Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Formação de impressões

No description
by

Joana Duarte

on 11 December 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Formação de impressões

Juízes de personalidade
Estudos de Solomon Asch
Trabalho realizado por:
Referências bibliográficas
Formação de impressões e memória
Formação de impressões
Modelo do Continuum de Fiske e Neuberg (1990)
Teorias implícitas da personalidade
Efeito de halo
: tendência dos juízes para generalizar uma avaliação numa situação para outros contextos não relacionados, sendo ela positiva ou negativa (experiência de Dion, Bercheid e Walster, 1972);

Erro lógico
: inferência de um traço através de outro, apesar de não estarem diretamente relacionados, isto é, uma pessoa pode ser considerada calculista (traço negativo) e inteligente (traço positivo);

Condições de enviesamento
: grau de semelhança entre o juiz e o alvo; relação entre o juiz e o alvo; confiança que o juiz mostra no seu próprio julgamento; ausência de impressão prévia.
Erros de julgamento
- Nasceu em Varsóvia em 1907
- Emigrou para os Estados Unidos da América em 1920
- Licenciou-se em psicologia em 1928 no College of the City of New York
- Concluiu o mestrado em 1930 e o doutoramento em 1932 na Universidade da Colombia
- Lecionou na área de psicologia no Swarthome College durante 19 anos
- Trabalhos de Asch têm uma forte influência da psicologia da gestalt e tiveram como principal enfoque a formação de impressões
- Deixou contribuições nas áreas da psicologia social, cognição, perceção, teoria da personalidade
Solomon Asch
Três processos de formação de impressões identificados por Asch:
Formação de impressões
Processo através do qual é possível inferir características psicológicas a partir da conduta do indivíduo. (Carvalho, 2012)

Podemos adquirir informação acerca dos outros de forma direta e indireta. (Bastos, 2006)

As informações recolhidas relativamente aos outros estão disponíveis através de várias fontes como a aparência física, a profissão, estereótipos, comportamentos e a situação em que se conhece a pessoa. (Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo e Ferreira, 2013)

A impressão formada é composta por uma seleção de vários elementos como comportamentos, gostos e interesses, bem como a caracterização dos seus traços gerais e capacidades. (Dourado, 2012)
A formação de impressões pressupõe a operação de processos cognitivos complexos que permitem organizar, combinar e integrar um leque de informações, num todo unificado, que temos acerca dos indivíduos (Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira, 2013)
Os primeiros estudos na área da formação de impressões surgiram antes da Segunda Guerra Mundial com a utilização de juízes de personalidade.

Um bom juiz de personalidade pode ser considerado alguém melhor que os demais na identificação dos motivos, valores e preferências de um indivíduo tendo como base informação limitada.







Estes estudos permitiram a identificação de vários erros de julgamento de juízes
(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira, 2013)
(Pina, 2012)
Asch não deu relevância à identificação de bons juízes de personalidade, nem se as impressões formadas eram ou não enviesadas.

O seu principal objetivo foi compreender quais são os processos psicológicos subjacentes no processo de formação de impressões a fim de criar uma impressão unificada de outra pessoa.

A formação de impressões tem um carácter holístico, isto é, os traços constituintes da pessoa organizam-se num todo, sendo esse todo diferente da soma das partes

(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira, 2013)
(Pina, 2012)
(Dourado, 2012)
- Centralidade dos traços


- Efeito de primazia


- Mudança de significado


Traços centrais têm uma influência maior do que os traços periféricos dado que funcionam como um foco orientador através do qual a impressão se organiza numa gestalt.

Experiência
: Asch selecionou dois grupos de sujeitos e solicitou-lhes que formassem uma impressão relativamente a um alvo através de uma lista de características, constituida por sete traços, sendo a mesma para os dois grupos, à exceção de um dos traços que foi alvo de manipulação experimental.

Lista A: inteligente, hábil, trabalhador,
caloroso
, determinado, prático e cauteloso
Lista B: inteligente, hábil, trabalhador,
frio
, determinado, prático e cauteloso
(Garrido, Garcia-Marques, Jeróniomo & Ferreria, 2013)
(Dourado, 2012)
(Gleitman, Fridlund & Reisberg, 2011)
Resultados
:
- Quando o traço caloroso foi apresentado as impressões foram mais positivas e a percentagem de escolha de traços positivos também foi maior.


Conclui-se então que a mudança numa característica (troca do traço caloroso por frio) leva a uma mudança na impressão global. Verificou-se também que esta alteração transformou o significado dos restantes traços.

Na condição "caloroso", o traço "generoso" foi escolhido por 91% dos participantes
Na condição "frio", o traço "não generoso" foi escolhido por 92% dos participantes

Estudo posterior onde Asch substituiu "caloroso-frio" por "educado-rude"

(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira, 2013); (Dourado, 2012); (Pina, 2012)
Asch salienta que os primeiros traços apresentados têm um maior impacto na impressão final formada pelos indivíduos relativamente aos últimos traços.

Experiência
: Asch selecionou dois grupos de sujeitos e forneceu-lhes uma lista semelhante de atributos de personalidade positivos e negativos descrevendo um alvo.

Lista A: inteligente, trabalhador, impulsivo, crítico, teimoso e invejoso
Lista B: invejoso, teimoso, crítico, impulsivo, trabalhador e inteligente
(Garrido, Garcia-Marques, Jeróniomo & Ferreria, 2013)
(Carvalho, 2012)
(Gleitman, Fridlund & Reisberg, 2011)
Resultados
:

- Cada um dos grupos formou impressões bastante distintas, mesmo sendo iguais os traços apresentados

- A sequência pela qual a informação foi apresentada influenciou as impressões formadas. Destaca-se que a informação apresentada primeiramente na lista teve maior impacto do que a apresentada posteriormente -
efeito de primazia
.

- As características apresentadas no início da lista geram uma impressão inicial que afeta a interpretação dos itens seguintes.

- Se os primeiros atributos forem positivos a impressão final terá maior tendência a ser positiva. Se os primeiros atributos forem negativos a impressão final tende a ser negativa.

(Garrido, Garcia-Marques, Jeróniomo & Ferreria, 2013)
(Carvalho, 2012)
Tendo como base as impressões, os indivíduos conhecem a personalidade uns dos outros, identificam motivações e objetivos, compreendem, explicam e tentam antecipar o comportamento dos outros e a partir daí geram o seu próprio comportamento adequadamente (Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreria, 2013)
O significado de uma característica/traço depende do contexto em que está inserido.

Experiência
: Asch selecionou dois grupos de sujeitos e apresentou-lhes uma lista com 5 traços de personalidade descrevendo um alvo, ambas contendo a palavra
calmo
e variando os restantes traços. Os participantes tinham de utilizar outros sinónimos para descrever esse alvo.

Lista A: bondoso, sábio, honesto, forte
Lista B: cruel, matreiro, sem escrúpulos, forte
(Garrido, Garcia-Marques, Jeróniomo & Ferreria, 2013)
(Carvalho, 2012)
Resultados
:

- O significado de calmo variou consoante o contexto em que estava inserido.

- Por exemplo, na lista A (com o traço bondoso) o sinónimo mais atribuido foi sereno. Na lista B (com o traço cruel) foram escolhidos traços como autoritário, relaxado e impulsivo.
(Garrido, Garcia-Marques, Jeróniomo & Ferreria, 2013)
Em suma
:

- Asch foi mais além do que simplesmente verificar como é que a teoria da gestalt influenciava o processo de formação de impressões.

- O processo de formação de impressões implica um processamentto bottom-up (orientado pelo estímulo) conjudado por um processo top-down para que o percipiente interprete os traços cognitivamente de modo mais alargado a fim de formar uma impressão.
-
Esquemas cognitivos
: conjunto de expetativas sobre os outros relativamente à forma como vários comportamentos estão associados entre si.
Se alguém é decidido e exuberante, o percepiente pode inferir que é também falador. No entanto, essa pessoa pode ser ou não. Essa inferência parte do nosso esquema relativamente ao que pensamos ser uma pessoa decidida e exuberante.


Percepiente faz inferências que, maioritariamente, ultrapassam a informação disponível, interpretando-a e completando-a.

(Garrido, Garcia-Marques, Jeróniomo & Ferreria, 2013); (Dourado, 2012); (Gleitman, Fridlund & Reisberg, 2011)
A presença de um traço faz com que sejam inferidos traços da mesma valência
, isto é:

- A existência de traços positivos sugere outros traços igualmente positivos.

- A existência de traços negativos sugere outros traços igualmente negativos.
Experiência de escalonamento multidimensional
(Rosenberg, Nelson e Vivekananthan)

- Organizar, em diferentes grupos, 64 traços de personalidade.

Resultados
:

- Traços percecionados como afins localizam-se próximos uns dos outros, assumindo-se que a pessoa que tem um traço provavelmente também terá o outro;

- Traços percecionados como opostos localizam-se longe uns dos outros, demonstrando a sua rara ocorrência simultânea num indivíduo;

- Assim traços como generosa e simpática estariam juntos, contrariamente a bondosa e impaciente.
(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira 2013)
Traços de personalidade organizam-se em duas dimensões:

-
Traços sociais/interpessoais
: feliz, sociável, sincero, popular, prestável, tolerante, caloroso,
versus
impopular, não sociável, austero, sem sentido de humor, vaidoso, infeliz, pessimista, frio.

-
Traços intelectuais
: científico, persistente, determinado, habilidoso, trabalhador, inteligente,
versus
tolo, frívolo, pouco inteligente, gastador, irresponsável, desajeitado.
(Garrido, Garcia-Marques, Jeróniomo & Ferreria, 2013)
Outro dos grandes contributos da TIP é a confirmação dos estudos de Asch relativamente aos traços centrais e periféricos.

- Traços "caloroso" e "frio" são bons representantes da dimensão social contrariamente a "educado" e "rude" e porque constituem a única fonte de informação da dimensão social no que se refere ao processo de formação de impressões.
(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira 2013)
(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira 2013)
No enquandramento da
gestalt
um traço assume um significado consoante os restantes traços onde está inserido.



Os modelos propostos por Anderson defendem o contrário, isto é, o significado dos traços mantém-se constante. Esta abordagem foca-se no modo como o percepiente combina os diversos traços para formar uma impressão única.


- Os modelos desenvolvidos foram:
- modelo de soma
- modelo de média

Exemplo prático:

Candidato A
: demagógico e autoritário (características muito indesejáveis)
Candidato B
: demagógico, autoritário (características muito indesejáveis) e paternalista (característica moderadamente indesejável)
(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira 2013)
- A formação de impressões tem sido influenciada pelo desenvolvimento da cognição social que explorou temas envolvidos nos processos cognitivos de perceção de estímulos.

- Desenvolvimento do
modelo de memória de pessoas
:

-
Perceção
: observação do comportamento e características dos indivíduos e informações descritas por outros (processamento bottom-up). A interpretação pode ir além da informação fornecida;
-
Codificação
: realizada através das estruturas cognitivas do percepiente e resulta em representações cognitivas da informação na memória;
-
Recuperação
: tendo por base as representações cognitivas o percepiente utiliza a informação que está armazenada.
Estudo de Hamilton, Katz e Leirer, 1980

- Foi dada, a dois grupos de participantes, uma lista de episódios comportamentais;

- Ao grupo A era solicitado que formassem uma impressão e ao grupo B que memorizassem os comportamentos para posteriormente realizarem um teste de memória;

Resultados:

- Grupo A recordou mais itens que o grupo B
- Analisando a ordem de recuparação do itens, no grupo A foram recuperados de forma agrupada consoante o mesmo domínio de personalidade, pressupondo que a informação foi organizada de forma diferente relativamente à apresentada na lista.
- Forte evidência dos processos de organização cognitiva adjacentes à formação de impressões que levam a associações que facilitam a recordação.
(Garrido, Garcia-Marques, Jerónimo & Ferreira 2013)
- Processo contínuo desde a formação de impressões a partir de conceitos já existentes (theory driven) até processos de integração peça a peça (data driven).


- Este modelo assume que os processos tendo por base categorias são prioritários aos processos tendo por
base os atributos.


- O modelo assume que as pessoas utizam diversas estratégias cognitivas para o processo de formação de impressões.

Quatro etapas do modelo do continuum
:



- Categorização inicial;

- Categorização confirmatória;

- Recategorização;

- Integração peça a peça.
(Bastos, 2006)
(Bastos, 2006)
Bastos, D. (2006).
Formação de impressões como condicionante no processo de seleção de pessoas
. Manuscrito não publicado, Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Porto.

Carvalho, M. (2012).
Formação de impressões, falsas memórias e efeito de primazia
. Manuscrito não publicado. Universidade de Lisboa Faculdade de Psicologia, Lisboa.

Dourado, A. (2012). A influência da formação de impressões no processo de seleção de pessoas. Manuscrito não publicado, Universidade Fernando Pessoa Faculdae de Ciências Humanas e Sociais, Porto.

Gleitman, H., Fridlund, A. & Reisberg, D. (2011).
Psicologia
(9 ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Pina, M. (2012).
Falsas memórias e formação de impressões: efeito de primazia
. Manuscrito não publicado, Universidade de Lisboa Faculdade de Psicologia, Lisboa.

Vala, J. & Monteiro, M. (2013). Formação de impressões e representações cognitivas de pessoas. In M. Garrido, L. Garcia-Marques, R. Jerónimo & M. Ferreira (Ed.), Psicologia Social (pp.43-98). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.






- Beatriz Raposo n. 137813006

- Joana Arsénio n. 137813501

- Maria Manuel de Sousa n. 137813011
Full transcript