Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Dificuldades de aprendizagem

No description
by

Sandra Lamb

on 4 June 2018

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Dificuldades de aprendizagem

Dificuldades de aprendizagem
e processos de inclusão

Colégio São João
Transtornos do
neurodesenvolvimento
O que gera dificuldades
na aprendizagem...
Síndromes
genéticas
Situações emocionais
e transtornos mentais/ psicológicos
Condições de
subnutrição
Doenças
neurológicas
Transtornos do neurodesenvolvimento
Se manifestam cedo no desenvolvimento – antes dos 3 anos na maioria dos casos.
Acarretam prejuízos no funcionamento pessoal, social, acadêmico e/ou profissional.
Variam desde limitações específicas na aprendizagem ou no desenvolvimento de funções executivas até prejuízos globais.
Deficiência intelectual
Déficits em funções intelectuais (raciocínio, solução de problemas, planejamento, pensamento abstrato, concepção de juízo...).
Déficits em funções adaptativas (dificuldade para independência pessoal e responsabilidade social).
Gravidade: leve, moderada, grave e profunda.
Transtornos da
Comunicação
Transtorno da linguagem
Dificuldade na aquisição e uso da linguagem falada, escrita ou de sinais devido à déficits na compreensão e/ou produção (vocabulário reduzido, estrutura limitada de frase, prejuízos no discurso).
Capacidade linguística abaixo do esperado com limitações funcionais na comunicação efetiva, na participação social, no sucesso acadêmico e profissional.
Início precoce, na primeira infância.

Transtorno da fala
Dificuldade persistente para produção da fala (dicção e compreensão), que prejudica a comunicação.
Limitação na comunicação eficaz, que interfere na participação social, sucesso acadêmico e profissional.
Início na primeira infância.

Transtorno da fluência com início na infância (gagueira)
Perturbações na fluência e no padrão temporal da fala inapropriadas para a idade e para as habilidades linguísticas persistentes (repetições de sons e sílabas), prolongamentos sonoros, palavras interrompidas (pausas nas palavras), bloqueio audível ou silencioso, circunlocuções (substituição de palavras para evitar algumas mais problemáticas), palavras pronunciadas com excesso de tensão física, repetição de palavras monossilábicas).
Ansiedade em relação à fala ou limitações na comunicação efetiva, participação social ou desempenho acadêmico ou profissional.
Início na primeira infância. Quando sintomas aparecem na fase adulta chama-se "Transtorno da fluência com início na fase adulta".

Transtorno da Comunicação Social
(Pragmática)
Dificuldades persistentes no uso social da comunicação verbal e não verbal (déficits no uso da comunicação com fins sociais (saudações, compartilhamento de informações), prejuízo na capacidade de adaptar a comunicação para o contexto ou necessidades do ouvinte, dificuldades de seguir regras para conversar e contar histórias, dificuldade de compreender o que não é dito de forma explícita).
Limitações funcionais na comunicação efetiva, participação social, vida acadêmica e profissional.
Início na primeira infância.

Transtorno da
Comunicação
não especificado
Transtorno do Espectro Autista
Déficits persistentes na comunicação e na interação social.
Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades.
Sintomas presentes precocemente e podem se tornar melhor manifestos com o aumento das demandas sociais.
Prejuízo no funcionamento social, acadêmico e/ou profissional.
Gravidade: nível/tipo 1, 2 e 3.
Obs: Asperger - semelhante autismo tipo 1.
Transtorno de Déficit de
Atenção/Hiperatividade
Desatenção:
não presta atenção em detalhes ou comete erros por descuido;
dificuldade de atenção em tarefas ou atividades lúdicas;
parece não escutar;
não segue instruções até o fim e não consegue terminar trabalhos;
dificuldade de organizar tarefas e atividades;
evita, não gosta ou reluta em atividades que exigem esforço mental;
perde coisas necessárias para as tarefas e atividades diárias;
distrai-se com estímulos externos;
esquece de atividades cotidianas.
Hiperatividade e impulsividade:
remexe ou batuca as mãos ou os pés ou se remexe na cadeira;
levanta em situações em que se espera que fique sentado;
corre e sobe em coisas em situações em que isto é inapropriado;
incapaz de brincar ou se envolver em situações de lazer calmamente;
não para, é irrequieto, como se estivesse "com o motor ligado";
fala demais;
responde antes da pergunta ser concluída;
dificuldade de esperar a vez;
interrompe ou se intromete.
Sintomas presentes antes dos 12 anos, em dois ou mais ambientes.
Prejuízo no funcionamento social, acadêmico ou profissional.
Subtipos: apresentação combinada, predominantemente desatenta, predominantemente hiperativa/impulsiva.
Gravidade: leve, moderada e grave.
Transtorno Específico
da Aprendizagem
Transtornos
motores
Dificuldades na aprendizagem e no uso de habilidades acadêmicas - 1 ou mais sintomas por pelo menos 6 meses, apesar de intervenções dirigidas:
leitura de palavras de forma imprecisa ou lenta e com esforço;
dificuldade de compreender o sentido do que é lido;
dificuldade de ortografia;
dificuldade de produção escrita;
dificuldade para dominar o senso numérico, fatos numéricos ou cálculos;
dificuldade no raciocínio.
Habilidades acadêmicas afetadas estão abaixo do esperado para a idade.
Interferência no desempenho acadêmico ou profissional ou nas atividades cotidianas é confirmado por desempenho avaliado individualmente.
Inicia nos anos escolares, mas se manifestam mais quando exigidas as habilidades acadêmicas afetadas.
Especificações:
Prejuízo na leitura - precisão na leitura de palavras, velocidade ou fluência na leitura, compreensão da leitura - Dislexia.
Prejuízo na expressão escrita - ortografia, precisão na gramática e na pontuação e clareza e organização da expressão escrita.
Prejuízo na matemática - senso numérico, memorização de fatos aritméticos, precisão ou fluência de cálculo e precisão no raciocínio matemático - Discalculia.
Gravidade: leve, moderada e grave.
Transtorno do desenvolvimento da coordenação
Aquisição e execução de halidades motoras coordenadas estão abaixo do esperado considerando idade e escolaridade. Falta de "jeito", lentidão, imprecisão.
Déficits interferem nas atividades cotidianas apropriadas à idade, causando impacto na produtividade acadêmica, profissionais, lazer e nas brincadeiras.
Início precoce no desenvolvimento.
Transtorno do movimento estereotipado
Comportamento motor repetitivo, aparentemente direcionado e sem propósito.
Interfere em atividades sociais, acadêmicas ou outras, podendo resultar em auto lesão.
Início precoce.

Especificação:
Com ou sem comportamento auto lesivo.
Se associado com alguma condição médica ou genética, transtorno do neurodesenvolvimento ou fator ambiental.

Gravidade: leve, moderada ou grave.
Transtornos de tique
Transtorno de Tourette
Múltiplos tiques motores e um ou mais tiques vocais.
Podem aumentar ou diminuir em frequência, mas permanecem por mais de um ano após a primeira manifestação.
Início antes dos 18 anos.
Transtorno de tique motor ou vocal persistente
Tiques motores ou vocais únicos ou múltiplos estão presentes.
Podem aumentar ou diminuir em frequência, persistindo por mais de um ano desde o primeiro tique.
Início antes dos 18 anos.
Especificação: apenas com tiques motores ou apenas com tiques vocais.
Transtorno de tique transitório

Síndrome de Down;
Síndrome do X-Frágil;
Síndrome de West;
Síndrome de Angelman;
Síndrome de Rett;
Síndrome de Cri du Chat;
Síndrome de Willams-Beuren.

Dificuldades de aprendizagem até definicência intelectual profunda.
Dificuldades de linguagem.
Dificuldades motoras.
Convulsões e epilepsia.
Tiques motores e/ou vocais, únicos ou múltiplos.
Presentes por pelo menos um ano após o início.
Início antes dos 18 anos.
Síndromes...
Doenças neurológicas
Convulsões e epilepsia - podem gerar desde momentos de ausência até deficiência intelectual profunda, entre outras deficiências.
Situações emocionais e
transtornos mentais/psicológicos
Situações emocionais diversas: separação dos pais, relacionamentos com professores, situações de bullying, medos, situações de tensão, preocupações excessivas...
Transtornos mentais/psicológicos: depressão, distúrbio bipolar, transtornos alimentares...
DPAC - Distúrbio de processamento auditivo central
Condições de
subnutrição
Inclusão escolar
Resolução nº2 do Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica - 2001.
LBI - 2016
Buscar conhecer o aluno e
o quadro clínico, quando houver diagnóstico.
Tentar compreender sentimentos dos próprios alunos, dos pais e dos colegas, sem julgamentos.
Expor os próprios sentimentos para equipe do colégio, dar e receber apoio emocional.
Na educação infantil trabalhar sobre diferenças. A partir do ensino fundamental, trabalhar sobre o diagnóstico. Responder perguntas dos alunos em relação à necessidade especial.
O que podemos fazer?!
Avaliar o aluno, principalmente nos aspectos de cognição, comunicação, psicomotricidade e interação social. Contar com profissionais especializados para isto.
Avaliação cognitiva: educadores podem fazer com propriedade.
Buscar apoio junto aos pais e profissionais que atendem este aluno.
Permitir e realizar práticas pedagógicas diferenciadas, sugerindo e criando adaptações e materiais.
Saber que inclusão é um direito e tudo que envolve este processo também, sendo de sua responsabilidade.
Valorizar a diversidade e a solidariedade.
E o que mais podemos e devemos fazer?
Adaptações físicas e estruturais
Acompanhante pedagógica/ professor II.
Rampas de acesso.
Mesas, carteiras, cadeiras...
Materiais diversos.
Professor 1 e professor 2 ou acompanhante
Necessidade de parceria constante no trabalho realizado em sala.
Professor I faz o planejamento da aula e compartilha com o Professor II com antecedência.
Professor I - trabalha com a turma sobre a inclusão e valorização da diversidade dos alunos.
Professor II - elabora e organiza material compatível ao planejamento e de acordo com a necessidade especial do aluno, com apoio e auxílio do Professor I e Sala de Recursos.
Professor II - acolhe e dá a atenção específica necessária ao aluno, atendendo-lhe em suas especificidades.
Ambos - contato com os pais, avaliação, elaboração de atividades em grupo pensando em como o aluno com necessidade especial participará, motivação, estímulos.
Adaptações de materiais didáticos
Imagens/cartões para comunicação.
Materiais de escrita e leitura.
Atividades e provas adaptadas.
Adaptações em e a partir de apostilas, livros e cadernos.
Adaptações curriculares
Matérias curriculares: adaptação da complexidade de algumas matérias, observando o desenvolvimento intelectual do aluno e a necessidade real destas matérias para seu futuro.
Currículo funcional: aquele que facilita o desenvolvimento de habilidades básicas e essenciais à participação nos contextos em que o aluno vive.
Planejamento educaional individualizado (PEI): visa o desenvolvimento de habilidades necessárias para a vida diária e manutenção das mesmas.
Situações comportamentais
Tentar evitar o momento da "crise"com comunicação, segurança, previsibilidade, antecipação de ações.
Determinar uma pessoa de referência para o aluno - Professor II.
Retirar o aluno para um espaço isolado.
Verbalizar o que deve ser feito - sempre.
Contenção.
Não oferecer objetos extras para desviar a atenção.
Procurar manter a calma.
Prova oral - gravada
Conhecer e estudar sobre programas de educação e técnicas específicas
Técnica das palavras gatilho.
PECS.
TEACCH.
LIVOX.
Libras.
“A inclusão é uma visão, uma estrada a ser viajada, mas uma estrada sem fim, com todos os tipos de barreiras e obstáculos, alguns dos quais estão em nossas mentes e em nossos corações.”
(Peter Mittler - Educação Inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003; p.21)
“ O conceito de inclusão não nega o conceito de desigualdade. (...) Toda relação é desigual, e inclusão não significa homogeneização da sociedade. (...) O convívio social só é possível pela aceitação e respeito à diferença. (...) A inclusão se dá pelo fato de as pessoas aceitarem suas próprias diferenças."
(Abranches - Inclusão dá trabalho. Belo horizonte: Armazém das Idéias, 2000; p.38)
Filme: EducaçãoEspecial - MEC
Coaching
Filme:Epilepsia: como ajudar uma pessoa com convulsão?
Full transcript