Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

No description
by

Natália Gomes

on 3 February 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA
No projeto, temos:

03 quartos, sendo 02 sociais e 01 reversível;
3 x 2 = 06 pessoas/aptº.

02 apartamentos por andar, sendo 04 pavimentos tipo;
2 x 4 = 08 aptº -> 6 x 8 = 48 pessoas no edifício

São 02 pessoas na guarita, então o número total de pessoas no edifício é de:

50 pessoas.
CONSUMO DIÁRIO
Cd = C x P

Onde:
Cd é o consumo diário total predial, em litros por dia (l/dia);
C é o consumo diário por pessoa estimado;
P é a população da edificação
UFPE
CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO
CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO
DISCIPLINA DE T.E. PREDIAIS 1

PROFESSOR: MARCOS VIANA ALUNA: NATÁLIA GOMES

OBS: É muito comum na maioria das cidades brasileiras adotar a seguinte proporção populacional:



01 quarto social ou reversível = 02 pessoas

01 quarto de serviço = 01 pessoa

Zeladoria = varia de acordo com o número de zeladores por turno de trabalho
Para o cálculo do consumo diário utilizamos a seguinte fórmula:
FONTE: TABELA 1.3.1 LOCALIZADA NO ARTIGO 133 DO CÓDIGO DE OBRAS DA CIDADE DO RECIFE

* Para jardins, com consumo diário de 1,5l/m²

Cd = 1,5 x 60,32m²
Cd = 90,48 litros.
Cd = C x P
Cd = 150 x 50
CD = 7.500 + 90,48
cd = 7.590,48L
DIMENSIONAMENTO DOS RESERVATÓRIOS
Pelo código de obras da cidade do Recife, dimensionamos os reservatórios superior e inferior da seguinte forma:

Rs = 1 x Cd + Reserva de incêndio
Rs = 7.590,48 + 7.200 = 15.090,48L
Reservatório superior = 15,09m³

Ri = 2 x Cd
Ri = 2 x 7.590,48 = 15.180,96L
Reservatório inferior = 15,18m³
Apesar da NBR5626 de 1982 ter sido substituída é importante estudá-la visto que é de grande contribuição para a concepção de um projeto dentro de princípios de bom desempenho da instalação e da garantia de potabilidade da água.

De acordo com a NBR5626-1982:

1Cd < Rt < 3Cd

Onde:

Cd é o consumo diário;
Rt é a reservação total recomendada;

*Em caso de desconhecimento das particularidades locais de fornecimento de água existente:

Rs - Reservatório Superior = 2/5Rt ou 0,4Rt
Ri - Reservatório Inferior = 3/5Rt ou 0,6Rt
DIMENSIONAMENTO DOS RESERVATÓRIOS
RESERVATÓRIO SUPERIOR
Reservatório superior = 15,09m³

2,60 x 3,00 x 1,92 (comprimento x largura x altura)
Sendo que a altura deve ser acrescida de 50cm para evitar transbordamentos. então o dimensionamento do reservatório superior pela parte interna fica:

2,60 x 3,00 x 2,42 (comprimento x largura x altura)

RESERVATÓRIO INFERIOR
Reservatório inferior = 15,18m³

2,60 x 3,0 x 1,95 (comprimento x largura x altura)
CORTE ESQUEMÁTICO DO EDIFÍCIO
SOLUÇÃO COLUNA 01
PESO
PESO
Começando a preencher a planilha
Levando em consideração que a medida que a construção sobe os pesos das peças vão somando com as que estão acima, obtemos o peso aculmulado.

3,80
3,80+3,80 = 7,60
3,80+7,60 = 11,40
3,80+11,40 = 15,20
VAZÃO
Obtidos os pesos das peças iremos calcular a vazão, através da formula (Pág. 11):
Onde:
Q – é a vazão, em l/s;
C – é o coeficiente de descarga = 0,30 l/s;
P – é a soma dos pesos de todas as peças de utilização alimentadas através do trecho
considerado.
obs: Informações adquiridas na aula do Professor Marcos Vieira
PLANILHA A
EX.:

Q = 0,3 x (raiz quadrada de 15,20)
Q = 0,3 x 3,89
Q = 1,16 l/s
DIÂMETRO
O próximo passo é calcular o diâmetro das tubulações em cada trecho, que irá variar de acordo com o peso e a vazão já obtidas.
AB
BC
CD
DE
Através da figura 1.6 (pág. 12) obtemos os seguintes diametros.
Obtidas as vazões e o diâmentro vamos calcular a velocidade em cada trecho da coluna, através do ábaco da Fig.1.11 (Pág. 21).
AB = 2,0m/s
BC = 2,0m/s
CD = 1,2m/s
DE = 1,5m/s
vazão
diametro
VELOCIDADE
PLANILHA A
Irei adotar o comprimento real da tubulação até à derivação de 10,50m. Além desse dado nos é informado que o pé esquerdo do edifício é de 2,80m. Sabendo disso já temos o comprimento real de todos os trechos da coluna 1.

Contudo, o comprimento real não inclui as conexões das tubulações (joelhos, "T", registros), ou seja, o comprimento equivalente.
63mm
Na coluna 1 necessitamos as seguintes peças:
COMPRIMENTO

JOELHO



32mm
25mm
25mm
25mm
32mm
63mm
Obtidos o comprimento real e equivalente, temos o comprimento total, que é a soma de ambos.
PRESSÃO DISPONÍVEL
A pressão disponível do trecho A-B é de 5,5mca. Nos outros pavimentos a pressão disponível é igual a pressão a jusante do pavimento acima, somada a altura (comprimento real do trecho).

Desta forma vamos primeiramente encontrar o valor da pressão a jusante para depois mostramos a pressão disponível.


Obtida a pressão a jusante do trecho A-B = 1,7 podemos calcular a pressão disponível do trecho B-C somando esse valor ao comprimento real do mesmo = 3. O resultado é 4,7.

E assim por diante...
OBS:
Hélio Creder coloca a cota inicial 5,5 a partir do nível máximo do reservatório, todavia isso não é o que nosso professor utiliza pois qualquer queda no nível do reservatório superior já altera a pressão ameaçando o ideal funcionamento da tubulação. Dessa forma, a cota deve ser a partir do início da tubulação, para que possa haver uma sobra para uma possível queda do nível máximo do reservatório
PERDA DE CARGA
É a perda de energia que a água sofre devido à fricção das partículas do fluido entre si e contra as paredes da tubulação que os contenha.

Assim como a velocidade, o valor unitário da perda de carga também é encontrado através do ábaco da Fig.1.11( Pág. 21)
A perda de carga total é igual ao valor obtido no ábaco(unitário) multiplicado pelo comprimento total da tubulação.
AB = 0,3MCA
BC = 0,23MCA
CD = 0,12MCA
DE = 0,19MCA
vazão
diametro
PRESSÃO A JUSANTE
A pressão a jusante é o resultado da pressão disponível menos a perda de carga total que ocorreu no trecho.

Dessa forma, no trecho A-B temos:
ASSIM, COMPLETAMOS A COLUNA 01 DA PLANILHA A.

Esse mesmo método pode ser seguido para as demais colunas.
bibliorafia

nbr - 5626:1998
apostila de instalações prediais de água fria. professor marcos vieira
trabalho sobre dimensionamento de coluna de água fria, de bábara morato figueiredo.
Full transcript