Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Patologias em pavimentos flexíveis

No description
by

on 5 December 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Patologias em pavimentos flexíveis

Objetivos e Justificativa
Problemáticas
1- Falta de manutenção
Classificação dos pavimentos
Pavimento asfáltico: possui revestimento asfáltico.

Pavimento de concreto: composto por revestimento em concreto de cimento Portland, vibrado ou compactado, com ou sem juntas, armado ou não, incluindo pré-moldados, em blocos ou em placas.

Pavimento rígido: gera pressões verticais bastante aliviadas e bem distribuídas sobre camadas inferiores.

Pavimento semi-rígido: composto por revestimento asfáltico com base ou sub-base em material tratado com cimento de elevada rigidez.

Pavimento flexível: a absorção de esforços dá-se de forma dividida entre as várias camadas, encontrando-se as tensões verticais em camadas inferiores, concentradas em região próxima da área de aplicação da carga.
Patologias em pavimentos flexíveis
Métodos de inventário
1- Avaliação subjetiva da superficie de pavimentos - DNER-PRO-07-78


2- Avaliação objetiva da superficie de pavimentos - DNER-PRO-08-78
Reabilitação de pavimentos
A reabilitação de pavimento pode ser definida como um conjunto de medidas destinadas a recompor a serventia do pavimento e a adaptar a rodovias às condições de tráfego atual e futuro, prolongando seu período de vida.

Podem ser classificados em:
1- Conservação; 5- Restauração;
2- Conservação rotineira; 6- Reforço do pavimento;
3- Convervação periódica; 7- Reconstrução
4- Recuperações superficiais;
Acidentes
Diminuição da velocidade do tráfego
2- Ausência de um trabalho integrado entre as diversas áreas do serviço público.

3- Maiores desgastes no veículo.

4- Maiores custos de reabilitação dos pavimentos
Defeitos de superfície:
1- Desgaste;
2- Exsudação;
3- Panela;
4- Escorregamentos;
Fenda:
1- Fissura;
2- Trinca;
Remendo:
1- Remendo profundo;
2- Remendo superficial;

1- Deformabilidade de pavimentos;
2- Medidas de deflexão;
3- Viga Benkelman;
4- FWD - Falling Weight Deflectometer;
PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS FLEXÍVEIS
AMANDA MENDONÇA


Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à
Faculdade de Engenharia da Universidade de Cuiabá – UNIC, para obtenção do grau de Bacharelado em Engenharia.
Orientador: Moisés Kim
Prof Isaac Nascimento Filho
Prof Julio Xavier Bertulio

Processo de
Reabilitação
1-
Realizar uma avaliação objetiva da superfície de pavimentos rodoviários, do tipo flexível, mediante a classificação de ocorrências aparentes e da medida das deformações permanentes nas trilhas de roda.
3-
Ampliar os conhecimentos na área de manutenção e conservação de pavimentos flexíveis;
4-
Verificar as patologias existentes nos pavimentos flexíveis;
5-
Caracterizar, classificar e quantificar a extensão de todas as patologias observadas.
6-
Realizar um levantamento fotográfico das principais patologias;

Conclusão
Em mato Grosso, as rodovias são antigas, e não foram projetadas para o tráfego atual, pois por ser um estado onde a produção agropecuária tem enorme relevância, inexiste fiscalização para o excesso de cargas dos veículos de transporte de carga, gerando e agravando ainda mais a conservação e manutenção das mesmas.
Para tanto deve-se implementar um sistema de gerência de pavimentos como importante ferramenta no auxílio à racionalização dos recursos disponíveis e das intervenções. Dessa forma, otimiza-se as respostas quanto à qualidade da infra-estrutura gerida, com custos minimizados.

As etapas para a definição da solução a ser empregada são:
• Determinar as causas dos defeitos dos pavimentos;
• Desenvolver uma lista de soluções possíveis que apropriadamente atendam o problema;
• Selecionar a medida de reabilitação adequada, dadas as restrições econômicas ou outra de projeto.
Deformação de
superfície:
1- Afundamento;
2- Corrugação;
Deformação de superfície:
1- Afundamento;




2- Corrugação;

Fenda:
1- Fissura;

2- Trinca;

Remendo:
1- Remendo profundo;

2- Remendo superficial;

Defeitos de superfície:
1- Desgaste;




2- Exsudação

3- Panela;





4- Escorregamentos;
Bibliografía
IPR/DNER – Manual de reabilitação de pavimentos asfálticos, 1998.
Preussler, E. S.; Pinto S. Pavimentação Rodoviária – Conceitos fundamentais sobre pavimentos flexíveis, Rio de Janeiro, 2001.
DNER-ME 24/94 – Determinação de deflexões nos pavimentos com a viga benkelman.
DNER-PRO 07/78 – Avaliação subjetiva da superfície de pavimentos flexíveis e semi-rígidos.
DNER-PRO 08/94 – Avaliação objetiva da superfície de pavimentos flexíveis e semi-rígidos.
DNER-PRO 11/79 – Avaliação estrutural dos pavimentos flexíveis (procedimento B).
CNT (2001) Pesquisa Rodoviária CNT, Brasília, DF.
Zaniewski, J.; Mamlouk, M. – Pavement Preventive Maintenance – Key to Quality Highways, TRR-1342, 1999
AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES (BRASIL). Anuário Estatístico dos Transportes Terrestres, ANTT, 2010, Disponível em: http://www.antt.gov.br. Acesso em: 13/03/2011.
BALBO, J.T., Pavimentos Asfálticos: Patologias e Manutenção, São Paulo: Plêiade, 1997. 103p. J.T., Pavimentação Asfáltica: Materiais, Projetos e Restauração, São Paulo: Oficina de Textos, 2007. 558p
BERNUCCI, L.B., ...[et al.]. Pavimentação Asfáltica: Formação Básica para Engenheiros. Rio de Janeiro: PETROBRAS: ABEDA, 2006. 501p.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE, Pesquisa CNT de Rodovias 2010: Relatório Gerencial, Brasília: 2010, Disponível em: http://www.cnt.org.br. Acesso em: 15/03/2011.
DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM, Avaliação Estrutural dos Pavimentos Flexíveis – Procedimento A. DNER PRO 010/79. Volume I, Norma Rodoviária. Rio de Janeiro, 1979. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/. Acesso em: 21/03/2011.
Glossário de Termos Técnicos Rodoviários. Rio de Janeiro, 1997. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/. Acesso em: 29/03/2011.
DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE, Manual de conservação Rodoviária. 2ª Ed, Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/. Acesso em: 21/03/2011.
Manual de Pavimentação. 3ª Ed, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/. Acesso em: 20/03/2011.
DNIT 005/2003 – TER – Defeitos nos pavimentos flexíveis e semi-rígidos - Terminologia – Rio de Janeiro, 2003a. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/. Acesso em: 19/03/2011.
DNIT 006/2003 – PRO – Avaliação objetiva da superfície de pavimentos flexíveis e semi-rígidos – Procedimentos – Rio de Janeiro, 2003b. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/. Acesso em: 27/03/2011. 67
DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE. DNIT 007/2003 – PRO – Levantamento para Avaliação da condição de superfície de subtrecho homogêneo de rodovias de pavimentos flexíveis e semi-rígidos para gerência de pavimentos e estudos e projetos
- Procedimento – Rio de Janeiro, 2003c. Disponível em: http://ipr.dnit.gov.br/. Acesso em: 02/03/2011.
SILVA, P. F. A., Manual de Patologia e Manutenção de Pavimentos, 2ª ed. São Paulo: PINI, 2008. 128p.

Obrigada!!!
Full transcript