Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Ambientes virtuais de aprendizagem

Aula da disciplina Introdução à Educação a Distância, PPGEdumate/UFPE.
by

Ana Beatriz Carvalho

on 2 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Ambientes virtuais de aprendizagem

A forma de utilização do ambiente virtual em consonância com o projeto político-pedagógico do curso é fundamental para o estabelecimento da estrutura sobre a qual o aluno-aprendiz irá interagir no AVA. O conceito de maior ou menor interatividade, assim como a frequência e intensidade no acesso realizado serão proporcionais ao objetivo das ferramentas disponibilizadas Vários fatores são responsáveis pela dissonância entre os objetivos propostos nos AVA e sua eficácia na aprendizagem. Ambientes virtuais de aprendizagem Conceitos, ideias e práticas Ambiente instrucionista: conteúdo e suporte.

Ambiente interativo: interação e participação.

Ambiente colaborativo: interação , cooperação e comunidades.


1.Foco nas ferramentas de aprendizagem.
2.Foco na comunicação e na complementação da aprendizagem.
3.Foco na comunicação.
(Detalhes: https://caldeiraodeideias.wordpress.com/2012/10/30/ambientes-virtuais-novos-espacos-de-aprendizagem)



Modelo de Avaliação Neste aspecto, a EaD será eficaz ao propiciar interação/interatividade ao inserir um novo contexto de aprendizagem que potencialize novos processos cognitivos. Considerando o paradigma da complexidade e da cultura da aprendizagem, Schlemmer e Fagundes (2001) propuseram um modelo de avaliação de AVA interacionista/construtivista sistêmico embasado nas seguintes categorias: perspectiva técnica, perspectiva didático-pedagógica, perspectiva comunicacional-social e perspectiva administrativa.
A concepção de aprendizagem Um outro aspecto importante é que o desenvolvimento do ambiente Moodle foi norteado por uma concepção de aprendizagem - a teoria sócioconstrutivista - propondo a construção de ideias e conhecimentos em grupos sociais de forma colaborativa, uns para com os outros, criando assim uma cultura de compartilhamento de significados.
Projeto do curso e desenho didático conflitantes.
Cultura digital não consolidada.
Estratégias de abordagem ineficazes.
Problemas de compatibilidade dos programas e conexão.


O Moodle O Moodle é um sistema de gerenciamento de aprendizagem (LMS – Learning Management System) ou ambiente virtual de aprendizagem de código aberto, livre e gratuito. Os usuários podem baixá-lo, usá-lo, modificá-lo e distribuí-lo seguindo apenas os termos estabelecidos pela licença. O Moodle está em contínuo desenvolvimento com uma comunidade que abrange participantes de todas as partes do mundo. O software livre Conceitos Classificação dos ambientes Formas de utilização do ambiente Problemas (e alguns exemplos) Avaliação dos ambientes A avaliação dos Ambientes Virtuais considera uma mudança de paradigmas não apenas no processo de construção da aprendizagem e aquisição do conhecimento, mas, sobretudo na existência de um novo paradigma na forma de pensar e compreender a realidade na sociedade em que vivemos. Segundo Moraes (2003), Morin afirma que esse paradigma é chamado de paradigma da complexidade e requer um pensamento dialógico, recursivo e multidimensional.
Um ambiente virtual é um sistema de gerenciamento de aprendizagem (LMS – Learning Management System) criado para integralizar os diferentes elementos que compõem o processo de aprendizagem Segundo Vavassori e Raabe (2003, p.312), “um ambiente virtual de aprendizagem é um sistema que reúne uma série de recursos e ferramentas, permitindo e potencializando sua utilização em atividades de aprendizagem através da Internet em um curso a distância”.
Cada plataforma apresenta seus instrumentos próprios de gerenciamento. Os ambientes virtuais agregam interfaces que permitem a produção de conteúdos e canais de comunicação, permitem também o gerenciamento de banco de dados e o controle total das informações que circulam no ambiente. Temos universidades públicas que adotaram as plataformas livres ou gratuitas (como Moodle e o e-Proinfo) e outras estão desenvolvendo os seus próprios ambientes virtuais de aprendizagem como é o caso do Amadeus (UFPE), SOLAR (UFC), AVA CEFET MG, entre outras. No atual momento, o Moodle tem sido a plataforma mais utilizada nos projetos de educação a distância desenvolvidos no âmbito da UAB. A popularidade do Moodle não está relacionada apenas com o fato de ser uma plataforma gratuita, o E-Proinfo desenvolvido pela SEED/MEC é disponibilizado para as instituições públicas sem custo, mas perdeu espaço justamente por ser um programa fechado, que não permite adaptações e flexibilidade em sua estrutura. O software livre apresenta seu código fonte de programação aberto, permitindo a adaptação das ferramentas para cada realidade e o Moodle está sendo aprimorado em uma rede livre e pode ser adequado para cada realidade.
CARVALHO,A.B.Etnografia Digital na Educação a Distância e Uso de Jogos Eletrônicos no Processo de Ensino e Aprendizagem. In: III Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação: Construindo Novas Trilhas. Campina Grande: Anais do III Seminário Jogos Eletronicos, 2007
MORAES, M.C. “Complexidade e Mediação Pedagógica”. Educar na Biologia do Amor e da Solidariedade. Petrópolis: Vozes, 2003.
KENSKI, V. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. São Paulo: Papirus, 2003.
SCHLEMMER E; FAGUNDES, L. “Uma Proposta para Avaliação de Ambientes Virtuais de Aprendizagem na Sociedade em Rede”. Informática na Educação: Teoria e Prática. Porto Alegre: UFRGS, v.4, n.2.
VAVASSORI, F. B; RAABE, A. Organização de atividades de aprendizagem utilizando ambientes virtuais: um estudo de caso. In Educação Online. Edições Loyola. São Paulo, 2003.
Full transcript