus arquivos pelo software Nero
1º Abra o programa Nero.
2º Clique em Áudio e em Criar CD/DVD de áudio.
3º Selecione os arquivos que serão gravados no CD/DVD-R. Para isso, clicar em Adicionar e selecionar os arquivos.
4º Na próxima janela de diálogo escrever o titulo do CD/DVD e clicar em Gravar.

Gravação.mp3

Referência
Tutorial Software Audacity: Gravando e editando arquivos de áudio. Disponível em:http://penta3.ufrgs.br/tutoriais/Audacity/. Acesso em: 29/07/2014.
BALTAZAR, Marcos. Rádio escolar: uma experiência de letramento midiático. 1ª ed. São Paulo: Cortez, 2012
sugestões
http://www.universohq.com/
http://www.baixaja.com.br/downloads/Wind...
http://vitrinehq.wordpress.com/2013/06/02/programa-de-edicao-e-criacao-de-hqs/
http://goanimate.com/
http://www.baixaki.com.br/download/manga-studio-ex.htm
HAGAQUÊ (programa para baixar)
http://www.ticsnaeducacao.com.br/index.php?id=10982
Turmas: NTE-POA_TIC-dia e NTE-POA_TIC-noite

Descrição:Tecnologias na Educação: ensinando e aprendendo com as TIC (60h) - visa oferecer subsídios teórico-metodológicos e práticos para que os professores e gestores escolares possam compreender o potencial pedagógico de recursos das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) no ensino e na aprendizagem em suas escolas.

Local de realização: NTE Porto Alegre/1ª CRE/SEDUC - RS/Rua Vigário José Inácio, 730/4º Andar, Centro.

Módulo - Carga horária: Tecnologia na Educação: Ensinando e aprendendo com as TICs - Guia do Cursista - 60

Oferta: 2014/01

Administrador titular: Mara Rosane Noble Tavares - seduc.maratavares@gmail.com
Administrador substituto: Angela Regina Szinvelski - angela-regina@seduc.rs.gov.br

Ementa: Guia do cursista para o curso Tecnologia na Educação: Ensinando e aprendendo com as TICs.

Carga horária: 60

Duração: 12/05/2014 a 31/10/2014
Criando documento - Tutorial
http://pt.slideshare.net/Grupo5MCIE/google-docs-aprendizagem-colaborativa?utm_source=slideshow02&utm_medium=ssemail&utm_campaign=share_slideshow_loggedout#

Tutorial http://www.slideshare.net/Diva_nte/google-docs-presentation

Tutorial - Questionário
http://pt.slideshare.net/katv/tutorial-como-elaborar-um-questionrio-no-google-docs?utm_source=slideshow02&utm_medium=ssemail&utm_campaign=share_slideshow_loggedout
2.1 Experiência de navegar livremente
No portal do professor encontrei diversos planos de aula interessantíssimos. Trabalhos do país todo. Muitos links para vídeos e conteúdos bem explorados. Adorei!
Não me perdi na navegação, mas queria explorar mais. Inclusive vou fazer uso mais efetivo deste portal.
Quanto ao Pbworks, não descobri ainda sua utilidade e função dentro da proposta do curso. Os conteúdos que existem no e-proinfo estão presentes lá de forma mais resumida.
Navegar a deriva pode te fazer chegar a lugares inesperados, e isso às vezes pode ser bom ou ruim. Acho que é preciso manter a consciência do caminho que está sendo percorrido para não perder o foco. É importante explorar, mas na internet é muito fácil se dispersar e ouvir “as sereias cantando”. Por isso, conforme diz o comentário do poema: “Depois de um pouco vagar, volte ao tema central”.
Eu particularmente sou bem objetiva e não tenho muita paciência de ficar explorando. Sou uma pessoa muito lúdica e preciso experenciar as situações.
2.2 Produzir e conceituar um hipertexto
Quando ouvi pela primeira vez a palavra hipertexto, fiquei pensando na origem da palavra, e o que poderia ser. “Hiper” para mim significa mais do que grande. Então um hipertexto deveria ser “um texto enorme”. Comecei a pesquisar e, como na maioria das vezes em que pesquiso na internet, a Wikipédia foi a primeira da lista. Uma das partes que mais me marcou sobre a definição é que este termo não nasce com a internet pois já era usado em manuscritos. Ao serem transcritos, as anotações realizadas pelos leitores nas margens das páginas, era incorporada ao texto transformando-se em uma escrita coletiva, permitindo uma leitura não-linear do texto.
Mas, este conceito de que o hipertexto não está necessariamente atrelado a internet, não é unânime.
Independente dos conceitos, o fato é que o hipertexto dá ao leitor uma certa liberdade, possibilitando escolhas por interesse.
Percebo que o conceito de hipertexto está bastante vinculado a navegação, à qual é necessária ser desenvolvida com discernimento para não ficar à deriva. Como estudante e praticante de yoga, estudei um pouco sobre o funcionamento da mente. E a forma do hipertexto se assemelha bastante ao funcionamento da mente, ou seja, estamos sempre fazendo associações, “linkando” experiências passadas com as atuais, relacionando conceitos e definições e trilhando caminhos escolhidos voluntariamente ou não. Por essa semelhança acredito que o hipertexto é tão atraente para nós. Mas assim como saber lidar com a mente e preciso saber lidar com essas ferramentas tão atraentes. Se não estivermos atentos, seremos absorvidos e engolidos e, a partir deste momento, nos tornamos servos da máquina.
2.5 - ESCRITA COLABORATIVA
QUAIS AS APRENDIZAGENS QUE SIMULADORES E PRODUÇÃO DE VÍDEOS DESPERTA NOS ALUNOS
2.6 – CHAT APRENDIZAGEM COLABORATIVA
“Como eu usaria esses recursos, com meus alunos, em sala de aula?”

Descobri que a Wikipédia é uma enciclopédia livre é colaborativa. Que qualquer pessoa pode fazer a sua contribuição, inclusive acrescentando novos verbetes, colaborando se encontrar algo que considerar incorreto. O objetivo é justamente esse: refletir, contribuir, mudar, usar. Assim não aceitamos as coisas como fechadas, sem questionamentos. A premissa adotada é que há os colaboradores que constroem conhecimento e há quem sirva de moderador, balizando-os. Contudo, o senso crítico é exigido de ambos. Existem vândalos, mas há um preparo para isso, o que é publicado não vai estar liberado imediatamente, existem os mediadores.
Não tinha pensado na navegação como uma competência, mas essa descoberta me pareceu adequada, pois que justamente exercita o pensamento, a curiosidade e a produção. O que a internet estimula e proporciona de uma forma imperceptível e até prazerosa.
Para mim, o novo conceito da Wikipédia foi extremamente importante e a sua “intensão” é o que deve ser explorado, mais do que qualquer recurso, é a maneira com que ela vai ser utilizada. Quero dizer que o fato de estimular os alunos à reflexão, ao questionamento, à construção do conhecimento deve estar presente em todas as aulas, independente da área. O fato de olhar criticamente toda informação que é apresentada.
Citando o Guia do Cursista: “Há, evidentemente, uma disputa acirrada por quem vai deter o direito de manusear e distribuir informação e conhecimento. Empresas buscam ocupar mercado e, se possível, construir monopólios e oligopólios. Ao mesmo tempo, por outro lado, comunidades de produtores buscam combater essa perspectiva, por isso constroem comunidades que sejam capazes de produzir coletivamente e distribuir conhecimento de forma equitativa.
Não há um lado bom, nem um lado mau. Há, pois, o direito à escolha. Cada um escolhe como e com quem prefere viver.”
2.7 – SÍNTESE DAS APRENDIZAGENS
Avanço
Ao término da unidade 2, me sinto uma nova pessoa e, por consequência, uma nova professora. O leque de possibilidades se abriu de forma exponencial. Estou motivada e aprendendo como trabalhar e cativar mais meus alunos a produzirem, inclusive usando os recursos que eles possuem e que muitas vezes são usados de forma obtusa.

Reflexões
- É exatamente isso que devemos cultivar na educação: esse brilho nos olhos, que se vê em crianças e adultos quando vislumbram a possibilidade de atuar no mundo, empreender projetos, melhorar a vida das pessoas, imaginar o que não existe, subverter a ordem, construir, destruir e reconstruir.
- Navegar a deriva pode te fazer chegar a lugares inesperados, e isso às vezes pode ser bom ou ruim. É importante explorar, mas na internet é muito fácil se dispersar e ouvir “as sereias cantando”. Por isso, conforme diz o comentário do poema: “Depois de um pouco navegar, volte ao tema central”.
Questionamentos
1- Você sabe o que é um hipertexto? Quando ouvi pela primeira vez a palavra hipertexto, fiquei pensando na origem da palavra, e o que poderia ser. “Hiper” para mim significa mais do que grande. Então um hipertexto deveria ser “um texto enorme”. Comecei a pesquisar, e uma das partes que mais me marcou, é que este termo não nasce com a internet pois já era usado em manuscritos. Ao serem transcritos, as anotações realizadas pelos leitores nas margens das páginas, é incorporada ao texto transformando-se em uma escrita coletiva, permitindo uma leitura não-linear do texto.
O hipertexto dá ao leitor uma certa liberdade, possibilitando escolhas por interesse. Está vinculado a navegação, à qual é necessária ser desenvolvida com discernimento para não ficar à deriva. A forma do hipertexto se assemelha ao funcionamento da mente, ou seja, estamos sempre fazendo associações, “linkando” experiências passadas com as atuais, relacionando conceitos e definições e trilhando caminhos escolhidos voluntariamente ou não. Por essa semelhança, acredito que o hipertexto é tão atraente para nós. Mas, assim como saber lidar com a mente, é preciso saber lidar com essas ferramentas tão atraentes. Se não estivermos atentos, seremos absorvidos e engolidos e, a partir deste momento, nos tornamos servos da máquina.
2- Você sabia que a Wikipédia é uma enciclopédia livre é colaborativa? Você sabe que qualquer pessoa pode fazer a sua contribuição, inclusive acrescentando novos verbetes? Se encontrou informações erradas de pesquisa, o objetivo é esse, refletir, colaborar, mudar, usar. Assim não aceitamos as coisas como fechadas, sem questionamentos.
A premissa adotada é que há os colaboradores que constroem conhecimento e há quem sirva de moderador, balizando-os, contudo, o senso crítico é exigido de ambos. Existem vândalos, mas para isso existem mediadores, o que é publicado não vai estar liberado imediatamente.

Memórias
Algumas atividades desempenhadas: abrir conta no gmail; criar blog; fazer apresentação no Power Point e publicar no blog; comentar atividades de outros colegas; fazer tutorial do Movie Maker; participar de Chat’s; construir textos colaborativos e muito mais.

Lições aprendidas
Fui me motivando e ficando cada vez mais envolvida com o processo de educar os educadores. De produzir uma nova mentalidade, de me transformar. Estou descobrindo o uso das mídias, mas, além disso, novos conceitos, desde o trabalho colaborativo à distância, até minha postura como professora.
Conclusão
É preciso perceber e aproveitar oportunidades, precisamos estar abertos para isso. Sair do espaço conhecido e nos mover em direção ao desconhecido. Nos colocar como alunos nos faz relembrar como é estar nesse papel.
Unidade II




2.3 Criar um Blog
http://www.ccmcarol.blogspot.com.br/





Aprender hipertexto por meio de um hipertexto WIKIPÉDIA
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hipertexto

CAROLINE AGUILAR NUNES
CLARICE PLASTINA DOS SANTOS STRONA
DANIELLE DOS SANTOS MONTEIRO
________________________________________
As TIC’s, com o uso de laboratório de informática nas escolas, tablets em sala de aula, além de celulares com finalidade educativa, são exatamente esses recursos citados acima que auxiliam bastante na aprendizagem. Por haver variadas tecnologias voltadas à educação, é necessária uma formação contínua do corpo docente para poder desenvolver projetos e trabalhos simples dentro da escola, embora as TIC’s tenham um caráter mais inclinado à educação a distância. Pensando nisso, algumas ferramentas, comosimuladores, são essenciais para o entendimento de determinado assunto que o professor tenha interesse em trabalhar com seus alunos. É uma oportunidade de visualizar um mesmo assunto por outro ponto de vista; sendo assim, até a produção de um vídeo, pelos alunos, seria mais eficaz que uma leitura ou apresentação de trabalho com cartaz, slide, etc., o que já está quase caindo em desuso.
E ao analisar

a unidade 2.9 do guia do cursista, encontrei um relato muito interessante: "os alunos publicam suas produções, por isso seus trabalhos escolares não têm mais, como destino, apenas a gaveta do professor e uma nota ao final do período; passam a ter valor social, uma vez que outras pessoas podem visitar o blog deles e saber o que eles aprenderam. Se isso lhe parece, no entanto, pouco, os alunos podem, com o blog, fazer ainda mais. Podem debater com os visitantes de seu blog sobre o que puseram lá, interagir com eles a partir dos comentários feitos. Isso é completamente diferente de tudo o que conhecíamos na maior parte das escolas até alguns anos atrás."
Vejo na mídia muitos vídeos de alunos brigando ou outras situações violentas. Podemos aproveitar as nossas próprias áreas de atuação e produzir pequenos e simples vídeos. Os alunos se envolvem e nem percebem o quanto estão aprendendo.
Outra novidade estimulante é que o professor aprende, ainda mais, com os alunos, especialmente porque também obtém conhecimentos com as descobertas e com as criações deles. Sim, porque não se espera que os alunos apenas escrevam ou transcrevam alguns textos sobre o tema escolhido.
A produção de vídeos caseiros pelos próprios alunos é oportuna pois motiva a pesquisa e o trabalho em grupo, ao mesmo tempo que evidencia a pouca participação e interesse de outros.
Mas é através desta oportunidade que o aluno tem a chance de mostrar a sua bagagem pessoal, afinal de contas, “O local e o global do professor e do aluno não são os mesmos”
Criatividade, expressão de idéias, pesquisa, busca de soluções para materializar as explicações, dinamismo, socialização, aprender a usar a ferramenta...
O aluno ganhará além do conhecimento do equipamento a capacidade de síntese. Há troca de conhecimento entre alunos de escolas diferentes, entre os professores e alunos.
Quando na aprendizagem usamos imagens é mais fácil de observar as expressões humanas, como alegria, vergonha, dúvida, entre outras, como se diz “uma imagem fala mais do que mil palavras”, assim as informações e conhecimento quando não são possíveis de serem transmitidas devemos fazer uso de imagens.
Isto é possível através de jogos e simuladores, que permitem uma experiência no mundo irreal o que antes não era possível para o aluno, por motivos diversos.
A linguagem usada na apresentação de trabalhos deverá seguir padrões da norma culta de forma inteligível, as ideias devem ser claras, enquanto que as mensagens podem ser publicadas com a peculiaridade de texto cibernético.

1ª postagem - apresentação do autor e o objetivo do Blog
2ª postagem -Blogs Educativos interessantes com análise
3ª Postagem - apresentação feita para atividade 1.4
4ª Postagem - análise do texto “O local e o global do professor e do aluno não são os mesmos”
5ª Postagem - vídeo sobre o tema do seu projeto
6ª Postagem: Atividade 2.7 – Síntese das Aprendizagens

Unidade III
3.6 - Avaliação da UNIDADE III VIA DISCUSSÃO NO CHAT
3.5 – Criando uma Webquest
3.4 - Planejando uma atividade usando as tecnologias e mídias digitais
3.3 - Navegando pelas Mídias
3.2 – Planejando com Movie Maker
3.1 - Seguir o Blog dos Colegas
Escolhi a ficha técnica aula 7 pois foi a que mais se adapta ao trabalho que desenvolvo com meus alunos, inclusive vai contribuir para aprimorar meu projeto Cultura Corporal de Movimento com novos conceitos.
Para minha realidade, precisaria fazer algumas adaptações, visto que trabalho com o fundamental final. Não temos alguns recursos disponíveis como máquina fotográfica e computadores para os alunos, pois a sala está sendo reformada. Mas usaríamos os celulares dos próprios alunos e eles fariam a edição com o Windows Movie Maker em pequenos grupos em suas casas. Os conhecimentos prévios que também deveriam ter sido trabalhados anteriormente, não serão abordados diretamente. Mas esse programa de edição é fácil de ser usado. Não seria usada a técnica de “stop motion” e sim, a de mudança de cena, fazendo uma mistura das possibilidades básicas. Ou seja, eles tirariam fotos dos integrantes do grupo fazendo as atividades na escola, para exemplificar as que se incluem no conceito de cultura corporal de movimento. Eles fariam a escolha das fotos, da sequência, do título, da legenda, dos efeitos e da música. A professora discutiria com cada grupo fazendo eventuais melhoras e em outra aula cada grupo apresentaria para a turma na sala multimídia.
O plano seria narrativo, lembrando que visão estética é totalmente ligada à visão de mundo da pessoa.
Repositórios de materiais digitais são os lugares que guardam grande quantidade de informação ou de objetos mídias Para guardar tanta informação nova, enquanto navegamos e visitamos sites sugeridos, copiamos e colamos no Blog os endereços das propostas interessantes que achamos. Registramos ao lado de cada endereço uma breve descrição da proposta, como usaria e qual o motivo de a ter escolhido.
http://www.ccmcarol.blogspot.com.br/2014/09/navegando-pelas-midias-sugestao-de-sites.html
Um novo fazer da Matemática e da Educação Física através das TIC´s
Autoras: Caroline Aguilar Nunes e Glei Ivane Gutierre Borges

Estrutura Curricular
MODALIDADE/NÍVEL DE ENSINO COMPONENTE CURRICULAR TEMA
Ensino Fundamental Final Educação Física Saúde e Qualidade de Vida
Ensino Fundamental Final Matemática Tratamento da Informação

Dados da aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula
A necessidade de uma alimentação saudável associada a prática de exercícios físicos.
Analisar a pirâmide alimentar.
Utilizar as diferentes linguagens como: matemática, gráfica, plástica e corporal.
Utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos.
Relacionar a matemática com o seu cotidiano.
Representação gráfica do Índice de Massa Corpórea dos alunos.
Analisar e construir gráficos.

Duração das atividades: Quatro aulas de 50 minutos

Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

- Ter noções gerais sobre a utilização do Excel, inclusive criação de gráficos.
- Experiência de navegação na Internet por meio do Microsoft Internet Explorer ou outro navegador.

Estratégia e recursos da aula: Fita métrica, balança, calculadora, pirâmide de alimentar e Microsof

Primeira Aula:

A professora de Educação Física fará a medição dos alunos e cada um anotará as suas medidas.
Apresentação de Webquest https://sites.google.com/site/webquesteeebfernandogomesimc/home
Comentário: Para que os alunos/as não se sintam constrangidos/as quanto ao seu peso e a sua altura sugerimos que usem nomes fictícios. Assim não trabalhamos especificamente com dados pessoais.

Segunda Aula:

A professora de matemática organizará com os alunos uma tabela com os dados coletados na aula de Educação Física.
Elaboração de gráficos.
Os alunos deverão acessar os seguintes links http://www.paisefilhos.pt/index.php/calculadoras/imc-criancas-e-jovens ou http://saude.terra.com.br/imc/ e http://www.atividadeseducativas.com.br/index.php?id=8593 e trazer os gráficos construídos a partir das orientações dadas no início da aula.
Terceira aula:

A partir dos gráficos, a professora de Educação Física discutirá com os alunos a Pirâmide Alimentar, debatendo a importância de uma alimentação saudável.
Está atividade é para colocar em prática o que os alunos aprenderam na aula, através do jogo http://marianacaltabiano.com.br/zuzu/diversao_piramide.html

Quarta aula:
As professoras de Educação Física e de Matemática se reunirão com a turma para analisar o que os alunos aprenderam e o quê eles gostariam de aprofundar sobre o assunto. Fazer uma avaliação da atividade proposta.

Avaliação: Será considerada a participação efetiva do aluno ao longo das atividades, o desenvolvimento e a elaboração das atividades propostas. Identificando o conhecimento e a conscientização dos alunos no que diz respeito a noção dos conceitos trabalhados . E por fim, a execução da webquest https://sites.google.com/site/webquesteeebfernandogomesimc/home


Datas de realização das aulas: 10, 12, 17 e 19 de Setembro de 2014
Turma: 8º ano A
Escola Estadual de Educação Básica Fernando Gomes

Resultados:
Para executar o nosso plano de aula com o uso das tecnologias da informação e comunicação (TICs) precisamos pensar e adequar a nossa realidade, pois sabíamos que tínhamos que enfrentar alguns contratempos como, por exemplo: as nossas escolas não possuem internet e nem computadores suficientes para atender uma turma, então precisamos elaborar algo que pudesse contornar essa situação.
Sabemos que a prática pedagógica nem sempre alcançará os objetivos determinados pelo planejamento inicial, porém pode-se considerar que independentemente dos resultados, haverá algum tipo de aprendizagem por parte dos alunos. É o que acreditamos e esperamos a partir dos resultados colhidos e analisados com todo o cuidado para que sejam corrigidos e adaptados numa outra oportunidade.
Como atualmente não temos computadores na escola, elaboramos um trabalho com o conteúdo do plano de aula da tarefa 3.4 para que os alunos tivessem que fazer uso efetivo das mídias, além das aulas ministradas.
Precisamos coletar o endereço eletrônico de cada aluno. Alguns disseram que não tinham e-mail, mas acessam o facebook. Então explicamos que para acessar o facebook é necessário possuir e-mail. Precisamos orientar individualmente como abrir e gerenciar sua caixa de correio eletrônico.
A professora Caroline pediu para a professora de matemática desta turma avaliar o resultado das tarefas, para considerar como ponto em sua disciplina, visto que muitos precisam de nota. Desta forma conseguimos que os alunos se engajassem na elaboração do trabalho.
Apesar de ser um trabalho diferente do que eles costumam fazer, eles não estavam muito motivados. Eles querem se movimentar durante as aulas de ed. física e não gostaram nem um pouco de ter que ficar na sala de aula.
Apenas uma aluna enviou o trabalho por e-mail no prazo estipulado e, ainda sim, suas respostas foram diferentes do que solicitavam as tarefas.
Na última aula, planejada para a avaliação, constatamos que muitos nem tentaram realizar a tarefa. Quando foi explicado e demonstrado com o notebook da professora como era a tarefa, e o que eles teriam que realizar, eles concluíram que seria muito difícil, pois não tiveram a experiência, na prática, de experimentar a ferramenta.
Outros não conseguiram visualizar o trabalho, pois sua conta\senha de e-mail consta como incorreta, mas com ela conseguem entrar no facebook. A alternativa foi encaminhar as tarefas para serem desenvolvidas pelo facebook. Muitos não tem computador em casa, e só acessam a internet pelo celular.
Precisamos explicar novamente o trabalho e dar mais prazo para a entrega.
O que é Webquest?
https://sites.google.com/site/culturacorporalcaroline/

https://sites.google.com/site/webquesteeebfernandogomesimc/

Mary Grace Martins
Rogerio Paiva
Caroline Aguilar Nunes
Uso das mídias na minha prática pedagógica, mudanças produzidas e surpresas quanto aos resultados de aprendizagem

Estou com um projeto sendo produzindo por meus alunos, aonde eles tiram fotos com o celular dos componentes do grupo e editam, seja no próprio celular ou no computador com o moviemaker. Estou surpresa com a mobilização de alguns grupos. Umas alunas do 8º ano foram conversar com os do 7º para saber em qual programa fizeram a edição e como trabalhar com ele. Fiquei até emocionada, pois estas alunas nunca querem fazer nada. Muito legal, não esperava. No início eles tiveram um pouco de resistência. Os celulares estão sendo usados de forma educativa e integrativa.
O nosso laboratório de informática ainda está em reforma e não temos previsão de termino. Tenho levado o meu notebook e recebido os trabalhos por pendrive ou e-mail. Isso está me dificultando um pouco à exploração das ferramentas que tenho aprendido. Mas ao mesmo tempo tenho chance de adquirir mais segurança. Nunca tinha usado as mídias antes. Quero elaborar uma webquest para organizar melhor este meu trabalho para os próximos anos. Tenho falado muito do curso na minha escola. Uma professora perguntou como este conhecimento chegaria até a escola e eu respondi que ela teria que ir buscar. Muitos esperam as coisas “caírem na cabeça”.
Com o curso me sinto mais segura para trazer as mídias e como orientá-los, visto que não temos prof. de informática. Já havia levado eles para fazer pesquisa no laboratório, mas não sabia muito bem como fazer. Me sinto motivada e pesquisadora. Atualizada. Parece que agora eu tenho algo a ensinar! Estranho isso!
Ainda é recente, em seguida estarei finalizando os trabalhos. Até lá acredito que terei muitas surpresas.
Estou orientando cada grupo individualmente e isso tem sido bem positivo apesar de cansativo.
O que mais gostei até agora foi à necessidade de interação entre eles e o desafio de vencer dificuldades de unir o grupo.
Percebo a minha direção espera um movimento dos professores. Os professores esperam da direção. Enquanto ninguém faz nada, conforme disse minha diretora: "em terra de cego quem tem um olho é rei" eu vou sendo a motivadora e multiplicadora do que tenho aprendido. Eu acredito que os gestores interferem, mas o interesse é nosso. É preciso haver uma necessidade e a vontade de mudar!
Experiência sobre o uso das mídias para minha prática pedagógica
Aprendizagens - pontos positivos

Os softwares nos dão muitas oportunidades como a liberdade de ir e vir, a oportunidade de adicionar, somar e transformar textos. Alguns sites nos permitem ir pela intuição, outros precisam de orientação, mas todos nos levam em várias direções. Se simplesmente nos deixarmos guiar pelos hipertextos presentes no texto original, vamos criando nossos textos intuitivamente. Existe um leque bem grande: textos colaborativos, vídeos, navegação... Um exemplo é a TV escola que possui sugestões maravilhosas, enriquecedoras. O objetivo é propiciar a aprendizagem, para isso o professor deve criar e recriar, usarmos algo que o colega fez, e trabalharmos em cima com outro conteúdo, criamos novos processos, ainda que sejam os mesmos, ou ao menos tenham a mesma base. Na verdade, nunca são os mesmos, pois eles se transformam em novos.
A unidade 3 foi a que tivemos maior oportunidade de interagir com os colegas. A troca de experiências e ideias é muito bem vinda.
Todo esse conhecimento desenvolvido ao longo do curso, os desafios, nos fazem crescer, não só como professores, mas nos torna pessoas mais capazes de interagir com as mudanças do nosso meio. Tudo indica que depois desse curso não iremos parar de desenvolver conhecimento com os usos das novas mídias e suas utilidades, é o próprio despertar.
Estamos mais seguras, corajosa, autônoma e experiente para usar as mídias e recursos e buscarmos novas atividades. As aulas ficaram mais interessantes, envolventes e os alunos mais interessados, participativos, eles aprendem. Estamos próximos dos alunos, “falando mais a língua deles” e envolvendo a prática a realidade deles. O uso da tecnologia estreita a relação aluno e professor.
Usar as tecnologias sem suporte ou recurso é bem cansativo, mas é gratificante o resultado!
O computador deve ser usado para aprender. Não há necessidade de ensinar a usar o computador, pois aprendemos as funções a medida que desenvolvemos as atividades propostas. Mostrar aos alunos como tirar vantagem das ferramentas. Eles devem saber buscar as informações e somos nós que os conduzimos a desenvolver o raciocínio e a criticidade.
Temos que mostrar aos gestores através de nossas atitudes, do nosso fazer pedagógico. Aos poucos mostrando que podemos ensinar usando as TIC’s.
Dificuldades - pontos negativos

Uma das professoras tem 17 turmas, com muitos trabalhos e provas pra corrigir, sem tempo pra mais nada. À medida que nos me dedicamos ao curso, vemos quantas possibilidades teríamos, caso tivesse mais recursos. Ficamos limitadas a muitas ideias e pouca aplicabilidade. Algumas possuem os netbooks, mas a internet possui muitos problemas. Falta de pessoal para dar apoio no uso das tecnologias. Acontece também de contar com os computadores funcionando, e de dez ter dois em condições. Em outra escola o problema é o Mais Educação que usa todos os recursos que não podem ser utilizados pelos. Percebemos que infelizmente é uma realidade em muitas escolas. Há uma expectativa que esta situação melhore no próximo ano.
O projeto que valoriza o saber do aluno, é contra o currículo e a avaliação tradicional. Embora exista o discurso de que o professor tem autonomia, isso é apenas uma superfície.
Em contrapartida, é preciso começar a trabalhar as TCI´s com o professores, pois muitos nem e-mail possuem. Desconhecem as TCI´s e lutam em aprender. Tirar alguém da sua zona de conforto é difícil.
Não podemos esquecer que a aula digital não é simplesmente passar para o pc o que antes ia no quadro.

Alguns ensinamentos da prof.(a) Mara

Usemos tempos e espaços diferentes, divulgando o aprendizado, assim vamos mudando a mentalidade da escola como instituição. Nós faremos a diferença, só que esse processo demora! Perseverantes, aos poucos vamos plantando, mas a semente já está germinando. Temos que transformar a escola!
HOMENAGEM
Unidade IV
4.1 – FÓRUM
4.2 – Retrospectiva do Curso Ensinando e Aprendendo com as TIC
Análise sobre o planejamento realizado e desenvolvido com os alunos na atividade 3.4
Plano de aula matemática e ed. física - IMC
Mensagem por caroline aguilar nunes Hoje à(s) 2:07 pm

Para executar o nosso plano de aula com o uso das tecnologias da informação e comunicação (TICs) precisamos pensar e adequar a nossa realidade, pois sabíamos que tínhamos que enfrentar alguns contratempos como, por exemplo: as nossas escolas não possuem internet e nem computadores suficientes para atender uma turma, então precisamos elaborar algo que pudesse contornar essa situação.
Sabemos que a prática pedagógica nem sempre alcançará os objetivos determinados pelo planejamento inicial, porém pode-se considerar que independentemente dos resultados, haverá algum tipo de aprendizagem por parte dos alunos. É o que acreditamos e esperamos a partir dos resultados colhidos e analisados com todo o cuidado para que sejam corrigidos e adaptados numa outra oportunidade.
Elaboramos um trabalho com o conteúdo do plano de aula da tarefa 3.4 para que os alunos tivessem que fazer uso efetivo das mídias, além das aulas ministradas.
Precisamos coletar o endereço eletrônico de cada aluno. Alguns disseram que não tinham e-mail, mas acessam o facebook. Então explicamos que para acessar o facebook é necessário possuir e-mail. Precisamos orientar individualmente como abrir e gerenciar sua caixa de correio eletrônico.
Eu pedi para a professora de matemática desta turma avaliar o resultado das tarefas, para considerar como ponto em sua disciplina, visto que muitos precisam de nota. Desta forma conseguimos que os alunos se engajassem na elaboração do trabalho.
Apesar de ser um trabalho diferente do que eles costumam fazer, eles não estavam muito motivados. Eles querem se movimentar durante as aulas de ed. física e não gostaram nem um pouco de ter que ficar na sala de aula.
Apenas uma aluna enviou o trabalho por e-mail no prazo estipulado e, ainda assim, suas respostas foram diferentes do que solicitavam as tarefas.
Na última aula, planejada para a avaliação, constatamos que muitos nem tentaram realizar a tarefa. Quando foi explicado e demonstrado com o notebook da professora como era a tarefa, e o que eles teriam que realizar, eles concluíram que seria muito difícil, pois não tiveram a experiência, na prática, de experimentar a ferramenta.
Outros não conseguiram visualizar o trabalho, pois sua conta\senha de e-mail consta como incorreta, mas com ela conseguem entrar no facebook. A alternativa foi encaminhar as tarefas para serem desenvolvidas pelo facebook. Muitos não tem computador em casa, e só acessam a internet pelo celular.
Precisamos explicar novamente o trabalho e dar mais prazo para a entrega.
.
caroline aguilar nunes
Mensagens: 1
Data de inscrição: 23/09/2014


Um novo fazer da matemática e da educação física através da tics
Mensagem por gleiivane Hoje à(s) 1:42 pm


Para analisar o meu plano vou me deter na minha área de conhecimento que é a matemática. O currículo formal prevê que na matemática seja trabalhada as tabelas e os gráficos. Embora esse conteúdo seja muito pouco explorado com o uso dos computadores, pois os recursos materiais ainda são precários. De modo geral os alunos constroem no papel tabelas e gráficos simples.
No plano de aula foi previsto a realização primeiramente em grupo para que fosse possível a troca entre os pares. Mas mudamos a proposta visto que os alunos estavam com certa dificuldade em se agrupar.
Outro dado importante para execução do plano de aula foi, a dificuldade por parte dos alunos em acessar os seus emails, para mim foi uma surpresa, uma vez que a maioria utiliza as redes de relacionamentos e para isso é preciso se cadastrar através de e-mail. Para mim era inconcebível que eles não conseguissem acessar os seus e-mail.
O que foi observado nos resultados colhidos é que faltou por parte dos alunos confiança na própria capacidade de resolver situações novas, como executar a webquest e trabalhar com Excel, embora o que foi pedido seria uma atividade relativamente fácil.

gleiivane

Mensagens: 2
Data de inscrição: 29/09/2014

Análise do Planejamento de Lenira Senna
Mensagem por lenirasenna Ontem à(s) 7:18 pm

Percebe-se que no currículo formal o uso das TICS não está inserido, pois ainda a prática docente está sendo feita através de recursos básicos como a lousa e o livro didático. O uso das TICS dentro do currículo são formas de desenvolver no aluno a interação, participação e autonomia no trabalho, sendo que a Pedagogia de Projetos contribui nesse sentido. Cabe o professor ser um mediador, orientando o aluno a ter acesso às informações, porém utilizando diversas fontes como: livros didáticos e paradidáticos, revistas, jornais, internet, filmes, trazendo significados à aprendizagem e construindo conhecimento.
Ao realizar o plano de aula utilizando as mídias e integrando a educação especial com as áreas das ciências da natureza, os conceitos trabalhados partiram do interesse e da realidade dos alunos. Fomos na internet pesquisar sobre o que eles gostariam de testar através de experimentos práticos nas áreas das ciências da natureza. Nesse processo, o diálogo foi muito importante, para isso, o professor deve levar em conta o conhecimento de mundo de seu aluno, suas experiências, seu cotidiano, para que possa reconstruir novos significados e possa formalizar o conhecimento do dia-a-dia em científico. Nesse sentido, é função da escola trabalhar com o conhecimento científico, realizando um trabalho a partir da realidade do aluno. As atividades utilizando as mídias tiveram grande participação e interesse dos alunos. Foi um trabalho de equipe, colaborativo, integrado.
Outro aspecto a pontuar é que o currículo não pode ser engessado, deve ser flexível, onde possa haver espaços e tempos para a integração do saber, isso significa que o aluno possa aprender fazendo, e ao mesmo tempo reconhecendo a sua autoria. Esses aspectos foram importantes para despertar o interesse dos alunos a realizar as atividades, necessitando adaptações curriculares sobre os conceitos trabalhados, levando em conta as limitações dos alunos. Pontuo que ao realizar as atividades práticas com o uso das TICS os alunos sentiram-se autores dos seus trabalhos, demonstraram sentimentos de pertencimento, acolhidos com todas as suas limitações.
A aprendizagem não se limita a apenas a acumulação de conteúdos ou informações sem significados, soltas, sem haver conexão com a realidade, por outro lado ela deve ter interação com o meio. Nessa perspectiva que as TICS contribuiu para potencializar ainda mais a aprendizagem dos meus alunos. Através de redes de conhecimentos, promovendo o diálogo, a construção de conhecimentos, valores e reflexões, o sujeito irá transformar sua realidade.
A escola quando organiza o seu currículo terá a influência da concepção de ensino-aprendizagem, de conhecimento. Outro aspecto a destacar é que o desenvolvimento do currículo vai muito além da sala de aula, dos muros da escola, pois envolve a vida dos alunos, o entorno da comunidade, os acontecimentos globais que interferem nas relações e na dinâmica do processo educacional.
Pensando nisso, buscou-se no planejamento com as mídias organizar a partir de assuntos do interesse e da realidade dos alunos, um trabalho interdisciplinar com outras áreas do conhecimento, utilizando estratégias práticas, lúdicas, criativas, com experiências, um show de ciências.
Nesse sentido, o uso das TICS não deve ser utilizado como algo isolado, sem conexão com o todo da escola. Nós educadores temos que sair do nosso quadrado e expandir as situações de aprendizagem como forma de englobar a complexidade do conhecimento, da ciência e da tecnologia a serviço de uma educação que seja de qualidade e interessante.

lenirasenna

Mensagens: 2
Data de inscrição: 28/09/2014


Oi Lenira
Muito bom o teu texto. Percebe-se que o trabalho desenvolvido pelo teu grupo foi bem eficiente e proveitoso. Estou sedenta por fazer um trabalho mais efetivo com o uso das TIC´s. Sinto que está tudo se direcionando para a realização deste trabalho. Estou motivada e motivo os alunos, só nos falta o Labin. Mas meu trabalho é bastante isolado. Acredito que quando eu começar a orientar os alunos, os outros professores vão se sentir motivados e sutilmente vou incentivá-los a trabalhar com a TIC. Enquanto isso não acontece, vou me preparando.
Bjs, Carol.

carolineanunes

Mensagens: 1
Data de inscrição: 29/09/2014

Data/hora atual: Seg Set 29, 2014 10:14 pm


Re: Aprendendo com as mídias
Mensagem por carolineanunes Hoje à(s) 9:06 pm

Cara Rissem
Fiquei muito empolgada e admirada com o planejamento e execução do plano de vocês. Com tantos detalhes, fico surpresa por terem conseguido pensar, planejar e executar em um tempo tão curto. Vocês foram muito eficientes e inteligentes. Um dia chego lá! study Very Happy
Dentro deste contexto, fico até feliz por teus alunos não terem concluído a tarefa e alguns não soubessem acessar e-mail. Digo isso pois, se tratando de uma turma de 1º ano do politécnico, com este plano tão bem elaborado, vocês obtiveram este resultado, imagina com o nosso que não tinha tantos recursos e atrativos. Mesmo com todas essas dificuldades concluímos que os resultados foram muito mais positivos do que negativos, além de ter sido prazeroso e diferente.
Parabéns! Bjs, Carol.

carolineanunes

Mensagens: 3
Data de inscrição: 29/09/2014
Sites que possibilitam criar quadrinhos rapidamente, oferecendo cenários, personagens e balões.
https://mundogloob.globo.com/programas/contos-de-mila/jogos/crie-sua-historia-em-quadrinhos.html

https://criancas.uol.com.br/atividades/crie-sua-hq.jhtm
Full transcript