Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

As consequências das perturbações nas relações percorces - psicologia b

No description
by

Humanidades E12

on 24 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of As consequências das perturbações nas relações percorces - psicologia b

As Consequências das Pertubações
nas
Relações Percoces Psicólogo Harry Harlow orientou um conjunto de estudos sobre os macacos Rhesus que mostraram os efeitos da ausência da mãe juntos das crias. Com estas experiências, Harlow concluiu que o vínculo entre a cria e a mãe estaria relacionada com o contacto corporal e o conforto daí decorrente do que com a alimentação.
Isto é, uma necessidade básica do contacto corporal. Esta necessidade é igualmente reconhecida nos Seres Humanos. Os Seres Humanos manifestam uma necessidade de estar com a mãe (ou com outro criador) em contacto físico. Assim, a origem da vinculação encontrar-se-ia nesta necessidade de contacto e não na alimentação. Concluiu, ainda, que são devastadores os efeitos da ausência da mãe ou dos outros agentes maternantes:
a privação deste contacto humano traduzir-se-ia em; Perturbações físicas Psicológicas profundas Neste contexto que podemos compreender que as crianças submetidas a condições de risco tenham conseguido resistir às adversidades, recuperar o equilíbrio desenvolvendo-se de forma harmoniosa. Estas crianças que ultrapassam as condições difíceis e traumáticas designam-se por: Crianças Resilientes O termo Resiliente teve origem na Física, mas o termo Resiliente foi aplicado na Psicologia, apartir da década de 80, para designar os indivíduos que recuperam as suas energias depois de terem sofrido uma depressão. A Depressão - Van Gogh Actualmente, a expressão resiliente aplica-se fundamentalmente às Crianças que crescem em ambientes de privação e de risco. ABANDONO Violência e Maus-Tratos Em Suma, a Resiliência é a capacidade de resistir à adversidade, é um Processo, não um estado e , por isso, uma pessoa pode ser mais resiliente num momento da vida do que noutro. A Resiliência é fazer face, sem fraquejar, a condições singulares de adversidade e de perigo, perceber os recursos materiais e humanos, proteger-se através do domínio de defesas físicas e mentais, distinguir e escolher os objectos de investimento afectivo e de apoio social.

Numa casca de noz, a Resiliência é encontrar em si os recursos de resistência e de uma adaptação durável e sã... estas crianças conseguem ultrapassar eficazmente
aos traumas vividos. Fogem ao ciclo de violência , ao Fatalismo de crianças que sofrem violência, será
um adulto violento, delinquente, socialmente desajustado. O Hospitalismo René Spitz, psiquiatra infantil desenvolveu um conjunto de pesquisas em crianças, durante os 12 primeiros meses de vida. Mas crianças privadas da presença da mãe. O estudou as consequências e concluiu que os bebés apresentavam perturbações Somáticas e psíquicas como resultado da ausência completa da mãe numa instituição em que os cuidados são administrados de forma anónima. Apesar de terem todas as condições necessárias de higiene e de alimentação; do ponto de vista afectivo, constatou um carência afectiva total, porque cada adulto tinha à sua guarda várias crianças. Spitz designou por Hospitalismo:

Conjunto de perturbações vividas por crianças institucionalizadas e privadas de cuidados maternos: Atraso no desenvolvimento corporal;
Dificuldades na habilidade manual e na adaptação ao meio ambiente;
Atraso na linguagem. Necessidade de Laços
e de
Contactos afectivos A Ausência de agente maternante pode conduzir: Perturbações Emocionais Perturbações Comportamentais Perturbações desenvolvimentais Graves A Ausência de uma relação privilegiada com a mãe
ou com um agente matermante, isto é, um adulto que a substituua, tinha como consequência a recusa em se alimentar, a perturbação do sono, a manifestação de comportamentos ansioso. O Comportamento normal da criança ficava compremetido.
O sentimento de Abandono e ver-se uma figura securizante comprometia o equilíbrio das crianças. Seria graças à relaçao previlegiada com um adulto
que o bebé desenvolveria estratégias de adaptação ao meio Trabalho realizado por:


Professor: João Paulo Parracho Psicologia B
Dezembro, Salvaterra de Magos
2012
Full transcript