Loading presentation...
Prezi is an interactive zooming presentation

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O seminarista

No description
by

Vitor Mourão

on 22 October 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O seminarista

EMINARISTA
O S
Bibliografia
Enredo
Personagens
Tempo
Espaço
Foco Narrativo
Estilo
Movimento literário
Conclusão
Bernardo Guimarães
Nasceu no dia 15 de agosto, na cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais, e foi um romancista e poeta brasileiro.
Outras produções importantes
O primeiro destaque literário de Guimarães foi o romance “O Ermitão de Muquém”, cujo enredo é contado em quatro pousadas por um companheiro de viagem. Outras duas de suas principais obras são “O Garimpeiro” e seu romance mais popular: “A Escrava Isaura”.
O ambiente em que Guimarães viveu (principalmente durante o período acadêmico) era marcadamente festivo, literário e boêmio.


Desta forma, pode-se relacionar isso com sua obra, que apresenta um caráter liberal, criticando o sistema do celibato religioso daquela época.

“O seminarista” não apresenta outros consideráveis nexos com a vida do autor, apesar de que o ambiente do romance ocorre em Minas Gerais, estado em que nasceu o autor.
Nexos entre vida e obra
Na fazenda do capitão Antunes e sua mulher (pais do personagem principal), surge um amor desde a infância entre o filho do capitão, Eugênio, e Margarida, filha de uma agregada à fazenda, Umbelina. Entretanto, Eugênio fora predestinado a seguir a carreira de padre, que culminaria por separar os dois jovens.





Assim, Eugênio vai para o seminário e é tomado por muita saudade. Por isso, ele escreve cartas de amor para Margarida. O diretor da instituição encontra os papéis e castiga Eugênio severamente. Posteriormente, os pais (que foram notificados do erro cometido pelo filho) e o diretor dizem ao garoto que Margarida casara-se com outro homem. Mas na verdade, Umbelina e sua filha foram expulsas da fazenda.





Ao completar seus estudos no seminário, Eugênio retorna à sua terra natal e encontra Margarida doente. Nesta ocasião, ele descobre que ela não se casou e concluem que se isto se tratou de um plano dos pais para afastá-los. No dia seguinte, Eugênio foi celebrar sua primeira missa e um velório em que, ao tirar o lenço do rosto do cadáver, descobre que se trata de Margarida. Enlouquecido por isso, o padre sai da Igreja desesperado.

O tempo predominante da obra é cronológico.




Há também a presença de um tempo psicológico
O que contribui para o desenrolar da obra.





O narrador retoma algumas memórias de Eugênio como um flashback para explicar alguns elementos da história.
A fazenda dos pais de Eugênio.
Situada no vilarejo no qual vivem também Margarida e sua mãe Umbelina, já que é nesse espaço que Eugênio passa momentos felizes de sua infância ao lado de sua amada
O seminário
Que se localiza em Congonhas do campo, esse espaço reflete o ar de seriedade e repreensão ao sentimento de liberdade e do amor, considerado a princípio inocente pelo próprio Eugênio
O foco narrativo do romance é em terceira pessoa.


O narrador é onisciente.


O autor não faz muitas alterações como comentários, ironias, entre outros.
A obra teve grande importância na literatura brasileira pois nela, o autor fez algumas críticas sociais, sendo as mais importantes dirigidas ao patriarcalismo da época, ao celibato clerical e o autoritarismo das famílias do século XIX, que impediam os jovens de seguir um caminho escolhido.

Ela também segue o romantismo brasileiro, em que o autor teve bastante influência por suas várias obras importantes como “A Escrava Isaura” e “O Garimpeiro”.
A obra foi totalmente influenciada pelo Romantismo
Verossimilhança
O sentimentalismo;

O subjetivismo.
Que predominava no Brasil durante o século XIX, são muitas as características do romantismo presentes no livro, dentre elas podemos destacar:
Romance regionalista ou rural.
Valorização da cultura nacional, através da apresentação dos costumes;

Comportamentos e geografia de determinadas regiões do Brasil.

Retrata também o cotidiano da vida nas fazendas do interior do Brasil.
Trechos
“Poucos meses depois da morte de Umbelina, chegou aos ouvidos de Margarida a notícia, de que Eugênio havia tomado ordens. Dai em diante a desgraçada moça não contou mais com a vida.”
“Mutirão! só esta palavra nos faz ressoar aos ouvidos os alegres rumores dos descantos e folguedos da roça, o estrépito dos sapateados da dança camponesa por entre a zoada dos adufes e violas, e nos transporta ao meio das rústicas e singelas cenas de prazer da vida do sertanejo...”
Faz uma crítica ao celibato religioso de uma sociedade apegada aos dogmas cristãos e ao comportamento familiar típico de uma sociedade patriarcal.

O autor censura tanto o autoritarismo e a hipocrisia dos pais, quanto dos padres. Há também uma forte crítica à educação típica dos seminários, que mais embrutecia os jovens do que formava homens sociais.
Os personagens da obra são esféricos, ou seja, são aprofundadas psicologicamente.
Personagens principais:
Eugênio
Margarida
Dona Umbelina
Pais de Eugênio
Padre diretor do seminário
Alunos: Gustavo Carvalho
Mauro Chaves
Pedro Candiotto
Pedro Elias
Pedro Netto
Vitor Mourão
CEFET-MG / Português - 1º Bimestre de 2014
Turma: QUI 2A
Full transcript