Prezi

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in the manual

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Fauna Cavernícola: revisão bibliografica dos metodos de coleta de vertebrados e invertebrados.

No description
by Aline Reis on 14 November 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Fauna Cavernícola: revisão bibliografica dos metodos de coleta de vertebrados e invertebrados.

Contatos:
Aline Reis: alineambiental@yahoo.com.br

Orientador:
Bruno Kraemer: bmkraemer@gmail.com

OBRIGADA Ao Centro Universitário de Belo Horizonte UNI-BH e ao curso de Ciências Biológicas pela oportunidade de desenvolver este trabalho. Ao meu mestre e orientador Bruno Kraemer pelo conhecimento transmitido e possibilidade de conclusão deste trabalho. TRAJANO, E. Ecologia de populações de morcegos cavernícolas em uma região carstica do sudeste do Brasil. Ver. Brás. de zool. SP. V.2 n5. 255-320. 1984. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbzool/v2n5/v2n5a01.pdf>. Acesso em : 06 set. 2012.

TRAJANO, Eleonora. Fauna cavernícola brasileira: composição e caracterização preliminar. Rev. Brás de zoologia, SP. V31. P 533-561.1987. Disponível em: <http://www. scielo.br/pdf/rbzool/v3n8/v3n8a04.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2012.

VANDEL, A. Biospeleology, The biology of cavernicolous animals. Pergamon Press, London. 1965.

VELOSO, H.P; RANGEL, F e LIMA, J.A. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. IBGE. 1991. 124f. Disponível em:<http://biblioteca.ibge.gov.br/ visualizacao/ monograf ias/GEBIS%20-%20RJ/classificacaovegetal.pdf>. Acesso: 19 ago 2012.

ZAMPAULO; R. A. Diversidade de invertebrados Cavernícolas na Região Cásrtica de Arcos, Pains e Doresópolis (MG): subsídios para a determinação de áreas prioritárias para conservação. 2010. 207 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Lavras. Lavras. 2010. SCHAUFF, M.E. Collecting and preserving insects and mites: techniques and tools. National Museum of Natural History. NHB-168. Washington, D.C. nº 1443. 68p. 1986.SENDRA, A. e REBOLEIRA, A.S.P.S. The world deepest subterranean community – Krubera-Voronja Cave (Western Caucasus). International Journal of Speleology, 41(2), 221-230. Tampa, FL (USA). Jul. 2012.
 
SILVEIRA, L. F.; OLMOS, F. Quantas espécies de aves existem no Brasil? Conceitos de espécie, conservação e o que falta descobrir. Ararajuba, Revista Brasileira de Ornitologia, v.15, p.289-96, 2007.
 
SKET, B. The nature of biodiversity in hypogean waters and how it is endangered. Biodiversity & Conservation, 8 (10): 1319 -1338. 1999.

SOUZA-SILVA, M. Dinâmica da disponibilidade de recursos alimentares em uma caverna calcária. Dissertação de Mestrado em Ecologia Conservação e Manejo da Vida Silvestre, ICB- UFMG 77pp. 2003.

SPATE, A. AND HAMILTON-SMITH, E. Cavers’ impacts - some theoretical and applied considerations. In: Australasian Cave and Karst Management”.Proceedings of the Ninth ACKMA Conference, Bell, P., (Ed). Margaret River, Western Australia. 1991. SCHAUFF, M.E. Collecting and preserving insects and mites: techniques and tools. National Museum of Natural History. NHB-168. Washington, D.C. nº 1443. 68p. 1986.SENDRA, A. e REBOLEIRA, A.S.P.S. The world deepest subterranean community – Krubera-Voronja Cave (Western Caucasus). International Journal of Speleology, 41(2), 221-230. Tampa, FL (USA). Jul. 2012.
 
SILVEIRA, L. F.; OLMOS, F. Quantas espécies de aves existem no Brasil? Conceitos de espécie, conservação e o que falta descobrir. Ararajuba, Revista Brasileira de Ornitologia, v.15, p.289-96, 2007.
 
SKET, B. The nature of biodiversity in hypogean waters and how it is endangered. Biodiversity & Conservation, 8 (10): 1319 -1338. 1999.


ROCHA, R. P. Sinopse da fauna cavernícola do Brasil. Papeis avulsos de zoologia. Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, 39 (6): 61-173. 1995.
 
ROCHA, R. P. A fauna das cavernas paranaenses da província espeleológica do Vale do Ribeira. Museu de zoologia , USP. 21 – 24. Disponível em:<http://www.cienciamao.if.usp.br/ dados/pdf/_afaunadascavernasparanae_1.arquivopdf.pdf>. Acesso em: 25.ago. 2012.
 
ROCHA, R. P. Invertebrados cavernícolas da porção meridional da província espeleológica do Vale do Ribeira, sul do Brasil. Rev. Bras. Zool. vol.10, n.2, pp. 229-255. 1993. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbzool/v10n2/v10n2a05.pdf>. Acesso em: 02 set. 2012. 
SENDRA, A. e REBOLEIRA, A.S.P.S. The world deepest subterranean community – Krubera-Voronja Cave (Western Caucasus). International Journal of Speleology, 41(2), 221-230. Tampa, FL (USA). Jul. 2012.
 

KOKEN, A.F.V.; SOARES,L.G.S.; TIMO, M.B. fauna de invertebrados em cavernas de Canga e Itabirito, na região de Igarapé, Minas Gerais, Brasil. Revista Espeleologia – Sociedade Excursionista & Espeleologica – SEE - Brasil n° 13. P.50. Jun. 2011.

LEIGH JUNIOR, E. G. Introduction: the significance of population fluctuations. In: LEIGH JUNIOR, E. G (Ed.). The ecology of a tropical forest. 2.ed. Washington, DC: Smithsonian Institution Press, 1996. p.435-40.

LEWIS, J.J. Aquatic ecosystems and management problems in the Mammoth cave area. In. R.C. Wilson and J.J. Lewis (Editors), Natonal Cave Management Symposia Proceedings, Carlsbad, New Mexico 1978 and Mammoth Cave, Kentucky 1980. Oregon City, Oregon: Pygmy Dwarf Press. Pp. 73-76. 1982.

LISOWSKI, E.A.& POULSON, T.L. Impacts of lock and Dam Six on baselevel ecosystem in Mammoth Cave. In: Poulson, T.L. (Editor), Cave Research Foudation 1979 Annual Report. Albuquerque, New Mexico: Adobe Press. p. 48-54. 1981.

MAGNUSSON, W. E. et al. Rapeld: Uma modificação do método de Gentry para inventários de biodiversidade em sítios para pesquisa ecológica de longa duração. Biota Neotrop, v.5, n.2, p.1-6, 2005.

MATTOX, G. M. T. et al. Surface and subterranean ichthyofauna in the Serra do Ramalho karst area, northeastern Brazil, with updated lists of Brazilian troglobitic and troglophilic fishes. Biota Neotropica, v.8, n.4, p.145-52, 2008.

NETTO, P. G e TRAJANO, E. Composição da fauna cavernícola brasileira, com uma analise preliminar da distribuição dos táxons. Ver. Brás. De zoologia 7. 3 p. 383-407. 1991. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbzool/v7n3/v7n3a17.pdf>. Acesso: 06 set. 2012.

  ELLIOTT, W. R. Conservation of the American cave and Karst biota. Pages 671-695 in Wilkens, D. C. Culver and Humphreys, editors. Subterranean ecosystems. Elsevier, Oxford, United Kingdom. 2000.

ESBÉRARD, C.E.L ; MOTTA, J.A e PERIGO, C. Morcegos cavernícolas da área de proteção ambienta (APA) Nascente do Rio Vermelho, Goiás. Ver. Brás. Zoociências. Juiz de Fora. P. 311-325. V.7 n.2. dez 2005. Disponível em: < http://www.editoraufjf.com.br /revista /index .php/zoociencias/article/viewFile/165/153>. Acesso em : 06 set. 2012.
 
FABIÁN,M. E. WITT. A, A. Hábitos alimentares e uso de abrigos por Chrotopterus auritus (Chiroptera, Phillostomidae). Mastozoologia neotropical, n17. P. 353-360, 2010. Disponível em < http://www.scielo.org.ar/pdf/mznt/v17n2/v17n2a09.pdf>. Acesso em: 22.set. 2012.

FERREIRA, R.L; PELLEGRINI,T.G; SILVA,M.S E SIMÕES,M,H. Diversidade de invertebrados cavernícolas do município de Vazante, noroeste do estado de Minas Gerais. 31° Congresso brasileiro de Espeleologia.Ponta Grossa-PR, 21-24 de julho de 2011 – Sociedade Brasileira de Espeleologia.
 
FERREIRA,R. L. LIRIA, C.C.S. SILVA, M.S. Taxocenoses aquáticas transitórias em duas cavernas calcárias no município de Pains, oeste de Minas Gerais. 31° Congresso brasileiro de Espeleologia. Ponta Grossa-PR, 21-24 de julho de 2011 – Sociedade Brasileira de Espeleologia

FERREIRA R. L. A vida subterrânea nos campos ferruginosos. Revista O Carste, V.3, n.17, p106-115, 2005.
 
FERREIRA, R.L. A medida da complexidade biológica e suas aplicações na Conservação e Manejo de sistemas subterrâneos.. 161 f. Tese (Doutorado em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre) Universidade Federal de Minas Gerais. 2004
 
FERREIRA, R.L. & HORTA, L.C.S. Impacts on Invertebrate Communities in Brazilian Caves. Revista Brasileira de Biologia, 1(61): 7-17.2001.
 

 
  CULVER, C. D e SCHNEIDER, K. Estimating subterranean species richness using intensive sampling and rarefaction curves in a high density cave region in West Virginia. Journal of Cave and Karst Studies, v. 66, no. 2, p. 39-45. 2004. Disponível em:< https:// secure. caves.org/ pub/journal/PDF/V66/v66n2-Schneider.pdf>. Acesso em: 26 ago.2012.

CULVER, D.C, PIPAN.T e SIMON.S.K. A conceptual model of the flow and distribution of organic carbon in caves. Journal of Cave and Karst Studies, v. 69, no. 2, p. 279–284. Disponível em: < http://www.caves.org/pub/journal/JCKS/PDF/v69/cave-69-02-279.pdf>. Acesso: 02 ago.2012.
 
CULVER , D.C. e PIPAN, T. The biology caves and other subterranean habitats. Oxford University Press Inc. New York. P. 15. 2009.
 
CULVER, D.C. Cave Life. Evolution and Ecology. Harvard University Press. Cambridge, Massachussets and London, England. 189 pp. 1982.

DANTAS,M.A.T et al, Levantamento da fauna de invertebrados cavernícolas na toca da Raposa, Simão Dias, Sergipe, Brasil – Resultados preliminares. 30° Congresso Brasileiro de Espeleologia. 2009. Montes Claros. MG.

DANTAS,M.A.T,SANTANA,M.E.V e SOUTO,L.S. Diversidade de invertebrados cavernícolas na Toca da Raposa (Simão Dias – Sergipe) : o papel do recurso alimentar e métodos de amostragem. 2010. Scientia Plena. V.6, n12.
 
DESSEN, E. M. B., ESTON, V. R., SILVA, M. S., TEMPERINI-BECK, M. T. & TRAJANO, E. Levantamento preliminar da fauna de cavernas de algumas regiões do Brasil. Ciência e Cultura, 32(6): 714-725. 1980.


BATALHA, M. A; BICHUETTE, M.E. e TRAJANO, E. Estudos ambientais em cavernas: os problemas da coleta, da identificação, da inclusão e dos índices. Espeleo-Tema. V. 23, n.1. SP. 2012. Disponível em:< http://www.sbe.com.br/espeleo-tema/espeleo-tema_v23_n1_013-022.pdf>. Acesso em: 25 ago.2012.

BEISIEGEL, B.M. et al. Para que serve os inventários de fauna?. Rev. Estudos Avançados [online]. 2010, vol.24, n.68, pp. 173-207. Disponível em: http://www .scielo.br/pdf/ea/v24n68/15.pdf. Acesso: 12 out. 2012. estudos avançados 24 (68), 2010

BERNARDI; L.F.O, FERREIRA,R.L e SILVA; M. S. Caracterização Sistêmica da Gruta da Lavoura (Matozinhos, MG): Aspectos topoclimáticos, tróficos e Biológicos. 28° Congresso brasileiro de Espeleologia. 2005. SP.
 
BERNARDI, L.F.O. et al Fauna subterrânea do estado do Rio Grande do Norte; caracterização e impactos. Revista brasileira de espeleologia , v.1, n° 1, 2010.

BORDIGNON, M. O. Diversidade de morcegos (mammalia, Chiroptera) do complexo Aporé-Sucuriú, Mato Grosso do Sul, Brasil. Ver Brasileira de zoologia, n 23. P 1002-1009, 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbzool/v23n4/04.pdf>. Acesso: 22. Set. 2012.
 
BREDT, A. MAGALHÃES, E.D e UIEDA, W. Morcegos cavernícolas da região do Distrito federal centro-oeste do Brasil (Mammalia, Chiroptera). Ver. Brás. zool. V. 16 n3. 731-770. 1999. Disponível em:<http://www.cienciamao.if.usp.br/dados/pdf/_ morcegos cavernico lasdare.arquivopdf.pdf>. Acesso em: 06 Set. 2012.
 
BUENO, G.B.F. et al. Ictiofauna hipógea de uma área castiça na lagoa da confusão, TO. 31° Congrasse Brasileiro de espeleologia. 21-24. 2011. Disponível em:< http://www.sbe.com.br/anais31cbe/31cbe_473-476.pdf>. Acesso em: 06 Set. 2012.

  Para que haja exploração sem riscos de perdas biológicas permanentes devem-se desenvolver maiores estudos a respeito do tema e exigir que a este, seja dado o devido valor. CONCLUSÃO A legislação brasileira referente aos ambientes cavernícolas ainda é falha e vem sofrendo alterações que em grande parte das vezes privilegia os setores que buscam explorar estes ambientes, sem se importar com a supressão das cavidades. CONCLUSÃO Devemos valorizar os espeleólogos brasileiros, que ao longo principalmente das ultimas décadas, vem se dedicando a fim de possibilitar a preservação e o manejo adequado destes ambientes tão frágeis, intrigantes e magníficos que são os cavernícolas. CONCLUSÃO Em casos característicos onde for necessária uma variação na utilização da metodologia, esta deve ser descrita detalhadamente e especificados os motivos que impediram o uso da metodologia padrão. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Amostras simultâneas.

Custo. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Apesar de cobrirem um universo mais restrito de espécies quando comparadas à procura ativa, amostrando especialmente os animais com hábitos terrestres e/ou fossoriais; as armadilhas de queda são responsáveis por registros que dificilmente ocorrem por busca ativa. Atualmente a técnica mais utilizada é a coleta ativa, mas como é sabido, todo método de coleta é seletivo e a melhor alternativa para não tendência os dados obtidos é a utilização de mais de uma metodologias concomitantemente. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Faz-se necessário maiores estudos relacionados à coleta de dados bioespeleológicos tanto quando usados para fins científicos e principalmente quando embasam estudos de relevância para licenciamentos ambientais. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Método de analise de vestígio (2 autores).

NETTO, P. G e TRAJANO, E. (1991)
FABIÁN, M. E. WITT. A, A. (2010). RESULTADOS NETTO, P. G e TRAJANO, E. (1991)
FERREIRA,R. L. LIRIA, C.C.S. SILVA, M.S. (2011) Fonte:http://www. umaipesca.com.br/produto?id=3110 RESULTADOS Figura 7 - covo narciso de plástico transparente. TRAJANO, E (1984),
NETTO, P. G e TRAJANO, E. (1991),
BREDT, A. MAGALHÃES, E.D e UIEDA (1999),
ESBÉRARD, C.E.L ; MOTTA, J.A e PERIGO, C (2005),
BORDIGNON, M. O (2006),
CARDOSO, A. e SBRAGIA, I. A (2008). JORDÃO,F.S (2003)
KNOECHELMAN, C.M. (2004)
CULVER, C. D e SCHNEIDER, (2004)
SENDRA, A. e REBOLEIRA, A.S.P.S. (2012).
DANTAS,M .A. T,SANTANA,M.E.V e SOUTO,L.S. (2010), Fonte: SCHAUFF, M.E RESULTADOS Figura 5 - Armadilha de queda tipo pitfall convencional. Método de coleta passiva (armadilhagem);
Pitfall, (5 autores).
Rede de neblina (6 autores).
Covos e Rede de malha (cavernícolas aquáticos). (2 autores). RESULTADOS  
TRAJANO, E (1984)
BREDT, A. MAGALHÃES, E.D e UIEDA (1999),
BORDIGNON, M. O (2006),
CARDOSO, A. e SBRAGIA, I. A (2008). Fonte: BARLOW, K RESULTADOS Figura 4 - A: Rede de Puçá (AERIAL NET) com haste retráctil. B: detalhe da boca. BUENO, G.B.F. et al. (2011)
AlVES, V. R. (2007)
AKAMA, A. MORAIS, F e PAULA, M.J. (2012)
FERREIRA,R. L. LIRIA, C.C.S. SILVA, M.S (2011) Fonte: HUNT, M. & MILLAR, I RESULTADOS Figura 3 - A: busca ativa de peixes em lago subterrâneo. B: captura de peixe com rede do tipo puçá passágua. ROCHA, R.P. (1993),
FERREIRA, R. L e MARTINS, R. P. (1999),
PROUS, X. (2005),
PELLEGRINI, T. G. (2011). RESULTADOS Figura 2 – Metodologia de quadrante










Foto: Bruno Kraemer DANTAS, M. A.T et al, (2009),
BERNARDI, L. F. O. et al (2010),
ZAMPAULO, R. A. (2010),
DANTAS, M. A. T; SANTANA, M. E. V e SOUTO,L. S. (2010),
CORTES, J. P. S. et al.(2011),
PELLEGRINI, T. G. (2011),
ÁZARA, L.N e FERREIRA; R. L. (2011),
SENDRA, A. e REBOLEIRA, A. S. P. S. (2012). TRAJANO, E. (1987),
NETTO, P. G e TRAJANO, E. (1991),
ROCHA, R.P. (1993),
FERREIRA,R.L e MARTINS,R.P. (1999),
JORDÃO, F. S. (2003),
FERREIRA, R.L (2004),
CULVER, C. D e SCHNEIDER, (2004),
BERNARDI, L. F.O, FERREIRA,R.L e SILVA; M. S. (2005),
FERREIRA, R. L. (2005) AlVES, V. R. (2007), Figura 1 - A. Busca ativa a distância por incidência luminosa. B. Busca ativa por aproximação para coleta e identificação de troglóbios. Foto: Rodrigo Mourão. RESULTADOS Método de coleta ativa;
Busca ativa em substratos, (17 autores).
Método de quadrante, (4 autores).
Puçá e peneira (cavernícolas aquáticos), (4 autores).
Puçá (cavernícolas voadores), (4 autores). RESULTADOS Os principais métodos empregados em amostragens podem ser divididos em dois grandes grupos:

Procura ativa

Amostragem passiva RESULTADOS A amostragem adequada da troglofauna depende da aplicação simultânea de métodos complementares entre si, no intuito de cobrir adequadamente a grande diversidade de hábitos das espécies envolvidas. RESULTADOS MATERIAL E MÉTODOS Dentre os mais de 70 artigos consultados, foram selecionados 40 diretamente relacionados ao tema e citado na pesquisa realizada. A metodologia de pesquisa se valeu ainda de levantamento bibliográfico e comunicação pessoal com pesquisadores da área, a fim de se obter informações atuais ainda não descritas em documentos publicados. MATERIAL E MÉTODOS Realizar uma revisão bibliográfica das metodologias mais utilizadas nos levantamentos faunísticos em cavernas e embasar futuras pesquisar que busquem a padronização das mesmas. Nota-se a necessidade de acoplar as informações sobre metodologias de coleta em cavernas de modo que facilite a visualização de como as mesmas vem sendo empregadas e que possibilite estudos posteriores da validade dos dados obtidos por estas metodologias Infelizmente as informações geradas em muitas destes estudos são obtidas a partir de metodologias pouco eficientes e não padronizadas, fato que pode subestimar a riqueza e diversidade dos cavernícolas (FERREIRA, 2005). Estudos sobre a fauna cavernícola brasileira (1980).
Estudos zoológicos, e simples levantamentos faunísticos.
Poucos estudos de Ecologia. Deste modo, os organismos que vivem no meio hipógeo devem apresentar adaptações morfológicas, fisiológicas e comportamentais, geralmente ligadas às limitações físicas e à escassa disponibilidade alimentos (CULVER, 1982). A pequena disponibilidade de recursos nas cavernas é um fator limitante ao estabelecimento de inúmeras espécies nos ecossistemas subterrâneos (CULVER, 1982). Além disso, animais que habitualmente utilizam as cavernas como abrigos ou penetram acidentalmente e morrem nestes ambientes, podem ter seus cadáveres utilizados como recursos alimentares por outros organismos (FERREIRA, 2005). Fluxo de energia:
Pouca produção primaria (SKET, 1999).
Transporte de material alóctone. (GILBERT et al, 1994). Características peculiares (CULVER, 1982; SOUZA-SILVA, 2003).

Ambientes ideais para pesquisa (DANTAS, 2010). PELLEGRINI,T.G. Variações na diversidade de invertebrados na lapa Nova, Vazante, Minas Gerais: implicações para o plano de manejo da cavidade. 2011.

PIACENTINI, V. Q. et al. A coleta de aves e a sua preservação em coleções científicas. In: MATTER, S. von et al. (Org.) Ornitologia e conservação: ciência aplicada, técnicas de levantamento e pesquisa de campo. São Paulo: Technical Books.(No prelo).

PROUS, X. Entrada de cavernas: interfaces de biodiversidade entre ambientes externos e subterrâneos. Distribuição dos artrópodes da lapa do mosquito, Minas gerais. 2005.

REBOLEIRA, A. S. P. S. Coleópteros (Insecta, Coleoptera) cavernícolas do Maciço Calcário Estremenho: uma abordagem à sua biodiversidade. Dissertação de Mestrado. Universidade de Aveiro, Lisboa, Portugal. 74p. 2007.

REMSEN, J. V. The importance of continued collecting of bird specimens to ornithology and bird conservation. Bird Conservation International, v.5, p.145-80, 1995.
RIBEIRO, O.M e ZUANON, J. Comparação da eficiência de dois métodos de coleta de peixes em igarapés de terra firme da Amazônia central. Acta Amazonica. V36. 389-394. 2006. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/aa/v36n3/v36n3a17.pdf>. Acesso em: 14 set. 2012.

RICKLEFS RE, SCHLUTER DS. 1993. Species Diversity in Ecological Communities: Historical and Geographical Perspectives. Chicago: University of Chicago Press. apud DEHARVENG,L E GIBERT, J. Subterranean Ecosystems: A truncates Functional biodiversity. Jun 2002 . Vol. 52 N°. 6 , BioScience 473-483
 
ROCHA, R. P. Sinopse da fauna cavernícola do Brasil. Papeis avulsos de zoologia. Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, 39 (6): 61-173. 1995. CAMARA DOS DEPULTADOS. Atividade legislativa. Legislação Informatizada - Decreto nº 6.640, de 7 de Novembro de 2008 - Publicação Original. Disponível em: <http://www2.camara.gov.br/ legin/fed/decret/2008/decreto-6640-7-novembro-2008-583389-publicacaooriginal-106227-pe.html>. Acesso: 23 ago. 2012.

CARDOSO, A. e SBRAGIA, I. A. Quirópterofauna (Mammalia:Chiroptera) cavernícola da Chapada Diamantina, Bahia, Brasil. Chiroptera neotropical n 14, jul. 2008. Disponível em: <http://chiroptera.unb.br/index.php/cn/article/view/107>. Acesso em: 22 set. 2012.

CECHIN, Z.S e MARTINS, M. Eficiência de armadilhas de queda (Pitfall traps) em amostragens de anfíbios e répteis no Brasil. Ver. Brás. Zool729-740. 2000. Disponível em: <http://www. scielo.br/pdf/rbzool/v17n3/v17n3a17.pdf>. Acesso em : 25 ago. 2012.

CIGNA., A.A. Monitoring of caves. Acta carsologica, 31 (1): 175-177. 2002.

CORN, P. S. Straight-line drift fences and pitfall traps. In: HEYER, W. R. et al. (Ed.) Measuring and monitoring biological diversity. standard methods for amphibians. Washington, DC: Smithsonian Institution Press, 1994. p.109-17.

CORTES, J.P.S. et al. Caracterização biológica da gruta do Bambu, Município de Vazante, MG. 31° Congresso brasileiro de espeleologia. Jul. 2011. Disponível em:http://www.sbe. com.br/anais31cbe/31cbe_477-484.pdf>. Acesso em: 25 ago.2012.

CRUMP JR., M. L. E N. J. Visual encounter surveys. HEYER, W. R. et al. (Ed.). Measuring and monitoring biological diversity. Standard methods for amphibians. Washington, DC: Smithsonian Institution Press, 1994. p.84-92. AKAMA, A. MORAIS, F e PAULA, M.j. Ictiofauna epígea e hipógea da área cárstica de Pindorama do Tocantins – TO. Espeleo-Tema. V. 23, n.1. 2012

ALEIXO, A. Conceitos de espécie e o eterno conflito entre continuidade e operacionalidade: uma proposta de normatização de critérios para o reconhecimento de espécies pelo Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. Ararajuba, Revista Brasileira de Ornitologia, v.15, p.297-310, 2007.
 
ALENCAR, R.B. Criadouros naturais de flebotomídeos (Diptera, Psychodidae) em floresta de terra-firme na Vila Pitinga, Estado do Amazonas. Dissertação de Mestrado. INPA/UFAM, Manaus, 94pp. 2003.
 
ALVES, V. R. Artrópodes cavernícolas com ênfase em Frebotomíneos (Diptera: Psychodidade) do município de Presidente Figueiredo, Amazonas, Brasil. Manaus. 2007.

ÁZARA; L.N e FERREIRA; R.L. Uma nova espécie troglóbia do gênero Giupponia (Opiliones, Laniatores, Gonyleptidae) para cavernas da Bahia, Brasil. 31° Congresso brasileiro de espeleologia. Jul.2011. Disponível em: <http://www.sbe.com.br/anais31cbe/ 31cbe_427-430.pdf>. Acesso em : 25. Ago. 2012.

BARLOW, K. Expedition Field Techniques – Bats. Royal Geographic Society with IBG. London, United Kingdom. 69 p. 1999. São válidos todos os esforços empenhados em se conhecer melhor a fauna cavernícola, mas é necessário ressaltar que deve haver uma padronização das metodologias para que haja maior confiabilidade nos resultados obtidos. CONCLUSÃO É sabido que cada cavidade tem suas peculiaridades, mais a busca por padronização se torna necessária no sentido de dar confiabilidade aos dados e possibilitar a comparação e replica dos mesmos. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Entre as armadilhas mais utilizadas para amostragem da fauna, estão as de interceptação (6 autores)e de queda (5 autores). 46% 16% 38% Fonte: BARLOW, K RESULTADOS Figura 6 - A: Ilustração de rede de neblina (mist nest) montada. B: rede montada em entrada de caverna para captura de quirópteros 14% 14% 14% 58% Para o desenvolvimento deste trabalho foram realizadas consultas em livros, artigos científicos, sites de busca acadêmica como: Google acadêmico e scielo, além da assessoria de profissionais ligados a espeleologia. FERREIRA, R.L e MARTINS, R.P. Trophic struture and netural history of bat guano invertebrate communities, with special reference to Brasilian caves. Tropical Zoology. P.231-252. 1999.

FERREIRA, R.L. & MARTINS, R.P. Diversity and distribution of spiders associated with bat guano piles in Morrinho cave (Bahia State, Brazil). Diversity and Distributions, 4:235-241. 1998.]

GAMA, M.M. Contribuição para o conhecimento da bioespeleologia em Portugal. Algar, Boletim da Sociedade Portuguesa de Espeleologia, Lisboa, 2:p. 51-56. 1988.
 
GILBERT, J., DANIELPOL, D. L. & STANFORD, J. A. Groundwater Ecology. Academic Press Limited, San Diego, California. 571 pp. 1994. 

HUNT, M. & MILLAR, I. Cave invertebratecollecting guide. Wellington, New Zealand. Departament of Conservation Technical Series. vol. 1. 29p. 2001.

JORDÃO,F.S. Levantamento da fauna de invertebrados da Gruta dos Ecos (GO) durante a estação chuvosa: dados preliminares para elaboração do plano de manejo espeleologico. 2003. 27° Congresso brasileiro de espeleologia.

KNOECHELMAN; C.M et al. Descrição da fauna cavernícula de vertebrados e invertebrados da gruta do Contage, região da FERCAL, Sobradinho, DF. 2004. Disponível em :< http://www .seb-ecologia.org.br/viiceb/resumos/324a.pdf> . Acesso em: 25 ago. 2012. Cavernas
Decreto 6.640/08.
(CULVER, 2009). Fonte: HUNT, M. & MILLAR, I RESULTADOS Figura 3 - A: busca ativa de peixes em lago subterrâneo. B: captura de peixe com rede do tipo puçá passágua.
See the full transcript