Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Crise do Socialismo e Ofensiva Neoliberal -

No description
by

Ricardo Leão

on 1 August 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Crise do Socialismo e Ofensiva Neoliberal -

Alguns Livros
José Paulo Netto
Graduação em Serviço Social pela UFJF (1969);
Doutorado em Serviço Social pela PUC-SP (1990);
Professor Titular da Escola de Serviço Social da UFRJ e professor emétito da UFRJ;
Doutor honoris causa pela Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires (UNICEN);
Participa do debate brasileiro e latino-americano sobre a tradição marxista e a obra de Marx e Lukács.
Atuação Profissional
UFPE, ITERRA, UCS (Santos), UERJ, UFPI, Universidad Nacional de La Plata, UNP - Argentina, Universidad de la República, UR - Uruguai, UFP (Pará), PUCRS, UFSC, UFMA, UFRJ, UFJF, PUC/SP, PUC Minas, ISSS, UFA, IAP, IAB, MLTS, entre outros;
ABESS (Associação Brasileira de Ensino de Serviço Social - 1987-1993)
Membro de Corpo Editorial
2000 - Atual - Periódico: Serviço Social & Sociedade
2009 - Atual - Periódico: Novos Temas
2008 - Atual - Periódico: Libertas (UFJF. Online)
1999 - Atual - Periódico: Praia Vermelha (UFRJ)
2007 - Atual - Periódico: Em Pauta (Rio De Janeiro)
2012 - Atual - Periódico: Alternativas. Cuadernos de Trabajo Social
ALÉM DE CAPÍTULOS DE LIVROS, PUBLICAÇÕES EM JORNAIS, ETC.
Os temas apresentados por Lyotard remotam os anos de 1920 e adentram a década de 30. E nos anos de 1970 são fortemente recuperados.

Conforme Netto (2002) as temáticas pós-modernas dividem-se em três campos:

1º. A centralidade do sujeito individual ou coletivo nos processos de transformação social;
2º. A perspectiva de subordinação do conhecimento às leis de mercado;
3º. Processo de compactação tempo-espaço;

Observa Netto (2002) a existência de outras implicações como a perda da imantação ideológica e cultural no sentido amplo; e o desprestigio das ideias de esquerda chancelada na tradição marxista.

A Pós-Modernidade, Crise do Socialismo e a Ofensiva Neoliberal
Crise do Socialismo e Ofensiva Neoliberal

Autor: José Paulo Netto


UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB
PPGSS

DISCIPLINA: Tendências Teórico-Metodológicas do Serviço Social.
PROFESSORA: Bernadete de Lourdes F. de Almeida

ALUNOS: Kléber José
Ricardo Leão
Crise do Socialismo e Ofensiva Neoliberal
"Textos de Combate";
Vivemos o "Fim da história"?
Crise do Socialismo (1991);
Ofensiva neoliberal (1995).
A "Crise do Socialismo" e a alternativa comunista
A crise é apresentada como agonia de ideários que buscavam a superação da ordem burguesa;
Pós-Modernidade como sepultura da revolução.

Hipótese Central: "O futuro do projeto socialista revolucionário está longe de apresentar-se como decidido e que o cenário da entrada dos anos 90 é apenas mais um episódio de um processo histórico de larga duração"
A "Crise do Socialismo"
O debate da pós-modernidade tem sua expressão maior com o lançamento do livro A CONDIÇÃO PÓS-MODERNA de Jean-François Lyotard.

Fonte: http://www.estacaoliberdade.com.br/jean-francois-lyotard/

A Pós-Modernidade ganha potencialidade com uma polêmica significativa do universo cultural do ocidente. E expressa-se com o registro de duas crises:

A crise do socialismo real - crise da configuração sócio-estatal a partir de 1944 – 1945, com a libertação do leste e do centro europeu;

http://prismajr.wordpress.com/2009/11/25/novembro-2009-queda-do-muro-de-berlim/

Transformações significativas dos meios e modos da produção material – Revolução tecnológica; modelos de acumulação capitalista e a mundialização da crise ;

- Desfocalização do debate de classes sociais para categorias sociais;

- Desqualificação da categoria da Totalidade;

PROPOSTA DA MODERNIDADE

A Ilustração Moderna compõe-se de duas linhas de força:

1- Defesa intransigente do conhecimento do mundo natural e o mundo social racional e cientifica para melhor sujeitar a natureza as condições de reprodução social;

2- A partir do conhecimento racional da sociedade, implicaria a organização social desta, com um modelo de organização que garantisse a autonomia e a liberdade aos seres singulares (teoria política liberal);

RAZÃO

Essa razão é concebida como um sistema de legalidade objetiva
da realidade (Horkheimer)

Principais políticos neoliberais
Fernado Collor
(1990 – 1992)
Brasil
Fernando Henrique
(1995 – 2003)
Brasil
Desarticulação dos sistemas sócio-políticos vigentes nos Estados que compunham o "campo socialista";

O caráter global da crise do "campo socialista" reside menos na simultaneidade das suas manifestações do que na centralidade política presente em todas as suas expressões;

Globalidade da crise revelada na configuração das crises.
Há que se realizar, no período de transição socialista, uma dupla socialização:

Poder Político;
Economia.

CRISE DO CAMPO SOCIALISTA Crise estruturalmente determinada pela exaustão de um padrão de crescimento econômico e do sistema político a ele funcional.
Uma indagação pertinente:
Trata-se de uma crise específica de um tipo de organização sócio-econômica das sociedades pós-revolucionárias ou de uma crise que infirma a possibilidade de um padrão societário embasado na ausência do mercado [...] e na instituição do planejamento central?
"Problemas" postos pela crise:
Forma determinada de transição socialista;
Referente aos seus desdobramentos.
Questão básica da transição para o comunismo:
Radicais socializações do poder político e da economia.
Fonte da figura: http://consideracoesdialeticas.blogspot.com.br/2013/08/principios-operantes-da-revolucao_16.html
Alternativas à crise global do "campo socialista":

(Re)instauração capitalista;
Avanço no processo de socialização do poder político e da economia.
Fonte da imagem 1: http://nepo.com.br/2014/03/24/o-capitalismo-e-a-revolucao-cognitiva/
Fonte da imagem 2: http://www.cressma.org.br/site/category/cress-informa/page/2/
A "Crise do marxismo" e a teoria marxiana
A Teoria social de Marx é desqualificada?
"Não há, rigorosamente, uma 'crise do marxismo':
há crises no interior da tradição marxista" - Hobsbawn
Há o "vivo" e o "morto" na obra marxiana e ela é insuficiente para esclarecer a realidade da ordem burguesa no limiar do século XXI.
Algumas comprovações marxianas.
O legado marxiano é a teoria do ser social na ordem burguesa e o método para prosseguir a investigação desta ordem enquanto ela se mantiver como tal.
É no marco da ordem burguesa que se joga a alternativa com a qual se imbrica a obra marxiana: Comunismo ou Barbárie.
A ALTERNATIVA COMUNISTA
Falar em barbárie, hoje, é um exagero?
A consequência mais visível da crise do socialismo real para a ordem burguesa, "é que o capitalismo e os ricos pararam, por enquanto, de ter medo", precisamente porque, "por enquanto, não há nenhuma parte do mundo que apresente com credibilidade um sistema alternativo ao capitalismo" (Hobsbawn, 1992).

"Milagre" neoliberal.
Três desafios da ordem burguesa no século XXI:
O crescente alargamento da distância entre o mundo rico e pobre;
Ascensão do racismo e da xenofobia;
Crise ecológica do globo. (Hobsbawn)
A estrutura do capitalismo monopolista suporta tanto o Welfare State, quanto o modelo fascista.

Estado burguês com relevo social-democrata
O que se faz necessário para a superação
da ordem burguesa?
Comunismo como possibilidade histórica concreta.
"OS HOMENS PODEM PREFERIR A BARBÁRIE, MAS É POUCO PROVÁVEL QUE O FAÇAM, PELA SIMPLES (OU MUITO COMPLEXA) RAZÃO DE QUE, COM ESTA ESCOLHA, AO CONTRÁRIO DO POETA, PREFERIRIAM NENHUM MOVIMENTO" (p. 55).
Fonte da figura: http://perisco.blogspot.com.br/2011_06_01_archive.html
Fonte: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4797048D2
Fonte: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4797048D2
Fonte: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4797048D2
Fonte:http://www.cortezeditora.com.br/Index.aspx?Busca=jose%25paulo%25netto&Tipo=0
http://www.cortezeditora.com.br/Index.aspx?Busca=jose%25paulo%25netto&Tipo=0
Fonte: http://www.cfess.org.br/visualizar/noticia/cod/1022
Tabela extraída do livro "Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho", de Ricardo Antunes, 1953, 11ª Ed.
O QUE A PÓS-MODERNIDADE PÕE
EM QUESTÃO À MODERNIDADE?
O conhecimento da natureza que nos permitiriam o controle racional desta, não se concretizou na sua plenitude;
O projeto emancipatório não se efetivou na sua proposta;

PERSPECTIVA FATALÍSTICA

As promessas da ilustração moderna eram mistificadora, ou a carta programa dos ideais da modernidade não se aplica dada a constatação do mundo contemporâneo?

FIM DA HISTÓRIA?
Segundo a pós-modernidade o limite da sociabilidade posto pela ordem burguesa é o limite que se tornou condição naturalizada da organização de nossa sociedade

A razão moderna é a tela de fundo dessa catástrofe toda?
O projeto da modernidade incorre em uma ineliminável tendência da razão instrumental e manipuladora para promoção a atrofia dos componentes emancipadores?

Chave de interpretação
A chave de interpretação para tessitura finca-se na relação econômica, político, social e cultural do qual se alimentou o Projeto da Modernidade.
O projeto Ilustrado é a expressão da hegemonia cultural burguesa no clico da revolução burguesa clássica. Nesse projeto a burguesia revolucionária extraiu a essência de todos os grandes valores emancipadores anteriormente produzido pela humanidade.

Eduardo Frei
(1994 – 2000)
Chile
Ricardo Lagos
(2000 – 2006)
Chile
Ronald Reagan
(1981 – 1989)
EUA
George Bush
(1989 – 1993)
EUA
George W. Bush
(2001 – 2009)
EUA
Vicente F. Quesada
(2000 – 2006)
México
Margaret Thatcher
(1979 – 1990)
Reino Unido
A ofensiva neoliberal e seu significado
A crise global da sociedade contemporânea é marcada por dois “colapsos”:

Crise do Estado de Bem Estar Social
Em suma a crise a crise do Estado de Bem-Estar Social configura-se conforme assevera Netto (2012, p.78) na crise do “’capitalismo democrático’ na escala em que é a crise estrutural das condições que viabilizaram o desenvolvimento do capitalismo num marco de democracia política”.

Crise do Socialismo Real
De centralidade política, a crise do socialismo real remetem:

Bloqueios do crescimento econômico:
Ausência de socialização do poder político;

Com isso observa-se que “[...] a superação da ordem do capital reclama as radicais socialização do poder político e socialização da economia, sem as quais a alternativa comunista é impensável”. (NETTO, José Paulo, 2012. p. 80).

Ofensiva Neoliberal
Mercado apresenta-se como instância societal mediadora por excelência; (p.87)

Estado mínimo para as necessidades sociais e máximo aos ditames capitalista;(p.80)

Arco Teórico da Ofensiva Neoliberal
Ofensiva Neoliberal e suas implicações
A ofensiva neoliberal tem como centro de ataque o Estado de bem- estar.

Suas implicações são perceptíveis no plano:
teórico;
Social;
Político-institucional;
Cultural;

Keynesianismo x Neoliberalismo
Revertendo o rumo à BARBÁRIE
O modo de produção Capitalista chegou a certos limites estruturais do capital (ponto de não retorno a caminho do colapso) (Mészáros, 1989);

Admite-se a Barbárie e a via de derrocada da Ofensiva Neoliberal será posta pela renovação das políticas neokeynesianas;

“[...]O enquadramento progressista da crise global contemporânea, mesmo no marco da ordem capitalista, é função de amplos movimentos de massa que apontem para superação desta ordem”[...].

(NETTO, José Paulo, 2012. p. 92).

(Os Retirantes. Portinari, 1944)
Full transcript