Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Incidências Complementares Estudo da mama

No description
by

Juliana Almeida Coelho

on 22 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Incidências Complementares Estudo da mama

CRÂNIO CAUDAL FORÇADA (XCC)
INCIDÊNCIAS
COMPLEMENTARES

Juliana Almeida Coelho de Melo
Turma 2013
Maio/ 2015

MANOBRA ROTACIONAL
Para que servem as incidências complementares??
Elevar o sulco inframamário;
Centralizar os quadrantes externos no bucky, incluir o mamilo, que deve ficar paralelo ao filme.

CLEAVAGE (CLIVAGEM) - CV
INCIDÊNCIA LATERO-MEDIAL OU PERFIL INTERNO (LM)
MANOBRAS
MICROCALCIFICAÇÕES
MANOBRA ANGULAR
TÉCNICA DE DESLOCAMENTO INTRAMAMÁRIO DA PRÓTESE (EKLUND)
Incidência Crânio-Caudal ao contrário (RCC=Reverse Crânio-Caudal);
O aspecto é o mesmo da CC porém com efeito “espelho”.
Mama masculina ou feminina muito pequena;
Paciente com marca-passo;
Paciente com cifose acentuada.
Esclarecer lesões das regiões mais superiores da mama (DOF).



MAGNIFICAÇÃO
(AMPLIAÇÃO)
Diferença na angulação, ou do equipamento, ou da paciente.
CRÂNIO CAUDAL FORÇADA OU CLEÓPATRA?
APLICAÇÃO
CLEAVAGE (CLIVAGEM) - CV


INCIDÊNCIA MÉDIO-LATERAL OU PERFIL EXTERNO

TÉCNICA DE DESLOCAMENTO INTRAMAMÁRIO DA PRÓTESE (EKLUND)
20:1
Chest images = 20:1
interstitial disease and nodules = 10:1 - 40:1
musculoskeletal = 20:1
6
8
10
10
10
2
2
1
5
3
3
3
3
9
9
12
12
Compressed
São utilizadas para esclarecer situações detectadas nas incidências básicas.

Cranio-Caudal forçada;
Cleavage;
Médio Lateral ou perfil externo;
Lateromedial;
Caudocranial.

Nódulo, microcalcificações, distorção arquiteturial, sobreposição de estruturas, etc.
Incidência crânio-caudal com ênfase na exposição dos quadrantes externos, dotadamente o quadrante superior externo.

POSICIONAMENTO:

Rotação do tubo de 5 a 10 graus;
Paciente posicionada como na incidência CC, com ligeira rotação para centralizar os quadrantes externos no bucky.

CRÂNIO CAUDAL FORÇADA (XCC)
Incidência Crânio-Caudal , com ênfase na exposição dos quadrantes internos, notadamente o quadrante inferior interno.

Posicionamento:
Tubo vertical, feixe perpendicular à mama;
Posição da paciente como da Crânio-Caudal, com ligeira rotação para centralizar os quadrantes internos no Buck.
Elevar o sulco inframamário.

Centralizar os quadrantes internos da mama examinada no buck (a mama oposta também fica sobre o buck), mamilo paralelo ao filme.

Também chamada de Perfil Absoluto;
Deve incluir obrigatoriamente parte do prolongamento axilar.

Indicação:
Mamas tratadas com cirurgia conservadora e esvaziamento axilar, em alguns casos para verificar posicionamento de fio metálico.

INCIDÊNCIA MÉDIO-LATERAL OU PERFIL EXTERNO
Posicionamento:

Rotação do tubo 90 graus, perpendicular à mama;
Paciente de frente para o bucky, braço do lado do exame relaxado e o cotovelo dobrado; levantar e colocar a mama para frente; o ângulo superior do receptor atrás da margem lateral do grande peitoral.

INCIDÊNCIA MÉDIO-LATERAL OU PERFIL EXTERNO
Também conhecida como CONTACT;
Indicada no estudo de lesões nos quadrantes internos, principalmente as localizadas do quadrante superior interno, próximas do esterno.

Centralizar a mama, mamilo paralelo ao filme;
Comprimir à partir da linha axilar posterior em direção à mama.
IMPORTANTE!
Manter o músculo peitoral relaxado;
Estender e levantar a mama enquanto se comprime;
Comprimir uniformemente a mama;

INCIDÊNCIA CAUDOCRANIAL (RCC)
Rotação do tubo 180º, feixe perpendicular à mama;
Paciente de frente para o bucky, ligeiramente inclinada sobre o tubo;
Elevar o sulco inframamário além do limite normal;
Centralizar a mama, comprimir de baixo para cima;
Filme mais próximo dos quadrantes superiores.

INCIDÊNCIA CAUDOCRANIAL (RCC)
Recursos para estudar as alterações detectadas na mamografia que podem ser associados com qualquer incidência.
As manobras mais utilizadas são: compressão localizada, ampliação, associação entre compressão e ampliação, manobra angular, rotacional (roll) e tangencial.

Tamanho:
quanto menores as partículas, maior a probabilidade de que a lesão seja maligna. Partículas pequenas, com diâmetro igual ou menor que 0,5 mm, sugerem malignidade e partículas maiores são mais sugestivas de benignidade.

Forma:
é o componente mais importante na avaliação das microcalcificações, sendo a heterogeneidade da morfologia e tamanho parâmetros valiosos na determinação da causa provável do depósito das partículas. Quanto maior a variedade de formas, maior o grau de suspeição para malignidade.
COMPRESSÃO LOCALIZADA
Espalha” o parênquima mamário, diminuindo o “efeito de soma” (superposição de estruturas com densidade radiográfica semelhante), que pode ser responsável por imagens “duvidosas”.
Indicação:
Áreas densas e análise do contorno de nódulos. Nos casos de áreas densas (assimetrias) quando a lesão é de natureza benigna ou quando representa superposição de estruturas, geralmente ocorre mudança de aspecto da área densa.

COMPRESSÃO LOCALIZADA
Posicionamento: Localizar a lesão na mamografia e colocar o compressor adequado sobre a área a ser estudada.

Representa a ampliação de parte da mama.
Indicação:
Para visualizar detalhes nas áreas suspeitas e, principalmente, estudar a morfologia das microcalcificações.

Magnificação 1,5 X

ACESSÓRIOS MAGNIFICAÇÃO

MAGNIFICAÇÃO
Consiste em realizar incidências com várias angulações do tubo, para dissociar imagens sugestivas de superposição de estruturas (efeito de “soma”).
Mais empregada nas incidências OML.

A paciente será reposicionada na mesma incidência que se deseja estudar, variando apenas a angulação do tubo em 10º a 20º.
Finalidade de dissociar estruturas que geraram dúvidas nas incidências CC.
Posicionamento:
Realizar “rotação” da mama, deslocando a porção superior da mama, que não está em contato com o filme, produzindo deslocamento das estruturas da mama;
Geralmente é feita na incidência CC, utilizando no filme a indicação “RL”, se o deslocamento for para o lado externo (lateral) e “RM” se o deslocamento for para o lado interno.

A rotação é realizada após posicionar a paciente e pouco antes de aplicar a compressão.

MANOBRA ROTACIONAL (ROLL)

MR

CC

Magnificação

Essa técnica permite melhor visibilização do parênquima mamário, de mais fácil execução na localização retropeitoral e não deve ser usada quando há contratura capsular (o implante está fixo e endurecido pela cápsula fibrosa).
Consiste em “empurrar” o implante de encontro ao tórax e “puxar” a mama. A placa compressora comprime a mama livre de quase todo (em alguns casos de todo) o implante.

TÉCNICA DE DESLOCAMENTO INTRAMAMÁRIO DA PRÓTESE (EKLUND)

DÚVIDAS????
Mamografia Digital Contrastada
Tecnologia desenvolvida pela GE em 2000 e só chegou ao Brasil em 2011 - "SenoBright".
conhecida tambébm como mamografia contrastada, mamografia espectal com contraste e angiomamografia.
foi adicionado um filtro de cobre aos tradicionais ródio e molibdêmio (feixes de alta energia).
Administração de contraste iodado (1,5 ml/Kg)
Realização das 4 incidências tradicionais da mamografia
Tempo de compressão das mamas: 10-15 segundos por incidência
Tempo total de exame: 10 minutos
CARACTERÍSTICAS E INDICAÇÕES DO EXAME
Esclarecimento de achados duvidosos à mamografia.
Avaliação de mulheres com lesões palpáveis e mamografia convencional e ultrassonografia normais.
Planejamento terapêutico, auxiliando na detecção de lesões adicionais.
Controle pós-tratamento, seja cirúrgico, quimio ou radioterápico.
Contraindicação à Ressonância Magnética (pessoas claustrofóbicas, portadores de marca-passo, dentre outros).
APLICAÇÕES
Full transcript