Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ENSINO SUPERIOR

No description
by

FABRICIO ARAGÃO

on 9 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ENSINO SUPERIOR

ENSINO SUPERIOR

Terceiro Período - Expansão do Ensino Superior - 1960-1980
Organização e Regulamentação
do Ensino Superior
Resultantes
Primeiro Período
Segundo Período - Período Joanino
criação de estabelecimentos superiores eminentemente profissionalizantes, com o objetivo de atender às necessidades imediatas da corte.

Primórdios da colonização até 1759
Colégios jesuítas – Colégio da Bahia
Obteve licença da metrópole para conferir o grau de Mestre em Artes
Escolas profissionais isoladas:
Cursos de Medicina, de engenharia, da Academia Real Militar, da Academia de Belas-Artes e dos cursos jurídicos

De 1808 a 1915, cerca de trinta tentativas – entre projetos de criação, discursos oficiais, criação de instituições livres – foram feitas no sentido de instituir a Universidade Brasileira
Reforma Carlos Maximiliano
(Lei nº 2.924, de 5/1/15)
Primeira Universidade do Brasil:
governo foi autorizado a reunir as três faculdades existentes no Rio de Janeiro numa “universidade”, o que só veio a acontecer em 1920
1960 a 1964 -crise econômica, social e política - aumento demanda
1964 a 1969 – consolidação do regime militar - demanda reprimida
1969 a 1974 – “milagre brasileiro” - expansão dos cursos, das unidades e das vagas
1974 a 1980 – conter a expansão
1960 e 1974:
instituições de ensino superior
286%
cursos
176%
número de alunos
1.059%.

demanda X milagre brasileiro
Definição e panorâma histórico
- Quantidade X Qualidade;

- Pesquisa X Profissionalização;

- Dificuldade de acesso;

- Elitismo do Ensino Superior Público;

- Mercantilismo da Educação Superior Privada;


A política regulatória para a educação superior vem passando por mudanças significativas desde a década de 198017. Em 1996, com a edição da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) no governo Fernando Henrique, este processo se acelerou. Revisões e alterações do "marco regulatório" da educação superior também foram realizadas pelo Governo Lula e têm se mantido com o Governo Dilma, inclusive com proposta de criação de agência reguladora específica para o setor18 . Esta seção busca analisar o andamento histórico do processo de criação de uma regulação específica para o setor educacional.
Ensino Superior brasileiro se organiza e, regido pela LDB,11 da mesma forma que se classificam de acordo com o tipo de financiamento, as instituições de ensino superior podem ser identificadas de acordo com a sua organização acadêmica (definidas em lei, Decreto n. 3.860 de 9 de julho de 2001), ou seja:
• Universidades
• Centros universitários
• Faculdades e Faculdades integradas
• Institutos e escolas superiores
• Centros de educação tecnológica
• Cursos de Graduação: são abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo. Os cursos de graduação conferem diploma aos concluintes e podem ser:

° Bacharelados (diploma)
° Licenciaturas (diploma)
° Tecnólogos (diploma)
• Cursos Sequenciais: são organizados por campo de saber, de diferentes
níveis de abrangência, abertos a candidatos que atendam aos requisitos
estabelecidos pelas instituições de ensino, desde que tenham concluído o ensino médio ou equivalente. Podem ser de:

° Formação específica (diploma)

° Complementar (certificação)
• Cursos de Extensão: abertos a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos em pelas instituições de ensino.
Conferem certificado aos concluintes.
• Cursos de Pós-Graduação: os programas de mestrado e doutorado (pós-graduação stricto sensu) e cursos de especialização (pós-graduação lato sensu) são abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação e que atendamàs exigências das instituições de ensino.

São modalidades de pós-graduação:

° Lato Sensu (certificado)
° Stricto Sensu (diploma)
Sobre as modalidades de ensino
O ensino superior pode ser ministrado nas seguintes modalidades:
• Presencial: Quando exige a presença do aluno em, pelo menos, 75% das aulas e em todas as valiações.



• A distância: Quando a relação professor-aluno não é presencial, e o processo de ensino ocorre utilizando os meios de comunicação: material impresso, televisão, internet, etc.
INGRESSO E ACESSO
AO ENSINO SUPERIOR

TIPOS DE GRADUÇÃO DO ENSINO
SUPERIOR OFERTADAS NO BRASIL:
-BACHARELADO
-LICENCIATURA
-FORMAÇÃO TECNOLÓGICA
LOCAIS DE OFERTA:
-UNIVERSIDADES
-FACULDADES
-CENTROS UNIVERSITÁRIOS
-INSTITUTOS SUPERIORES
-CENTROS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA
FORMAS/EXAMES DE ACESSO
- VESTIBULAR TRADICIONAL
- ENEM – criado pelo MEC em 1998.
- AVALIAÇÃO SERIADA NO ENSINO MÉDIO (PAS no caso da UnB)
PROGRAMAS DE ACESSO:
- FIES – criado pela MP n° 1.827 de 25/05/99
- PROUNI – criado pelo Governo Federal em 2004
- PIBID
- SISU
Regulação, supervisão
e avaliação do ensino superior

Constituição da República Federativa do Brasil (1988) postula-se que o ensino em qualquer etapa da escolarização deve ser ministrado com base no princípio da garantia de padrão de qualidade (Art. 206, II), de modo que seja livre à iniciativa privada, mas atendido pelas condições de autorização e avaliação da qualidade pelo poder público (Art. 209, II).
Avaliações Institucionais
-
“PROVÃO”
– O Provão caracterizava-se por ser um exame nacional de periodicidade anual pautado em conteúdos mínimos estabelecidos e aplicado aos alunos em fase de conclusão dos cursos.


-
SINAES
- A Lei 10.861/2004 institui o SINAES, que é o processo nacional de avaliação de três componentes: as instituições, os cursos e o desempenho dos estudantes. o SINAES propõe uma avaliação institucional integrada por diversos instrumentos. O SINAES propõe uma avaliação institucional integrada por diversos instrumentos.
Educação Superior na LDB
A educação superior é tratada pela LDB - Lei Nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996 - nas formas dos artigos 43 ao 57.
Versa sobre as finalidades da educação superior – Art. 43.
Dita a abrangência desse nível. (Graduação, Pós Graduação e extensão) – Art. 44.
Instituições autorizadas a ministrar o nível superior – Art. 45.
A autorização e o reconhecimento de cursos, bem como o credenciamento de instituições de educação superior – Art. 46.
Obrigatoriedade da gestão democrática nas instituições públicas – Art. 56.
Mecanismos de controle
SERES - Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior é a unidade do Ministério da Educação responsável pela regulação e supervisão de Instituições de Educação Superior (IES), públicas e privadas, pertencentes ao Sistema Federal de Educação Superior; e cursos superiores de graduação do tipo bacharelado, licenciatura e tecnológico, e de pós-graduação lato sensu, todos na modalidade presencial ou a distância.
Esta secretaria deve zelar para que a legislação educacional seja cumprida. Suas ações buscam induzir a elevação da qualidade do ensino por meio do estabelecimento de diretrizes para a expansão de cursos e instituições, de conformidade às diretrizes curriculares nacionais e de parâmetros de qualidade de cursos e instituições
Classificação das IES pela LDB
As IES são inicialmente classificadas pela Lei 9.394, nos artigos 16 e 20, e, posteriormente, por alguns decretos que a complementam, nesse particular assunto. Em seus artigos 16 e 20, verifica-se o seguinte texto na citada Lei:

Art. 16. O sistema federal de ensino compreende: I - as instituições de ensino mantidas pela União; II - as instituições de educação superior criadas pela iniciativa privada; III - os órgãos federais de educação.
Art. 20. As instituições privadas de ensino se enquadrarão nas seguintes categorias:

I - particulares em sentido estrito, assim entendidas as que são instituídas e mantidas por um ou mais pessoas físicas ou jurídicas de direito privado que não apresentem características dos incisos abaixo;
II - comunitárias, assim entendidas as que são instituídas e mantidas por uma ou mais pessoas jurídicas, inclusive cooperativas de professores e alunos que incluam na sua entidade mantenedora representantes da comunidade;
III - confessionais, assim entendidas as que são instituídas por grupos de pessoas jurídicas que atendem a orientação confessional e ideologia específicas e ao disposto no inciso anterior;
IV - filantrópicas, na forma da lei.
Perspectivas para o Ensino Superior
Baseado no PNE 2011-2020, pode-se apresentar e analisar a construção das políticas públicas para ES no Brasil em torno de três eixos:

1) democratização do acesso e flexibilização de modelos de formação
2) elevação da qualidade e avaliação
3) compromisso social e inovação

Assim, ações de inclusão, de atendimento à diversidade, de promoção da igualdade e de gestão democrática constituem a agenda da educação superior brasileira para o próximo decênio.
Perspectivas para o ES no PNE 2011-2020
META 12 – Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% e a taxa líquida para 33% da população de 18 a 24 anos, assegurada a qualidade da oferta e expansão para, pelo menos, 40% das novas matrículas, no segmento público.
"O real significado do termo "Ensino Superior" vai muito além do de ensino de terceiro grau, como ficou popularizado Nas décadas de 60 e 70. O saber superior deve ser adquirido mediante o uso de codificações, sistemas, modelos e símbolos da semântica científica e, por isso, foge à praticidade do dia-a-dia e se reserva aos que disponham de condições especiais para abordá-lo. Por isso, como muitos querem, não pode ser democraticamente acessível a todos. É um ensino, por natureza, elitista, para uma minoria capacitada intelectual e culturalmente e não no sentido trivial de pessoas sócio-economicamente bem postas na comunidade."

Paulo Nathanael P. Souza
Full transcript