Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

EQUILÍBRIO

No description
by

DANIEL FERRAZ

on 13 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of EQUILÍBRIO

EQUILÍBRIO
No paciente Idoso
PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

Degeneração Estrutural: 3 Sistemas
(–) células sensoriais do labirinto e fibras do nervo vestibular
Comprometimento da visão por glaucoma ou catarata
Perda de massa muscular, (–) flexibilidade dos ligamentos e tendões
Artrite degenerativa e osteoporose
Dificuldade de realização de movimentos corporais: inatividade física
Inputs Sensoriais do Labirinto
Córtex Visual
Sist. Somat.
Sist. Musculoesq.
SNC:
Córtex cerebral
Cerebelo, tálamo, n. vestibular, formação reticular
núcleos da base
Equilíbrio
Postural
INFORMAÇÕES INTEGRADAS
Sistema Vestibular
Proprioceptivo
Visual
Musculoesquelético
“... é uma das funções do sistema de controle postural e representa a habilidade de adquirir e controlar as posturas necessárias para alcançar um objetivo, mantendo o centro de gravidade sobre a base de suporte, em resposta a um dado ambiente sensorial.”
SISTEMA VESTIBULAR
3 Canais Semicirculares
Vestíbulo
Cóclea
Labirinto
PRÉ-SÍNCOPE

Sensação de estar prestes a desmaiar

Sensação de pernas instáveis, zumbidos,
(–) da visão, palidez e náuseas

Pode ser por
isquemia cerebral
,
causas cardíacas, hipotensão, medicações

Sua gravidade depende da magnitude
da redução do
fluxo sanguíneo
VERTIGEM
Ambiente se move ou
roda
em relação a pessoa

Também pode sentir-se
como se estivesse caindo

Início abrupto

Pode vir acompanhada de náuseas
e/ou vômitos, palidez e tremores

Não há perda da consciência

Distúrbio do
Aparelho Vestibular
“... difere de outros sistemas
sensoriais porque seus receptores
estão pelo corpo e não estão
concentrados em locais especializados
do corpo humano e porque responde
a muitos diferentes tipos de estímulos, agrupados em quatro categorias: toque, temperatura, posição do corpo e dor.”
Envia informações sobre a orientação da
cabeça, em relação ao campo gravitacional
terrestre, percebendo a variação de aceleração
linear e rotacional da cabeça

Acelerações Angulares da Cabeça:
Sagital, axial e coronal
Movimentos Corporais Lineares:
Frente e trás, cima e baixo


Ajustes Posturais Involuntários
Trato Vestíbulo-Espinhal
Musculatura Tônica Antigravitária
Controle Postural

EQUILÍBRIO
Correções da Postura
EQUILÍBRIO POSTURAL
VISÃO
Responsável pela assimilação rápida do movimento corporal e pela sensação de profundidade
Reflexo: vestíbulo-ocular
Receptores Somatossensoriais de
toque e de posição

Pele, músculos, tendões, ligamentos, nos tecidos conectivos das articulações e nos órgãos internos
INFORMAÇÃO SISTEMA VISUAL
INFORMAÇÃO SISTEMA VESTIBULAR
INFORMAÇÃO SISTEMA SOMATOSSENSORIAL
SNC
São analisadas, comparadas e
integradas:
Reflexos Posturais Adaptativos
Informações não coerentes:
Conflito Sensorial
Sensação Vertiginosa
Desequilíbrio
DESEQUILÍBRIO POSTURAL
“...um dos
principais fatores de limitação
da vida do idoso e, em 80% dos casos,
não pode ser atribuído a uma causa
específica.”
TONTURA
20% das pessoas acima de 60 anos
AVDs - Quedas - Fraturas
DESEQUILÍBRIO
Percepção de
enfraquecimento
ou perda da instabilidade postural e marcha

Referem:
pernas enfraquecidas

Qualquer distúrbio nas
estruturas neurossensoriais
do controle postural

É indicativo de
doenças Neuromusculares
Cerebelares, Neuropatias periféricas ou Descondicionamento físico
TONTURA INESPECÍFICA
Todos sintomas que
não podem ser identificados

Descrita com
imprecisão
pelo paciente

Cabeça pesada, sensação de flutuação, confusão
Intensidade leve

Ansiedade, Doença do pânico e Depressão

Relacionado a (–) da QV do indivíduo
PQ O IDOSO TEM DÉFICIT DE EQUILÍBRIO?
Etiologia Multifatorial:

Degeneração do Sistema Vestibular Diminuição da Acuidade Visual
Alterações Proprioceptivas Déficits musculosesqueléticos
Hipotensão Atrofia Cerebelar
Diminuição do mecanismo de atenção Diminuição do tempo de reação

*
Prevalência de Queixas de Equilíbrio: 85%
QUEDAS
"Episódios de déficit de equilíbrio
que levam o idoso ao chão."

Consequências Iatrogênicas
2ª Causa de Morte lesões acidentais
e não acidentais / Morbimortalidade
Problema de Saúde Pública
DADOS EPIDEMIOLÓGICOS
30% dos idosos caem uma vez por ano
28%-35% maiores de 65 anos
32%-42% em idosos acima dos 70 anos
50% com 80 anos ou mais

PORQUE CAEM?
FATORES INTRÍSECOS
(-) da Fc dos Sistemas do Controle Post Doenças, Transtornos Cognitivos
Incapacidade: manter/recuperar equilíbrio
FATORES EXTRÍNSECOS
Relacionados ao Ambiente:
Iluminação, Superfície para deambulação
Tapetes soltos, Degraus altos ou estreitos
CONSEQUÊNCIAS
Físicas: l
esões teciduais graves
fraturas - internações
Funcionais
: limitações de mobilidade
Não conseguem funcionalidade prévia
Básicas e Instrumentais
CONSEQUÊNCIAS
Psicológicas
: medo de voltar a cair
Depressão, a baixa da autoestima
Vergonha da situação de dependência
Baixo otimismo em relação ao futuro
(-) QV
PREVENÇÃO
Evitar os Fatores Extrísecos

Reabilitação Vestibular

Exercícios força, flexibilidade, coordenação e equilíbrio
EXERCÍCIO
3 Níveis de Abordagem: Primário, Secundário e Terciário
Primário
: prevenir o surgimento de doenças e deficiências que podem
levar a incapacidades e RQ
Secundário
: retardar a progressão da deficiência causada pela doença
Terciário
: restaurar a funcionalidade permitindo maior autonomia

Redução em 17% na taxa de queda
COMO AVALIAR?

Teste de Alcance Funcional
(FRT)
(DUNCAN et al, 1990)
Identifica: Alterações dinâmicas do
Controle Postural
3 Tentativas
(-) 15cm: fragilidade do paciente e
risco de quedas
COMO AVALIAR?
Timed Get Up and Go (TUG)
(PODSIADLO, RICHARDSON, 1991)
Avalia: Equilíbrio sentado
Transferências de sentado
para a posição em pé
Estabilidade na deambulação
Mudanças do curso da marcha
COMO AVALIAR?
Escala de Equilíbrio de Berg
(BERG et al, 1992)
Total 56 pontos
Maior de 45 pontos: normalidade do equilíbrio
= ou (-) risco de quedas

53-46 pontos: baixo – moderado RQ
46 pontos: alto risco de quedas
(SHUMWAY-COOK, WOOLACOTT, 2003)
COMO AVALIAR?
Escala de Tinetti
(Performance Oriented Mobility
Assessment-POMA - BRASIL)
Equilíbrio: 16 pontos
Marcha: 12 pontos
Resultados: 26-28: valores normais
19-25: Algum risco de queda
Menor que 19 pontos: 5x (+)
COMO AVALIAR?
PLATAFORMA DE FORÇA
Registra-se as variações do Centro de Pressões
de um sujeito sobre uma Plataforma de F

Informações:
Forma da Superfície em Contato
A posição dominante do Centro de Pressões
Regularidade, Frequência e Amplitude do Sinal
Deslocamento do Centro de Pressão
Durante o teste de Romberg
Olhos Abertos e Fechados
ENVELHECIMENTO
VISÃO
Localização e a distância de objts ambiente
Tipo de superfície que se dará o movimento
Posição de uma parte corporal em relação a
outra e o ambiente
ENVELHECIMENTO
Redução na acuidade; Sensibilidade contraste
Percepção de profundidade
Menor adaptação ao escuro
ENVELHECIMENTO
PROPRIOCEPÇÃO
Receptores tendinosos e musculares
Mecanoreceptores articulares e Baroreceptores
ENVELHECIMENTO
Redução da densidade e sensibilidade
dos mecanoreceptores da derme
Rigidez e inelasticidade dos tecidos vizinhos
Degeneração dos nervos periféricos
Diminuição importante da sensibilidade
(++) MMII
ENVELHECIMENTO
SNC
Avaliar e integrar informação sensorial
Detectar instabilidades
Criar estratégias de correção postural

ENVELHECIMENTO
Lentificação geral no processamto da informação
Diminuição da velocidade de condução nervosa
Redução da habilidade de compensar alterações
Distúrbios nas respostas posturais
CONSEQUÊNCIAS
Fraturas (90% quadril)
TCE

Síndrome de Imobilismo
+ 40% desses atendimentos – internações
2 meses – queixas de dores / (-) AVDs
CONSEQUÊNCIAS
Acidentes: 5ª causa de morte
Quedas: 2/3 das mortes acidentais

Quase todas: fraturas de colo femoral
50% idosos, mesmo sem lesões não conseguem levantar sem auxílio*
Full transcript