Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Sociedade Holandesa no século XVII

No description
by

Madalena Magalhães

on 14 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Sociedade Holandesa no século XVII

-No século XVII a Holanda, em oposição ao resto da Europa, caracterizava-se pela/o:
tolerância religiosa,
abertura cultural e
valor dado ao indivíduo. -Atraídos por esta liberdade muitos emigraram para a Holanda, contribuindo para o seu desenvolvimento, através:
conhecimentos cientificos e técnicos,
avultados capitais
espírito crítico e de empreendedorismo Desenvolvimento das cidades
Enriquecimento cultural Instituições financeiras. Sociedades por ações Banco Bolsa de Valores -Ascenção da burguesia de negócios. -A Bolsa de Amesterdão, na Holanda, tornou-se o principal centro de negócios do mundo. Dinamismo Comercial e Económico -Na Holanda foram criadas companhias como: a Companhia das Índias Orientais e a Companhia das índias Ocidentais -O Wisselbanck ou Banco de Transferências de Amesterdão foi criado em 1605. Falência -Estas companhias por ações eram vantajosas, uma vez que ao pertencerem a vários burgueses, no caso de esta ir à falência o indivíduo, em si, nunca iria.

-Uma família ir à falência era uma vergonha perante a sociedade, como se observou no filme. A Holanda, especificamente Amesterdão, passou a ser o núcleo central da economia europeia e a mais importante praça de capitais. -Esta administração tomou medidas de defesa do comércio e dos negócios. -Elite governante. Neste trabalho o grupo vai realizar a análise da Sociedade Holandesa no século XVII recorrendo ao filme "The Girl With The Pearl Earing". Introdução Socieda Holandesa no
século XVII Realizado por:
Adriana Almeida Nº1
Patrícia Trindade Nº3
Andrey Dmitriev Nº4
Carolina Palma Nº10
Madalena Magalhães Nº21 História B
Professora Maria João Na agricultura: Indústria manufactureira Desenvolvimento técnico Holandês Aumentaram a superfície cultivável
Introduziram novas culturas
Modernizaram as práticas agrícolas
Desenvolveram a pastorícia O Capital introduzido no campo permitiu Aperfeiçoamento dos sistemas e práticas agrícolas Mercantilização da agricultura Decadência do senhorio tradicional -Possuíam mão-de-obra especializada
-Técnicas de produção avançadas Condições necessárias ao desenvolvimento das diversas manufacturas As industrias manufactureiras eram: Industria têxtil
Industria de instrumentos de precisão
Industria da pesca
Construção naval
Manufacturas de cartas e mapas náuticos Imigração Mentalidade Resultou no: Desenvolvimento técnico das manufacturas e da agricultura. permitiu: Calvinismo Ideologia Habitação Mentalidade e Costumes Mentalidade Desenvolvimento da Agricultura
Desenvolvimento da Pesca
Desenvolvimento da Construção Naval “Génio Prático” Holandês Tolerância Religiosa Arquitectura
Medicina
Engenharia
Economia
Pintura
Escultura
Etc. Desenvolvimento das Ciências e Artes Aumento da População das Cidades
Aumento do Tamanho das Cidades Desenvolvimento Urbano Costumes Vestuário Costumes Gastronomia Disponibilizavam financiamento
e apoios técnicos , com contratos
vantajosos. Forneciam matérias primas e distribuíam
as mercadorias locais a baixo preço. Dinamismo comercial- controlos dos
mercados e das economias vizinhas. Comércio ultramarino Holandês Companhias das
Índias Orientais Companhia das Índias
Ocidentais Politica colonial - comércio Comércio Colonial Construção de um conjunto de redes comerciais Criaram alianças politico-diplomaticas Afastaram a concorrência Acções para concretizar o objetivo: Objetivo das feitorias: Desenvolver uma politica colonial baseada em: Transporte de mercadorias de umas áreas económicas para outras. Exploração comercial das riquezas locais. Exploração económica semelhante a do Oriente Báltico e Levante Menos Lucrativo Pimenta, canela, algodão, sedas, drogas e tinturarias Mais Lucrativo Fixar compradores Lucro anual de 25%
Lucros sempre a crescer Companhia das
Índias Ocidentais Companhia das
Índias Orientais Mediterrâneo Litoral da Europa Ocidental Sevilha e Lisboa Interior da Europa Ocidental Produtos: madeira e cereais Áreas onde intervieram Báltico – controlo económico da Liga Hanseática Batávia -África
-Oriente
-Américas
Disputa do comércio colonial Império Colonial Holandês Portugal e Espanha Feitorias Companhias mercantis monopolistas Traje Os cinco pontos principais que o Calvinismo defende são: Depravação total
Eleição não condicional
Expiação (remoção de pecados) limitada
Graça irresistível de Deus
Preservança dos santos -A adopção do Calvinismo na Holanda foi vantajoso, pois ao contrario de outras religiões, esta defendia o lucro não colocando assim entraves na realização de negócios
Full transcript