Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Microbiologia aplicada a odontologia - Parte 1

No description
by

Daniel Saturnino

on 21 September 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Microbiologia aplicada a odontologia - Parte 1

Evolução Mútua e Erradicação Improvável
Agentes Ecológicos
Importante:
A diferença entre saúde e doença infecciosa é provida pelo
microbioma
Agentes Ecológicos
Microbiota bucal
Biofilmes bacterianos
Daniel Saturnino
Biofilme dental: Quando esta entidade pode ser considerada patológica
Relações Ecológicas
DISBIOSE
Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microorganismos que habitam num ecossistema, principalmente bactérias, mas também alguns protozoários, que geralmente têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes (substratos).
Os biofilmes são comunidades biológicas com um elevado grau de organização, onde as bactérias formam comunidades estruturadas, coordenadas e funcionais . Estas comunidades biológicas encontram-se embebidas em matrizes poliméricas produzidas por elas próprias. Os biofilmes podem desenvolver-se em qualquer superfície úmida, seja ela biótica ou abiótica. A associação dos organismos em biofilmes constitui uma forma de protecção ao seu desenvolvimento, favorecendo relações simbióticas e permitindo a sobrevivência em ambientes hostis. Portanto, estas comunidades são ubiquitárias.
SIMBIOSE

INTERAÇÃO MICROBIANA

RELAÇÃO METABÓLICA INTERBACTERIANA

RELAÇÃO GENÉTICA INTERBACTERIANA

SEXO PLASMIDICO

CONJUGAÇÃO BACTERIANA

RECOMBINAÇÃO GENÉTICA BACTERIANA


 


 

DISTRIBUIÇÃO SELETIVA DA MICROBIOTA BUCAL

1. Dental:
Supra e
Sub gengival

2. Lingual

3. Salivar

4.Orofaringeo

Papilas linguais

Saliva

Socransky, Haffajee(2002)

Agentes Ecológicos
Desenvolvimento natural
Modificações microambientais
Agentes Ecológicos
Microbioma bucal
Biofilmes de origem bucal
Formação e composição do biofilme dental
Defeitos genéticos nas vias de reconhecimento e de resposta que o hospedeiro usa para identificar os patógenos microbianos ou predispor a colonização microbiana disfuncional ou para o não-reconhecimento da microbiota normal. Isso sustenta o conceito de infectogenoma, para o qual duas vias distintas foram descritas :
1. Reconhecimento Bacteriano
2. Proliferação Bacteriana
J Oral Microbiol. 2014 Feb 25;6. doi: 10.3402/jom.v6.22962. eCollection 2014.
Genetic dysbiosis: the role of microbial insults in chronic inflammatory diseases.
Nibali L1, Henderson B2, Sadiq ST3, Donos N1.

J Oral Microbiol. 2014 Feb 25;6. doi: 10.3402/jom.v6.22962. eCollection 2014.
Genetic dysbiosis: the role of microbial insults in chronic inflammatory diseases.
Nibali L1, Henderson B2, Sadiq ST3, Donos N1.

1. Reconhecimento Bacteriano
As mutações nas regiões promotoras e segmentos codificantes dos genes de PRR individuais podem resultar ou na alteração da expressão de PRRs ou diferenças na capacidade de reconhecer os componentes microbianos que se ligam a , respectivamente . Além da influência da PRR de produção e de PRR cinéticas da ligação , as alterações na interacção entre a PRR e proteínas acessórias obrigatórias pode ser um fator neste processo ' de ligação / reconhecimento "
J Oral Microbiol. 2014 Feb 25;6. doi: 10.3402/jom.v6.22962. eCollection 2014.
Genetic dysbiosis: the role of microbial insults in chronic inflammatory diseases.
Nibali L1, Henderson B2, Sadiq ST3, Donos N1.

2. Proliferação Bacteriana
As variações genéticas que predispõem a uma resposta inflamatória excessiva podem criar um ambiente favorável para o crescimento seletivo de bactérias específicas dentro dos biofilmes humanos, o que , devido às características específicas em seu metabolismo , crescem bem em ambientes mais inflamados.
Arch Pharm Res. 2012 Jan;35(1):3-7
.
Resolvins as new fascinating drug candidates for inflammatory diseases.
Lee CH.
As novas classes de lípidos , tais como as lipoxinas , resolvinas e maresinas são capazes de promover a resolução da inflamação antes que ela se desenovele . As ações de resolução destes lípidos endógenos são mediadas por receptores de membrana, conhecidas como ação pró-anti-inflamatória . Em particular , RX - 10001 ( Resolvin E1 ) e RX - 10004 ( análogo sintético do resolvina , fase II ) estão sendo estudadas clinicamente de diversas doenças inflamatórias
Mecanismos de patogenicidade:
Porfiromonas gengivalis:
invasão de células endoteliais

A.A. : Invasão e trânsito em células epiteliais
Evidências Clínicas
Biofilme Dental
Como qualquer outra microbiota encontrada em qualquer outro habitat da Natureza, a microbiota bucal é constituída por microrganismos que são classificados como residentes ou como transitórios.

•Residentes ou autóctones são as espécies sempre presentes na microbiota e, de acordo com sua freqüência, são subclassificadas como indígenas ou como suplementares.
Uma espécie residente é considerada indígena quando existe em altos números na microbiota, em proporção maior do que 1,0% do total de microrganismos.

A espécie residente é considerada suplementar quando ocorre em baixos números, ou seja, em proporção menor do que 1,0%; neste grupo, estão inseridas bactérias patogênicas como os estreptococos do grupo mutans, lactobacilos, Prevotella intermedia, Porphyromonas gingivalis, Candida albicans e Treponema spp, cujos números só aumentam se houver alteração ambiental.
Transientes ou alóctones
São as espécies ocasionais, vindas de outros habitats como ar, alimentos, bebidas e mãos. Essas espécies exógenas só se instalam se ocorrer severo desequilíbrio na microbiota local; é o caso, por exemplo, do encontro de enterobactérias e de Pseudomonas aeruginosa (bactéria ambiental patogênica e muito resistente a antibióticos).
Numerosos estudos nos mostram que as primeiras espécies que se instalam como indígenas são Streptococcus salivarius, do mesmo sorotipo encontrado na boca da mãe, S. oralis e S. mitis biovar 2. No primeiro ano de vida, cerca de 70% da microbiota bucal são constituídos por Streptococcus spp, principalmente da espécie S. salivarius, que tem grande afinidade pela mucosa; o restante da microbiota é constituído principalmente por estafilococos, Veillonella spp e Neisseria spp.
A superfície dental propicia as condições necessárias para a instalação de bactérias que têm a capacidade de se fixar a ela, tais como S. sanguinis, S. gordonii, S. oralis e algumas espécies de Actinomyces, consideradas como as colonizadoras iniciais da superfície do esmalte (fase de formação inicial da placa dental).
Por sua vez, o sulco gengival é um nicho com baixíssimo teor de oxigenação, possibilitando a instalação de bactérias anaeróbias estritas. Ocorre assim o aumento numérico de bactérias periodontopatogênicas no sulco gengival, como Porphyromonas gingivalis e Prevotella intermedia, que se fazem presentes no exsudato ou fluido gengival através de seus metabólitos.

Na fase de adulto dentado, a microbiota bucal atinge as suas proporções máximas: em 1,0ml de saliva, existe uma média de 100 milhõesde bactérias, e, no biofilme dental, a concentração bacteriana é ainda maior, cerca 10 bilhões/g.
1. Na boca, as bactérias têm três possibilidades de adesão ou aderência: a fixação a uma superfícies moles como as das mucosas, a fixação à estruturas duras como as do dente ou de artefatos odontológicos como próteses, bem como a coagregação entre espécies microbianas.

2. Em qualquer desses casos, a aderência é mediada por dois elementos básicos. Na superfície das bactérias, existem macromoléculas ligantes genericamente chamadas adesinas, geralmente encontradas nas fibrilas e principalmente nas fímbrias.

3. Na superfície dos tecidos do hospedeiro, existem moléculas receptoras que reconhecem as adesinas bacterianas e com elas interagem especificamente. Dessa interação bioquímica altamente específica, formam-se pontes de ligação, que são as bases da aderência bacteriana.
Socransky, Haffajee(2002)

Composição do biofilme subgengival

Socransky, Haffajee(2002)

Composição do biofilme dental: sub/supra gengival

Composição do biofilme dental
Full transcript