Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O normal e o patológico

No description
by

Adjuto de Eudes Fabri

on 14 April 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O normal e o patológico

O NORMAL E O PATOLÓGICO
Georges Canguilhem
Trata-se de uma tese de doutorado em Medicina publicada em 1943, em que os fenômenos patológicos são fenômenos normais perseguidos
por variações quantitativas.
Nas práticas hipocráticas, na medicina grega, oferece-se uma concepção não mais ontológica, mas dinâmica da doença, onde a harmonia entre o equilíbrio e o desequilíbrio está em questão.

Com Morgagni, na virada dos séculos XVII-XVIII, o patológico é designado a partir do normal.

Restaurar o normal acaba por anular o patológico. É no patológico que se realiza o ensinamento da saúde.
Com caráter de identidade conceitual em Augusto Comte e numérico, quantitativo em Claude Bernard.
Por um lado, em Comte, o caminho que se percorre é do patológico para o normal, o que se tem que especular são as leis do normal.

Por outro, em Claude Bernard, percorre-se do normal para o patológico para criar uma ação racional sobre o patológico.
Cenário
Se na clínica o que se questiona é a relação médico/doente, com Leriche o que está em jogo é a relação doente/doença. Para Leriche o que importa é a opinião do doente em relação à realidade de sua própria doença. Trata-se da doença sob a consciência do doente, sob o seu ponto de vista. Como um doente que morreu de acidente sem ter consciência de um câncer. É a doença do ponto de vista do doente o conceito mais adequado.
O homem doente serve para o conhecimento do homem normal. O estudo da doença tende a ser um elemento essencial da fisiologia normal. Para Comte, o estado normal precede o patológico, diferentemente, Leriche destacou que a fisiologia é revelada pela doença. A doença como modo de vida. Exprime uma relação entre o ser vivo e o meio. A anomalia e a mutação não são patológicas: exprimem outras normas possíveis. O patológico é uma norma biológica diferente, mas repelida pela vida. Portanto, o estado normal de um ser vivo se transcreve na relação normativa, impondo novas normas, a determinados meios.
Apenas no século XIX que os fenômenos normais e patológicos alcançam sua identidade real, dogma cientificamente garantido.

Augusto Comte chama de ‘princípios de Broussais’ um alcance universal na ordem dos fenômenos biológicos, psicológicos e sociológicos.


Broussais explica que toda doença é um excesso ou falta de excitação dos tecidos abaixo ou acima do grau que consiste o estado normal.

Todas as doenças são apenas sintomas e as perturbações das funções vitais produzem lesões de órgãos e de tecidos.


Comte usa o axioma geral de Broussais: qualquer modificação (artificial ou natural) da ordem real diz respeito somente à intensidade dos seus fenômenos correspondentes, assim os fenômenos da doença coincidem com os fenômenos da saúde, mas diferem apenas na intensidade.
Claude Bernard destacou a continuidade entre o normal e o patológico e usa indiferentemente duas expressões que são variações quantitativas e diferenças de grau, isto é, utiliza dois conceitos: homogeneidade e continuidade.
Os Fenômenos patológicos são qualitativos e quantitativos, de acordo com o ponto de vista em que nós nos colocarmos, conforme consideramos o fenômeno vital em sua expressão e seu mecanismo.
A doença é vista pela sua qualidade e por sua quantidade. Já uma função é tida por normal quando ela for independente dos efeitos que a produz. Para Claude Bernard a patologia é inseparável da fisiologia.
Claude Bernard: a medicina é uma arte de viver, ou seja, uma terapêutica que supõe uma patologia experimental. A doença é uma violação do organismo, um evento resultante da ação das funções permanentes do organismo. O fato patológico é uma alteração do estado normal, a fisiologia das funções está diante de fatos patológicos devido às informações clínicas prévias. A patologia (anatômica ou fisiológica) é o estudo dos mecanismos da doença, ela pouco considera que a doença é uma forma diferente de vida para o doente. A doença é uma forma diferente de vida.
Full transcript