Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Estilística morfológica

No description
by

Vanessa Yida

on 23 April 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Estilística morfológica

Estilística morfológica
- Processos de derivação imprópria


"Porque os mares antigos são a Distância Absoluta,
O Puro Longe
, liberto do peso do
Atual
..."
(Fernando Pessoa)

"Não te embales muito na miragem do
longe
e do
depois
, a fim de não perderes o que arde invisível no
perto
e sopra em silêncio no
agora
".
(Aníbal Machado)










Campo morfológico – mais estável – característica das línguas.

Dificuldades em inovações estilísticas nesse campo.

- Substantivo singular ideia plural

Exemplo:
“Dessas rosas
muita rosa
Terá morrido em botão...”
(Manuel Bandeira)



- Substantivo com valor de adjetivo

"... tempo limpo, céu claro e mar
bonança
"
(Rui Barbosa)


"Os negros sambando em cadência.
Tão sublime, tão
áfrica
!"
(Mário de Andrade)


"Estou com desejos de desastres...
Com desejos do Amazonas e dos ventos
muriçocas
".
(Mário de Andrade)






Grau - não apenas dimensional -
expressividade

"A facilidade da flexão gradual é um dos elementos da vida enérgica e da mobilidade graciosa da língua portuguesa; também o emprego acertado dessas formas, tão maravilhosamente cambiantes, é de grande, de quase insuperável dificuldade para quem não bebeu o conhecimento da língua com o leite materno. Um exemplo de entre milhares: de pobre forma-se o diminutivo
pobrete
, que representa a ideia primitiva burlescamente diminutiva; de
pobrete
, deriva-se o aumentativo
pobretão
que mais ainda acentua o ridículo que já pesava sobre
pobrete
; de pobretão,
pobretãozinho
, que vem ajuntar a ridículo uma como que lástima insultuosa".

(Júlio Ribeiro)



"Muitas vezes o feminino de um nome é um diminutivo: do positivo
rapaz
, o feminino é o diminutivo
rapariga
; o positivo
galo
tem para feminino o diminutivo
galinha
".
(João Ribeiro)

Sufixos aumentativos e diminutivos podem ser: pejorativos (livreco) ou hipocorísticos (amorzinho).

De acordo com Pedro Luft - surgem, em linguagens especiais - formas superlativas "raras": anjíssimo, coisíssima, burríssimo.

Algumas formas - desuso - fatacaz, truanaz, favoraço, ladroaço etc.

Palavra cartaz - alteração semântica -
(cartaz carta)

AUMENTATIVOS



Formas cultas, gramaticais (bocarra, manzona, copázio)- evitadas pelo povo, que utilizam forma popular em -
ão
, acrescentada a qualquer palavra. Tendência em passar para o masculino os substantivos femininos

(Mais energia à expressão) - Exemplos

"... com aquela cara toda tomou o homem de Ricardina que é um
mulherão
".

"Um
pancadão
de mulher, heim?"
(Jorge Amado)







Podem exprimir desprezo
- sabichão,
espertalhão

Intimidade
- amigão

Afetividade

"Oh, que pedaço de primo eu tenho!"... Que
primão..."
(Aníbal Machado)
Equivaler a superlativo absoluto

Pobretão - pobríssimo
Valentão - valentíssimo
Ricaço - riquíssimo








Flexão aumentativa com significação
superlativa (substantivos):

"Por aqui se alastra um
aguão
dismenso".
(Guimarães Rosa)

"Faz um
tempão
que estou observando você".
(Erico Verissimo)














Palavra mundão - ideia enfática - caráter superlativo

"...prometeu um
mundão
de coisas".
(Jorge Amado)

"Jesuíno foi trabalhar numa fábrica, casou, teve
mundão
de filhos".
(Jorge Amado)

Ou palavra montão:

"A gente era um
montão
de negros".
(Jorge Amado)













DIMINUTIVOS

- Linguagem afetiva no primeiro plano

-Espontaneidade e impulsividade

-Sufixos diminutivos: inho(a), zinho(a), icha, eco, entre outros.

-Sua significação depende do contexto.

-Os gramáticos tratam o grau como um caso de flexão dos nomes (substantivos e adjetivos).
O diminutivo tem por vezes força de superlativo analítico:

DIMINUTIVO DE DIMINUTIVOS

DIMINUTIVOS AUMENTATIVOS

Por que usamos diminutivos?

- determinar dimensão;
- exprimir valor afetivo;
- representar conotação pejorativa;
- indicar superlatividade.

Valor dimensional
“Capitu teve um
risinho
descorado e incrédulo, e com a taquara escreveu uma palavra no chão, inclinei-me e li: mentiroso”. (Dom Casmurro, p. 45)


“As
casinhas
abriam-se; vultos espreguiçados vinham bocejando fazer a sua lavagem à bica; as chaminés principiavam a fumegar; recendia o cheiro do café torrado”. (O Cortiço, p. 88)

“— Foi de tanto gelo, que tomaste em
casa
de madama!... Não te dizia?... Agora, o melhor é dar-te um escalda-pés!...” (O Cortiço, p.62)

Afetividade
“Imaginava a moça, os olhos tímidos, a boca cerrada, o céu que lhe cobriria a linda
carinha
, a delicadeza dele, as palavras que lhe diria entrando em casa.” (Esaú e Jacó, p. 119)

A Cachorrinha
(
Vinicius de Moraes
)

Mas que amor de
cachorrinha
!
Mas que amor de
cachorrinha
!
Pode haver coisa no mundo 
Mais branca, mais
bonitinha 
Do que a tua
barriguinha 
Crivada de
mamiquinha

Pode haver coisa no mundo 
Mais travessa, mais
tontinha 
Que esse amor de
cachorrinha
 
Quando vem fazer
festinha
 
Remexendo a
traseirinha
?
Uau,uau,uau,uau! 

“Verdade,
verdadinha
, estava a ganhar a morte no meio da rua”. (Volfrâmio, p. 347)

Conotação pejorativa
“- Veja essa gente - disse. - Aqui temos de tudo. Moços e velhos, casados e solteiros. Filhos de famílias da alta burguesia e
empregadinhos
do comércio”. (Noite, p. 136)

“Vai ver logo que o
maridinho
se meteu em alguma baderna”. (Noite, p. 161)

Significação superlativa
“Tudo neste mundo é mais ou menos compensado; o amor não podia deixar de fazer parte da regra. Ele, que de um
nadazinho
tira motivos para o prazer de dias inteiros...” (A Moreninha, p. 94)

Enternecido sorrio 
Do fervor desses carinhos: 
É que os conheci
velhinhos
, Quando o fogo era já frio. (Carta de meu Avô, p.27)


Um homem chega num balcão e tenta chamar a atenção da balconista para atendê-lo:
- Senhorita...
- Um
minutinho
.
O homem vira-se para um outro do seu lado e diz:
- Ih, já vi tudo.
- O que foi?
- Ela disse um
minutinho
. Quer dizer que vai demorar. No Brasil, um minuto dura sessenta segundos, como em qualquer outro lugar, mas um
minutinho
pode durar uma hora.
O homem tenta de novo:
- Senhorita...
- Só um
instantinho
...
- Aí...
- O que foi?
- Ela disse um
instantinho
. Um
instantinho
demora mais que um minuto. Parece que um
minutinho
é feito de vários
instantinhos
, mas é o contrário. Um
instantinho
contém vários
minutinhos
.
- Senhorita!
- Só dois
segundinhos
!
O homem começa a se retirar.
- Aonde é que o senhor vai?
-Ela disse dois
segundinhos
. Isso quer dizer que só vai me atender amanhã.

Eufemismo

POEMINHO DO CONTRA (
Mario Quintana
)

Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

SUPERLATIVOS
Intensificam a qualidade expressa pelos adjetivos.

Superlativo intensivo:

“forma adjetiva apropriada para expressar que a qualidade ou atributo ultrapassa a noção comum que se tem dessa qualidade ou atributo”.
(
Said Ali
, p.70)
- O substantivo não pode receber a flexão superlativa (coisíssima, irmanísssimo);
- Formas eruditas:


- Na Renascença era comum o uso de
mui
e adjetivo terminado em –
íssimo
:

“Cidade...
mui antiquíssima
” (Barros, Dec. 2, 7, 8).

- Uso de –
íssimo
em adjetivos que não comportam gradação:

“Todos tinham
mortalíssimas
feridas” (Couto, Dec. 4, 4, 7).
“Neste artigo
principalíssimo
da vida espiritual” (Bern. N. Flor. 1, 31)

-Intensificação qualitativa em termos comparativos:

“Café preto que
nem a preta velha
”. (Infância, p. 122)

- Com valor de substantivo:

“É um vago soluço partindo melodiosamente
Do
antiquíssimo
de nós”.
(Dois Excertos de Odes, p. 311)

- “Superlativisamos”:

1. Adjetivos
“A
chuvosíssima
criatura”. (Caso Pluvioso, p. 152)

2. Substantivos
“Não lhe deu
coisíssima
nenhuma”. (Noite, p. 111)

3. Advérbios
“E já na manhã
madrugadíssima
, era chamado ao palácio”. (Estas Histórias, p. 18)

4. Possessivos
“Coladinhos para sempre e toda a vida... E era o paraíso. O
teuíssimo
, João”. (João Ternura, p. 130)

EXPRESSIVIDADE DA ADVERBIALIZAÇÃO
- Advérbios

Pronominais
- Vendryes – instrumentos gramaticais;

Nominais
- El Lenguaje – palavras lexicográficas;

- Advérbios

-formação normal com sufixo –
mente
em adjetivos;

-Adota-se o gênero feminino quando são biformes;

-Exemplos:
piedosamente
,
generosamente
,
caridosamente
.

-Sufixos diminutivos:

- Gladstone Chaves de Melo (Gramática Fundamental da Língua Portuguesa):

“[…] certos advérbios aceitam sufixos diminutivos, o que lhes intensifica a significação ou lhes dá calor afetivos:
pertinho
,
cedinho
,
agorinha
,
depressinha
, etc.”

- Professor Celso Pedro Luft (Gramática Resumida):

“[…] os advérbios diminutivos são anomalias da linguagem popular e familiar:
agorinha
(mesmo),
ind’agorinha
,
loguinho
, (bem)
cedinho
, (bem)
pertinho
,
longinho
,
alizinho
etc.”

- De acordo com o Professor Gladstone Chaves de Melo e outros gramáticos:

- Advérbios em –
mente
podem estar ou não em sequência;

- Sufixo apenas junto do último advérbio:

“Se um homem está verdadeiramente arrependido, se conhece
verdadeira
e
profundamente
arrependido suas culpas...” (Vieira, Sermões, V, pág. 136)

- Por ênfase, enfileira-se todos os advérbios com sufixo:

“Mas chove
impertinentemente
,
Continuadamente
,
ininterruptamente

(Alberto de Oliveira – Poesias – pág. 118)

- Caráter enfático, repetição do advérbio como um recurso estilístico de grande significação:

“Bate a cancela da estrada
Constantemente
.
Vivo a bater nesta estrada
Constantemente

Coração, como a cansada
Cancela de som gemente,
Bates a tua pancada
Constantemente

(Alberto de Oliveira. A cancela da Estrada – pág. 111)

- Criatividade na formação adverbial com fins estilísticos:

“termina se benzendo
talqualmente
num ritual”
(Mário de Andrade. Clã do Jabuti – pág. 19)

“[…] pegando-lhe
meninamente
nos braço”.
(Guimarães Rosa. Estas Histórias – pág. 49)

“ Eu pensava
outroramente
…”
(Guimarães Rosa. Estas Histórias – pág. 49)

“Torva, febril,
torcicolosamente
,
Numa espiral de elétricos volteios…”
(Cruz e Souza. Dança do Ventre – pág. 37)


“Assim,
prafrentemente
, Dilma pode se contentar com o “
diuturnamente
” para designar o modo como ela se ocupa da inflação, embora, muito
guidamente
, o governo pareça não saber o que fazer nem diária nem
noturnamente
…”
(
Blog
do Reinaldo Azevedo. 28/10/2014. Revista Veja)

De acordo com o autor, o escritor deve usar o advérbio com o valor devido e buscar o equilíbrio no uso da adverbalização, caso contrário prejudicará o estilo do texto.

“[…] o verdadeiro escritor é um legítimo criador de sua forma de expressão”. (pág. 123)

INF7
INQ: Isso tem bastante variação no Brasil.
INF: Ah, tu vai lá fo... Tu vai em São Paulo e pede um cacetinho, os cara fica te olhando, que tu qué...?
QUESTÃO 186: PÃO FRANCÊS - COMO SE CHAMA ISTO? MOSTRAR.
Com relação ao uso eufemístico de palavras para evitar tabus, explora Ullmann (1987, p. 426):

"Na maioria dos casos, embora não em todos, a palavra tabu será abandonada e introduzir-se-á um substituto inofensivo, um eufemismo, para preencher a fenda. Isto acarretará muitas vezes um ajustamento no significado do substituto, e, deste modo, o tabu é uma causa importante de mudanças semânticas".

A possibilidade de mudança semântica impresso pelo tabu linguístico na palavra é evidenciada pelo semanticista em favor do uso de eufemismos.

“Eram tantos os castelos que engenhara, tantos e
tantíssimos
os sonhos, que não podia vê-los assim esboroados, sem padecer um forte abalo no organismo”. (Memórias Póstumas de Brás Cubas, p. 52)
5. Pronomes
Vanessa Yida
Lidiane Martins
Tamires Sanchez

VILANOVA, José Brasileiro. Estilística morfológica. VILANOVA, José Brasileiro. In: Aspectos estilísticos da língua portuguesa. 3 ed. Recife: Editora Universitária, 1984. p. 99-127.
MUITO OBRIGADA!
Full transcript