Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Sísifo - Miguel Torga LP

No description
by

Inês Ramos

on 5 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sísifo - Miguel Torga LP

Sísifo
Miguel Torga
Sísifo
Bibliografia
Intertextualidade
Intertextualidade

Mito de Sísifo
Bibliografia
Recomeça…
Se puderes,
Sem angústia e sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro,
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo
Ilusões sucessivas no pomar
Sempre a sonhar
E vendo
Acordado,
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças.

Miguel Torga
Sísifo, filho de Éolo, rei da Tessália e de Enarete, tinha a reputação de ser o mais habilidoso e esperto dos homens mortais. Segundo a lenda, Sísifo despertou a ira de Zeus quando contou ao deus dos rios, Asopo, que Zeus tinha sequestrado a sua filha Egina. Zeus mandou o deus da morte, Tanatos, perseguir Sísifo, mas este conseguiu enganá-lo e prender Tanatos. A prisão de Tanatos impedia que os mortos pudessem alcançar o Reino das Trevas, tendo sido necessário que fosse libertado por Ares. Foi então que Sísifo, não podendo escapar ao seu destino de morte, instruiu a sua mulher a não lhe prestar honras fúnebres. Quando chegou ao mundo dos mortos, queixou-se a Hades, soberano do reino das sombras, da negligência da sua mulher e pediu-lhe para voltar ao mundo dos vivos apenas por um curto período, para a castigar. Hades deu-lhe permissão para regressar, mas quando Sísifo voltou ao mundo dos vivos, não quis mais voltar ao mundo dos mortos,e viveu até idade avançada. no entanto, quando morreu de vez, Hermes, o deus mensageiro e condutor das almas para o Além, decidiu então castigá-lo pessoalmente, infligindo-lhe um duro castigo, pior do que a morte. Sísifo foi condenado para todo o sempre a empurrar uma pedra até ao cimo de um monte, caindo a pedra invariavelmente da montanha sempre que o topo era atingido. Este processo seria sempre repetido até à eternidade.
Esta imagem tem um objetivo diferente do que possam
estar a imaginar; (Vejam isto como um ciclo)
A imagem sugere que a vida está a chegar ao destino que tentámos conquistar e lutar por esse objetivo mas de repente tudo começa ao normal e temos de começar tudo de novo porque o que nós conquistámos até agora, foi como já não existisse e parece que a nossa vida de repente tem um novo começo;
Como diz o poeta: "Recomeça.../ Se puderes, sem angústia e sem pressa(...)"
Assim, escolhemos esta imagem não como um fim de algo determinado mas sim como objetivo cumprido associado ao rochedo que sisifo empurrava até ao cimo da montanha e que conseguia chegar ao seu destino, mas a outra imagem mostra-nos que o tempo começa tudo de novo que representa o rochedo cair e ao início de uma nova luta de sísifo com o rochedo, pois este tinha de o empurarrar de novo para cima, considerando assim uma linta sem fim, mas nunca desistindo.
Realizado por:
Bruna Costa
Inês Ramos
Lara Rasteiro
Mª João Nascimento
Tiziano (1549), Tela em Óleo
Análise do poema:
Adolfo Correia da Rocha, que será conhecido por Miguel Torga, nasce a 12 de Agosto de 1907, em S. Martinho da Anta, concelho de Sabrosa, Trás-os-Montes. Morreu a 17 de Janeiro de 1995, em Coimbra. Filho de gente do campo, nunca mais se esquece das origens, da família, do meio rural e da natureza em que vivia.
Após uma breve passagem pelo seminário de Lamego, emigrou com 13 anos para o Brasil, onde durante cinco anos trabalhou na fazenda de um tio. De regresso a Portugal, em 1925, concluiu o ensino secundário. Em 1927 é fundada a revista Presença de que é um dos colaboradores desde o início. Em 1928 entra para a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e publica o seu primeiro livro, "Ansiedade", de poesia. É em Coimbra, onde vai também a exercer a sua profissão de médico a partir de 1939 e onde escreve a maioria dos seus livros. Exerceu a profissão de médico em São Martinho mas foi em Coimbra que ficou, como otorrinolaringologista, em 1941.

Notável pela sua técnica narrativa no conto, pela expressividade da sua linguagem, frequentemente de cunho popular, mas de uma força clássica, fruto de um trabalho intenso da palavra, conseguiu conferir aos seus textos um ritmo vigoroso e original, a que associa uma imagística extremamente sugestiva e viva.

Escreveu obras de todo o tipo, como, romances, peças de teatro. Autor de mais de 50 obras publicadas desde os 21 anos.
Várias vezes premiado, nacional e internacionalmente, foram-lhe atribuídos, entre outros, o prémio Diário de Notícias (1969), o Prémio Internacional de Poesia (1977), o prémio Montaigne (1981), o prémio Camões (1989), o Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (1992) e o Prémio da Crítica, consagrando a sua obra (1993).
Auto-retrato , Miguel Torga Fotobiografia
Nome
: Adolfo Correia da Rocha
Pseudónimo:
Miguel Torga
Data de Nascimento:
12 de Agosto de 1907 (Trás-os-Montes)
Data de Óbito:
17 de Janeiro de 1995 (Coimbra)
Obras:

Poemas:
Ansiedade(1928);Rampa (1930), O Outro Livro de Job (1936), Lamentação (1943), Nihil Sibi (1948), Cântico do Homem (1950)etc

Teatro:
Terra Firme e Mar, 1941; O Paraíso, 1949; e Sinfonia, poema dramático, 1947 etc

Prémios:
o prémio Diário de Notícias (1969), o Prémio Internacional de Poesia (1977), o prémio Montaigne (1981), o prémio Camões (1989),
Estrutura
Esquema Rimático
Interpretação
Paralelismo com o real
Mensagem geral do poeta
http://3.bp.blogspot.com/-a6cyLl2OQaM/TYf13Ov512I/AAAAAAAACs4/onDAe0YX6HY/s1600/Miguel%2BTorga.jpg
http://arazaoinadequada.files.wordpress.com/2013/02/sisyphus_by_von_stuck.jpg?w=584
Imagem de fundo:
http://freedestopwallpaper.com/wp-content/uploads/2013/03/hd-mountain-wallpaper-x-.jpg. Obtido em 25 de Abril de 2013
Livros:
Silva, P. ; Cardoso, E. ; Mendes R.; Costa S. & Correia R. (2012). Expressões - Português - 10.º Ano. Lisboa: Porto Editora
Web:
(Des)Encantada, P. (s.d). Sísifo – o herói absurdo. Obtido em 23 de Abril de 2013 em http://o-destilado.blogspot.pt/2009/10/sisifo-o-heroi-absurdo.html
Maurício, J. (2006, Novembro). Miguel Torga - Biografia. Obtido em 22 de Abril de 2013 em http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/migueltorgabiograf.htm
(s.n). (s.d). Miguel Torga. Obtido em 22 de Abril de 2013 em http://www.astormentas.com/din/biografia.asp?autor=Miguel+Torga
Vídeo:
HL - Luta Pelo Que Queres . Obtido em 26 de Abril de 2013 em http://www.youtube.com/watch?v=XpWqFM3LlLUl
Silver Linings Playbook - Official Trailer. Obtido em 26 de Abril em http://www.youtube.com/watch?v=790WryBlc3wl
http://thumbs.dreamstime.com/z/areia-vidro-com-areia-azul-13503941.jpg
http://www.giftexpress.com.br/ampliar.asp?prod=2321
No poema o eu poético aconselha-nos a nunca desistir, ser livres e lutar pelos nossos sonhos. Sísifo foi um homem condenado pelos deuses a empurrar o rochedo por uma montanha acima, mas quando estava quase la o rochedo, caía para trás e Sísifo tinha de recomeçar.
A música tem de título “Luta pelo que queres” e é da autoria da banda HL. O titulo remete-nos para uma conquista difícil, mas pela qual não vai desistir, pois não é essa a recompensa que quer receber pela luta.
A certa altura desta música ouve-se "Eu não paro, eu avanço e recuo, eu alcanço, estou à tua frente porque já tenho um pequeno avanço, estou à tua frente mas já tive atrás de ti". Ou seja apesar de o caminho o obrigar a recuar a todo o momento, a força de vontade e persistência fez com que ele conseguisse alcançar parte do objetivo.
"Miragem já foi, sonho já deixou de ser, realidade ao nosso alcance, nos conseguimos vencer" Vem uma vez mais ao encontro da mensagem de Sísifo, que se lutarmos pelo que queremos conseguimos vencer.
"Lutamos porque acreditamos, acreditar vem de nos e nos nunca vacilamos”

O filme cujo nome é “Playbook – O caminho para a felicidade”, foi enquadrado nesta musica com a finalidade de reforçar a ideia inicial.
O filme trata de um jovem casal com uma doença, que vai ter de passar por vários obstáculos. Vão chegar a partes em que estão bem e tudo parece ir no caminho certo, mas subitamente aparecem vários obstáculos que os vão derrubar contudo não vão desistir.

Luta pelo que queres, eu luto pelo que quero
Vou sempre a luta porque boy eu sou de ferro
Luto, vou a luta pelo que quero
Luto porque sou sincero
E vou a luta mente astuta (…)
Eu não paro, eu avanço e recuo,
Eu alcanço, estou à tua frente porque já tenho um pequeno avanço,
Estou à tua frente mas já tive atrás de ti
Não fiquei preso porque eu tenho um alibi
Eu segui a minha estrada num ritmo acelerado
Se não fiquei aí foi porque não fiquei parado
Não fiques aí sentado, anda lá ter comigo
Caminhamos juntos neste grande pequeno (…)
Alcancemos a meta que aos dois é comum
Tu queres ir pela esquerda mas vamos os dois em um
Caminhamos pelo mais forte, lutemos pelo mais fraco
Duas mentes em união, o universo é o nosso palco
Tracemos a nossa rota (…) a viagem
Microfone e bloco de notas é a nossa única bagagem
Miragem já foi, sonho já deixou de ser,
Realidade ao nosso alcance,
Nós conseguimos vencer
Teremos o que queremos
Mentalidade sempre aberta, esta vida agora é única
Lutemos até a meta
Lutemos por tudo, por tudo o que acreditamos
Acreditar depende de nós, e nós nunca vacilamos
(…)
Full transcript